Moeda Pet entrega 300 quilos de ração e recebe 7.200 garrafas plásticas neste sábado

A edição do programa Moeda Pet realizada neste sábado (29) fez a entrega de 300 quilos de ração para cães e gatos e recebeu 7.200 garrafas plásticas. A iniciativa, que coloca Santo André à frente de políticas públicas que unem sustentabilidade e proteção animal, aconteceu em formato drive-thru, pela primeira vez na entrada do Parque Central.

O programa estimula a reciclagem e garante dignidade aos animais da cidade. Além de atuar na causa animal, o Moeda Pet também protege o meio ambiente, ao retirar plástico de circulação.

Cada quilo de garrafa plástica é trocado por um quilo de alimento para cães e gatos. Quem participa pode levar a ração para casa ou fazer a doação no local, que é destinada para a Uapa (União Andreense Protetora dos Animais), entidade que faz a distribuição entre protetores independentes.

“Santo André realiza coleta seletiva e possui outros programas, entretanto, sabe-se que muito se perde e acaba parando indevidamente no aterro sanitário. Com o Moeda Pet ganham o ambiente, a sociedade e os animais”, avalia o diretor de Departamento de Proteção e Bem-Estar Animal, Ariovaldo Veiga.

O programa é uma ação do Departamento de Proteção e Bem-Estar Animal da Secretaria de Meio Ambiente, que conta com parceria da farmácia de manipulação veterinária Farma Bichos e do Dr. Vet Hospital Veterinário.

A publicitária Silvia Zuquereli, de 61 anos, foi ao drive-thru acompanhada da sua cachorra Lola. “Moro no Centro e lá no bairro várias pessoas colaboram. O carro da frente é da dona do estacionamento onde eu paro o carro.  Sou síndica do meu condomínio e solicitei a todos moradores que separassem as garrafas. Estamos com uma quantidade grande para colaborar com os animais de rua. A gente deixa a ração aqui mesmo para serem doadas para as ONGs cadastradas”, comentou.

Parceiros – Com adesão cada vez maior da população ao programa, a Prefeitura de Santo André busca novas parcerias para expandir o Moeda Pet. “Precisamos de mais parceiros, para junto com eles estruturar uma nova equipe, visando expandir o programa para mais parques”, explicou o secretário adjunto de Meio Ambiente, Alexandre Audino.

As empresas interessadas em contribuir com o programa por meio de parceria devem entrar em contato com a Secretaria de Meio ambiente pelo telefone 4433-1958 ou pelo email aveiga@santoandre.sp.gov.br. Será acordado o volume de ração a ser doado mensalmente. Além de ajudar o meio ambiente e os animais, o parceiro ainda tem a divulgação da marca nas publicações associadas ao programa.

Sobre o programa – Realizado pela Secretaria de Meio Ambiente, o Moeda Pet conta com o apoio do Departamento de Vigilância à Saúde, do Banco de Rações do Fundo Social de Solidariedade e do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) que encaminha todo o reciclável arrecadado para as cooperativas de reciclagem.

Somente no ano passado, o programa distribuiu três toneladas de ração e arrecadou cerca de 73 mil garrafas.

| Texto: Rafaela Mazarin
rcpmazarin@santoandre.sp.gov.br / 4433-0142
| Fotos: Helber Aggio/PSA

Mais Vagas no Grande ABC

Gostou “Moeda Pet entrega 300 quilos de ração e recebe 7.200 garrafas plásticas neste sábado“?

Moeda Pet entrega 300 quilos de ração e recebe 7.200 garrafas plásticas neste sábado

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email assim que estiverem online em nosso site. Aproveite e leia sobre Carreiras e Trabalho, com os ensinamentos de Rogério de Caro. Veja também as últimas notícias da região e do Brasil.

Junte-se a 1.020 outros assinantes

Aprenda como cuidar de seu pet idoso

Saber quando começar a oferecer cuidados mais específicos ao pet idoso é a melhor forma de evitar o aparecimento de novas limitações; confira Aprenda como cuidar de seu pet idoso.

À medida que os pets envelhecem, os cuidados devem ser redobrados. Nos últimos anos, a expectativa de vida dos animais de estimação aumentou devido aos avanços da medicina veterinária, rações, vacinas e maior conhecimento dos tutores sobre a importância de manter um acompanhamento veterinário em dia.

