As outras Anne Frank

Chamadas assim por terem passado por terríveis momentos durante a Segunda Guerra Mundial, as “outras Anne Frank” foram capazes de nos mostrar um pedacinho de suas vidas em poucas palavras.

Além de Anne Frank, outras três garotas deixaram diários com relatos e denúncias de como era a vida dentro de um mundo em guerra.

Rutka Laskier
Imagem do Google

Uma delas é a adolescente Rutka Laskier, que contou a sua triste história de vida de forma secreta, pois pegou seu caderno escolar para preencher as páginas em branco em segredo, durante os longos meses em que precisou viver mudando de casa e se escondendo dos nazistas.

Quando foi levada para Auschwitz, pediu para que uma amiga, Stanisława Sapińska, guardasse seu livro.

Foi apenas em 2005, 63 anos depois, que Stanisława contou ao mundo sobre o diário de sua amiga.

A BBC também fez um documentário chamado The Secret Diary of the Holocaust, em 2009.

Renia Spiegel
Imagem do Google

A tentativa de desabafo da jovem Renia Spiegel mostrou ao mundo que mesmo sendo perseguida, nunca parou de acreditar que tudo daria certo no final.

Separadas de seus pais, Renia e sua irmã Ariana foram morar com os avós. Em seu diário, Spiegel conta como era sua vida junto com os pais, sobre como sua vida mudou após a invasão nazista, seus medos, seu relacionamento com o jovem Zygmunt Schwarzer e alguns poemas.

Logo precisou se mudar para a casa de seus sogros mas a mudança não duraria muito tempo pois Renia e seus sogros acabaram sendo executados na frente de casa.

Logo após o ataque, seu namorado pegou seu livro e anotou os últimos momentos da garota.

Sua família conseguiu sobreviver e guardou o diário durante muitos anos.

Eva Heyman
Imagem do Google

Com apenas 13 anos, Eva Heyman conseguiu descrever com grandes detalhes como a guerra foi ficando cada vez mais restritiva, com leis severas, antijudaicas e confisco de propriedades.

Em seus relatos é possível descobrir como seus direitos e liberdades foram cada vez ficando menores e seus medos, maiores.

Depois da morte de seu melhor amigo, Heyman começou a perceber que sua morte era inevitável. E assim aconteceu, morreu junto com seus avós dentro de um campo de concentração.

Após a publicação do livro, muitos chamaram de enciclopédia do Holocausto. Pouco tempo depois disso, a mãe de Eva ficou extremamente abalada e cometeu suicídio.

Além disso, foram feitas algumas publicações no Instagram feito para a garota.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.