5 cuidados que você precisa ter com o seu pet durante o isolamento social

Veterinária traz orientações essenciais para enfrentar esse período, confira os 5 cuidados que você precisa ter

O isolamento social, provocado pela pandemia de covid-19, ainda não terminou. Apesar das regras de flexibilização terem avançado permitindo uma maior circulação de pessoas, o vírus segue ativo e uma segunda onda de contaminação não está descartada no Brasil.

Sendo assim, é preciso redobrar os cuidados, evitando aglomerações, utilizando máscara e álcool gel e, ainda, saindo de casa apenas quando necessário. Sabemos, no entanto, que adotar certos hábitos não tem sido fácil. Principalmente para os nossos pets, que ganharam companhia constante em casa e viram os passeios ficarem restritos nos últimos meses.

Pensando nisto, a médica veterinária Natasha Jeronimo, da VetLar, marca que realiza atendimentos em domicílio no ABC Paulista, listou cinco dicas de cuidados com os animais durante este período. Confira:

Combate ao estresse

A mudança de rotina pode, sim, estressar os pets. Por isso, devemos nos atentar aos sinais que eles estão dando, como por exemplo: excesso de lambedura nas patas, automutilação, excesso de latidos ou ruivos e coprofagia (ingestão de fezes). Essas ações ocorrem, principalmente, em situações de estresse e ansiedade nos animais de estimação e podem surgir neste momento que estamos vivenciando. Para amenizar o quadro, a dica é mantê-los entretidos com brinquedos apropriados, realizar atividades para gastar energia e dedicar pelo menos alguns minutos do dia para um carinho.

5 cuidados que você precisa ter: Alimentação saudável

Cuidar da alimentação do seu pet é fundamental. No caso de cães e gatos, é importante oferecer uma ração que seja rica em proteínas, fibras, vitaminas e minerais. Evite o excesso de petiscos, que podem ocasionar ganho de peso ao animal. Lembre-se que os passeios estão mais restritos, diminuindo a queima de calorias.

Ao comprar uma ração, verifique também qual é a mais adequada para o porte do pet e, de maneira alguma, ofereça doces e outras comidas ao animal. Nessa época do ano é muito comum um aumento na ocorrência de gastroenterites e pancreatites, devido a ingestão de alimentos inadequados. É necessário estar em alerta para sinais como: vômitos, diarreia e perda do apetite, buscando um atendimento veterinário. 

Exercícios frequentes

Os protocolos de segurança permitem que você saia para passear com o pet, no entanto, é importante que isto seja feito de maneira rápida e seguindo as recomendações das autoridades. Portanto, realize algumas atividades com o animal para gastar energia, mesmo que dentro de casa, utilizando bolinhas, discos e mordedores, compensando o passeio mais curto.

5 cuidados que você precisa ter: Higiene após passeios

Ao retornar de um passeio em ruas ou parques, lembre-se que o seu mascote também precisa de uma higienização para entrar no ambiente residencial. Por isso, é muito importante que isto seja realizado apenas com produtos específicos para pets. Existem no mercado diversas opções como lenços umedecidos e sprays de limpeza, com formulações adequadas aos animais, evitando queimaduras, possíveis alergias e intoxicações.

Saúde em dia

Mesmo em tempos de pandemia, o seu pet precisa de acompanhamento veterinário, assim como banho e tosa. Além disso, não se esqueça de analisar o peso e verificar se as vacinas estão em dia. Em caso de emergências, não deixe de procurar atendimento.

Sobre a Vetlar 

O modelo de negócio da Vetlar nasceu durante a pandemia no Grande ABC, para atender os pets em domicílio, oferecendo serviços de consultas, vacinas, exames laboratoriais, diagnóstico por imagem e fisioterapia, com toda a facilidade, comodidade e conforto, proporcionando uma experiência ímpar. É um serviço inovador, que oferece segurança aos idosos, gestantes, mães de crianças pequenas e quem está trabalhando em home office (cerca de 9 milhões de brasileiros). Em crescimento, a iniciativa conta com uma equipe de veterinários e atua, até o momento, na região do grande ABCDM.

Atividade física com seu pet reduz doenças cardíacas

Uma pesquisa da Associação Americana do Coração constatou que ter um animal de estimação e uma rotina de exercícios com o pet, em especial cães, promove a redução do risco de doenças cardíacas. Isso porque a prática de exercícios regulares estimula nos animais a aceleração do metabolismo, melhora da respiração e colabora para a digestão dos alimentos.

Segundo Karen Neves, especialista em pets e proprietária do Pet Shop Online Zen Animal, as atividades frequentes ajudam o animalzinho a diminuir o estresse de ficar em casa, muitas vezes sozinho e por períodos longos. Os exercícios podem ser os mais variados, desde uma caminhada na rua ou em um parque, pequenas corridas e até mesmo meditação. Tudo muito simples para se exercitar ao lado do seu pet de estimação.