Em tese, os animais chegam à terceira idade quando atingem 75% da sua expectativa de vida. Contudo, isso varia de acordo com o porte. Cães de pequeno porte são considerados idosos a partir de nove anos. Os medianos, a partir de oito anos e os grandes, aos sete. Já os gatos, em geral, são considerados idosos a partir de oito anos, uma vez que a diferença de porte é relativamente pequena.

Vale ressaltar que um aspecto determinante quanto à qualidade de vida dos bichanos é o ambiente em que vivem. Os que moram em espaços protegidos sem acesso às ruas certamente terão maior segurança e tendem a viver mais e melhor.

Ainda que essa seja uma base para definir a idade dos pets, é comum os tutores terem dúvidas. A médica veterinária do plano de cuidado domiciliar My Pet, Bianca Bond, revela que por meio do exame físico, o profissional consegue ter uma ideia da idade do animal. “A partir da avaliação bucal, os dentes (quais estão presentes), suas fases, coloração, estado geral, presença ou não de cálculo (tártaro) é possível indicar um paciente filhote, adulto ou idoso.”

Cuidado com os pets idosos

Pacientes idosos podem ter uma série de alterações de saúde por conta da idade. “Eles exigem maior necessidade de atenção por parte dos tutores, na parte de alimentação, quantidade e tipo de ração, hidratação, fornecimento de água de boa qualidade e da maneira correta, além do tipo de atividade física realizada”, pontua a médica veterinária Bianca.

O médico veterinário Daniel Cooper alerta que paciente idoso, assim como os humanos, começa a manifestar algum processo fisiológico inadequado. Quando isso é reconhecido de forma precoce, as chances de recuperação ou de não deixar que a doença avance de forma muito abrupta é por meio de exames periódicos. “Nesse sentido, o diagnóstico precoce traz muitos benefícios”, destaca.

Conforme envelhecem, os pets podem apresentam algumas doenças semelhantes aos humanos, como manifestação de problemas nas articulações, doenças de visão e envelhecimento do organismo. Contudo, os cuidados ao longo da vida podem influenciar muito na saúde na terceira idade dos pets. 

“Uma questão que vejo ter bastante benefício, principalmente na parte articular, é uma alimentação de boa qualidade”, diz Dr. Cooper. Mas ele alerta para a importância de uma avaliação do médico veterinário, pois a enfermidade pode ser alguma condição genética ou sobrepeso. “Existem animais que têm predisposição a ter alterações articulares”, relata.

Doenças de visão, segundo o Dr. Copper também são mais bem tratadas se reconhecidas antecipadamente. “Um oftalmologista avaliando isso precocemente pode identificar o diagnóstico e indicar tratamento correto para impedir a evolução rápida de uma doença como a catarata”, conta.

A melhor forma de minimizar qualquer risco é garantir visitas preventivas ao veterinário.Assim,agendar check-ups regulares com profissionais é essencial, afinal, quanto antes for detectado qualquer tipo de problema, maior será a facilidade em resolvê-lo.

Gostou de “Aprenda como cuidar de seu pet idoso?

Aprenda como cuidar de seu pet idoso
Foto: Pixabay

Então, aproveite e assine nossa newsletter e seja noticiado assim que publicarmos novas matérias! Fique por dentro das notícias das cidades do Grande ABC. Confira nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 1.020 outros assinantes

Os gatos possuem comportamentos, conheça mais do seu amigo felino!

Os gatos possuem comportamentos bem interessantes e entende-los pode ajudar a avaliar a saúde de seu amigo.

Os felinos não são muito favoráveis a mudanças. Toda situação que desencadeia alteração da sua rotina pode afeta-los e refletir na sua saúde.

Muito se ouve que gatos não gostam das pessoas e sim da casa. O gato, por não gostar de mudanças, está habituado e familiarizado com determinado ambiente. Por isso, é muito comum o relato dos donos que ao mudarem de casa, o gato fugia e regressava ao endereço antigo. Provavelmente, por estar familiarizado e habituado com aquele local.

Mudanças simples na casa como disposição de móveis, local de caixas de areia, dos comedouros e bebedouros ou mesmo as reformas, são situações estressantes para os felinos e que podem desencadear alterações fisiológicas como: distúrbios urinários, automutilação e falta de apetite.

Gatos não gostam de compartilhar as caixas de areia, e também não usam se as mesmas estiverem muito sujas. O ideal é que sempre haja uma caixa a mais que o número de gatos, por exemplo, se você tem 3 gatos, aconselhamos 4 caixas de areia.

Quanto a areia das caixas, evite ficar trocando de marcas, lembre-se gatos não gostam de mudanças. Portanto, ao perceber que determinada areia é adequada ao seu gato tente manter. De fato, você deve trocar a caixa de areia, um ou duas vezes por semana. Sempre retirar os turrões formados pela urina e as fezes diariamente. Fezes quando não recolhidas diariamente podem facilitar a transmissão de doenças, como a toxoplasmose. Você deve lavar semanalmente as caixas de areia. Utilize água e sabão, e em casos de animais com diarreias, a lavagem deve ser diária.

Os gatos possuem comportamentos, fique atento!

Alguns felinos tem dificuldade de beber agua, e muitos optam por agua corrente por ser mais fresquinha. O que muitas vezes é inviável, o uso de fontes de agua é uma alternativa. Se o animal não se adaptar a fontes, a distribuição de potinhos de agua pela casa auxilia. Ademais, gatos comem pouco e várias vezes ao dia. Sendo assim, forneça sempre pequenas porções de ração durante o dia, sempre respeitando o limite diária de consumo.

Opte por rações sem cor e evite comprar a granel. Ração úmida como sache, não fazem mal aos felinos. Gatos tem o hábito de caçar, e o sache tem a constituição semelhante à caça (70% de proteína e 30% de água) e pode ser usada como alimento. Dessa maneira, coloque o sache em comedouros diferente da ração. Contudo, se o animal não comer em até 2 horas, retire, elas estragam facilmente. Após abertos, os saches devem ser armazenados na geladeira.

Para evitar saídas noturnas e passeios, além da castração, recomendamos telar as janelas e áreas abertas de residências. Afinal, por serem curiosos e caçadores, os gatos podem se acidentar ao cair de janelas ou parapeitos.

Gatos têm o habito de se limpar diariamente. Quando seu animal estiver sujo, pelos eriçados ou com queda acentuada, isto pode indicar que seu amigo não está bem. Sempre observe os olhos e as narinas, pois estas devem estar livres de secreções. Além disso, ao notar secreções de coloração amarelada ou esverdeada, leve seu amigo a uma consulta. Às vezes pode indicar um processo infeccioso.

Estas são só algumas dicas para seus gatinhos!!!

5 cuidados que você precisa ter com o seu pet durante o isolamento social

Veterinária traz orientações essenciais para enfrentar esse período, confira os 5 cuidados que você precisa ter

O isolamento social, provocado pela pandemia de covid-19, ainda não terminou. Apesar das regras de flexibilização terem avançado permitindo uma maior circulação de pessoas, o vírus segue ativo e uma segunda onda de contaminação não está descartada no Brasil.

Sendo assim, é preciso redobrar os cuidados, evitando aglomerações, utilizando máscara e álcool gel e, ainda, saindo de casa apenas quando necessário. Sabemos, no entanto, que adotar certos hábitos não tem sido fácil. Principalmente para os nossos pets, que ganharam companhia constante em casa e viram os passeios ficarem restritos nos últimos meses.

Pensando nisto, a médica veterinária Natasha Jeronimo, da VetLar, marca que realiza atendimentos em domicílio no ABC Paulista, listou cinco dicas de cuidados com os animais durante este período. Confira:

Combate ao estresse

A mudança de rotina pode, sim, estressar os pets. Por isso, devemos nos atentar aos sinais que eles estão dando, como por exemplo: excesso de lambedura nas patas, automutilação, excesso de latidos ou ruivos e coprofagia (ingestão de fezes). Essas ações ocorrem, principalmente, em situações de estresse e ansiedade nos animais de estimação e podem surgir neste momento que estamos vivenciando. Para amenizar o quadro, a dica é mantê-los entretidos com brinquedos apropriados, realizar atividades para gastar energia e dedicar pelo menos alguns minutos do dia para um carinho.

5 cuidados que você precisa ter: Alimentação saudável

Cuidar da alimentação do seu pet é fundamental. No caso de cães e gatos, é importante oferecer uma ração que seja rica em proteínas, fibras, vitaminas e minerais. Evite o excesso de petiscos, que podem ocasionar ganho de peso ao animal. Lembre-se que os passeios estão mais restritos, diminuindo a queima de calorias.

