O Problema de Israel

Marcio Pinheiro é o autor desta coluna e do artigo “O Problema de Israel”.

O Estado de Israel está cercado de problemas. A começar dos países muçulmanos em volta de Israel, mais os países europeus politicamente corretos dominados pela mentalidade de esquerda, mais os países comunistas e seus satélites, como a Rússia e a China. Ainda tem os problemas dentro do país, os que, embora estejam em Israel, não são Israel de coração.

O centro do mundo fica em Jerusalém. É incrível como é possível fazer uma linha reta a partir de Jerusalém para qualquer lugar do mundo com uma certa facilidade. Israel é o centro espiritual do mundo, ainda. Mas há o problema de Gaza, que agora será reconstruída por Biden, o presidente socialista do país capitalista, sobre o qual pende dúvidas da lisura das eleições fraudulentas, e Xi, o ditador comunista genocida do sofrido povo chinês, que já se acostumou com a ausência de liberdade.

Quem reconstruiu a atual Israel foram os judeus marxistas. Provavelmente foi a única coisa certa que a esquerda fez: reconstruir o Estado de Israel. Desde o final do século XIX, o jornalista Theodor Herzl (autor do livro “O Estado Judeu”), os judeus internalizaram o sionismo como meta de um povo, para voltar ao local extremamente devastado e seco, que quase nada produzia.

A Inglaterra, somente em 1920 (até 1948) passou a controlar o local, no Mandato Britânico da Palestina, e facilitou a entrada dos judeus no território que ninguém queria. Aos poucos, os judeus foram habitando os locais, fazendo seus kibutz.

Os kibutz foram uma experiência comunista judaica, que deu certo por alguns anos. Lá a regra da igualdade era levava a ferro e fogo, de modo que as crianças deveriam ser tratadas com igualdade total. Foi nesse período que se mostrou uma tendência biológica: meninos tinham predileção por máquinas, meninas tinham predileção por comunicação e cuidado. Existe biologia nas opções de gênero, não há como negar.

Os kibutz começaram a produzir naquela terra seca e infértil, de modo que somente os judeus conseguiam produzir comida em grande quantidade, algo impensável para quem morava lá antes da chegada dos judeus marxistas.

O povo palestino era o povo judeu que morava lá antes mesmo dos ingleses protegerem os interesses judaicos. Palestino vem de Filisteu, e era usado de modo geral para todos os habitantes daquela terra até o século XX, quando o povo judeu refundou o Estado de Israel, a única democracia num mar de totalitarismo religioso e autocrático.

Israel é a única solução num local onde só há problemas. Se os vizinhos de Israel não pegarem em armas, haverá paz. Se Israel não pegar em armas, será dizimado. Essa é uma verdade mais inconveniente do que aquela mentira do Al Gore.

Mas isso não é dito na mídia ou na universidade. É impressionante como gastamos dinheiro sustentando um bando de vagabundos em universidades, que fingem que estudam, passam boa parte do tempo se drogando e só conhecem o que o PSOL prega.

Não tenho ódio às universidades. Tenho ódio do que elas viraram na mão da esquerda. Assim como Israel. Eu amo Israel e os judeus. Mas se é para odiar alguém, eu escolho odiar os inimigos de Israel. Quem ama Israel é amado por Deus. Quem odeia Israel é odiado por Deus. Você já escolheu a quem amar e a quem odiar?

CONFIRA A COLUNA OPINIÃO DIREITA

Gostou de “O Problema de Israel“?

O Problema de Israel
O Problema de Israel. Foto de cottonbro no Pexels

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.157 outros assinantes

O Jardim das Aflições: o sofrimento de estar só

Resenha autoral sobre o livro O Jardim das Aflições; Twitter do autor

A Magnum Opus do filósofo Olavo de Carvalho é o introito perfeito para a abertura do Caderno Cultural do Jornal Grande ABC: o jardim no qual Cristo esteve só, em seu sofrimento.

Olavo de Carvalho nos traz uma ideia original, como parece ser do seu feitio, em que a humanidade busca a nova realização do império universal a cada geração, inconscientemente agindo neste objetivo. Mas me salta aos olhos outro aspecto da obra Olaviana (embora há quem diga Olavista): a solidão tão própria daquele que é chamado por Deus para realizar algo.

No Evangelho Segundo Mateus, capítulo 26, versículo 39, está escrito (Bíblia Literal do Texto Tradicional, de Hélio de Menezes Silva): E, havendo Ele ido um pouco mais adiante, prostrou-se sobre o Seu rosto, orando e dizendo: “Ó Meu Pai, se possível é, passa para longe de mim este cálice; no entanto não seja como Eu quero, mas como Tu queres”.

Este é o chamado que Olavo recebeu, e nos convida: a vida intelectual é uma vida espiritual de transformação dolorida, um tormento na alma, em que a solidão só cresce, diminuindo-se a si mesmo ao ponto de quase desaparecer. Então surge uma luz na alma, que faz aproximar aqueles que amam a sabedoria. E a solidão começa a
desaparecer, pois o amor de Deus faz jorrar amor de si mesmo e de volta dos outros
que buscam a Luz.

Olavo é um alquimista sem saber que é. O Mutus Liber diz, em latim, que “Ore, leia, leia, leia, releia, trabalhe e encontrarás”. É o que vemos surgir da obra O Jardim das Aflições, pois o autor precisou passar seu próprio jardim para destroçar a si mesmo, até que pudesse aceitar o que Deus determinou, e surgir dali como outra pessoa que,
embora a mesma, fosse totalmente diferente para si e para os outros.

Em minha pequena busca intelectual, li a obra em um momento tão quebrado de mim mesmo que enxerguei a dor humana junto da minha, e parei de questionar o mal que me sobrevinha. Dali, tudo melhorou, pois mudei. Este chamado de Olavo de Carvalho está na obra, embora seja complicada de enxergar. Talvez a mudança de mentalidade do leitor venha em seu próprio ritmo, mas vem de todo jeito.

Indico também o filme de mesmo nome, de 2017, no qual a tranquilidade de alguém que sabe quem é e o que não é, é o que mais transparece na tela.

Gostou de “O Jardim das Aflições: o sofrimento de estar só“?

Então, assine nossa Newsletter. Não deixe de comentar logo abaixo também.

O jardim das aflições