Arquivo da tag: como evitar

Tentativas de Fraudes: Quando mais ocorrem?

Os fraudadores estão aumentando seus esquemas digitais no Brasil. A constatação é da mais recente análise trimestral da TransUnion (NYSE: TRU) sobre as tendências globais de tentativas de fraudes online.

De acordo com os dados do levantamento, o setor mais visado pelas suspeitas de tentativas de fraudes digitais no Brasil foi o de serviços financeiros, com aumento de 457%. 

Além disso, o recente Estudo Global Consumer Pulse da TransUnion descobriu que 20% dos consumidores brasileiros foram, recentemente, alvos recentes de fraudes digitais relacionadas à Covid-19.

Outro estudo, chamado “Mapa da Fraude 2020”, realizado pela Clearsale, detectou que a quantidade de tentativas de fraudes no comércio eletrônico no Brasil aumentou 53,6% em 2020, apontando uma tendência que deve se estender até o final de 2021. 

Golpes estão cada vez mais sofisticados

Se antes existia a sensação de que apenas pessoas menos habituadas às transações eletrônicas é que caíam nos golpes, hoje a situação é outra. Os golpes estão cada vez mais sofisticados, o que aumenta o número de pessoas prejudicadas não só diretamente em meios online, mas também por telefone e outros métodos.   

E mais: os fraudadores têm dias preferidos para tentar suas ações, segundo o levantamento da Clearsale. As quartas-feiras foram os dias que mais registraram tentativas de fraudes, respondendo por 16,8% do total, seguidas das terças-feiras, com 16,57% do total. 

“O primeiro passo para o usuário se proteger de golpes na internet é ter ciência se o site é confiável ou não. É essencial verificar no rodapé do site os selos e certificados. Outra opção é olhar a URL do site e se possui o “cadeado”, mostrando que a conexão é segura”, destaca o CEO da Codeby, empresa de tecnologia focada em negócios digitais, Fellipe Guimarães. 

Existe uma adaptação e organização dos fraudadores ao cenário de isolamento em que vivemos. A análise ainda mostra que, além de terça e quarta-feira serem os dias mais cobiçados para cometer a fraude, os horários de pico ficam entre 12h e 18h. 

“O estudo é extremamente interessante, pois mostra que existe uma estratégia para cometer tais atos, ou seja, como muitas pessoas estão em home office, simultaneamente trabalhando e comprando, os fraudadores escolhem os dias da semana como ‘melhores’  para cometer o delito”, argumenta Guimarães. 

“Se eu puder dar poucas dicas que são essenciais, seriam: mantenha sempre atualizado o seu software de proteção e antivírus,  crie senhas difíceis de serem descobertas, use bloqueador de pop-ups e, por último, faça download de arquivos apenas de sites conhecidos”, menciona Guimarães. 

Além disso, os especialistas também recomendam que os compradores  ignorem e-mails de remetentes desconhecidos, não cliquem em links desconhecidos, e solicitem para o banco o serviço de ‘alertas de transação’ para acompanhar as suas compras por e-mail ou SMS. 

Essas dicas são fundamentais para o combate e prevenção de cibercrimes, em que criminosos virtuais se aproveitam de momentos delicados e vulneráveis para conduzir golpes e fraudes. Ou seja, o ataque pode vir via e-mail, SMS, ligação e aplicativos de mensagem. Além disso, fique atento aos seus e-mails, envio de links suspeitos, domínios inexistentes, e as famosas fake news. 

“É de extrema importância que o cliente se informe e cuide de suas senhas e sites que frequenta. E mais que isso: o setor de comércio eletrônico também precisa entender seu papel no que diz respeito a educar esses usuários e mostrar a importância de cuidar dos seus dados.  É claro que oferecer um ambiente seguro aos clientes é tarefa primordial de uma loja virtual, mas também nos cabe ajudar a fomentar uma internet mais segura para todos”, finaliza Guimarães. 

Fellipe Guimarães, especialista em negócios digitais | Startup Maker | Desenvolvedor Full Stack. Founder Grupo Codeby, uma empresa de tecnologia especializada em desenvolvimento de funcionalidades que agregam o crescimento para negócios digitais. A empresa que possui 7 anos de mercado atende grandes marcas como, por exemplo, KFC (México), F64(Romênia), Telemercados (Chile), Lego, Shoulder, Valisere, Alpargatas, entre outras. Saiba mais: https://codeby.com.br/ 

Gostou da nossa matéria “Tentativas de Fraudes: Quando mais ocorrem?“?

