Pão integral, será que é integral mesmo?

Saiba que não é só porque na embalagem está escrito integral que o produto realmente é integral. O mesmo com o pão integral.

Muitas vezes os seguintes termos estão presentes nas embalagens dos pães: ” feito com grãos integrais”, “grão integral” ou “trigo 100%”, mas o que devemos estar atentos é ao que está escrito na lista de ingredientes que normalmente fica na parte de trás ou ao lado do pacote, o resto na frente da embalagem é só propaganda mesmo.

As listas de ingredientes sempre seguem a ordem decrescente, portanto, o primeiro ingrediente da lista é aquele que está em maior quantidade no produto.

Então para sabermos que o pão é realmente integral, deve estar escrito: “farinha de trigo integral” como primeiro ingrediente. Se o primeiro ingrediente da lista for por exemplo: “farinha de trigo enriquecida com ferro e ácido fólico”, significa que o produto tem maior quantidade de farinha branca refinada do que os demais ingredientes, então, esse pão não é integral.

E você, costuma ler a lista de ingredientes?

Me siga no Instagram @rosangelalsnutri

Gostou de “Pão integral, será que é integral mesmo?”?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email. Aproveite e leia sobre dicas de nossa nutricionista Rosângela Lopes.

pão integral

Conta de energia em janeiro será em bandeira amarela

A conta de energia em Janeiro terá bandeira amarela. A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) mudará a bandeira tarifária, com relação ao mês de Dezembro. Sendo assim, o valor cobrado deixará a bandeira vermelha para amarela, no início de 2021. Portanto, é provável que as contas dos consumidores sejam menores.

Segundo a agência, a previsão de janeiro do aumento da quantidade de água nos principais reservatórios de água. Portanto, maior produção hidrelétrica é esperado, o que diminuirá os custos relacionados ao risco hidrológico, o que permite a redução da tarifa.

Conta de energia em janeiro

Quanto será a conta de energia em janeiro?

A taxa extra será de R$ 1,343 a cada 100kWh consumidos, a partir de 1º de janeiro. Todavia, a taxa na bandeira vermelha patamar 2, utilizada em dezembro, era de R$ 6,243 para cada 100KwH.

O sistema de bandeiras tarifárias esteve suspenso, desde maio, para reduzir as contas dos consumidores. Nesse sentido, uma das medidas de enfrentamento aos efeitos econômicos da crise do coronavírus. Porém, a cobrança da taxa extra retornou agora em dezembro.

A atualização das bandeiras tarifárias são feitas todos os anos. A Aneel leva em conta parâmetros diversos. Por exemplo, estimativas de mercado, inflação, projeção de volume de usinas hidrelétricas, histórico de operação do Sistema Interligado Nacional.

A Aneel criou o sistema de bandeiras em 2015. O intuito original era de ressarcir os custos com as usinas termoelétricas. Esta fonte de energia é mais cara, frente ao gerado nas hidrelétricas. A indicação do valor da tarifa é feito com as cores verde, amarela ou vermelha, na conta de energia.

A variação ocorre, em especial, em épocas com menos chuvas nas bacias dos principais reservatórios do sistema elétrico nacional. Neste cenário, a agência poderá acionar as bandeiras amarela e vermelha. Por outro lado, quando o nível está dentro do esperado e operacional, a bandeira verde é mantida e sem valores adicionais.

Quando chove menos os reservatórios das hidrelétricas ficam mais vazios e é preciso acionar mais térmicas para garantir o suprimento de energia no país. Nesse caso, a bandeira fica amarela ou vermelha, de acordo com o custo de operação das termelétricas acionadas.