Home office na pandemia: Solucione problemas em uma crise

Uma das habilidades que ganhou mais destaque no Relatório ‘Futuro do Trabalho’, veja as 5 dicas para simplificar o desenvolvimento dessa habilidade no Home office na pandemia;

Todos temos alguns problemas complexos para resolver em algum momento da vida, e essa habilidade de resolução de problemas já era um atributo notável em profissionais antes mesmo da pandemia. Hoje, após um ano vivendo uma crise, o que não falta são desafios, enquanto rotina, estabilidade e segurança passaram a ser realidade cada vez mais rara na rotina profissional. Rebeca Toyama, especialista em estratégia de carreira, comenta sobre a ‘Resolução de Problemas Complexos’, uma habilidade que ganhou mais destaque no ranking de habilidades do relatório ‘Futuro do Trabalho’ do Fórum Econômico Mundial de 2021. A especialista traz ainda 5 dicas para descomplicar e desenvolver essa tão importante competência.

A pandemia de COVID-19 reforçou ainda mais a dimensão da competência em resolver problemas complexos, seja na esfera pública, privada ou pessoal. E quando não desenvolvida essa habilidade, as pessoas perante o problema geralmente expressam comportamentos como falta de coragem, soluções rápidas e não efetivas e até mesmo pode resultar na busca de um culpado ou acreditar que tudo está conspirando contra, tudo por não ter entendido a raiz do problema e pela influência das emoções.

Para a especialista em estratégia de carreira, a postura negativa que podemos desenvolver diante de um problema só acontece quando se ignora o conceito ‘lifelong learning’, o chamado aprendizado contínuo.

“Esse conceito nos mostra que a jornada de desenvolvimento nunca cessa, pois é por meio dela, que os profissionais conseguem preencher as lacunas para entender e resolver a complexidade de um problema. E para exemplificar melhor, precisamos entender que: o problema é formado por partes, e essa compreensão ajuda a dividir o problema em etapas menores e a mapear a solução. Além disso, é necessário ampliarmos a nossa compreensão sobre ele, e ainda compreender as causas e consequências, assim conseguiremos encontrar soluções mais efetivas e eficazes.”, explica Rebeca Toyama, especialista em estratégia de carreira.

A estratégia

Fugir e negar um problema não é o melhor caminho, pois sempre vão surgir mais desafios e normalmente novos problemas poderão aparecer, afinal todos estão em constante aprendizado, mas o segredo está no caminho para passar por esses obstáculos.

Diante de qualquer situação, pare e analise o contexto, pois o melhor procedimento para se resolver um problema complexo é utilizar uma estratégia onde se consegue definir, estruturar, priorizar questões, sintetizar os resultados e trazer a solução do problema.

A especialista ainda traz uma reflexão sobre o modo como nos posicionamos perante os problemas, pois são esses problemas que nos fazem observar algo relevante que, provavelmente, não estava dando a devida atenção. “Experimente observar seus problemas, tenho certeza de que você também fará descobertas incríveis e grandes aprendizados sobre a vida nesses momentos, como eu já tive. ”, finaliza Rebeca Toyama.

E para simplificar a habilidade de Resolução de Problemas Complexos no Home office na pandemia, confira as 5 dicas da especialista em estratégia de carreira, Rebeca Toyama.


1. Entenda como sua mente funciona, desenvolva um processo de raciocínio diagnóstico duplo, em que o sistema 1 (não analítico) interage com o sistema 2 (analítico);

2. Observe a influências de suas emoções, evitando diagnósticos rasos e soluções precipitadas que podem amplificar o problema;

3. Fique atento a sua postura perante o problema, evite bancar o herói, a vítima ou o justiceiro, isso apenas prolonga o problema;

4. Analise não apenas os impactos financeiro do problema ou da solução, custo emocional e a demanda de energia e tempo merecem ser consideradas;

5. Procure dar um significado positivo ao problema, por mais complexo e desconfortável que seja, você pode transformá-lo em aprendizado.

Sobre Rebeca Toyama

Rebeca Toyama é fundadora da ACI que integra competências e inteligências e transforma propósitos em carreiras e negócios. Especialista em estratégia de carreira e bem-estar financeiro. Possui formações em administração, marketing e tecnologia. Especialista e mestranda em psicologia. Atua há 20 anos como coach, mentora, palestrante, empreendedora e professora. Colaboradora do livro Tratado de psicologia transpessoal: perspectivas atuais em psicologia: Volume 2; Coaching Aceleração de Resultados e Coaching para Executivos. Integra o corpo docente da pós-graduação da ALUBRAT (Associação Luso-Brasileira de Transpessoal), da Universidade Fenabrave e do Instituto Filantropia.

Gostou da nossa matéria “Home office na pandemia: Solucione problemas em uma crise“?

Home office na pandemia: Solucione problemas em uma crise
Rebeca Toyama. Foto: Divulgação

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 1.382 outros assinantes

O isolamento social pode piorar a procrastinação

Se a sua carreira não decola, leia este artigo Tempo de leitura – 2,5 min O isolamento social pode

Com o isolamento social que estamos vivenciando, trouxe novos hábitos que podem contribuir para o agravamento da PROCRASTINAÇÃO.

Muitos estão trabalhando na modalidade home office, ou intermediaria. Os finais de semanas prolongados, a prática de um esporte, passeio no parque, escola dos filhos, tudo isso foi para dentro de casa.

As regras que tínhamos, muitas foram transferidas para o nosso controle. Entretanto, outras foram eliminadas temporariamente ou não. E quando uma pessoa procrastina algo (adia o que deve ser feito), ela cria um estado de frustação, impotência e culpa.

