Balanço do programa ExploreCarlotas com vídeo e relatório anual

2020 foi o ano de estabelecer relações de convívio coletivo mais saudáveis e de respeito, cada um em sua casa. Confira o balanço do programa ExploreCarlotas

Em um ano desafiador para a educação brasileira, a empresa Carlotas mostra em vídeo a retrospectiva do programa ExploreCarlotas com o ponto de vista de professores e professoras que enfrentaram a pandemia mostrando dedicação e coragem.

O programa ExploreCarlotas, que cria espaços de diálogo e aprendizagem por meio de oficinas, tem como objetivo levar reflexões sobre diversidade, respeito e empatia de forma lúdica para crianças, jovens e educadores em escolas públicas e instituições de assistência gratuitamente.

O vídeo ilustra os sentimentos e emoções vividos nesse ano de incertezas, além de trazer depoimentos de professoras das escolas públicas. Veja aqui:  https://youtu.be/ESINKOT2QlQ. Em 2020 o Programa ExploreCarlotas focou em acolher e criar vínculos com os professores e professoras de escolas públicas. Os participantes dividiram com Carlotas seus medos, aflições, aprendizados e como foi o ano mais difícil de suas carreiras.

O programa ExploreCarlotas que é financiado com 10% do faturamento da empresa, esteve em 14 escolas públicas. Nestes encontros foram explorados temas tão relevantes quanto atuais como empatia, acolhimento e a importância do olhar para a diversidade com um material inédito: a BOX Carlotas, uma caixa repleta de ferramentas lúdicas focadas em educação emocional para o uso em sala de aula. Nas duas unidades da Fundação Casa, Azaléia e Chiquinha Gonzaga, os relatos de que quem passou pela experiência foi de que os encontros transformaram a maneira como veem o mundo, as pessoas e a si mesmas.

Balanço do programa ExploreCarlotas

Devido à pandemia, os instrumentos de apoio foram apostilas de histórias, atividades lúdicas e jogos para falar sobre as emoções com crianças e jovens. O primeiro Café Virtual foi um encontro remoto para dialogar e organizar as experiências internas com o tema: “Saúde Emocional dos educadores em Tempos de Pandemia.” Com esta atividade a devolutiva de professores, educadores, pais e mães foi muito positiva.

Ao todo 517 educadores participaram de 6 oficinas presenciais e 30 oficinas online onde 6 macrotemas foram abordados: Saúde Emocional, Arteterapia e Saúde, Tempos de Incerteza, o livro Saudade Sabor Chocolate, o Poder Transformador das Histórias e Empatia, Diversidade e Segurança Psicológica.

Um material digital inédito foi construído: uma trilha de aprendizagem em educação emocional adaptado para todas as faixas etárias (de 0 a 17 anos). Respeitando os pilares da UNESCO (aprender a ser, a conhecer, a fazer e aprender a conviver) e fortalecendo as competências socioemocionais da Base Nacional Comum Curricular – BNCC (autoconhecimento, autogestão, amabilidade, relações e tomada de decisão responsável). Com isso, 6 apostilas garantem que educadores e educandos tenham acesso a informações de qualidade. Para mais informações do relatório do Programa ExploreCarlotas clique aqui para fazer o download: http://bit.ly/2020_ExploreCarlotas.

Sobre Carlotas 

Uma empresa com propósito social, localizada no Brasil, nos Estados Unidos e na Alemanha, que busca realçar o potencial da empatia, por meio de uma abordagem única. Carlotas ilustra o diálogo sobre a desconstrução do perfeito e aceitação da diversidade, por meio da arte e do lúdico, encoraja o desenvolvimento das habilidades socioemocionais para melhorar as relações humanas. Para mais informações acesse: https://carlotas.org/

Gostou de “Balanço do programa ExploreCarlotas com vídeo e relatório anual?

Então, aproveite e assine nossa newsletter e seja noticiado assim que publicarmos novas matérias! Ah, leia mais em nosso Caderno Cultural. Confira nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 577 outros assinantes

Desemprego e pandemia fazem aumentar a busca por cursos online

Com os altos índices de desemprego no país, muitas pessoas passaram a buscar por cursos onlines que os ajudem a se recolocar no mercado de trabalho, durante esta pandemia.

