BIG Festival anuncia sua programação

Festival de jogos independentes acontece entre 4 e 8 de maio, na NimoTV.

O Big Festival, o maior festival de jogos independentes da América Latina, anunciou hoje (20) sua programação com mais de 60 horas de conteúdo online e gratuito sobre games.

A programação completa pode ser acessada no site do evento.

Serão 15 trilhas de conteúdo desde negócios (business, ventures e careiras), até a parte criativas e eSports. Alguns destaques são a Capcom, que fará anúncio dos dubladores da versão em português de Resident Evil Village, na sexta-feira, 7 de maio, e participação da Nintendo, na mesma data.

Outros grandes nomes do mercado de games também escolheram o BIG Festival para ser o palco dos seus anúncios, como INTZ, Loud e NewZoo .

BIG Festival

O BIG Festival acontece entre os dias 4 e 8 de maio, das 9h30 às 0h. A transmissão online acontecerá pela NimoTV.

Em 2021, o festival acontecerá de forma online para os amantes de jogos. Além do contúdo disponível, o público também participará de outras atividades, como a cerimônia de premiação dos melhores jogos independentes do ano, cuja lista você confere aqui.

Fique por dentro de tudo sobre o mundo do entretenimento e diversão, conheça Entre Séries.

Gostou da nossa matéria “BIG Festival anuncia sua programação”?

Divulgação

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Notícias de Diversão e Entretenimento. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.Registrar-se

Junte-se a 600 outros assinantes

Workshop e palestras do festival Virtuosi

Seguindo até o dia 28 de março de forma online, a programação formativa do XXIII Virtuosi Virtual reserva momentos de reflexão e conversas a respeito da música de câmara e de aspectos de interpretação e composição musical. Com acesso gratuito e possível de se assistir pelo Facebook e pelo Zoom. O evento também contará com recursos de tradução em LIBRAS, para a série Virtuosi Diálogos Virtuais, nas Palestras “O Quarteto de Cordas” com Marcelo Jaffé e “A Interpretação Musical e a Subjetividade” com Marisa Rezende.

A programação do evento é completamente gratuita e ao longo dos dias, em qualquer lugar do mundo, o público poderá conferir uma rica programação de concertos e recitais exclusivos em suas casas, através do: www.virtuosi.com.br.

Ministrado pelo professor Sérgio Barza, o Virtuosi Diálogos Virtuais apresenta elementos gerais de como compositores buscam criar ordem e inteligibilidade em suas obras no decorrer da história da música. Até a quarta-feira (18), o workshop apresenta repertórios musicais variados através de um modelo tripartite baseado na ideia musical, projeto composicional, no material e na técnica composicional.

Com um profundo conhecimento musical, o violista Marcelo Jaffé que comanda o programa “O Prazer da Música” desde 2010 na Rádio Cultura FM, fala a respeito dos Quartetos de Cordas na história, na próxima segunda-feira (22). Na terça (23), a compositora e pianista Marisa Rezende apresenta relatos sobre suas obras buscando vínculos entre decisões subjetivas e as tarefas da interpretação musical no momento da performance.

A programação do evento foi aprovada pela Lei Aldir Blanc e Sistema de incentivo à Cultura da Prefeitura do Recife.

Link para as palestras: https://us02web.zoom.us/j/85271075209?pwd=U08yc2dWV0VZVWdhT1IxVFRHNVJOdz09

SERVIÇO:

INCLUSIVO: WORKSHOP E PALESTRAS DO FESTIVAL VIRTUOSI CONTAM COM RECURSOS DE ACESSIBILIDADE

Até o dia 28 de março

Gratuito

Inscrições:  www.virtuosi.com.br

Apresentação: Lei Aldir Blanc, Fundarpe, Secretaria de Cultura, Governo de Pernambuco; Prefeitura do Recife

Incentivo: pelo Sistema de Incentivo à cultura, da Prefeitura Municipal do Recife

Patrocínio: STN , Excelsior Seguros, Uninassau

Produção: CODA

Realização: Virtuosi, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal.

Informações: 3203 6023

www.virtuosi.com.br

Assessoria de Imprensa:

Mexe Mexe Comunicação

Luma Araujo – (81) 9 8532.6635 / lumali.araujo@gmail.com

Gostou de “Workshop e palestras do festival Virtuosi?

Então, aproveite e assine nossa newsletter e seja noticiado assim que publicarmos novas matérias! Ah, leia mais sobre o que acontece no ABC Cidades todo dia no Grande ABC.

Junte-se a 1.073 outros assinantes

EXPOSIÇÃO ORIGENS #3 RETRATA NOSSO PAÍS SOB A VISÃO DE ARTISTAS DA PERIFERIA

Em uma ação coletiva cinco artistas da quebrada remontam caminhos para entender as origens diaspóricas africanas que fundaram nosso país

Exposição Origens #3 acontece em formato totalmente virtual, até o dia 30 de janeiro de 2021, com mais de 50 obras de 5 artistas plurais que refletem os resultados da diáspora africana nas realidades periféricas em que vivem. Com curadoria de Priscila Magalhães os trabalhos, são compostos por pinturas, colagens, artes digitais e fotografias. Os trabalhos ficarão expostos no site do Festival Cultural Pangeia, com acesso gratuito. Os artistas convidados são: Isabela Alves “Afrobela”, Cauã Bertoldo, Cassimano, Paulo Chavonga e Ione Maria.

