Uso de cartões de crédito de supermercados cresceram 33% no primeiro trimestre

Nos três primeiros meses deste ano, mesmo com o cenário de pandemia avançando e o pagamento do auxílio emergencial indefinido pelo Governo Federal, a DMCard conseguiu manter o seu ritmo acelerado de crescimento. O fenômeno da busca pelo uso de cartões de crédito de supermercados como aliado, principalmente o private label, é comprovado ao se observar a variação no número de propostas recebidas, ou seja, novos clientes em busca de crédito.

No primeiro semestre de 2020 foram 353.694 novas propostas, total que no mesmo período deste ano chegou à marca de 470.674, um aumento de 33% e um novo recorde para a empresa. No primeiro trimestre, os portadores dos cartões DMCard movimentaram R$ 870 milhões em compras pelo país. O montante representa um crescimento de 29% se comparado ao mesmo período de 2020, quando o valor em compras no crédito gerido pela DMCard foi de R$ 676 milhões, o que já era um recorde para janeiro, fevereiro e março.

Além disso, o resultado alcançado pela instituição financeira também merece atenção, pois quase se igualou ao valor movimentado em pagamentos realizados no 4º trimestre de 2020, que foi de R$ 873 milhões. “Os últimos três meses do ano tradicionalmente formam o período de maior movimentação no varejo devido ao período de festas, pagamento de bônus e 13º salário pelas empresas.  Além disso, 2020 ainda contava com o pagamento do auxílio emergencial às famílias de baixa renda impactadas pela pandemia”, explica Sandra Castello, Diretora de Marketing e Pessoas da DMCard.

Mesmo sem auxílio o cartão ainda foi um aliado do consumidor 

Desde o ano passado, a DMCard entrou no setor de cartões de crédito bandeirados com a Mastercard. Contudo, representando apenas 4% dos cartões ativos, a principal ferramenta da instituição para disponibilizar crédito ainda é o cartão de loja, o private label, principalmente em supermercados, segmento no qual a empresa é líder há anos. Sandra explica como esse business core e o atual cenário econômico desafiador foram os fatores que impulsionaram o crescimento.

“A pandemia potencializou um cenário econômico que já se mostrava difícil há alguns anos. Um fenômeno que tem empurrado consumidores, principalmente das classes mais baixas, para o cartão de supermercado para conseguirem abastecer seus lares. Esse comportamento, aliado às nossas ações de gestão rápidas e precisas, possibilitou sustentar a nossa média de crescimento e nos estimulou a manter nossos planos de lançamentos de novos produtos sem nenhum atraso”.

A executiva também fala sobre a dificuldade de acesso ao crédito em momentos de crise econômica como a que passamos. “O cenário econômico e o risco de inadimplência já traziam cada vez mais dificuldade de acesso ao crédito tradicional. Com a pandemia, somamos a esses problemas a diminuição de poder aquisitivo ocasionada principalmente pelo lockdown. Para a população de baixa renda e para aquele consumidor ainda desbancarizado, o cartão de loja teve um papel importante na manutenção do consumo doméstico básico”.

Cresce a busca  também para acerto de dívidas

“Essa busca pela segurança financeira, de ter um crédito à disposição para emergências, também pode ser observada no aumento do número de consumidores em dívida buscando realizar acordo para pagamento”. Destaca Sandra, lembrando que, os que já possuem o cartão, se preocuparam em mantê-lo ativo.

No primeiro semestre de 2020 foram mais de 268 mil acordos realizados, o que já era um salto, uma vez que representa um crescimento de 33% ao ser comparado com o mesmo período de 2019. Durante o ano passado, os números de novos acordos continuaram altos no primeiro semestre e começaram a ter uma leve queda no segundo, quando a pandemia começou a se estender mais do que era previsto e o efeito no orçamento familiar passou a pesar no bolso.

Em 2021, essa busca pelo pagamento de dívidas com a DMCard começa a retomar um ritmo de crescimento. No primeiro trimestre chegou a um total de 287.518 acordos, o que representa um aumento de 7%.

Assim, a DMCard faz sua parte nesse momento tão delicado do Brasil, de crise sanitária, por conta da pandemia que se reflete em crise econômica. De um lado oferecendo crédito, para aqueles que precisam continuar consumindo, e também facilitando as negociações para os inadimplentes.

Sobre o Grupo DMCard

A DMCard é uma administradora de cartões private label que nasceu em 2002, em São José dos Campos, interior de são Paulo. A empresa viabiliza a redes de supermercados a possibilidade de oferecerem aos seus consumidores um cartão de crédito de marca própria que, além de aumentar as vendas, fideliza seus clientes. Além da própria, o grupo conta também com a processadora de cartões Infocards e a financeira Finansinos S/A.