Tentativas de Fraudes: Quando mais ocorrem?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.681 outros assinantes

Cadê o laudo?

Decisões estapafúrdias e criminosas, no mais puro nível de lixo jurídico, foram tomadas por governadores e prefeitos, com o aval do STF. Decisões estas que só me fazem perguntar: Cadê o laudo?

Não houve laudo comprovando que lockdown funciona. Não houve laudo comprovando que ônibus cheio não transmite coronavírus. Não houve laudo comprovando que proibição de circulação em determinadas horas dificultam a propagação da covid-19.

Os governadores e prefeitos criminosos que cuspiram na Constituição e estupraram os direitos fundamentais não apresentaram um laudo para comprovar cientificamente a eficácia das medidas restritivas.

O Judiciário e o Ministério Público não apresentaram laudo para justificar a perseguição política que fizeram contra aqueles que não realizaram restrições. Mas o que dizer de um Judiciário e Ministério Público que violaram sexualmente o direito de ir e vir? Os magistrados apresentaram laudo que comprovava a medida imposta em suas liminares e sentenças? Os membros do Ministério Público apresentaram laudo que justificava as ameaças feitas em seus ofícios?

O que é preciso entender é que os operadores do Direito no Brasil, de modo geral, são idiotizados. Ou seja, pensam apenas naquilo que orbita a si mesmo, dentro de uma bolha de convivência em que todos concordam com tudo, ou estão fora. A classe universitária, da qual os operadores do Direito fazem parte, é plenamente estupidificada em si mesmo.

A elite intelectual Brasileira, sobretudo a jurídica, acredita no Jornal O Globo e na Folha de São Paulo. Acreditam piamente. Essa velha mídia está aí justamente alimentada por uma elite brasileira, que passa adiante o que lê nesses dois jornais, validando uma coletânea de mentiras.

Então vamos às fake news. Donald Trump usou esse termo para designar a CNN, principalmente um de seus jornalistas. Esse termo, fake news, não significa “notícia falsa”, mas sim “notícia fraudulenta”. Fake news é uma notícia fraudulenta, ou seja, uma notícia que tem elementos de verdade e elementos de mentira. Algo na notícia é verdadeiro, mas as conclusões (ou normalmente, a manchete) é falsa, e não condiz com os elementos verdadeiros.

Assim, o laudo seria um elemento verdadeiro. Mas não há laudo. E quando há laudo, o mesmo é, de toda forma, destruído, para que as fake news sejam superiores à verdade. As notícias fraudulentas são superiores a tudo. Inclusive à verdade. Cadê o laudo?

Não sabemos, mas os direitos foram destruídos por todo lado por parte de Governadores e Prefeitos com alianças incomuns com o Partido Comunista Chinês, com o apoio do pior Judiciário do mundo, e do pior Ministério Público do planeta. Cadê o laudo? Não tem. Mas destruição de vidas humanas, tem sim. Bastante.

CONFIRA A COLUNA OPINIÃO DIREITA

Gostou de “Cadê o laudo?“?

Cadê o laudo?
Foto de Bich Tran no Pexels

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.681 outros assinantes

ClubSaúde lança e-book sobre saúde mental: dicas de como lidar com isolamento social

O mais importante, quanto a saúde mental, para lidar com a ansiedade é aceitá-la plenamente. Aceitar o que não podemos mudar é a melhor maneira para haver alguma mudança.

ClubSaúde, especialista em saúde, bem estar e cuidados, desenvolveu um e-book sobre Quarentena vs Saúde Mental, com dicas e sugestões para que você busque cuidar ao máximo de sua saúde física e emocional, principalmente, durante esta difícil fase que estamos vivendo. São mais de 320.000 mil famílias que já utilizaram os serviços da empresa, que tem como propósito levar saúde acessível e de qualidade para milhões de brasileiros.

Aceite a sua ansiedade

Devido à quarentena, o home office foi definido para grande parte das empresas do nosso país e assim foi preciso se organizar e trabalhar de casa, o que nem sempre é fácil para quem vive com outras pessoas.