Planejada para ocorrer no formato físico, a exposição que inclui fotografias, colagens e artes plásticas ganhou as redes. São obras que retratam nossas origens diaspóricas envolvidas no cotidiano de cada artista e podem ser conferidas através do site https://www.festivalpangeia.com/ “Transformar a exposição para o ambiente virtual proporciona um alcance maior para a reflexão sobre o tema que é Conexão Américas e África”, comenta Priscila. A diretora do festival, Pauliana Reis, fala sobre o desafio de realizar o evento em um novo formato. “Tínhamos tudo preparado para o formato tradicional e de repente nos vimos em um grande desafio de mudar completamente, alterar cronogramas e adaptar a exposição. Ao mesmo tempo que foi trabalhoso, está sendo muito gratificante ver o alcance das ações”.

VISÃO DE ARTISTAS DA PERIFERIA – Exposição Origens #3 Artistes Convidades:

Ione Maria:25 anos, diretamente de Vila Albertina, SP. Colagista há 5 anos, também trabalha com design e direção de arte. A colagem, em particular, é o campo de pesquisa da artista, evidenciando a cultura afro-brasileira através do formato analógico/manual. A arte, por sua vez, vem do lugar de colocar narrativas negras em espaços dignos de realeza através das imagens que a cercam. Há o costume de criar também com amigos e familiares, costurando relações mais firmes e afetivas em seu trabalho. No design, se destaca pela linguagem afro-futurista, articulada também através do movimento independente preto, para fins comunicativos e artísticos.

Cauã Bertoldo: Artista visual, desenvolve a identidade poética de seu trabalho desde 2014. Se expressa em técnicas de pintura diversas, dentre elas a aquarela, arte digital, grafitti etc. Sua pesquisa em arte, trata das questões do sujeito negro e queer periférico, através de retratos mergulhados em metáforas e interpretações multilaterais, onde cada um se conecta e se vê a sua maneira.

Isabela Alves – AfroBela: Multiartista e futurista. Reside no bairro Jd. João XXIII, e é nesse território que cria e desenvolve suas linguagens, trabalhando com colagem digital, tela e tinta acrílica, fotografia e escrita. Seus projetos pessoas discutem sempre sobre sexualidade e identidade, sendo o maior deles a plataforma afetiva A Perfeita Queda dos Búzios, também idealizada por Jéssica Ferreira, e residente no Teatro de Contêiner.

Cassimano: Nascido e criado na periferia de São Paulo, ainda adolescente despertou seu interesse pela fotografia nas ruas ao trabalhar como mensageiro. Em 2012 viajou para Moçambique para realizar um intercâmbio cultural e fazer o registro fotográfico dessa viagem. Desde 2016 realiza o projeto “Galeria Fotográfica de rua” projeto deintervenção urbana com suas fotografias ampliadas em grandes formatos e aplicadas em diversos suportes comcolagens. Com o mesmo projeto promove cursos de fotografia, de ampliação e aplicação das colagens para jovens da periferia.

Paulo Chavonga: Artista plástico autodidata, Produtor cultural, muralista e arte educador angolano, teve seu início nas artes plásticas aos 7 anos de idade na cidade de Benguela – Angola, tendo a pintura em tela como sua primeira plataforma de produção. Seu fascínio pela expressão humana e das culturas africanas resulta em estudos dos povos de lugares em que já passou. São a tradução de dias passados no Kandongueiro, no kimbo, festas de quintal, conversas em volta da fogueira.

Sobre o Festival Cultural Pangeia

O nome do festival é uma referência a Pangeia, que era o grande continente, a primeira crosta terrestre que existiu antes da separação que formaram os seis continentes que conhecemos hoje: África, Ásia, Europa, Oceania, América e Antártida. Apesar das divisões continentais, a proposta é a união das culturas, influenciada e construída a partir de intervenções artísticas com diversas atrações e o mapeamento de artistas. 

O Festival Cultural Pangeia foi contemplado nos anos de 2016 e 2017 pelo Programa VAI da Secretaria de Cultura de São Paulo. Na atual edição o festival foi contemplado em 2019 no 4º Programa de Fomento a Periferia com o projeto “Conexão Américas e África”, relacionando a influência da cultura Afrodiaspórica nas Américas.

Serviço: 
Site: https://www.festivalpangeia.com/

Redes Sociais:
Facebook – www.facebook.com/festivalpangeia 
Instagram – @festivalpangeia 
YouTube – Festival Cultural Pangeia 

TAKORAMA BRASIL FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA SURGE COMO ALTERNATIVA EDUCACIONAL

Esta é a última semana do festival que tornou-se sucesso entre crianças, jovens e adultos que curtem uma boa animação. O TAKORAMA BRASIL FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA conta com mais de 60 mil acessos e educa envolvendo cinema, arte e tecnologia.

Com o objetivo de trabalhar a educação através da imagem e, de suprir a necessidade de manter as crianças, jovens e adolescentes, em suas aprendizagens durante o período de isolamento social, surgiu o Takorama Brasil Festival Internacional de Cinema. Festival de curtas metragem, que acontece até o dia 30 de novembro, envolvendo cinema, educação, tecnologia e arte. A última semana do festival contabiliza mais de 60 mil acessos e disponibiliza gratuitamente através do site: www.takorama.com.br. São filmes gratuitos para serem assistidos por toda a família e também serem utilizados por professores nas atividades escolares. 

