Seu gato morde ou arranha ao ser acariciado?

Vamos desmitificar esta dúvida que afeta a maioria dos tutores ou admiradores de felinos domésticos, os gatos.

Gatos são semi sociais, isto significa que os gatos interagem socialmente de modo bem diferente do nosso, não apreciam interações físicas (exemplo clássico carinho na barriga que é uma parte vulnerável) e restritivas (por exemplo, colo por muito tempo). Portanto, evite carinho em excesso.

*Existem algumas exceções de gatos que gostam e permitem carinho demonstrando contentamento em sua expressão corporal (sem sinais de agressividade), nestas exceções não há problema.

No geral, o que determina o quanto o gato aprecia carinho vai depender do seu temperamento que é influenciado pela genética e primeiras experiências de vida (mais apropriadamente falando entre suas primeiras 8 semanas de vida onde o filhote já recebe os primeiros estímulos de sociabilização da mãe e as interações com os irmãos de ninhada).

Exemplos típicos: Um gato, que em algum momento da vida teve experiências traumáticas com humanos ou não até mesmo não teve contato com humano em sua infância, há grandes possibilidades do mesmo ser intolerante a carinhos interrompendo com mordidas e arranhões. Outro exemplo é a separação precoce da mãe e ninhada (antes das primeiras 8 semanas), neste caso o gato pode até ser bem socializado com humanos, porém, como foi tirado precocemente da mãe e irmãos não aprendeu os limites das mordidas e inibição, e este pode vir a reagir com excesso de empolgação seguido de agressividade e fugir nos momentos de carinho.

*Acompanhe a página, no próximo artigo citarei algumas formas de redirecionar este comportamento.

Texto: Fernanda Nogueira – Técnica em veterinária comportamento de felinos domésticos e CatSitter.

Fontes de pesquisa:
GALAXY, J & DELGADO, M. O Encantador de gatos.

About the author

Técnica em Veterinária

Sou formada no curso Técnico em Veterinária na instituição Polígono de ensino, Pet Sitter e me especializei em comportamento de felinos domésticos, onde atuo como consultora comportamental de felinos domésticos(gatos). Justamente por ainda ser uma espécie que carrega um certo preconceito pela falta de conhecimento da maioria das pessoas sobre a espécie, necessidades naturais e manejo adequado.

Fernanda Nogueira

Sou formada no curso Técnico em Veterinária na instituição Polígono de ensino, Pet Sitter e me especializei em comportamento de felinos domésticos, onde atuo como consultora comportamental de felinos domésticos(gatos). Justamente por ainda ser uma espécie que carrega um certo preconceito pela falta de conhecimento da maioria das pessoas sobre a espécie, necessidades naturais e manejo adequado.

Faço seu comentário

%d blogueiros gostam disto: