Aprenda como cuidar de seu pet idoso

Saber quando começar a oferecer cuidados mais específicos ao pet idoso é a melhor forma de evitar o aparecimento de novas limitações; confira Aprenda como cuidar de seu pet idoso.

À medida que os pets envelhecem, os cuidados devem ser redobrados. Nos últimos anos, a expectativa de vida dos animais de estimação aumentou devido aos avanços da medicina veterinária, rações, vacinas e maior conhecimento dos tutores sobre a importância de manter um acompanhamento veterinário em dia.

Em tese, os animais chegam à terceira idade quando atingem 75% da sua expectativa de vida. Contudo, isso varia de acordo com o porte. Cães de pequeno porte são considerados idosos a partir de nove anos. Os medianos, a partir de oito anos e os grandes, aos sete. Já os gatos, em geral, são considerados idosos a partir de oito anos, uma vez que a diferença de porte é relativamente pequena.

Vale ressaltar que um aspecto determinante quanto à qualidade de vida dos bichanos é o ambiente em que vivem. Os que moram em espaços protegidos sem acesso às ruas certamente terão maior segurança e tendem a viver mais e melhor.

Ainda que essa seja uma base para definir a idade dos pets, é comum os tutores terem dúvidas. A médica veterinária do plano de cuidado domiciliar My Pet, Bianca Bond, revela que por meio do exame físico, o profissional consegue ter uma ideia da idade do animal. “A partir da avaliação bucal, os dentes (quais estão presentes), suas fases, coloração, estado geral, presença ou não de cálculo (tártaro) é possível indicar um paciente filhote, adulto ou idoso.”

Cuidado com os pets idosos

Pacientes idosos podem ter uma série de alterações de saúde por conta da idade. “Eles exigem maior necessidade de atenção por parte dos tutores, na parte de alimentação, quantidade e tipo de ração, hidratação, fornecimento de água de boa qualidade e da maneira correta, além do tipo de atividade física realizada”, pontua a médica veterinária Bianca.

O médico veterinário Daniel Cooper alerta que paciente idoso, assim como os humanos, começa a manifestar algum processo fisiológico inadequado. Quando isso é reconhecido de forma precoce, as chances de recuperação ou de não deixar que a doença avance de forma muito abrupta é por meio de exames periódicos. “Nesse sentido, o diagnóstico precoce traz muitos benefícios”, destaca.

Conforme envelhecem, os pets podem apresentam algumas doenças semelhantes aos humanos, como manifestação de problemas nas articulações, doenças de visão e envelhecimento do organismo. Contudo, os cuidados ao longo da vida podem influenciar muito na saúde na terceira idade dos pets. 

“Uma questão que vejo ter bastante benefício, principalmente na parte articular, é uma alimentação de boa qualidade”, diz Dr. Cooper. Mas ele alerta para a importância de uma avaliação do médico veterinário, pois a enfermidade pode ser alguma condição genética ou sobrepeso. “Existem animais que têm predisposição a ter alterações articulares”, relata.

Doenças de visão, segundo o Dr. Copper também são mais bem tratadas se reconhecidas antecipadamente. “Um oftalmologista avaliando isso precocemente pode identificar o diagnóstico e indicar tratamento correto para impedir a evolução rápida de uma doença como a catarata”, conta.

A melhor forma de minimizar qualquer risco é garantir visitas preventivas ao veterinário.Assim,agendar check-ups regulares com profissionais é essencial, afinal, quanto antes for detectado qualquer tipo de problema, maior será a facilidade em resolvê-lo.

Gostou de “Aprenda como cuidar de seu pet idoso?

Aprenda como cuidar de seu pet idoso
Foto: Pixabay

Então, aproveite e assine nossa newsletter e seja noticiado assim que publicarmos novas matérias! Fique por dentro das notícias das cidades do Grande ABC. Confira nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 3.165 outros assinantes

Fique atento porque câncer de mama pode surgir em seu pet

Foto de capa: Série Amor Animal 2 – 89 : Crédito Gustavo Araújo

Outubro Rosa, mês de conscientização e prevenção do câncer mamário também acomete animais. Vale o alerta aos tutores de pets sobre a prevenção da doença e a importância do diagnóstico precoce.

Segundo o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), a probabilidade da ocorrência do câncer de mama em cadelas atinge até 50% e, no caso das gatas, podem acometer até 30%. Consultas regulares ao veterinário e atenção aos sinais de inchaço, feridas e até secreção mamária são
condutas preventivas que os tutores devem ter em relação aos seus pets.

De acordo com dados do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP), a maior incidência da doença é em fêmeas adultas, entre 4 e 12 anos, mas cerca de 1% a 3% dos casos ocorrem também em machos.

Dr. Bruno Roque, veterinário parceiro da DrogaVET, destaca que cerca de 50% dos tumores mamários em cadelas são malignos e tendem a ter comportamento agressivo ou metastático. Já em felinos, é ainda mais grave a evolução. Segundo o veterinário, diagnosticar o câncer mamário com antecedência é a forma mais eficiente de viabilizar a cura, exatamente como ocorre em humanos.

“A dica é que assim como há o autoexame realizado pelas mulheres, as mamas do animal também devem ser examinadas. Aproveite o momento de interação e carinho na barriga do pet para palpar as mamas e verificar se não há nenhum nódulo. Nos gatos, que geralmente não apreciam o toque na barriga, pode ser um pouco mais difícil, mas o ideal é tentar acostumar o bichano com a palpação. E, ao identificar um volume diferente do habitual, levar o animal imediatamente ao veterinário, principalmente se esses ‘caroços’ aumentarem rapidamente”, explica Roque.

Segundo a Dra Urya Barbosa, médica veterinária da rede Petz/Seres, o diagnóstico precoce é de extrema importância.  “Em muitos dos casos os tumores são malignos, por consequência há chances de metástases e podem acometer pulmão, baço, fígado, por exemplo,” ressalta.

Por se tratar de uma doença com evolução silenciosa, é preciso ficar alerta com o surgimento de possíveis sinais, tais como apatia, vômitos, febre ou mudança no apetite. “O principal sintoma do câncer de mama em cachorro está no crescimento de um nódulo na região mamária”, destaca a Dra. Urya.

Série Amor Animal BH 124 : Crédito Edjane Madza

A orientação da médica veterinária é sempre verificar se a região das mamas está avermelhada, inchada, dilatada, com secreção e/ou odor desagradável e realizar check-ups para identificar qualquer doença ainda no estágio inicial e avançar com o tratamento adequado para ter resultados positivos e evitar o sofrimento do seu pet.

O tratamento para o câncer de mama é a cirurgia, preferencialmente com retirada total de toda a cadeia mamária. “Desta forma é possível prevenir o desenvolvimento de novos tumores nas demais mamas e, caso existam tumores nas duas cadeias mamárias, o indicado é realizar a mastectomia em dois estágios”, explica o Dr. Roque, complementando que a quimioterapia é indicada apenas quando for detectado um tumor mais agressivo, com indício de metástase e comprometimento dos linfonodos.

Seja responsável e crie uma rotina com seu pet para realizar o autoexame e garanta a saúde e qualidade de vida de seu animal de estimação!

Por Soraya Simón
e-mail: soraya3s.ss@gmail.com