Mulheres Revolucionárias: Cristina da Suécia parte II

Caso tenha perdido a primeira parte desta história, clique aqui.

Embora Cristina odiasse que a rotulassem com qualquer assunto feminino, todos esperavam que ela se casasse para que o país tivesse um rei governante e logo produzissem herdeiros para o trono. Logo em 1630, os planos de casamento já estavam sendo feitos, mesmo que ela ainda tivesse 4 anos de idade.

A ideia era que ela se casasse com seu primo Frederico Guilherme, com 11 anos na época, mas pouco tempo depois perceberam que o acordo não iria funcionar e logo foram em busca de um novo pretendente mas o mesmo problema aconteceu com o novo futuro marido, o filho do rei Cristiano IV da Dinamarca, Ulrich, 15 anos mais velho que a garota.

O grande problema que ninguém queria aceitar era que a futura rainha não queria dividir seus direitos reais com ninguém.

Imagem do Google

Alguns anos mais tarde uma nova chance estava acontecendo, aos olhos dos conselheiros reais. Um novo romance estava acontecendo, e dessa vez foi completamente pelo acaso. Cristina havia se apaixonado por seu outro primo, Carlos Gustavo, filho do Conde Paladino, com quem havia sido amiga desde a infância.

Mas logo perceberam que para ela, era mais uma aventura romântica do que um relacionamento sério. A rainha adorava encontros escondidos, cartas e declarações de amor mas sempre tomava o devido cuidado para não se comprometer demais com ninguém.

Quando fez 18 anos e o Conselho de Regência foi dissolvido sem nenhum casamento próximo a acontecer. Foi só 5 anos mais tarde que a rainha resolveu tornar Carlos Gustavo o seu herdeiro oficial, fez um discurso onde afirmava que nunca iria se casar pois sua personalidade não servia para aquilo, mesmo que já tivesse rezado inúmeras vezes para que conseguisse.

E assim se fez, ao longo dos anos a rainha nunca se casou mas de tempos em tempos tinha casos amorosos que causavam escândalos.

Em 1665, começou a se aventurar com o Coronel da Guarda da Rainha e Embaixador Extraordinário na França. Cristina até ajudou a pagar dívidas de seu amante real até o fim do relacionamento entre os dois, onde já havia engatado outro interesse romântico com uma de suas serventes, conhecida como Belle. Essa aventura se tornou altamente polêmica, principalmente com pessoas mais conservadoras como o embaixador inglês Bulstrode WhiteLocke, quando Cristina disse em uma conversa que Belle era tão bela por fora quanto por dentro.

Mesmo depois de abdicar sua coroa, anos mais tarde, para seu primo, continuou com sua vida cheia de aventuras até morrer, fazendo muitos amigos e inimigos ao longo dos anos.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.