Mulheres Revolucionárias: Zacimba Gaba

Zacimba Gaba, a princesa de Angola. A guerreira no Brasil.

No ano de 1690 seu povo foi dizimado por uma invasão portuguesa. Todos os sobreviventes viraram escravos quando chegaram no Brasil. O que ninguém sabia é que entre eles estava Zacimba.

Mulheres Revolucionárias: Zacimba Gaba
Imagem do Google

Ela foi vendida junto com alguns de seus antigos súditos para um fazendeiro e ele não fazia ideia do status da princesa, mas logo percebeu que os outros escravos a tratavam de forma diferente.

Após a descoberta, a princesa foi proibida de sair da Casa Grande e submetida a agressões físicas, psicológicas e sexuais.

A princesa não se deu por vencida e decidiu que envenenaria o seu senhor. Teve a ideia de usar o pó de amassar sinhô, um veneno extraído de cobra.

Precisava tomar muito cuidado para não envenenar nenhum de seu povo pois toda comida que era servida para o fazendeiro, os escravos precisavam experimentar antes. Por isso não podia ser descoberta e como resultado, o envenenamento levou alguns anos, mas sua vingança finalmente havia chegado.

Após a morte de todos os torturadores da fazenda, buscou todos os outros escravos e fugiu. Logo fundou seu próprio quilombo, para proteger todos os escravos que conseguissem fugir e precisassem de abrigo. Aos poucos o quilombo virou ponto de referência para aqueles que precisavam de ajuda.

Passou o resto de sua vida ajudando a salvar vidas e destruindo navios negreiros e ajudando escravos.

Gostou de “Mulheres Revolucionárias: Zacimba Gaba”?

Mulheres Revolucionárias: Zacimba Gaba

Então, aproveite e assine a newsletter! Ah, leia mais sobre o que acontece na coluna do História e Luta toda semana no Grande ABC.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.