Em meio a pandemia e os altos índices de desemprego no país, a busca por especializações e cursos que façam a diferença no currículo e no desenvolvimento pessoal vêm crescendo. Por sua comodidade, valores mais baixos e acesso mais fácil, os cursos online estão se tornando a opção ideal para o brasileiro.

Buscando por qualificação curricular, muitos acabam optando por cursos no segmento de idiomas, de acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), os cursos de idioma EAD (ensino à distância) cresceram 59% em 2020 e esses dados continuam sendo promissores para 2021. 

Segundo, Anna Carolyna Diniz, fundadora da BeFaster – School of English e criadora do método “Transforme o seu Inglês”, ao levar seu negócio para o online por conta da pandemia, suas aulas tiveram um aumento de busca e de alunos considerável. Hoje, Carolyna já conta com mais de 5 mil alunos em sua plataforma online e o número só cresce. 

“Muitos adultos me procuram buscando por um curso intensivo, no qual ele já consiga se desenvolver no inglês, muitas vezes porque o chefe está exigindo, ou, porque a vaga que ele procura exige o domínio da língua”, conta Carolyna.

De acordo com o IBGE a taxa de desemprego em 2020 chegou a 13,9%, dada a situação econômica do país e a crise por conta da pandemia de covid-19, os números para 2021 não devem ser muito melhores. 

A alta concorrência no mercado de trabalho, faz com que cada vez mais os profissionais busquem meios de se destacar através de cursos e certificações.

Desemprego e pandemia

Sobre Carolyna Diniz:

Fundadora da BeFaster – School of English, instrutora de língua Inglesa desde 2003 e criadora do método “Transforme o seu Inglês”.

Trabalhou em NYC como interprete auxiliando deficientes visuais brasileiros à adquirir cão guia nos Estados Unidos.

Master e Practitioner em PNL pela Sociedade Brasileira de Programação

Neurolinguística. Formada em Hipnose Ericksoniana e coach através da

Sociedade Brasileira de Coaching em 2016.

INSTAGRAM: https://www.instagram.com/carolinadinizsoueu/

YOUTUBE: https://www.youtube.com/results?search_query=carol+diniz

Gostou de “Desemprego e pandemia fazem aumentar a busca por cursos online ?

Então, aproveite e assine nossa newsletter e seja noticiado assim que publicarmos novas matérias! Ah, leia mais sobre o que acontece no ABC Cidades todo dia no Grande ABC. Confira nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 577 outros assinantes

Educação ambiental ajudará para acesso a serviços de saneamento

Com a aprovação do Novo Marco Legal do Saneamento, cidadãos de todo o País aguardam com expectativa melhorias no abastecimento de água e tratamento de esgoto. A educação ambiental ajudará para garantir acesso aos serviços.

O Novo Marco Legal tem entre os seus objetivos ampliar a presença de empresas privadas no setor.  Além disso, a educação ambiental tem um peso importante sobre a qualidade do serviço de saneamento prestado à população.

Em Atibaia (SP), a empresa responsável pela coleta e tratamento de esgoto na cidade que mantém uma parceria público-privada com a SAAE Atibaia, promove ações para conscientizar os moradores locais sobre a preservação do meio ambiente. Sergio Bovo, diretor operacional da Atibaia Saneamento, explica o intuito da iniciativa. 

“Sempre que possível, promovemos palestras educativas nas escolas, além de visitas monitoradas nas nossas estações de tratamento de esgoto.  Tudo isso para demonstrar como ocorre a coleta e o tratamento de esgoto e como ele afeta o meio ambiente”, explica Bovo.

De acordo com o Instituto Trata Brasil, quase 100 milhões de brasileiros não possuem acesso à coleta de esgoto e quase 35 milhões não têm acesso à água tratada.  Édison Carlos, presidente-executivo da organização, afirma que muitas pessoas sequer sabem que têm direito a esgoto e água tratada, por nunca terem tido acesso a esses serviços. Segundo ele, uma educação ambiental eficaz deve ser capaz de informar à população sobre seus direitos como cidadãos. 

Carlos lamenta o fato de que a educação ambiental no País, muitas vezes, está limitada ao tema de reciclagem e coleta de lixo. 

