Grande ABC: 500 mil doses de vacinas contra Covid-19

O Grande ABC já aplicou mais de 500 mil doses de vacinas contra Covid-19, conforme dados divulgados pelas prefeituras por meio das secretarias municipais de Saúde.

Até esta quinta-feira (15/4), 346.914 pessoas receberam a primeira dose da vacina. A segunda dose do imunizante já foi aplicada em 162.454 pessoas, totalizando 509.368 doses aplicadas na região.

As sete cidades do Grande ABC iniciaram a imunização contra o novo coronavírus em 19 de janeiro, data em que a região recebeu as primeiras doses da Coronavac, vacina desenvolvida conjuntamente pelo Instituto Butantan e pelo laboratório Sinovac. Ainda em janeiro, no dia 26, as sete cidades começaram a receber doses da vacina Covishield, desenvolvida pela Universidade de Oxford e pelo laboratório britânico Astrazeneca.

O cronograma de vacinação foi definido pelos prefeitos da região, que se reuniram em assembleia extraordinária do Consórcio Intermunicipal Grande ABC, conforme os grupos prioritários da Saúde e demais indicados pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI).

A vacinação em cada um dos municípios do Grande ABC está ocorrendo conforme o número de doses recebido individualmente pelas prefeituras, que realizam a imunização de acordo com suas particularidades e também fazem o controle em relação à aplicação da segunda dose.

O presidente do Consórcio ABC e prefeito de Santo André, Paulo Serra, afirmou que a adesão dos moradores pela vacinação tem feito a diferença e destacou os esforços dos sete municípios para disponibilizar mais doses para os moradores da região.

“Queríamos proteger toda nossa população, mas a quantidade de doses disponíveis ainda é insuficiente. De acordo com a quantidade de doses que já recebemos, estamos fazendo uma vacinação rápida e eficiente. Também estamos trabalhando incansavelmente para avançar nas negociações para ampliar a vacinação no Grande ABC”, afirmou Paulo Serra.

Gostou da nossa matéria “Grande ABC: 500 mil doses de vacinas contra Covid-19“?

Grande ABC: 500 mil doses de vacinas contra Covid-19
Foto: Alex Cavanha/PSA

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 3.137 outros assinantes

Estudo sugere aumentar prazo entre doses de vacina de Oxford

A vacina contra Covid-19 desenvolvida pela universidade inglesa de Oxford e pela farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca tem eficácia geral de 76% após a primeira dose. Esse índice se refere a infecções com sintomas e dura, pelo menos, três meses após essa primeira dose. E aumenta para até 82,4% após a segunda dose. Estudo sugere aumentar prazo entre as primeira e segunda doses.

O estudo sobre a eficácia da vacina foi publicado nessa terça-feira na conceituada revista médica Lancet. E abre caminho para a aplicação da segunda dose em um intervalo maior que o original, que era de três semanas.

De acordo com a pesquisa, quando a segunda dose é aplicada menos de seis semanas após a primeira, a eficiência é menor, de 54,9%. E quando o intervalo entre a primeira dose e o reforço foi de 12 semanas ou mais, a eficiência subiu para 82,4%. Após a segunda dose, nenhum dos vacinados teve a forma grave da Covid-19.

O aumento do intervalo entre as doses já é usado no Reino Unido e no Brasil. A AstraZeneca aprovou a medida e disse que aumentar o tempo entre as doses é a melhor estratégia para a vacina.

A Fiocruz, parceira de Oxford e AstraZeneca no Brasil, divulgou uma nota destacando que a conclusão “pode subsidiar decisões dos planos de vacinação, já que o número de vacinas disponível ainda é escasso em todo o mundo”.

No dia 29 de janeiro, a AstraZeneca apresentou o pedido de registro permanente da vacina. A Anvisa tem até o dia 30 de março para responder.

Com informações de Agência Brasil.

Gostou de “Estudo sugere aumentar prazo entre doses de vacina de Oxford“?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email. Aproveite e leia mais notícias do Brasil.

Estudo sugere aumentar prazo entre doses de vacina de Oxford
Vacinação dos profissionais de saúde, veterinários e agentes funerários com 60 anos ou mais de idade, que estam na ativa, na Clínica da Família Estácio de Sá, na região central da cidade. O município do Rio de Janeiro ampliou hoje (27) o público-alvo da campanha de vacinação contra a covid-19.