Dividido em cinco categorias, para crianças e adolescentes de 3 a 17 anos, os filmes levam em conta a necessidade de aprendizagem inovadora para crianças e jovens hiperconectados. Diante do fluxo de imagens em que estamos diariamente expostos e sua constante multiplicação.  É essencial familiarizar as crianças e sensibilizar os educadores  para que possam analisar e compreender as imagens e se apropriar dessa linguagem.

“Os corpos dessa garotada não estão plenamente a serviço de seu próprio desenvolvimento. Estão curvados, são teleguiados e, o pior, dependentes desses equipamentos tecnológicos. Alguns até chegam a apresentar comportamentos assemelhados aos de adictos (dependentes químicos) em crise de abstinência, quando “privados” de seu uso por alguns dias ou algumas horas. Como professora, por mais antenada e conectada que procure ser, me parece uma tarefa árdua mantê-los interessados e inseridos no processo educativo. O Festival trouxe um gostinho diferente, tanto para nós quanto para os estudantes. Saímos da mesmice”, comenta Chintya Ferreira, que é psicóloga e psicopedagoga.

TECNOLOGIA

Facilidade em usar novidades tecnológicas, dificuldade em manter a atenção em algo e a confiança na habilidade de fazer diversas coisas ao mesmo tempo, são alguns tópicos que representam uma série de novos desafios para professores que se deparam com os integrantes da geração Y, em uma sala de aula.

Os filmes do Takorama são de diversos países e foram cuidadosamente selecionados pela Associação Internacional Films Pour Enfants, que é especializada em filmes para esse público. Ao todo, 15 curtas-metragens, com duração média de cinco minutos, sem publicidade, com abordagens sobre tolerância, empatia, amizade, ecologia e cidadania, estão disponíveis para o público.

“O objetivo do festival é permitir que as crianças descubram novos filmes, novas histórias, novos universos visuais. E também que elas opinem, façam atividades  e votem em seu filme favorito. Além da educação cinematográfica e atividades alinhadas ao BNCC, o festival permite que as crianças vejam filmes de animação não só como entretenimento, mas como uma ferramenta de comunicação.” comenta Liana Vila Nova, Diretora da América Latina da Associação Internacional Films pour Enfants.

MUITO MAIS DO QUE FILMES

Além de assistir os filmes, as crianças e jovens também poderão opinar e votar no seu filme favorito, como júris mirins. O Festival também disponibiliza um material pedagógico com atividades para serem feitas entre as crianças, famílias e educadores. Os professores podem participar do festival com sua turma e incluir uma experiência lúdica e inovadora nas atividades escolares.

“Enquanto professora, sempre senti dificuldade em unir educação com filmes e tecnologia, sobretudo na esfera pública estadual. Os jovens querem perguntas prontas para respostas rápidas e, de preferência, monossilábicas. Há um universo de vídeos disponíveis no YouTube e nas plataformas de streaming: filmes, cartoons, séries. Porém, até que ponto se pode considerar essa gama de entretenimento adequada, construtiva e educacional?” comenta Chintya Ferreira. “A tecnologia faz parte da vida dos jovens e até das crianças, que hoje passam boa parte do tempo nas redes sociais. É preciso usá-la a favor da aprendizagem”, reforça Chintya, que foi uma das psicopedagogas responsáveis por elaborar e acompanhar as atividades atreladas aos filmes do Festival.

TAKORAMA BRASIL FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA – Sinopses:

Antípoda
Frodo Kuipers (Bélgica, 2001)
Indicação: 12 a 14 anos
Neste curta-metragem tudo vai bem no melhor dos mundos possíveis, até o dia em que, do outro lado do espelho, chega um novo habitante e vira o mundo de cabeça para baixo.

Aparência e Realidade
E.Rogova & Z. Pavlenho (EUA, 2014)
Indicação: 12 a 14 anos
Traz uma pequena história sobre os sentimentos que mostramos ou escondemos.

Iguais
D.M.Lara & R.C.Mendez (Espanha, 2016)
Indicação: 9 a 11 anos
Em uma sociedade conformista e uniforme, um pai tenta colocar o seu filho no caminho certo e leva a questionar se é mesmo o melhor caminho.

Meu Estranho Avô
Dina Velikovskaya (Rússia, 2011)
Indicação: 9 a 11 anos
Trata da amizade entre uma menina e o seu avô excêntrico.

O Cão Só
Mike A. Smith (EUA, 2014)
Indicação: 9 a 11 anos
Uma homenagem aos desenhos animados dos anos 1940 sobre o sonho de um cachorro em sair de casa.

O Complexo do Porco-espinho
LISAA (França, 2013)
Indicação: 6 a 8 anos
Traz uma história para refletir sobre o bullying, o sentimento de rejeição, falta de autoconfiança e as tribulações de uma jovem ouriço.

O Edifício
Tomoyoshi Joko (Japão, 2018)
Indicação: 3 a 5 anos
Aborda o tema de respeitar as diferenças e a conviver com respeito a partir da história de um grande edifício que salva pequenas casas de uma inundação.

O Emprego
Santiago Bou Grasso (Argentina, 2008)
Indicação: 15 a 17 anos
Faz uma sátira com homens alienados e reduzidos a mero objetos

Olá
Julio Cesar Velazquez (Argentina, 2014)

Indicação: 3 a 5 anosApresenta adoráveis personagens em formas geométricas aprendendo a se conhecer.
O Macaco
 Homem
J.Tereso & F.Maldonado (Argentina, 2012)
Indicação: 15 a 17 anos
Mostra a história de um macaco muito inteligente, lutando contra o desmatamento da floresta amazônica.

