Donos de restaurantes na França propõem desobediência civil

Na França, donos de restaurantes propõem movimento de desobediência civil. Eles propõem a reabertura dos estabelecimentos, fechados desde 30 de outubro, nesta segunda-feira (1º).

O governo francês ameaça os infratores com uma suspensão de alvarás por um mês.

Apesar de o número de contaminações diárias ainda estar elevado, a França tentar evitar um terceiro lockdown e reforça as medidas contra a covid-19.

Desde ontem, os grandes shoppings estão fechados e os voos vindos de países que não integram a União Europeia estão suspensos.

E qual o custo da pandemia na França? O ministro da Economia não tem dúvida, é melhor prevenir com medidas de contenção do que, depois, ter que remediar com lockdown radical e o fechamento de shoppings. E os centros comerciais na França custam 500 milhões de euros por mês para as finanças públicas, um mal menor se comparado a um lockdown total, cuja fatura seria de 15 bilhões de euros por mês, ou seja, cerca de R$ 98 bilhões por mês.

Foi o que disse, nesta segunda-feira, o ministro da Economia, Bruno Le Maire. Ele lembrou que o toque de recolher, custa, aproximadamente, entre subvenções e outras medidas, cerca de 6 bilhões de euros por mês e que o confinamento total, com fechamento de lojas e escolas, seria de 15 bilhões de euros, ou seja, 9 bilhões de euros a mais por mês.

Com informações de Agência Brasil.

Gostou de “Donos de restaurantes na França propõem desobediência civil”?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email. Aproveite e leia mais notícias do Brasil.

Donos de restaurantes na França propõem

Alerta máximo contra covid-19 ameaça fechar restaurantes de Paris

Ministro da Saúde diz que medida começa a valer na segunda

Paris será submetida a alerta máximo contra a covid-19 na próxima segunda-feira (5), anunciou o ministro da Saúde francês, Olivier Verán, uma medida que provavelmente forçará o fechamento de restaurantes e bares e imporá restrições adicionais à vida cotidiana.

Verán disse que a região da grande Paris ultrapassou todos os três critérios do governo para ser sujeita ao nível de alerta mais alto. Nas últimas 24 horas, o índice de infecções de novo coronavírus passou de 250 casos para cada 100 mil habitantes. “Está piorando mais rápido em Paris e seus arredores”, afirmou o ministro em entrevista coletiva.

Ele informou que o governo e a prefeitura da capital voltarão a analisar os indicadores no domingo 4) e agirão se não houver nenhuma melhora. A situação, é alarmante em mais cinco cidades: Lille, Lyon, Grenoble, Saint-Étienne e Toulouse.

“A trajetória está se deteriorando, e isso está criando estresse no sistema de saúde”, acrescentou Verán, embora em âmbito nacional não exista um risco de curto prazo de os hospitais ficarem sobrecarregados com pacientes de covid-19.

As autoridades francesas voltaram a relatar um aumento diário de casos novos da doença, de mais de 13 mil nessa quinta-feira. O vírus já matou mais de 32 mil pessoas e infectou mais de meio milhão na França.

Para uma cidade ser colocada em alerta máximo, a taxa de incidência precisa exceder 100 infecções para cada 100 mil entre os habitantes idosos, 250 para cada 100 mil no público em geral, e ao menos 30% dos leitos das unidades de tratamento intensivo estarem reservados para pacientes de covid-19.