“A educação ambiental tornou-se quase voltada apenas a temas ligados ao lixo.  Quando se fala nela, quase todas as escolas ensinam como separar o lixo, o destino dele, usar poucas embalagens e diminuir o consumo. E isso é apenas um pedacinho do problema. Estamos falando de algo muito mais importante, que é a água e o esgoto afastado e tratado”, diz. 

Objetivos

A Atibaia Saneamento está implementando uma Estação de Tratamento de Esgoto que irá contemplar 25 bairros do município. A parceria público-privada com a Saneamento Ambiental de Atibaia (SAAE) terá fim em 2043.

Em parceria com Brasil 61.

Gostou de “Educação ambiental ajudará para acesso a serviços de saneamento“?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email. Aproveite e leia mais notícias do Brasil.

Educação ambiental ajudará para acesso a serviços de saneamento
Rio de Janeiro – Alunos aprendem a prevenção ao novo coronavírus (Covid-19) na Escola Municipal Pedro Ernesto, através de cartazes, trabalhos escolares, e medidas de higiene e convívio pessoal. (Fernando Frazão/Agência Brasil)

MEC anuncia plataforma de monitoramento dos planos de educação

O Ministério da Educação (MEC) anuncia uma nova plataforma para auxiliar no desenvolvimento e monitoramento dos planos educacionais dos estados, Distrito Federal e municípios. A Plataforma +PNE será lançada pelo governo federal para permitir ações de gestão, monitoramento e avaliação dos sistemas de ensino espalhados pelo País.

O principal objetivo da plataforma é propiciar uma convergência de metas, estratégias e diretrizes do Plano Nacional de Educação (PNE), estabelecendo um Sistema Nacional de Educação construído de forma conjunta. Para que isso seja possível, foram publicados detalhes de assistência técnica na Portaria nº 41, de 25 de janeiro de 2021, que institui a Plataforma +PNE. 

Foram definidos atores de participação no programa para o suporte dos gestores das unidades da federação e municípios. Entre eles, estão os articuladores locais, formados por uma equipe das secretarias de educação estaduais, municipais e distrital, e os coordenadores +PNE, profissionais selecionados por edital de chamada pública do MEC para coordenarem os trabalhos por região, após capacitação disponibilizada pela Secretaria de Educação Básica. 

O Ministério da Educação promete ainda a elaboração de um atendimento especializado, por meio de uma central de atendimento disponível via telefone e e-mail, para orientações técnicas contínuas sobre rotinas, agendas e cronogramas da metodologia de monitoramento e avaliação. 

Em parceria com Brasil61.

Gostou de “MEC anuncia plataforma de monitoramento dos planos de educação”?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email. Aproveite e leia mais notícias do Brasil.

MEC anuncia plataforma de monitoramento dos planos de educação

Escolas privadas de SP começam 2021 com sistema híbrido

As escolas particulares de São Paulo começaram o ano letivo de 2021 nessa segunda-feira, com atividades presenciais. As escolas privadas de SP começam 2021 com sistema híbrido de ensino.

Mas, por enquanto, as aulas vão funcionar em sistema híbrido, com parte das atividades presenciais e parte por internet.

Isso porque todas as regiões do estado estão classificadas ou na fase laranja ou na fase vermelha, as fases mais restritivas do Plano São Paulo, que orienta as medidas de combate à pandemia do novo coronavírus.

Com isso, as escolas vão ter que organizar grupos de estudantes que se revezam ao longo da semana, mantendo máximo de 35% da ocupação.

Apesar das restrições, o presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo, Benjamim Ribeiro da Silva, avaliou que o retorno às atividades presenciais foi positivo.

Ele calcula que mais de 95% das escolas particulares do estado abriram as portas nessa segunda-feira.

Já os professores não ficaram felizes. Na verdade, estão preocupados. Para o presidente do Sindicato dos Professores de São Paulo, Luiz Antonio Barbagli, o protocolo de segurança que está sendo exigido, como uso de máscaras e álcool gel, é o mesmo que vem sendo adotado nos estabelecimentos comerciais, como as padarias, realidade diferente das salas de aula.

Na próxima semana, dia 8, está prevista a retomada das aulas presenciais das escolas públicas estaduais, e no dia 15 de fevereiro nas escolas públicas municipais.