O Melhor Brinquedo
Gabriel Lin (EUA, 2014)
Indicação: 3 a 5 anos
Traz uma corrida, perdida de antemão, onde um menino tentará transformar o seu brinquedo para fazer com que pareça o mais tecnológico dos brinquedos.

O Tubarão do Aquário
Ashley Farlow (EUA, 2014)
Indicação: 6 a 8 anos
Conta a história de um pobre tubarão em seu aquário pequeno.

Sr. COK
Franck Dion (França, 2014)
Indicação: 15 a 17 anos
Em busca de eficiência e lucro, o Sr. Cok fabrica bombas e decide substituir seus trabalhadores por robôs.

Você Parece Assustador
Xiya Lan (EUA, 2016)
Indicação: 6 a 8 anos
Traz à tona emoções comuns para as crianças, rir de medo do dentista. Quem tem mais medo? O paciente crocodilo ou o coelho dentista que parece não gostar dos dentes afiados do seu cliente?

Vagamundo
Pedro Ivo Carvalho (Dinamarca, 2014)
Indicação: 12 a 14 anos
Para salvar o seu cachorro, o personagem embarca em uma busca frenética em um mundo distópico. 

SERVIÇO

Takorama Brasil – Festival Internacional de Cinem

Acesso gratuito e ilimitado pelo site www.takorama.com.br 

Acompanhe o Takorama nas redes sociais

Instagram: @takoramabr
Facebook: @takorama.br
Canal Youtube: Takorama Festival de Cinema

Inscrições para o FESTIM estão abertas até 4 de dezembro

O Festival de Teatro Infantil de Mauá (FESTIM), será realizado no período de 16 a 31 de janeiro de 2021 na cidade de Mauá – SP, Brasil, com o intuito de reunir grupos que desenvolvem a temática cênica para crianças, valorizando o trabalho teatral produzido em Mauá e no território brasileiro, promovendo intercâmbio entre artistas e o público. O FESTIM 2020 é um projeto aprovado pelo edital municipal 003/2020 incentivado pelo Programa de Ação Cultural – ProAC Municípios.

O Festival garantirá uma ajuda de custo de R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais) por participação a cada um dos grupos e companhias selecionados e o espetáculo com maior destaque no FESTIM receberá além da ajuda de custo, certificado e troféu de participação, um prêmio incentivo de mais R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais).

Edital disponível em PDF: CLIQUE AQUI
Anexos editáveis em Word: CLIQUE AQUI
Para maiores informações, nos procurem nas redes sociais do Grupo Artemis de Teatro
Instagram: @grupoartemis
Facebookhttps://www.facebook.com/grupoartemis/

Colaboração de Felipe Rodrigues

FESTIVAL CULTURAL PANGEIA CHEGA A 3° EDIÇÃO TOTALMENTE ONLINE

Recheado de atividades o evento traz como tema “Conexões América e África” trazendo visibilidade às realidades culturais e sociais das periferias de São Paulo

Festival Cultural Pangeia, promovido pelo coletivo MisturArte, acontece de forma totalmente online na edição deste ano, entre os dias 1º e 13 de dezembro. O evento que traz como tema “Conexões Américas e África”, tem como principal objetivo expandir, ultrapassando as barreiras continentais, para mostrar e unir culturas distintas, mas que possuem essências muito parecidas. O festival consiste em promover ações artísticas, culturais e educacionais da periferia para a periferia, com trabalhos de artistas da quebrada, imigrantes e refugiados. “Cruzamos o atlântico para falar da África e todas as suas mazelas e maravilhas que resultam dessa diáspora”, informa o produtor do Festival Manuel Victor.

Por conta da pandemia da Covid-19 a organização abraçou o desafio de transferir todas as atrações para o meio virtual, o que acabou se tornando uma grande oportunidade de expandir o alcance do evento, como conta a diretora do Festival Pauliana Reis. “Tínhamos tudo preparado para o formato tradicional e de repente nos vimos em um grande desafio de mudar completamente, alterar cronogramas e adaptar as apresentações, os cursos, os debates e as exibições dos curtas-metragens. Ao mesmo tempo que foi trabalhoso está sendo muito gratificante ver o empenho de todos para o festival dar certo e o tamanho do alcance das ações”.

Várias atividades paralelas compõem o Festival Cultural Pangeia neste ano. São elas: Feira Mvúka Online, Exposição Origens #3, mesas de debates, apresentações artísticas e a primeira edição do FIC Pangeia (Festival Internacional de Curtas Pangeia). Além de todas essas atrações será lançado em 2021 o documentário.

Feira Cultural Mvúka, que ocorrerá de forma online, tem como proposta aglutinar em uma única plataforma os artistas e principalmente os empreendedores das quebradas de modo que possam oferecer seus trabalhos e serviços para muitas pessoas, inclusive fora do seu círculo de convívio. Os interessados em participar da feira tem até o dia 2 de novembro para se inscreverem através do site https://www.festivalpangeia.com/feira-múvka . Serão 40 empreendedores selecionados que participarão de encontros virtuais, workshops e aulas sobre empreendedorismo e marketing digital. A finalidade é oferecer conhecimentos na divulgação de seus produtos, trabalhos e serviços. “A gente gosta da muvuca de pessoas reunidas, essa é a essência da periferia, e por que não usar isso para promover arte, cultura e empreendedorismo? Neste ano o grande desafio foi transportar tudo para o meio virtual”, informou Priscila Magalhães produtora do Festival.