Ao comprar uma ração, verifique também qual é a mais adequada para o porte do pet e, de maneira alguma, ofereça doces e outras comidas ao animal. Nessa época do ano é muito comum um aumento na ocorrência de gastroenterites e pancreatites, devido a ingestão de alimentos inadequados. É necessário estar em alerta para sinais como: vômitos, diarreia e perda do apetite, buscando um atendimento veterinário. 

Exercícios frequentes

Os protocolos de segurança permitem que você saia para passear com o pet, no entanto, é importante que isto seja feito de maneira rápida e seguindo as recomendações das autoridades. Portanto, realize algumas atividades com o animal para gastar energia, mesmo que dentro de casa, utilizando bolinhas, discos e mordedores, compensando o passeio mais curto.

5 cuidados que você precisa ter: Higiene após passeios

Ao retornar de um passeio em ruas ou parques, lembre-se que o seu mascote também precisa de uma higienização para entrar no ambiente residencial. Por isso, é muito importante que isto seja realizado apenas com produtos específicos para pets. Existem no mercado diversas opções como lenços umedecidos e sprays de limpeza, com formulações adequadas aos animais, evitando queimaduras, possíveis alergias e intoxicações.

Saúde em dia

Mesmo em tempos de pandemia, o seu pet precisa de acompanhamento veterinário, assim como banho e tosa. Além disso, não se esqueça de analisar o peso e verificar se as vacinas estão em dia. Em caso de emergências, não deixe de procurar atendimento.

Sobre a Vetlar 

O modelo de negócio da Vetlar nasceu durante a pandemia no Grande ABC, para atender os pets em domicílio, oferecendo serviços de consultas, vacinas, exames laboratoriais, diagnóstico por imagem e fisioterapia, com toda a facilidade, comodidade e conforto, proporcionando uma experiência ímpar. É um serviço inovador, que oferece segurança aos idosos, gestantes, mães de crianças pequenas e quem está trabalhando em home office (cerca de 9 milhões de brasileiros). Em crescimento, a iniciativa conta com uma equipe de veterinários e atua, até o momento, na região do grande ABCDM.

Fique atento porque câncer de mama pode surgir em seu pet

Foto de capa: Série Amor Animal 2 – 89 : Crédito Gustavo Araújo

Outubro Rosa, mês de conscientização e prevenção do câncer mamário também acomete animais. Vale o alerta aos tutores de pets sobre a prevenção da doença e a importância do diagnóstico precoce.

Segundo o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), a probabilidade da ocorrência do câncer de mama em cadelas atinge até 50% e, no caso das gatas, podem acometer até 30%. Consultas regulares ao veterinário e atenção aos sinais de inchaço, feridas e até secreção mamária são
condutas preventivas que os tutores devem ter em relação aos seus pets.

De acordo com dados do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP), a maior incidência da doença é em fêmeas adultas, entre 4 e 12 anos, mas cerca de 1% a 3% dos casos ocorrem também em machos.

Dr. Bruno Roque, veterinário parceiro da DrogaVET, destaca que cerca de 50% dos tumores mamários em cadelas são malignos e tendem a ter comportamento agressivo ou metastático. Já em felinos, é ainda mais grave a evolução. Segundo o veterinário, diagnosticar o câncer mamário com antecedência é a forma mais eficiente de viabilizar a cura, exatamente como ocorre em humanos.

“A dica é que assim como há o autoexame realizado pelas mulheres, as mamas do animal também devem ser examinadas. Aproveite o momento de interação e carinho na barriga do pet para palpar as mamas e verificar se não há nenhum nódulo. Nos gatos, que geralmente não apreciam o toque na barriga, pode ser um pouco mais difícil, mas o ideal é tentar acostumar o bichano com a palpação. E, ao identificar um volume diferente do habitual, levar o animal imediatamente ao veterinário, principalmente se esses ‘caroços’ aumentarem rapidamente”, explica Roque.

Segundo a Dra Urya Barbosa, médica veterinária da rede Petz/Seres, o diagnóstico precoce é de extrema importância.  “Em muitos dos casos os tumores são malignos, por consequência há chances de metástases e podem acometer pulmão, baço, fígado, por exemplo,” ressalta.