Em parceria com Agência Brasil.

Gostou de “Escolas privadas de SP começam 2021 com sistema híbrido”?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email. Aproveite e leia mais notícias do Brasil.

Escolas privadas de SP começam 2021 com sistema híbrido
Photo by Pixabay on Pexels.com

Capacitação de educadores visa retorno às aulas presenciais

O mundo ainda vive dias de tensão em meio à pandemia causada pela Covid-19, sem que possamos saber quando a vida vai retomar certa normalidade. Mas agora em fevereiro, a maior parte das escolas pelo Brasil vão retomar as aulas presenciais. Por isso, a capacitação de educadores visa retorno às aulas presenciais, em evento gratuito, com objetivo de preparar educadores para os novos desafios do retorno às aulas. 

Esse evento é promovido pela Rede Pedagógica, maior rede de educadores da América Latina, e vai fornecer certificado de 120 horas de atividades. Tudo com objetivo de preparar melhor os profissionais da área da educação que ficarão responsáveis por cuidar e ensinar as crianças em um momento como esse.

Camila de Cássia Mariano é mãe da Mariana, uma menina de 5 anos que, como as demais crianças do Brasil, passaram meses sem frequentar as salas de aula nas escolas por conta da pandemia. Esse fato gera bastante preocupação no que se refere ao retorno das atividades presenciais pelas escolas, mas a Camila acredita que é importante as crianças voltarem aos estudos.

“Estamos com uma expectativa enorme ao mesmo tempo em que ficamos apreensivos, pois foi muito tempo fora da escola e, como eu pude observar por conta da minha filha, a educação infantil foi prejudicada pela falta de convívio com outras crianças e por não terem condições de maturidade para enfrentar um ensino à distância, apenas online. Tirando as questões de saúde e higiene, a maior preocupação é como será o comportamento em sala e como os profissionais da educação estarão preparados para lidar com essas questões emocionais”, afirmou Camila.

Capacitação de educadores visa retorno às aulas presenciais

O desenvolvimento das competências socioeducacionais é relevante em um momento como esse, em que os estudantes passaram quase um ano longe das escolas, vivendo todo o tipo de situações inesperadas que a pandemia trouxe, como isolamento social, aulas virtuais e possível morte entre familiares. E isso se estende aos educadores, que precisam estar preparados para lidar com os medos, anseios e dificuldades dos alunos além das suas próprias emoções, explicou a diretora pedagógica da Rede, Erika Radespiel.

“Como aprender se nós não estivermos bem emocionalmente? Nós temos a nossa individualidade, mas também somos um coletivo dentro da sociedade. Portanto, precisamos falar sobre isso, realizar atividades que ajudem os alunos nesse desenvolvimento, promover formações para que os professores se sintam capazes de fazer essa intervenção e para que também possam se preparar emocionalmente e se desenvolver emocionalmente. Isso é muito importante”, argumentou a pedagoga.   

De acordo com Erika Radespiel, é um esforço elevado exigir competência em disciplinas fundamentais como matemática e português, sem que seja feito um trabalho prévio para que alunos e professores estejam preparados para voltar às salas de aula dando o melhor de si. Esse é um reflexo do mundo e não apenas uma abordagem importante no Brasil, destacou.

E essa é a mesma opinião da professora da Rede Pública do Distrito Federal, Maria Leuza Medeiros Lima, que vê na capacitação uma proposta coesa e bem elaborada para oferecer apoio no meio acadêmico, tanto para alunos como professores, além de ser uma forma de valorização da carreira dos educadores.

“Um dos principais desafios para nós, educadores, neste momento de pandemia foi manter os alunos engajados em relação às atividades. E para isso foi necessário não somente investir em teorias e disciplinas, mas investir em currículo humano e, assim, manter os alunos com aprendizado significativo. Uma vez que a escola foi para dentro da casa do aluno, foi necessário saber utilizar também esses espaços como um lugar de educação, porque a educação não acontece somente na escola, acontece também nos lares e qualquer outro lugar”, avaliou a professora.

Em parceria com Brasil61.

Gostou de “Capacitação de educadores visa retorno às aulas presenciais”?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email. Aproveite e leia mais notícias do Brasil.