“A plataforma do Festival servirá como um marketplace para que esses empreendedores ganhem visibilidade”, explica Pauliana.  Toda essa troca de experiências, conhecimentos e ensinamentos acontecerá durante quatro dias, em encontros virtuais com duas horas de duração cada, em dois workshops no mês de novembro preparando os selecionados que irão oferecer seus serviços e produtos. A Feira faz parte das atividades que integram o Festival Pangeia, e acontecerá de 1º a 13 dezembro. Abaixo as datas dos workshops:

  • Dias 12 e 13 de novembro (das 19h30 às 21h30): Aulas de Empreendedorismo com Vera Nunes – Especializada em Gestão de Projetos
  • Dias 16 e 17 de novembro (das 19h30 às 21h30): Aulas de Marketing Digital com Rosyane Silwa – Especializada em Gestão de Projetos

Exposição Origens #3 acontecerá em formato totalmente virtual e contará com 40 obras de 6 artistas que remontam os resultados da diáspora africana nas realidades periféricas em que vivem. Os trabalhos ficarão expostos no site do festival durante todo o festival, com acesso gratuito para todas as pessoas.

Acontecerá uma Mesa de Debate, no dia 10 de dezembro, organizadas pelo coletivo MisturArte, que poderão ser acompanhadas através do Facebook do Festival Cultural Pangeia, que tem como tema: ‘O que alimenta nossas africanidades”.

Vale destacar que, mesmo com a pandemia, o coletivo MisturArte organizou quatro mesas de debate, todas online, durante período de maior restrição de distanciamento social pela saúde e segurança de todos. Os temas debatidos foram: “A Pessoa Preta no Mercado de Trabalho”, “A Influência da Cultura Afrodiaspórica nas Américas do Século XXI”, “A Juventude na Periferia, Formação de Guetos” e “Práticas Assertivas para a Criança no Brasil”, que podem ser assistidas no Facebook e no Youtube

As Apresentações Artísticas, performances e poesias, que irão explorar diversas linguagens da arte, poderão ser acompanhadas no YouTube do festival. 

FIC Pangeia (Festival Internacional de Curtas Pangeia) traz em sua primeira edição obras relacionadas com o tema do festival, que conectam os povos das Américas e África em um mesmo local, mostrando o dia a dia das nações que, mesmo distante, possuem inúmeras coisas em comum. O festival recebeu mais de 130 inscrições de curtas-metragens de vários países da América do Sul e da África, entre documentários, ficção, animação, experimental ou híbridos. As produções possuem no máximo cinco minutos de duração e tratam as dificuldades vividas pelo racismo, desigualdade social, luta por direitos iguais entre outros. Os 10 filmes selecionados pela comissão técnica para integrar o festival serão premiados em três categoria: Voto do Júri, Voto Popular e Menção Honrosa. “Ficamos muito surpresas e felizes com o número de produções inscritas, recebemos filmes de vários países e isso superou nossas expectativas”, conta Priscila.

Todos os curtas-metragens finalistas ficarão disponíveis para o público, de graça, na plataforma Todesplay, o “streaming da quebrada” durante o mês de dezembro.

Sobre o Festival Cultural Pangeia

O nome do festival é uma referência a Pangeia, que era o grande continente, a primeira crosta terrestre que existiu antes da separação que formaram os seis continentes que conhecemos hoje: África, Ásia, Europa, Oceania, América e Antártida. Apesar das divisões continentais, a proposta é a união das culturas, influenciada e construída a partir de intervenções artísticas com diversas atrações e o mapeamento de artistas.

O Festival Cultural Pangeia foi contemplado nos anos de 2016 e 2017 pelo Programa VAI da Secretaria de Cultura de São Paulo. Na atual edição o festival foi contemplado em 2019 no 4º Programa de Fomento a Periferia com o projeto “Conexão Américas e África”, relacionando a influência da cultura Afrodiaspórica nas Américas.

Serviço:
Site: www.festivalpangeia.com.br

Redes Sociais:
Facebook – www.facebook.com/festivalpangeia
Instagram – @festivalpangeia
YouTube – Festival Cultural Pangeia

TAKORAMA BRASIL DISPONIBILIZA LIVROS E JOGOS PARA CRIANÇAS

Para participar, basta votar na animação favorita, criar um vídeo, desenho ou texto falando sobre o seu filme. A programação é completamente gratuita e fica em cartaz até o dia 30 de novembro.

Takorama Brasil Festival Internacional de Cinema abre inscrições para o seu Júri Mirim e as crianças e jovens poderão eleger as melhores animações do Festival, que acontece gratuitamente, até o dia 30 de novembro. Ao todo, são 15 filmes de diversos países para assistir em casa casa, escolher os favoritos e incluir o voto no site: www.takorama.com.br. O Júri poderá votar de acordo com a categoria indicada para a sua faixa etária e  terá a oportunidade de concorrer a diversos prêmios.

Para participar, basta criar um vídeo, desenho ou texto falando sobre o seu filme favorito, compartilhar a opinião de uma maneira criativa nas redes sociais, inserindo a hashtag #jurimirimtakorama. As obras também devem ser enviadas para o e-mail: takoramabr@gmail.com, até o dia 25 de novembro. Além de concorrer a livros e jogos, os mais criativos também terão suas obras expostas nas plataformas do festival e da Associação Internacional Films pour Enfants.