Por se tratar de uma doença com evolução silenciosa, é preciso ficar alerta com o surgimento de possíveis sinais, tais como apatia, vômitos, febre ou mudança no apetite. “O principal sintoma do câncer de mama em cachorro está no crescimento de um nódulo na região mamária”, destaca a Dra. Urya.

Série Amor Animal BH 124 : Crédito Edjane Madza

A orientação da médica veterinária é sempre verificar se a região das mamas está avermelhada, inchada, dilatada, com secreção e/ou odor desagradável e realizar check-ups para identificar qualquer doença ainda no estágio inicial e avançar com o tratamento adequado para ter resultados positivos e evitar o sofrimento do seu pet.

O tratamento para o câncer de mama é a cirurgia, preferencialmente com retirada total de toda a cadeia mamária. “Desta forma é possível prevenir o desenvolvimento de novos tumores nas demais mamas e, caso existam tumores nas duas cadeias mamárias, o indicado é realizar a mastectomia em dois estágios”, explica o Dr. Roque, complementando que a quimioterapia é indicada apenas quando for detectado um tumor mais agressivo, com indício de metástase e comprometimento dos linfonodos.

Seja responsável e crie uma rotina com seu pet para realizar o autoexame e garanta a saúde e qualidade de vida de seu animal de estimação!

Por Soraya Simón
e-mail: soraya3s.ss@gmail.com

Como prevenir pulgas, carrapatos nos meus pets?

Muitos tutores sabem da importância de prevenir infestações por pulgas e carrapatos nos seus pets. A grande diversidade de produtos muitas vezes dificulta a escolha.  Aqui seguem algumas dicas.

Quem são estes animais que causam tantos transtornos? 

As pulgas e os carrapatos são denominados de ectoparasitas hematófagos, porque parasitam a parte externa do corpo dos pets e alimentam-se de sangue para concluir seu ciclo de vida. Ao realizar o repasto sanguíneo podem transmitir agentes infecciosos responsáveis por doenças que quando não diagnosticadas e tratadas a tempo podem ser fatais. E quando não transmitem doenças, as infestações por estes indivíduos podem desencadear alergias e lesões na pele que são muito desconfortáveis ao animal.

Estes ectoparasitas são muito mais frequentes em estações quentes como: primavera e verão, já que encontram condições ideais de temperatura e umidade para concluir seu ciclo de vida.

No caso das pulgas vale ressaltar que o que encontramos nos animais representa só 5% do que está no ambiente, por isso prevenir é essencial.

A prevenção a estes ectoparasitas requer o uso de produtos específicos disponíveis em diversas apresentações. O tempo de ação dos mesmos é informado em bula e o produto deve ser repetido após este período para manter seu pet prevenido

Vale lembrar que antipulgas e carrapaticidas não funcionam como repelentes, ou seja, não impedem o contato das pulgas e carrapatos com a pele do seu pet.  Mas ao picarem seu animal elas entraram em contato com o medicamento e morrem, diminuindo também a proliferação dos mesmos.

Os produtos disponíveis no mercado são: – as pipetas (colocadas na nuca do animal), a maioria de uso mensal; – os comprimidos que podem ser de uso mensal ou trimestral de acordo com a bula; – as coleiras com duração variada, mas em média 6 a 8 meses. No caso das coleiras e válido verificar se seu pet não apresenta reações ao produto. Alguns animais não se adaptam e podem ter reações alérgicas.

Talcos, sabonetes e shampoos ajudam a eliminar as pulgas e os carrapatos na hora em que são aplicados, mas não tem efeito residual, ou seja, não protegem. Podendo ser empregados como auxiliar a prevenção.

A aplicação de produtos no ambiente deve ser feita sempre com cautela e com orientação de um médico-veterinário. Alguns produtos podem provocar intoxicações quando inalados ou ingeridos. As intoxicações se manifestam como quadros de vômitos, salivação excessiva, tonturas, incoordenação e em alguns casos até convulsões. 

Para escolher um produto preventivo é valido avaliar o que será mais adequado de realizar no seu pet. Um exemplo: não adianta escolher um antipulgas em comprimido se você não consegue dar.  Assim escolha o que for melhor para vocês.

E como diz o velho ditado: “é melhor prevenir que remediar”