Grande ABC define início da retomada das aulas presenciais

Prefeitos deliberaram, em consenso, que retomada das aulas presenciais ocorrerá a partir de 18 de fevereiro na rede privada e de 1º de março nas escolas públicas

Os prefeitos das sete cidades do Grande ABC participaram, nesta terça-feira (12/1), da primeira assembleia geral ordinária deste ano do Consórcio Intermunicipal Grande ABC. Durante a reunião, os governantes municipais deliberaram, em consenso e com base no cronograma de vacinação contra a Covid-19, o início da retomada das aulas presencias na região.

Conforme definido pelos prefeitos, o retorno das aulas presenciais vai ocorrer em duas etapas. A retomada terá início em 18 de fevereiro na rede privada e em 1º de março nas escolas públicas.


Para a volta das aulas, devem ser seguidos todos os protocolos sanitários e de segurança que constam da fase amarela do Plano São Paulo, definido pelo Governo do Estado, incluindo controle de público, rodízio de alunos e distanciamento social.


Participaram da reunião o presidente do Consórcio ABC e prefeito de Santo André, Paulo Serra; e os prefeitos de São Bernardo do Campo, Orlando Morando; São Caetano do Sul, Tite Campanella; Diadema, José de Filippi Júnior; Mauá, Marcelo Oliveira; Ribeirão Pires, Clovis Volpi; e Rio Grande da Serra, Claudio Melo, o Claudinho da Geladeira.


O presidente do Consórcio destacou a necessidade de discutir de maneira colegiada a logística da vacinação contra a Covid-19 e a retomada das aulas na região.

“A principal deliberação dos prefeitos da região sobre a volta às aulas considera o início da vacinação contra a Covid-19. O Grande ABC está totalmente preparado para receber as doses e iniciar a aplicação da vacina. As cidades estão somente aguardando definição por parte dos governos estadual e federal para começar o processo”, afirmou Paulo Serra.

Em caso de atraso nas datas previstas para o início da vacinação ou de reclassificação da região no Plano São Paulo, os prefeitos deverão se reunir em assembleia extraordinária para deliberar sobre a manutenção das datas definidas para retorno das aulas.


Considerando a continuidade da pandemia, os prefeitos das sete cidades também mantiveram a gratuidade nos transportes para pessoas com idades entre 60 e 64 anos.

retomada das aulas presenciais
Fotos: Helber Aggio/PSA

Gostou da matéria “Grande ABC define início da retomada das aulas presenciais”?

Assine nossa Newsletter e fique por dentro das notícias, assim que forem publicadas, ou como desejar. Para periodicidade, confira informações no email recebido. Então, aproveite e leia mais sobre o Grande ABC.

Conheça nossos parceiros Entre Séries, Dica App do Dia, Passa de Fase, Rogério de Caro, Graça Decaro, Amorarica, Excelsior Serviços, Blog PS, DISCUTINDO CONTEMPORANEIDADES e Márcio Pinheiro Advocacia



Alunos de Pedagogia produzem videoaula sobre a cultura indígena

Material foi elaborado em atividades voltadas ao Projeto Integrador; tema é direcionado ao 5º ano do Ensino Fundamental

Os futuros pedagogos Aline Fornaziere, Ester de Carvalho, Giovanna Taglianetti, Hosana do Nascimento, Maria Alice Caporicci, Rosiane Ferreira e Sérgio Wefer, do polo UNICEU Alvarenga, na capital, da Universidade Virtual do Estado de São Paulo (Univesp), trabalharam no Projeto Integrador (PI) do segundo semestre de 2019 um tema relevante no resgate da cultura: os povos indígenas.

Com a tutoria de José Luiz Pereira, o grupo apresentou a proposta “Cultura Indígena: desenvolvendo a percepção de espaço e tempo, por meio de videoaula com alunos do 5º ano do Ensino Fundamental”.

A iniciativa surgiu após os alunos receberem a tarefa de aprimorar o ensino de História e Geografia nos anos iniciais de aprendizado. Após pesquisas e atividades com estudantes de três escolas municipais da zona sul de São Paulo, eles identificaram pouco conhecimento sobre a comunidade indígena e a influência dela na sociedade.