Ao todo, serão 15 prêmios, sendo concedidas 03 premiações por categoria. Os trabalhos recebidos serão analisados por uma comissão da Associação Internacional Films pour Enfants que usará como critério a argumentação e a criatividade dos participantes. Os premiados pelos trabalhos mais criativos, assim como o resultado dos filmes escolhidos pelos júris mirins, serão anunciados no dia 30 de novembro.

“O Festival teve um grande engajamento orgânico, conseguimos chegar em mais de 500 cidades no Brasil. Queremos engajar as crianças e escutar a opinião delas através da formação do Júri Mirim. Dar voz às crianças e jovens é fundamental para nos conectarmos com elas e dessa maneira construir uma educação mais adequada à nova geração e as demandas do século XXI.”, comenta Liana Vila Nova, Diretora da Associação Internacional Films pour Enfants, na América Latina. “O papel do Takorama é educar através do cinema. Todo filme nasce de um roteiro, trabalhar a escrita e contar histórias faz parte do mundo cinematográfico. A leitura e acesso a filmes de qualidade são fundamentais para o desenvolvimento infantil e a descoberta de novos mundos”, completa, Liana.

As exibições do Takorama Brasil podem ser assistidas de casa, por toda a família. Os filmes trazem abordagens sobre tolerância, empatia, amizade, ecologia e cidadania. O festival também disponibiliza atividades pedagógicas relacionadas a cada filme para que todos se divirtam e aprendam com o que assistem. 

Entre os destaques da programação está “O Macaco Homem”, que conta a história de um macaco que luta contra o desmatamento da floresta amazônica. Os filmes costumam ser sucesso entre as crianças, mas também podem ser vistos pelos adultos, que são fãs desse tipo de produção.

PROGRAMAÇÃO:

O Edifício, de Tomoyoshi Joko (Japão, 2018)

Olá, de Julio Cesar Velazquez (Argentina, 2014)

O Melhor Brinquedo, de Gabriel Lin (EUA, 2014)

O Tubarão do Aquário, de Ashley Farlow (EUA, 2014)

O Complexo do Porco-espinho, de LISAA (França, 2013)

Você Parece Assustador,de Xiya Lan (EUA, 2016)

Iguais, de D.M.Lara & R.C.Mendez (Espanha, 2016)

O Cão Só, de Mike A. Smith (EUA, 2014)

Meu Estranho Avô, de Dina Velikovskaya (Rússia, 2011)

Vagamundo, de Pedro Ivo Carvalho (Dinamarca, 2014)

Aparência e Realidade, de E.Rogova & Z. Pavlenho (EUA, 2014)

O Macaco Homem, de J.Tereso & F.Maldonado (Argentina, 2012)

O Emprego, de Santiago Bou Grasso (Argentina, 2008)

Sr. COK, de Franck Dion (França, 2014)

SINOPSES

Os curtas-metragens para a faixa etária de 3, 4 e 5 anos são “O Edifício”, de Tomoyoshi Joko (Japão, 2018), que aborda o tema de respeitar as diferenças e a conviver com respeito a partir da história de um grande edifício que salva pequenas casas de uma inundação. “Olá”, de Julio Cesar Velazquez (Argentina, 2014) apresenta adoráveis personagens em formas geométricas aprendendo a se conhecer e “O Melhor Brinquedo”, de Gabriel Lin (EUA, 2014) traz uma corrida, perdida de antemão, onde um menino tentará transformar o seu brinquedo para fazer com que pareça o mais tecnológico dos brinquedos.

Para a faixa etária de 6, 7 e 8 anos, o festival traz três títulos. “O Tubarão do Aquário”, de Ashley Farlow (EUA, 2014) que conta a história de um pobre tubarão em seu aquário pequeno. “O Complexo do Porco-espinho”, de LISAA (França, 2013), que traz uma história para refletir sobre o bullying, o sentimento de rejeição, falta de autoconfiança e as tribulações de uma jovem ouriço. “Você Parece Assustador”, de Xiya Lan (EUA, 2016) traz à tona emoções comuns para as crianças, rir de medo do dentista. Quem tem mais medo? O paciente crocodilo ou o coelho dentista que parece não gostar dos dentes afiados do seu cliente?

Para a faixa de 9, 10 e 11 anos, os títulos escolhidos foram “Iguais”, de D.M.Lara & R.C.Mendez (Espanha, 2016) que em uma sociedade conformista e uniforme, um pai tenta colocar o seu filho no caminho certo e leva a questionar se é mesmo o melhor caminho. “O Cão Só”, de Mike A. Smith (EUA, 2014) faz uma homenagem aos desenhos animados dos anos 1940 sobre o sonho de um cachorro em sair de casa e “Meu Estranho Avô”, de Dina Velikovskaya (Rússia, 2011) traz uma amizade entre uma menina e o seu avô excêntrico. 

Os filmes para a faixa etária de 12, 13 e 14 anos são “Vagamundo”, de Pedro Ivo Carvalho (Dinamarca, 2014) que para salvar o seu cachorro, o personagem embarca em uma busca frenética em um mundo distópico, “Aparência e Realidade”, de E.Rogova & Z. Pavlenho (EUA, 2014) que traz uma pequena história sobre os sentimentos que mostramos ou escondemos e “Antípoda”, de Frodo Kuipers (Bélgica, 2001), onde tudo vai bem no melhor dos mundos possíveis, até o dia em que, do outro lado do espelho, chega um novo habitante e vira o mundo de cabeça para baixo.