“O mais importante para lidar com a ansiedade é aceitá-la plenamente. Aceitar o que não podemos mudar é a melhor maneira e o primeiro passo para haver alguma mudança. Aceitar não é acomodar, desistir ou não fazer nada. É parar de lutar contra algo diante do qual é impotente. Aceite a sua ansiedade. Aceitar a ansiedade faz com que ela desapareça. Lutar contra ela para evitá-la faz com que ela aumente”, afirma o Dr. Fernando Oetterer Arruda, Gerente Medico do ClubSaúde e BenCorp.

 .

Tenha uma rotina

Pense em atividades que você gosta ou que precisa fazer e procure estabelecer horários e momentos definidos para realizar cada uma delas. Nessas horas, ter uma “agenda” pode te ajudar muito a não perder o foco, não procrastinar e utilizar o seu tempo da melhor forma.

Levante no horário habitual. Sabemos que dormir até mais tarde é tentador, mas tente não fazer isso todos os dias, pois a tendência é ficarmos deprimidos quando dormimos excessivamente. Um adulto precisa de quatro a seis ciclos de sono por noite, mais ou menos do que isso pode ser prejudicial. Faça uma tentativa e veja como se sente.

Tome um banho ao acordar, mantenha sua rotina de higiene pessoal, coloque uma roupa confortável, mas não fique de pijama o dia todo, arrume a cama e mantenha a limpeza da casa para que o seu ambiente fique asseado e você se sinta produtivo e disposto neste período.

Caso seja possível, tome 10-15 minutos de sol por dia, pois a vitamina D absorvida pela sua pele ao se expor ao sol é importante para fortalecer a imunidade.

Exercite o cérebro

Aprenda algo novo seja cozinhar, pintar, falar uma nova língua, crochet, bordado. Procure cursos online. Busque informação, mas não se deixe contaminar pelo excesso de conteúdo que as mídias disponibilizam. É importante que todos nós estejamos bem informados e cientes do que está acontecendo, tanto para nos protegermos e  para tomarmos as medidas corretas e necessárias. No entanto, chega-se num ponto em que o excesso de notícias nos deixa ainda mais ansiosos, abalados, assustados e nervosos. Equilíbrio é muito importante nesse momento.

Como lidar com a procrastinação

É muito tentador ficar de pijama o dia todo e maratonar todo o seu seriado favorito novamente ou ainda virar especialista em números de infectados pelo COVID no mundo, mas apesar de estarmos relativamente em stand by no momento, a avalanche de obrigações, pendências e tarefas irá surgir. Listamos algumas atividades para você se manter sempre em atividade:

  • Organize sua casa, gavetas e armários;
  • Meditar pode ser uma boa forma de tranquilizar a mente;
  • Aproveite para colocar a leitura em dia, seja por livros físicos ou online;
  • Defina metas e objetivos pessoais. Se você não tem esse hábito, é importante repensar;
  • Faça cada uma das atividades na hora certa;
  • Ache seus melhores momentos e execute as atividades de forma inteligente, na hora certa;

“Lembre-se: o feito é melhor que o perfeito, portanto vá em frente, com sorriso no rosto e firmeza nas decisões” incentiva Luís Alexandre Chicani, CEO do ClubSaúde.

Cuide da sua alimentação

Faça uma “lista” do que você e sua família gostariam de comer na semana. Coloque no papel a composição para esses dias, combinando sempre uma porção de proteína, uma de carboidratos e uma de vegetais ou fonte de fibras e vitaminas em todas as refeições (considere que o indicado é comer de três em três horas).

  • Lembre-se de que metade do prato deve ser composta por vegetais crus e/ou cozidos;
  • Inclua água em todos os dias. Se quiser beber nas refeições, o recomendado é 110 ml por refeição.

Sobre o ClubSaúde:

ClubSaúde é um completo de benefícios, que oferece a você e sua família acesso a consultas e exames por preços reduzidos, além de um super desconto em medicamentos sem cobrança por dependentes. Além disso, com o ClubSaúde, você tem acesso a um atendimento médico diferenciado para lhe ajudar a se manter sempre saudável. Temos uma equipe de médicos qualificada e mais de 3 mil clinicas e laboratórios por todo o país.