“Concluímos que as crianças precisam ser inseridas no universo da cultura indígena de forma mais profunda. É necessário que conheçam esses povos, mas, acima de tudo, aprendam a valorizar e respeitar sua história, visto que umas das finalidades da escola é formar para a cidadania”, afirmou o grupo no relatório final do PI.

Ferramentas audiovisuais

Para atingir de forma mais eficiente o público-alvo do projeto, a equipe produziu a videoaula “Indígenas do Brasil, ontem, hoje e amanhã: uma viagem no tempo”. De acordo com a turma, os pequenos estudantes são nascidos na era digital e o uso de ferramentas audiovisuais facilita o aprendizado. “Com a comunicação digital, a escola pode se apropriar de novos meios para promover aprendizagem e compartilhar conteúdos”, escreveram os alunos.

Segundo o relatório final do PI, a atividade gerou retorno positivo das professoras das escolas municipais. “Elas identificaram no trabalho potencial para refletir sobre as questões relacionadas ao espaço e tempo, oportunidade para aprofundar os conhecimentos sobre a temática indígena, além da possibilidade de utilizar um material didático de alta aceitação pelos alunos”, citaram os estudantes no documento.

R$ 454 milhões são repassados aos municípios para combater a Covid-19

As escolas públicas por todo o país serão beneficiadas com recursos provenientes do Ministério da Saúde

As escolas públicas por todo o país serão beneficiadas com recursos provenientes do Ministério da Saúde, em um valor total de R$ 454 milhões para aquisição de materiais e insumos necessários para prevenir a transmissão da Covid-19 entre estudantes e profissionais da rede básica. A medida visa o retorno às aulas presenciais conforme organização local de estados e municípios.

Os recursos foram repassados na primeira semana de agosto aos Fundos Municipais de Saúde e contempla escolas municipais, estaduais e federais, incluindo creches, pré-escolas, ensinos fundamental e médio, e também educação de jovens e adultos.

A medida pretende beneficiar mais de três milhões de crianças de zero aos três anos de idade, quase cinco milhões de estudantes de quatro e cinco anos, vinte e cinco milhões de jovens entre 6 e 14 anos, além de pouco mais de oito milhões de adolescentes entre os 15 e 17 anos. Essa é a estimativa de alunos nas escolas, de acordo com o Anuário Brasileiro da Educação Básica, uma publicação que reúne as informações mais recentes como as pesquisas do IBGE e do Inep/MEC. A publicação ainda estima que nas escolas públicas, estejam lotados mais de um milhão e setecentos mil professores.



Isso demonstra como essa iniciativa pode ser relevante para a população em um momento de pandemia, como destaca o secretário de Educação do município de Dois Riachos (AL) e presidente União dos Dirigentes Municipais de Educação de Alagoas, Rubens Araújo.

“Alguns municípios não teriam condições de fazer esses kits para evitar a Covid-19 com recursos próprios. É importante o Ministério da Saúde fazer esse investimento na educação e a gente contribuir com as famílias dos alunos para que eles não tenham nenhum problema com a Covid-19 e nós não termos a transmissão”, ressaltou.

Essa medida é uma parceria entre os ministérios da Saúde e Educação, junto aos estados e municípios, que é realizada por meio do Programa Saúde na Escola e faz parte das estratégias no âmbito da Atenção Primária à Saúde, com objetivo de promover qualidade de vida aos estudantes da rede básica de ensino por meio de ações de prevenção, promoção e atenção à saúde.

Apesar de ser uma iniciativa importante, o professor do Instituto de Medicina Social (IMS/Uerj), Guilherme Werneck, que também é vice-presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e da Frente Pela Vida, explicou que é necessário mais ações para que a Covid-19 deixe de ser uma ameaça aos estudantes e professores.

Governo propõe aumento de cerca R$ 1,7 bi no orçamento do Ministério da Educação para 2021

Proinfância já financiou 574 obras em creches e escolas de municípios do país, em 2020

“Esses são recursos importantes que vão ajudar as escolas a se organizarem nos municípios, mas obviamente é muito mais complexa e que vai envolver, principalmente, o controle da infecção naquela comunidade. E é importante salientar isso, é uma boa iniciativa mas não resolve o problema apenas cria condições para quando as escolas e os municípios retornarem”, avaliou.