Para a faixa etária de 15, 16 e 17 anos os três filmes escolhidos são “O Macaco Homem”, de J.Tereso & F.Maldonado (Argentina, 2012) que traz a história de um macaco muito inteligente, lutando contra o desmatamento da floresta amazônica, “O Emprego”, de Santiago Bou Grasso (Argentina, 2008) que traz uma sátira com homens alienados e reduzidos a mero objetos e “Sr. COK”, de Franck Dion (França, 2014) que em busca de eficiência e lucro, o Sr. Cok fabrica bombas e decide substituir seus trabalhadores por robôs.

SERVIÇO

Takorama Brasil – Festival Internacional de Cinema

Acesso gratuito e ilimitado pelo site www.takorama.com.br

Pré-cadastro pelo site a partir do dia 30 de agosto

Contato para informações: (81) 9 9263.1616 e e-mail: takoramabr@gmail.com

Classificação indicativa: 3 à 17 anos

LINK COM FILMES: http://www.takorama.com.br

Netflix realizará festival digital em novembro

Tudum Festival Netflix acontece entre os dias 3 e 5 de novembro.

A Netflix anunciou hoje (14) que irá realizar versão digital do Tudum Festival Netflix, evento que em janeiro deste ano, reuniu mais de 50 mil pessoas em São Paulo.

Além disso, a plataforma de streaming confirmou um Almanaque Netflix, com jogos, histórias e outras atividades interativas sobre a produções originais da Netflix. Com 100 mil exemplares físicos, o almanaque será distribuído em todo o Brasil, e contará com entrevistas, curiosidades e quizzes com os personagens das produções do catálogo, além de produtos colecionáveis. Para conseguir a versão impressa, o fã precisará acessar ao site e se inscrever a partir do dia 16 de outubro. A partir do dia 26, o almanaque estará disponível na versão digital, pelo mesmo endereço.
 
O Tudum Festival Netflix irá acontecer entre os dias 3 e 5 de novembro, sendo acessado pelo YouTube da Netflix Brasil ou pelo site. Entre os atores confirmados, estão Joel Courtney, Yankel Stevan, Ana Valeria Bacerril, Emicida e Felipe Castanhari.

Os convidados vão conversar com Maísa, que será a apresentadora oficial do festival. Os fãs também vão ter a oportunidade de participar de encontros virtuais com os ídolos. A dinâmica será explicada dentro do evento.

FESTIVAL BRASILEIRO DISPONIBILIZA 15 ANIMAÇÕES GRATUITAS

Filmes fazem parte do Takorama Brasil – Festival Internacional de Cinema. Entre os destaques da programação está “O Macaco Homem”, que conta a história de um macaco que luta contra o desmatamento da floresta amazônica.

Curtas metragens do calibre de Meu Estranho Avô”, da diretora Dina Velikovskaya (Rússia), “O Emprego”, de Santiago Bou Grasso (Argentina) e “O Complexo do Porco-espinho”, de LISAA (França), são algumas das animações que poderão ser assistidas gratuitamente de casa, durante o final de semana. As exibições fazem parte do Takorama Brasil – Festival Internacional de Cinema, que segue com uma programação inédita até o dia 28 de outubro. Os filmes que costumam ser sucesso entre as crianças, também poderão ser vistos pelos adultos, que são fãs desse tipo de produção, através do site:  www.takorama.com.br.

O objetivo do festival é levar o cinema para as casas das pessoas durante esse momento de isolamento e também conectar a sétima arte com a educação, os pais e professores, permitindo que as crianças e os jovens descubram novos filmes, novas histórias e novos universos visuais.

“Além da educação cinematográfica e artística, o festival permite que as animações sejam não só apenas uma ferramenta de entretenimento, mas também uma ferramenta de comunicação, uma vez que o festival também permite que as crianças, jovens, pais e professores participem do festival de forma interativa, colaborando com a votação das melhores exibições.” comenta Liana Vila Nova, Diretora da Associação Internacional Films pour Enfants, na America Latina.

Além disso, a plataforma do festival oferece um material pedagógico para cada filme a serviço das famílias e educadores, que podem questionar os filmes e desenvolver atividades educativas junto com as crianças. Os professores podem participar do festival com sua turma e incluir uma experiência lúdica e inovadora nas atividades escolares.

Entre os curtas, estão “O Edifício”, de Tomoyoshi Joko (Japão, 2018), que aborda o tema de respeitar as diferenças e a conviver com respeito a partir da história de um grande edifício que salva pequenas casas de uma inundação. “Olá”, de Julio Cesar Velazquez (Argentina, 2014), que apresenta adoráveis personagens em formas geométricas aprendendo a se conhecer e o “O Melhor Brinquedo”, de Gabriel Lin (EUA, 2014), que traz uma corrida, perdida de antemão, onde um menino tentará transformar o seu brinquedo para fazer com que pareça o mais tecnológico dos brinquedos.