Você também pode contar com a Telepsicologia e ter acesso a consultas online com psicólogos a partir de R$ 50,00. Aproveite esse benefício para você e sua família e tenha uma vida mais saudável durante estes tempos difíceis em que estamos vivendo.

Quer saber mais sobre o ClubSaúde? Confira o site e fique por dentro de todos os pacotes e benefícios que temos para você e sua família.

Gostou da nossa matéria “ClubSaúde lança e-book sobre saúde mental: dicas de como lidar com isolamento social“?

ClubSaúde lança e-book sobre saúde mental: dicas de como lidar com isolamento social
Ethel Braga, autor de “Quarentena vs Saúde Mental”. Foto: ethelbraga.com

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.681 outros assinantes

Bactérias podem combater poluição de plásticos

Microbiologistas descobriram uma maneira de usar bactérias para reter microplásticos, removendo-os do meio ambiente e tornando-os mais fáceis de reciclar. Bruna Boner mostra como bactérias podem combater poluição de plásticos

A nova técnica, desenvolvida por cientistas da Universidade Politécnica de Hong Kong, usa biofilmes bacterianos – uma substância pegajosa criada por microorganismos – para capturar partículas microplásticas. O biofilme é então processado e disperso, liberando as partículas microplásticas para processamento e reciclagem.

Os microplásticos são extremamente problemáticos e representam um grande risco para as cadeias alimentares e a saúde humana, de acordo com o pesquisador Yang Liu: “Eles não são facilmente biodegradáveis, onde são retidos nos ecossistemas por períodos prolongados. Segundo Bruna Boner, isso resulta na absorção de microplásticos pelos organismos, levando à transferência e retenção de microplásticos na cadeia alimentar.

“Devido à sua enorme área de superfície e capacidade de adsorção, os microplásticos podem adsorver poluentes tóxicos, como pesticidas, metais pesados e resíduos de drogas em altas concentrações.

“Isso leva à toxicidade biológica e química para organismos nos ecossistemas e humanos após o consumo não intencional prolongado de tais microplásticos. Além disso, os microplásticos também são difíceis de remover em estações de tratamento de esgoto, resultando em sua liberação indesejada no meio ambiente. ”

Como funciona a técnica dos pesquisadores
Em mais detalhes, os pesquisadores usaram a bactéria Pseudomonas aeruginosa para capturar microplásticos em um biorreator. Esta espécie de bactéria é encontrada em todos os ambientes e já foi demonstrado que coloniza microplásticos no meio ambiente. Cristina Boner Leo conta que Biofilmes de P. aeruginosa fazem com que os microplásticos se agregem, eventualmente fazendo com que eles afundem. Em biorreatores, isso torna os microplásticos mais fáceis de coletar.

Depois que os microplásticos foram capturados pelos biofilmes e afundaram no fundo do reator, os pesquisadores usaram um gene de dispersão do biofilme, que fez com que o biofilme liberasse os microplásticos.

Liu explicou que isso “permite a liberação conveniente de microplásticos da matriz de biofilme, que de outra forma é difícil e cara de degradar, de modo que os microplásticos podem ser posteriormente recuperados para reciclagem”.

Levando o método para estações de tratamento de água

Microplásticos são partículas de plástico com menos de 5 mm de diâmetro. Eles podem entrar no meio ambiente por meio de várias fontes, incluindo a quebra de peças maiores de plástico, lavagem de roupas sintéticas, quebra de pneus de automóveis e resíduos de plástico diretamente da indústria. Bruna Boner mostra que os métodos atuais de descarte de microplásticos, como incineração ou armazenamento em aterro, são limitados e têm suas próprias desvantagens.


As próximas etapas da pesquisa, que foi publicada no Chemical Engineering Journal no início deste ano, estão movendo a prova de conceito do laboratório para um ambiente ambiental

Liu e seus colegas esperam que a técnica seja eventualmente usada em estações de tratamento de águas residuais para ajudar a impedir que os microplásticos escapem para os oceanos. Eles também têm que encontrar compostos naturais para estimular a dispersão do biofilme dos isolados bacterianos formadores de pró-biofilme, dizendo que “isso fornece uma base para futuras aplicações em estações de tratamento de águas residuais, onde os microplásticos podem ser removidos de uma maneira segura e ecologicamente correta.”