Denis César Correia, CEO do Grupo, explica o sucesso e os diferenciais da DMCard: “Somos uma empresa especialista em varejo, por isso podemos atender às necessidades específicas do segmento”.

A DMCard nasceu de uma pequena operação de cartões de fidelidade de uma rede varejista. Hoje, possui uma completa e integrada estrutura de administração e processamento de operações, e atua em diversas regiões do Brasil. A empresa já ultrapassou a marca de 3 milhões de cartões emitidos para mais de 360 redes e 2.300 lojas, incluindo Sonda, Cobal, Spani, Semar, Royal, Unissul, Unidasul, Docelar, Joanin, Ricoy, Imec, BH, Koch, Paulistão, Extrabom e Althof.

Além do crédito, a DMCard ainda oferece uma poderosa ferramenta de CRM que coleta informações sobre o hábito de compra dos consumidores, permitindo, assim, a criação de campanhas personalizadas e relevantes para os diferentes perfis de clientes existentes.

Com nota alta em qualidade de serviço, a DMCard é uma das únicas empresas de cartões que possui o selo RA1000, garantindo o compromisso da marca em oferecer o melhor atendimento para seus parceiros e clientes.

www.dmcard.com.br

...

Gostou de “Uso de cartões de crédito de supermercados cresceram 33% no primeiro trimestre”?

Uso de cartões de crédito de supermercados cresceram 33% no primeiro trimestre
Sandra Castello, Diretora de Marketing e Pessoas da DMCard
C+M Comunicação

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email assim que estiverem online em nosso site. Aproveite e leia sobre Carreiras e Trabalho, com os ensinamentos de Rogério de Caro.

Junte-se a 1.368 outros assinantes

Preço da gasolina tem ligeira alta de 0,18% em abril

Em abril, pelo 11º mês consecutivo, o preço médio do combustível registrou variação positiva. Desta vez, a oscilação foi bem menor do que a verificada no mês anterior, quando o valor saltou 10,94% em relação a fevereiro. Com a alta de 0,18% em abril, o preço do litro da gasolina foi vendido, em média, a R$ 5,737. As informações constam em levantamento exclusivo feito pela ValeCard, empresa especializada em soluções de gestão de frotas.

Obtidos por meio do registro das transações realizadas entre os dias 1º e 29 de abril com o cartão de abastecimento da ValeCard em cerca de 25 mil estabelecimentos credenciados, os dados mostram que as maiores altas foram registradas em Amazonas (2,91%) e Acre (1,53%). Por outro lado, 10 Estados registraram queda do preço médio do combustível. As maiores reduções ocorreram em Santa Catarina (-3,07%) e na Bahia (-2,96%).  

Fonte: ValeCard
Fonte: ValeCard

As capitais do Acre (R$ 6,181) e Rio de Janeiro (R$ 6,164) foram as que apresentaram maiores preços médios em março. Já Florianópolis (R$ 5,109) e Salvador (R$ 5,250) registraram os menores valores. 

Preço da gasolina em abril
Fonte: ValeCard

Em quatro Estados, compensa abastecer com etanol 

Rio de Janeiro (R$ 4,962) e Espírito Santo (R$ 4,936) registraram os maiores preços médios do etanol em abril. Conforme o levantamento, em apenas quatro Estados (São Paulo, Goiás, Minas Gerais e Mato Grosso) compensa abastecer o veículo com etanol – a opção só é vantajosa quando o litro do derivado da cana-de-açúcar custar 70% (ou menos) do que o litro da gasolina.  

Preço da gasolina em abril
Fonte: ValeCard

Sobre a ValeCard  

A ValeCard é uma das maiores empresas de meios de pagamento eletrônicos do Brasil e oferece soluções completas e integradas para gestão de frotas e benefícios.  

https://www.valecard.com.br

Gostou da nossa matéria “Preço da gasolina tem ligeira alta de 0,18% em abril“?

Preço da gasolina em abril
Foto: Divulgação

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 1.368 outros assinantes

Reduções da Petrobrás contêm aumento de preços da gasolina

Litro do combustível custou, em média, R$ 5,728 na primeira quinzena de abril; Etanol é mais vantajoso em quatro estados brasileiros; Confira sobre a contenção do aumento de preços da gasolina.

Após duas reduções seguidas no preço da gasolina nas refinarias, anunciadas no fim de março pela Petrobrás, os motoristas encontraram estabilidade nos valores cobrados pelos postos de combustíveis brasileiros. De acordo com levantamento de preços feito pela ValeCard, empresa especializada em soluções de gestão de frota, a média nacional da gasolina ficou em R$ 5,728 na primeira quinzena de abril – praticamente o mesmo valor registrado em março, quando o litro custava R$ 5,727.