A programação de filmes que trazem abordagens sobre tolerância, empatia, amizade, ecologia e cidadania, também conta com títulos como, “O Tubarão do Aquário”, de Ashley Farlow (EUA, 2014), que conta a história de um pobre tubarão em seu aquário pequeno. “O Complexo do Porco-espinho”, de LISAA (França, 2013), que traz uma história para refletir sobre o bullying, o sentimento de rejeição, falta de autoconfiança e as tribulações de uma jovem ouriço, “Você Parece Assustador”, de Xiya Lan (EUA, 2016) , que mostra à tona emoções comuns para as crianças, como por exemplo rir de medo do dentista.

Entre os mais vistos pela faixa etária de 9, 10 e 11 anos, estão “Iguais”, de D.M.Lara & R.C.Mendez (Espanha, 2016), que em uma sociedade conformista e uniforme, um pai tenta colocar o seu filho no caminho certo e leva a questionar se é mesmo o melhor caminho. “O Cão Só”, de Mike A. Smith (EUA, 2014) faz uma homenagem aos desenhos animados dos anos 1940 sobre o sonho de um cachorro em sair de casa e “Meu Estranho Avô”, de Dina Velikovskaya (Rússia, 2011), que exibe uma amizade entre uma menina e o seu avô excêntrico. 

Outros títulos que podem ser acessados são “Vagamundo”, de Pedro Ivo Carvalho (Dinamarca, 2014), que retrata a história de um jovem que para salvar o seu cachorro, embarca em uma busca frenética em um mundo distópico, “Aparência e Realidade”, de E.Rogova & Z. Pavlenho (EUA, 2014) que conta uma pequena história sobre os sentimentos que mostramos ou escondemos e “Antípoda”, de Frodo Kuipers (Bélgica, 2001), onde tudo vai bem no melhor dos mundos possíveis, até o dia em que, do outro lado do espelho, chega um novo habitante e vira o tudo de cabeça para baixo.

Outros três filmes recomendados são “O Macaco Homem”, de J.Tereso & F.Maldonado (Argentina, 2012), que conta história de um macaco muito inteligente, lutando contra o desmatamento da floresta amazônica, “O Emprego”, de Santiago Bou Grasso (Argentina, 2008) que traz uma sátira com homens alienados e reduzidos a mero objetos e “Sr. COK”, de Franck Dion (França, 2014) que em busca de eficiência e lucro, o Sr. Cok fabrica bombas e decide substituir seus trabalhadores por robôs.

PROGRAMAÇÃO

O Edifício, de Tomoyoshi Joko (Japão, 2018)

Olá, de Julio Cesar Velazquez (Argentina, 2014)

O Melhor Brinquedo, de Gabriel Lin (EUA, 2014)

O Tubarão do Aquário, de Ashley Farlow (EUA, 2014)

O Complexo do Porco-espinho, de LISAA (França, 2013)

Você Parece Assustador,de Xiya Lan (EUA, 2016)

Iguais, de D.M.Lara & R.C.Mendez (Espanha, 2016)

O Cão Só, de Mike A. Smith (EUA, 2014)

Meu Estranho Avô, de Dina Velikovskaya (Rússia, 2011)

Vagamundo, de Pedro Ivo Carvalho (Dinamarca, 2014)

Aparência e Realidade, de E.Rogova & Z. Pavlenho (EUA, 2014)

O Macaco Homem, de J.Tereso & F.Maldonado (Argentina, 2012)

O Emprego, de Santiago Bou Grasso (Argentina, 2008)

Sr. COK, de Franck Dion (França, 2014)

SERVIÇO

Takorama Brasil – Festival Internacional de Cinema
Acesso gratuito e ilimitado pelo site www.takorama.com.br
Pré-cadastro pelo site a partir do dia 30 de agosto
Contato para informações: (81) 9 9263.1616 e e-mail: takoramabr@gmail.com
Classificação indicativa: 3 à 17 anos
LINK COM FILMES: http://www.takorama.org/ 
Acompanhe o Takorama nas redes sociais
Instagram: @takoramabr
Facebook: @takorama.br
Canal Youtube: Takorama Festival de Cinema

Inscrições para a 5ª edição do Festival Flink Sampa 2020 terminam nesta quarta (30)

Alunos de todos os ciclos de ensino podem participar do concurso em parceria com a Faculdade Zumbi dos Palmares e ONG Afrobras

Secretaria da Educação do Estado, por meio do Centro de Inclusão Educacional e do CRE Mario Covas, realiza em parceria com a Faculdade Zumbi dos Palmares e ONG Afrobras a 5ª edição do Festival Afro Minuto (Flink Sampa 2020).

Para participar do concurso, alunos da rede estadual que estejam cursando qualquer ciclo deverão produzir e enviar vídeos que visem valorizar a diversidade e respeitar os processos históricos de resistência negra desencadeada pelos africanos escravizados no Brasil.

O tema deste ano é uma homenagem à vida e obra de Milton Santos. Cada escola deverá inscrever apenas um vídeo por categoria, sendo: Ensino Fundamental Anos Iniciais, Ensino Fundamental Anos Finais, Ensino Médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA).

A produção dos vídeos ficará por conta dos estudantes, sob orientação e acompanhamento do(a) professor(a) orientador(a). O regulamento do concurso pode ser consultado no site do CRE Mário Covas: http://www.escoladeformacao.sp.gov.br/portais/Default.aspx?tabid=9180.

A lista de vencedores será divulgada em novembro, considerando os protocolos sanitários vigentes, a premiação está prevista para ocorrer virtualmente ou em local a ser definido, na segunda quinzena do mesmo mês.

Fonte: Governo de SP