Matrículas na educação básica caíram 1,2% no Brasil

O número de matrículas na educação básica, que compreende a educação infantil, ensino fundamental e médio, em 2020, caiu 1,2% no Brasil, quando comparado ao ano anterior. Os dados são do Censo da Educação Básica 2020, divulgado nesta sexta-feira (29) pelo Inep – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. A maioria das matrículas era na rede municipal.

O presidente do Inep, Alexandre Lopes, esclareceu que o censo serve para elaboração de políticas educacionais

Essa primeira etapa do censo escolar 2020 foi realizada até o dia 11 de março, portanto, antes da pandemia. A segunda vai começar no dia 22 de fevereiro. A fase já concluída do levantamento revelou que as matrículas na educação infantil apresentaram decréscimo 1,6% de 2019 para 2020. A queda foi ocasionada principalmente por uma redução de mais de 176 mil matrículas nas escolas particulares. Porém, a rede pública de ensino apresentou crescimento de mais de 33 mil alunos.

O diretor de estatísticas educacionais do INEP, Carlos Moreno, detalhou quantas crianças ainda estão fora da escola e quais as idades que mais preocupam.

O censo mostrou ainda que já no ensino médio e profissional, o número de matrículas aumentou 1,1% em 2020 em relação ao ano anterior. E na educação de Jovens e Adultos houve uma redução de 8,3% quando comparado ao ano de 2019.

Quanto a comparação dos dados do ano passado com 2016. Em 2020, no ensino fundamental foram registradas quase 27 milhões de matrículas. Número 3,5% menor, do que em 2016. A queda no número de matrículas foi maior nos anos iniciais, do que nos anos finais dessa etapa educacional.

Em 2020, o Brasil possuía quase 180 mil escolas, mais de dois milhões de professores e mais de 188 mil diretores.

Com informações de Agência Brasil.

Gostou de “Matrículas na educação básica caíram 1,2% no Brasil”?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email. Aproveite e leia mais notícias do Brasil.

Matrículas na educação básica caíram 1,2% no Brasil