Pesquisas como essa, que poderiam reduzir a ‘plastificação’ de nossos ambientes naturais, são realmente boas notícias.

Bactérias podem combater poluição de plásticos
Bruna Boner mostra como bactérias podem combater poluição de plásticos. Foto: Universidade Politécnica de Hong Kong

Gostou da nossa matéria “Bactérias podem combater poluição de plásticos“?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.681 outros assinantes

fome pobreza miséria alimentar

A pandemia e a insegurança alimentar

Fernando Rizzolo é o autor de “A pandemia e a insegurança alimentar”

Não há nada neste mundo que humilhe e desespere mais uma pessoa do que a percepção da fome se aproximando. Entre todas as tragédias da humanidade, a fome, a miséria e o desalento formam uma tríade que acaba despersonalizando o ideal de sobrevivência, mormente quando o provedor familiar se vê impotente mediante a realidade econômica de prover sua família.

O grande choque ideológico com a chegada da direita, extrema direita ou “liberais” ao poder, no Brasil, foi o pouco alcance de medidas eficazes sobre os efeitos da pandemia na vida dos mais pobres. Do ponto de vista sanitário, tentou-se o negacionismo, bem como as “terapias alternativas” como forma de socorrer os infectados. Uma arriscada medida que se baseou em uma receita dos EUA chancelada pelo ex-presidente Donald Trump e implementada aqui no Brasil, violando e contrariando conceitos científicos que recusavam essa “terapia cloroquínica”.

Tal situação levou o Brasil a um desdobramento da pandemia que foi muito mais mortífero entre pessoas negras do que entre as brancas no estado de São Paulo ao longo de 2020 – até por ser este, do ponto de vista alimentar, um grupo muito mais carente. Morreram 46,7 mil pessoas em decorrência dessa doença no território paulista segundo um estudo da Vital Strategies com apoio do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento.

Isso corrobora aquilo que prevíamos, ou seja, em São Paulo, em que 40% da população é negra (preta ou parda), em virtude de um racismo estrutural, o número de mortes entre essa população aumentou em 25%, enquanto entre a população branca o aumento foi de 11,5%. Muito embora esses dados sirvam apenas para sublinhar um recorte da miséria que assola todas as etnias, afinal, no Brasil, mais de 125,6 milhões de pessoas não se alimentam como deveriam ou já anteriormente avistavam problemas futuros com a pandemia de coronavírus no tocante à segurança alimentar, segundo estudo da Universidade Livre de Berlim, na Alemanha. O estudo também demonstra que 31,7% disseram ter insegurança alimentar leve, 12,7% disseram ter insegurança moderada e 15% demonstraram insegurança grave (fome propriamente dita).

Nesse quadro, o Nordeste apresenta situação mais grave, pois a insegurança alimentar atinge 73,1% das pessoas, a região Norte apresenta com 67,7%, a Centro-Oeste aparece com 54,6% e o Sudeste com 53%. A região com melhor situação é o Sul, com 51,6%, o que tampouco representa um cenário favorável, pois, do ponto de vista estatístico, mais da metade dos lares apresentam insegurança. É interessante notar que todos diminuíram em 44% o consumo de carne e 41% o de frutas.

Isto posto, a condição epidemiológica da população está mais vulnerável, quer por questões não só do aumento da miséria como pelas condições raciais, que se somam ao contexto do desemprego generalizado e das poucas contrapartidas do governo federal no sentido de salvaguardar uma renda mínima digna, e que tampouco foi provedor no auxílio a pequenos e microempresários, que tiveram seus negócios fechados. Hoje o trabalhador tem duas opções: ou fica em casa sofrendo com a fome ou se expõe à procura de um emprego, arriscando-se em aglomerações que muitas vezes o acabam infectando.

O atraso nas demandas de contenção da pandemia por parte do governo federal é mais uma faceta da sombria condição de vulnerabilidade social, em que o fogão a gás foi trocado pelo fogão a lenha, pois pagar R$ 100,00 (cem reais) pelo bujão de gás significa muito para quem está sem condições verdadeiras de levar uma vida digna.

Fernando Rizzolo é advogado, jornalista, mestre em Direitos Fundamentais.

Gostou da nossa matéria “A pandemia e a insegurança alimentar“?

A pandemia e a insegurança alimentar

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.681 outros assinantes