Zona de Conforto O isolamento social pode

O isolamento social pode

Mas ao mesmo tempo, a pessoa fica em uma zona de conforto e vive no mundinho, muitas vezes reclamando de uma situação ou dos outros. Esse estado traz frustações que muitas vezes leva a doenças como ansiedade e depressão.

As pessoas que agem procrastinando têm medo do novo, dá trabalho mudar. O primeiro passo para superar a procrastinação é a mudança de hábito, criar novos hábitos. Isso permitirá que tome o controle da sua vida e saia da zona de conforto. Com isso, trazendo mais realizações e felicidade.

No próximo artigo darei dicas de como realizar esta mudança. Você quer alavancar a sua carreira e saber mais sobre o meu trabalho, entre em contato:
11 94777 9496
rogerio@rogeriodecaro.com.br
www.rogeriodecaro.com.br
@rogeriodecaro
Procrastinação é o diferimento ou adiamento de uma ação. Sendo assim, para a pessoa que está a procrastinar. Em suma, isso resulta em stress, sensação de culpa, perda de produtividade e vergonha em relação aos outros. Portanto, por não cumprir com as suas responsabilidades e compromissos. Embora a procrastinação seja considerada normal, torna-se um problema quando impede o funcionamento normal das ações. Dessa forma, a procrastinação crônica pode ser um sinal de problemas psicológicos ou fisiológicos. Igualmente, devemos manter atenção. Da mesma forma … Logo, um procrastinador é um indivíduo que evita tarefas ou uma tarefa em particular. Entretanto,

Toda a crise é uma grande oportunidade de inovação

Na língua chinesa “crise”, é a combinação de dois símbolos. Um significa “perigo” e o outro “oportunidade”. Toda crise traz incerteza, instabilidade, medo, fraqueza na economia, mas também proporciona novas oportunidades de inovação e de negócios.

Não existe oportunidade de inovação e ganhos sem o risco e muitos dos nossos empresários e empreendedores sabem muito bem disso. Em momentos de crises muitos empresários perdem o sono com questões como vou manter a minha empresa funcionando, inovar com recursos escassos?

Estamos vivenciando a pandemia mundial do Covid19 e que acabou de se instalar no Brasil. Hoje estamos de quarentena por orientação dos órgãos de saúde responsáveis, e muita gente em casa. Na economia só algumas atividades estão funcionando normalmente, aquelas que estão na linha de frente de combate a pandemia, as demais pararam ou estão funcionando parcialmente.

O que notamos é que existe os dois lados da moeda os empresários desesperados, o que não está errado e os empresários que estão aproveitando a oportunidade gerada pela crise. Algumas atividades que já existiam passaram a ter uma procura maior como delivery, produtos de higiene, produtos hospitalares, varejo alimentício, medicamentos e outros.

Empresas que não atuam no segmento de saúde, como empresas de perfumes estão produzindo álcool gel, empresa da indústria automobilística está produzindo aparelhos de ventilação mecânica para UTIs. Além de estarem contribuindo para atender a saúde com suas doações, com certeza enxergaram novas oportunidades.

No olho do furacão das oportunidades, estão as empresas de tecnologia com as suas inovações, atendendo as demandas de muitas empresas que precisam para se manter funcionando, relaciono algumas delas:

1-Trabalho home office, disponibilizar infraestrutura de hardware e software

2-Vendas online, está superaquecido, um grande número de empresas está migrando para esta modalidade, para recuperar as suas vendas

3-Reuniões a distância, são disponibilizadas plataformas de vídeo conferencia

4-Robótica: 

   4.1 Robô “Laura” é utilizado em mais de 100 hospitais no Brasil, melhorando a assertividade dos diagnósticos em um menor espaço de tempo, reduzindo os óbitos.

  4.2 Robôs (empresa Dinamarquesa) são utilizados para desinfecção de UTI´s na China, eles reduzem o tempo de execução do trabalho e a ocorrência de infecção das pessoas envolvidas neste trabalho. A Itália já esta implantando esses robôs em suas UTIs.

Vale a pena citarmos oportunidades e inovação que ocorreram no passado da história da humanidade em plena segunda guerra mundial, uma empresa instalada na Alemanha teve proibida a entrada do xarope para produção de determinada bebida.  Neste momento a empresa tinha duas alternativas, encerrava a sua operação no país ou criava um novo produto, optou pela segunda alternativa e nasceu a Fanta.

O outro caso, ocorreu no Brasil em 1930 com uma safra excessiva de café, nesta época ele era o maior produtor de café do mundo e como caíram as demandas os produtores começaram a descartar o café, o governo brasileiro pediu ajuda a Nestle se conseguisse uma forma de conservar o café como conserva o leite em pó, nasceu o Nescafé.

Esta crise é tão ampla que atinge os governos, federal, estadual e municipal que estão sendo ágeis em aprovações no congresso, implantação de novas soluções em semanas. Uma inovação esta sempre associada a uma necessidade e ou oportunidade.

Muitas empresas já estão reavaliando como trabalhavam e como estão trabalhando, quais são as vantagens no processo e econômicas. Teremos muitos desafios e passaremos por muitas dificuldades e com certeza sairemos melhores.

Ao fim da crise da pandemia, nada será como antes, com certeza.

Continue lendo a Parte 2 desta matéria, clique aqui.

Contato:
Tatiana Brito –  (11) 94746 5637 
e-mail – tatiana.brito@rogeriodecaro.com.br

Rogério De Caro – (11) 94777 9496
e-mail – rogerio@rogeriodecaro.com.br