Além dos recursos destinados aos municípios, o Ministério da Saúde elaborou documento com orientações para gestores locais, profissionais de saúde e educação a respeito de medidas sanitárias que possam garantir maior segurança aos estudantes, profissionais, familiares e comunidade durante a retomada das aulas presenciais de toda a rede básica de ensino do Brasil.

Entre as orientações, estão especificadas recomendações sobre higienização e etiqueta respiratória. Também constam informações sobre como o coronavírus é transmitido e quais são os principais sintomas da Covid-19 que os estudantes devem ficar atentos. O processo de aquisição desses materiais e insumos é de responsabilidade dos municípios, observando as devidas legislações para as compras públicas.  

Fonte: Brasil 61

Se houver riscos, volta às aulas presenciais em SP pode ser revista, diz Doria

Fonte: CNN em São Paulo

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou nesta terça-feira (8) em entrevista à CNN, que, caso haja riscos para alunos e funcionários, a data prevista para a retomada das aulas presenciais poderá ser revista. 

“Se houver qualquer risco à população de crianças, jovens, professores, gestores e fornecedores das escolas, esta decisão poderá ser revista, não há dúvidas nesse sentido”, afirmou, dizendo que a decisão não é dele, mas amparada nas secretarias de Saúde e Educação.

A volta às aulas está prevista para 7 de outubro. Nesta terça, alunos paulistas de 128 cidades puderam ir às escolas pela primeira vez desde março para atividades de recreação e reforço.

“Pode ser revisto, sim, mas a priori, em 7 de outubro as aulas poderão ser retomadas nas cidades que assim entenderem, Vamos respeitar a decisão dos prefeitos para que tenham autonomia nesse assunto. Por enquanto, está mantido”, disse. 

Coronavac

Sobre o andamento dos testes da vacina Coronavac, Doria negou que ela tenha efeito reduzido na população idosa. 

“Não há situação que distingua pessoas com mais de 60 anos e menos de 60 anos na aplicação da vacina”, disse. “Em idosos, [a Coronavac] teve 98% de eficácia, considerado pelo protocolo internacional como altíssima eficiência. Os idosos não terão nenhum risco ao serem imunizados pela Coronavac”. 

Ele informou que, desde o início da terceira fase de testes da vacina, há mais de 30 dias, não houve qualquer ocorrência que possa merecer mais estudo ou análise. “Informes indicam dores de cabeça, dor onde se aplica a vacina, o que é entendido por cientistas como dentro da normalidade.

Para ele, somente com a imunização será possível o retorno à vida normal. “Até lá, cautela”‘, recomendou. “Não é hora de festejar nada, haverá momento para isso após a imunização”. 

O governador declarou também que acredita que a vacinação contra Covid-19 deve ser mandatória e criticou o presidente Jair Bolsonaro pela revogação do decreto que estabelecia essa obrigatoriedade.

“Uma pessoa não vacinada pode ser contaminada e contaminar outras pessoas. Não é razoável fazer a opção de não se proteger. Não consigo compreender o direito à morte”, disse.

“Lamento que o presidente Bolsonaro tenha revogado o decreto que ele mesmo assinou e peço que reveja a posição em nome da saúde e vida dos brasileiros”. 

A relação com o Ministério da Saúde, no entanto, vai bem. Doria informou que a primeira parcela de recursos federais ao Insituto Butantan deve ser liberada nesta semana. “Até aqui, estamos convictos que o comportamento do Ministério da Saúde prosseguirá nesse sentido”. 

Aglomeração no litoral

O governador classificou as aglomerações vistas nos últimos dias no litoral paulista como “preocupantes”, mas disse que a revisão das normas fica a critério dos prefeitos. 

“O que o governo recomenda é obediência aos códigos sanitários e à legislação estadual que obriga o uso de máscara. A decisão de ocupar faixas de areia, o uso do mar, calçadões, parques e praças pertence ao município”, disse. 

Ele ressaltou, no entanto, a importância do cuidado individual. “Cada um tem grau de responsabilidade, independentemente do governo estadual, municipal e até federal”, disse.

“Fico triste em verificar essa parcela da população que não compreende a importância de se resguardar. Entendo que seis meses de isolamento atordoam as pessoas, querem liberdade e sair. Mas sair para encontrar a morte não é um bom caminho”.