Mas assim como nos humanos, antes de qualquer esforço fora do normal ou o início de uma programação de exercícios, é preciso tomar alguns cuidados e, sempre que possível, levar seu cãozinho ao veterinário para que seja avaliado e possa ter uma rotina saudável e divertida. Veja a seguir três dicas importantes:

   1. Corridas no parque ou pela rua

Existem algumas raças que não podem realizar atividades físicas intensas, por isso a dica é se informar e sempre passar por uma consulta com o veterinário antes de iniciar qualquer atividade com seu pet. Apenas esse profissional poderá afirmar se o seu cão está apto a realizar exercícios e qual o ritmo mais adequado.

    2. Brincadeiras também podem ser exercícios

Outra dica de atividades entre os donos e seus cães são as brincadeiras com bolinha e frisbee, que podem ser realizadas em parques ou áreas ao ar livre com bastante espaço. Além de divertidas, as atividades fazem com que o cão pratique exercícios e gaste energia de uma maneira bem agradável, sem estar preso à guia ou coleira. Vale lembrar que nesses casos é preciso cuidado em dobro.

3. Cuidados com a saúde do seu pet

Os exercícios são ótimos, mas é preciso tomar alguns cuidados para eles não acabarem prejudicando, ao invés de ajudar a saúde do seu pet. Dias quentes durante o verão podem causar insolação ou desidratação no pet devido ao calor intenso. Para essas ocasiões a dica é incentivar o pet a consumir água antes do passeio e se possível durante. Por último, é recomendado que os exercícios comecem aos poucos, aumentando gradualmente, para que o pet se acostume com a prática do esporte.

Fique atento porque câncer de mama pode surgir em seu pet

Foto de capa: Série Amor Animal 2 – 89 : Crédito Gustavo Araújo

Outubro Rosa, mês de conscientização e prevenção do câncer mamário também acomete animais. Vale o alerta aos tutores de pets sobre a prevenção da doença e a importância do diagnóstico precoce.

Segundo o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), a probabilidade da ocorrência do câncer de mama em cadelas atinge até 50% e, no caso das gatas, podem acometer até 30%. Consultas regulares ao veterinário e atenção aos sinais de inchaço, feridas e até secreção mamária são
condutas preventivas que os tutores devem ter em relação aos seus pets.

De acordo com dados do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP), a maior incidência da doença é em fêmeas adultas, entre 4 e 12 anos, mas cerca de 1% a 3% dos casos ocorrem também em machos.

Dr. Bruno Roque, veterinário parceiro da DrogaVET, destaca que cerca de 50% dos tumores mamários em cadelas são malignos e tendem a ter comportamento agressivo ou metastático. Já em felinos, é ainda mais grave a evolução. Segundo o veterinário, diagnosticar o câncer mamário com antecedência é a forma mais eficiente de viabilizar a cura, exatamente como ocorre em humanos.

“A dica é que assim como há o autoexame realizado pelas mulheres, as mamas do animal também devem ser examinadas. Aproveite o momento de interação e carinho na barriga do pet para palpar as mamas e verificar se não há nenhum nódulo. Nos gatos, que geralmente não apreciam o toque na barriga, pode ser um pouco mais difícil, mas o ideal é tentar acostumar o bichano com a palpação. E, ao identificar um volume diferente do habitual, levar o animal imediatamente ao veterinário, principalmente se esses ‘caroços’ aumentarem rapidamente”, explica Roque.

Segundo a Dra Urya Barbosa, médica veterinária da rede Petz/Seres, o diagnóstico precoce é de extrema importância.  “Em muitos dos casos os tumores são malignos, por consequência há chances de metástases e podem acometer pulmão, baço, fígado, por exemplo,” ressalta.

Por se tratar de uma doença com evolução silenciosa, é preciso ficar alerta com o surgimento de possíveis sinais, tais como apatia, vômitos, febre ou mudança no apetite. “O principal sintoma do câncer de mama em cachorro está no crescimento de um nódulo na região mamária”, destaca a Dra. Urya.

Série Amor Animal BH 124 : Crédito Edjane Madza

A orientação da médica veterinária é sempre verificar se a região das mamas está avermelhada, inchada, dilatada, com secreção e/ou odor desagradável e realizar check-ups para identificar qualquer doença ainda no estágio inicial e avançar com o tratamento adequado para ter resultados positivos e evitar o sofrimento do seu pet.

O tratamento para o câncer de mama é a cirurgia, preferencialmente com retirada total de toda a cadeia mamária. “Desta forma é possível prevenir o desenvolvimento de novos tumores nas demais mamas e, caso existam tumores nas duas cadeias mamárias, o indicado é realizar a mastectomia em dois estágios”, explica o Dr. Roque, complementando que a quimioterapia é indicada apenas quando for detectado um tumor mais agressivo, com indício de metástase e comprometimento dos linfonodos.

Seja responsável e crie uma rotina com seu pet para realizar o autoexame e garanta a saúde e qualidade de vida de seu animal de estimação!

Por Soraya Simón
e-mail: [email protected]