O reajuste de menos de 0,1% apresenta o primeiro mês sem altas desde maio de 2020. Os preços nas bombas acompanhavam os aumentos seguidos no valor cobrado pelas refinarias. Na última quinzena de março, porém, a Petrobrás fez duas reduções: a primeira de 5% e a segunda de 4%, o que ajuda a explicar a estabilização dos preços no início de abril.

Obtidos por meio do registro das transações realizadas entre os dias 1º e 15 de abril com o cartão de abastecimento da ValeCard em cerca de 25 mil estabelecimentos credenciados, os dados mostram que o aumento do combustível foi contido na maioria dos estados. As maiores altas foram registradas no Amazonas (2,92%) e no Acre (1,52%). A gasolina ficou mais barata em 14 estados, com as maiores reduções em Santa Catarina (2,55% a menos) e no Maranhão (1,99% de redução).

Reduções da Petrobrás contêm aumento de preços da gasolina
Fonte: ValeCard


Reduções da Petrobrás contêm aumento de preços da gasolina
Fonte: ValeCard

Apesar das reduções a nível nacional, três capitais brasileiras continuaram com o litro da gasolina acima de R$ 6. Os maiores preços entre elas nos primeiros dias de abril foram registrados no Acre (R$ 6,187) e no Rio de Janeiro (R$ 6,124). Já Macapá (R$ 5,188) e Curitiba (R$ 5,208) registraram os menores valores.

Fonte: ValeCard

Abastecimento com etanol é inviável

No caso do etanol, os estados com o combustível mais caro foram o Rio de Janeiro (R$ 4,962) e Espírito Santo (R$  4,936) registraram os maiores preços médios em março. Conforme o levantamento, em quatro estados compensa substituir a gasolina pelo etanol: Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso e São Paulo. A troca pelo derivado da cana-de-açúcar só é vantajosa quando seu litro custar 70% ou menos do que o litro da gasolina.

Fonte: ValeCard

Sobre a ValeCard 

A ValeCard é uma das maiores empresas de meios de pagamento eletrônicos do Brasil e oferece soluções completas e integradas para gestão de frotas e benefícios.  

https://www.valecard.com.br

Gostou da nossa matéria “Reduções da Petrobrás contêm aumento de preços da gasolina“?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 1.368 outros assinantes

Ociosidade da indústria automotiva ainda está alta

Indústria automotiva ainda não recuperou perdas provocadas pela pandemia de coronavírus. Ociosidade da indústria automotiva, de acordo com FGV.

Em quatro meses, encerrados em dezembro, fabricantes de veículos e de produtos de metal registraram ociosidade de 30 por cento no parque industrial.

O dado é da Sondagem da Indústria do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas, a FGV, divulgados pela Agência Estado.

Nos 16 principais subsetores pesquisados, apenas sete já superaram a média histórica de uso da capacidade instalada.

O economista-chefe do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial, o Iedi, Rafael Cagnin, diz que a retomada não vem de forma ordeira e homogênea, mas ocorre de modo heterogêneo.

Segundo ele, apesar dos desafios que o setor terá pela frente, como o fim do auxílio emergencial, o desemprego elevado e a piora da curva da pandemia, existe a expectativa de dias melhores.

A Sondagem da FGV também mostra que de setembro a dezembro de 2020, a indústria da transformação operou com 79,25 por cento da capacidade instalada.

O percentual está próximo da média histórica de 81 vírgula 96 por cento, verificada entre 2010 e 2015, antes das duas últimas crises econômicas.

O superintendente de Estatísticas Públicas da FGV, Aloisio Campelo Júnior, diz alguns setores ficaram superaquecidos, como o da indústria de papelão ondulado.

Ele explica que com o aumento das vendas online, os produtos precisam ser reempacotados.

Ao mesmo tempo, os veículos automotores utilizaram apenas pouco mais de 69 por cento da capacidade instalada entre setembro e dezembro, ante a média histórica pré-crise de 83 vírgula 54 por cento.

Já a indústria de produtos de metal operava com 67 vírgula 48 por cento da capacidade, abaixo da média de cerca de 78 por cento.

“Ociosidade da indústria automotiva ainda está alta” com informações de Rádio2.

Gostou da matéria “Ociosidade da indústria automotiva ainda está alta”?

Assine nossa Newsletter e fique por dentro das notícias, assim que publicadas, ou como desejar. Portanto, para periodicidade, confira informações no email recebido. Então, aproveite e leia mais sobre Indústria e Economia.

Ociosidade da indústria automotiva ainda está alta