Arquivo da tag: índio

santo andre

Movimento indígena de Santo André promove protesto neste sábado

Movimento indígena de Santo André se reúne para contar verdadeira história da cidade e faz reivindicações à administração pública

Neste sábado, 24 de abril, o Movimento Coletivo dos Povos Originários de Santo André e Região se reúne na Praça IV Centenário, no Centro do município andreense, onde se encontra a estátua de João Ramalho, para protestar e reivindicar ações do poder público para reconhecer e apoiar os indígenas locais. Representantes de vários povos se encontram a partir das 9h para contar a verdadeira história sobre o patrono, que se encontra no Marco Zero de Santo André. A ação se baseia no Abril Indígena, mês instituído pela FUNAI para falar sobre etnodesenvolvimento das comunidades.

O tecido usado para cobrir João Ramalho servirá como tela para o artista Leo Neguim oficializar o protesto e registar a indignação do movimento. Segundo a historiadora e moradora da cidade, Silvia Muiramomi, há mais história indígena do que se conta e/ou ensina, e a figura tida como fundador da cidade foi, na verdade, “escravagista e responsável pela morte de muitos indígenas”. “Pedimos a revisão da história da cidade de Santo André, contemplando a presença indígena, fartamente documentada nos livros, atas da câmara e cartas jesuíticas, inclusive com levantamentos geográficos e arqueológicos de sítios em Paranapiacaba e na região da Vila Alice, onde se tem notícias de um cemitério indígena”.

O movimento também faz alguns pedidos à administração pública, como a reestruturação da sala dedicada aos povos originários no Museu de Santo André, exibindo história, cultura e tradições regionais, além da retirada da imagem de João Ramalho postada ao lado do Marco Zero andreense. “A cidade não há de querer por patrono um escravagista etnogenocida, pois fere nossos mais altos princípios humanitários e constitucionais de respeito à liberdade e à vida”, afirma Muiramomi.
Atualmente, na cidade de Santo André, estão presentes os povos originários Atikum, Fulni-ô, Kaikang, Kariri-Xocó, Kambiwá, Kanela, Kayabi, Kaimbé, Kalabaça, Muiramomi, Pataxó, Pankararu, Pankararé, Pankaraí, Tabajara, Tupi, Guarani, Tuxá, Truká, Xukuru-kariri, Kariri, Xavante, Tremembé, Tapebapovos Carijó, Muiramomi e muitos outros.

Outras reinvindicações do movimento, que visa chamar a atenção das autoridades para diversas questões importantes do universo indígena são:

• Implantação da lei 11645/2008 que trata da obrigatoriedade do ensino da história dos povos originários e dos afrodescendentes nas escolas municipais de ensino fundamental.

• Atenção à saúde indígena por meio do atendimento diferenciado e prioritário na rede municipal de saúde e nos complexos hospitalares municipais que incluem campanhas de vacinação e práticas integrativas da medicina tradicional dos povos originários.

• Promover, até 2022, o recenseamento étnico nos cadastros escolares e da rede básica de saúde, redimensionando com fidelidade a presença da população indígena no município, com objetivo de nortear ações afirmativas e políticas públicas.

• Empreender espaços de cultura para manifestações festivas, espirituais e culturais dos povos originários, aumentando a visibilidade social desta população, a inserção como protagonista de sua própria cultura e incluindo suas datas festivas no calendário oficial de cultura.

Também assinam o manifesto: Coletivo NASA, Coletivo RessurGentes, Movimento MASSA!, Movimento Raízes, Casa Viva Lilás, Deixa Ser Companhia de Artes, Juliano de Assis, Rede Beija-flor de Pequenas Bibliotecas Vivas de Santo André, Carlos Eduardo de Faria, Coletivo Fopp DA VILA DE PARANAPIACABA, Rubens Antunes Pecorari, Bruno Machado, Praieira Fm, Cia. Estrela D´Alva de Teatro, Circo Navegador, Ponto de Cultura Teatroendoscopia, Reinaldo da Silva CMPC, Espaço Cultural Cia3Entradas, Coletivo Cultura Viva, Sarau da Consciência, Coletivo RISO, RENIU, “Progr.Indios na Cidade” -Ong Opção Brasil.

Gostou da nossa matéria “Movimento indígena de Santo André promove protesto neste sábado“?

Movimento indígena de Santo André

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias e mais vagas de emprego abertas. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.645 outros assinantes

22 de abril: o dia do Descobrimento da nossa rica culinária

Aprendemos por muito tempo na escola que a data de 22 de abril de 1500 é marcada pelo o que se costumou chamar de “Descobrimento do Brasil”. Historiadores de hoje questionam este entendimento, já que quando os navegadores portugueses aportaram em terras brasileiras, encontram aqui várias e grandes nações indígenas que já estabelecidas, com sua cultura, costumes e história. Hoje, muitos estudiosos defendem o uso do termo “Chegada dos Portugueses ao Brasil”, como uma forma mais precisa de se referir a esse importante fato histórico.

Mas discussões históricas à parte, o que se pode celebrar com certeza neste 22 de abril é o encontro desses dois diferentes povos, que deram origem a essa nação plural e rica culturalmente chamada Brasil. E é na culinária que os traços das culturas indigena e europeia (trazida pelos portugueses) estão mais evidentes. A chef e professora de culinária Adriana Gomes, que assina a curadoria do E-book Receitas do Meu Goiás, lançado pela Marajoara Laticínios, afirma que a culinária goiana, em especial, retrata bem essa mistura de sabores herdada de índios e portugueses.

“A culinária brasileira herdou vários hábitos e costumes indígenas que continuam muito presentes nos dias de hoje, como a utilização da mandioca e seus derivados (farinha de mandioca e polvilho).  O costume de se alimentar de peixes e frutos do mar é também uma herança indígena. Bem como o consumo de frutas silvestres tais como: o cupuaçu, graviola, o açaí, caju e o nosso famoso pequi”, explica a chef .

Os portugueses
Entre as influências trazidas pelos portugueses, Adriana destaca as técnicas de cozimento usadas na Europa, a tradição dos doces e confeitos, o grande consumo e uso do leite no preparo de muitos alimentos, o uso de especiarias, o consumo de arroz, hortaliças, e das carnes de de galinha, porco e boi. “Muitos dos pratos típicos que temos aqui no Brasil, como a nossa tradicionalíssima feijoada, são resultados das adaptações que os portugueses precisaram adotar diante das adversidades encontradas na nova colônia”, lembra Adriana.

A chef lembra ainda, que depois do encontro entre índios e portugueses, a culinária brasileira enriqueceu ainda mais com a influência dos povos africanos e mais tarde dos imigrantes italianos, alemães, espanhóis e até japoneses. “Estudar ou pesquisar sobre a origem de muitos dos nossos  pratos típicos é mais do que uma lição de culinária, é também uma deliciosa aula de história”, frisa Adriana Gomes.

22 de abril: o dia do Descobrimento da nossa rica culinária
A combinação entre o arroz e o pequi, como no risoto de pequi, é um exemplo típico da mistura de influências indígena e portuguesa na nossa culinária. Foto: Divulgação.
O largo uso da mandioca e seus derivados é uma das mais fortes influências dos índios em nossa culinária. Foto: Divulgação
22 de abril: o dia do Descobrimento da nossa rica culinária
A tradição dos doces, como a rabanada, é uma das principais contribuições da cultura portuguesa para nossa culinária. Foto: Divulgação

Gostou da nossa matéria “22 de abril: o dia do Descobrimento da nossa rica culinária“?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias e mais vagas de emprego abertas. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.645 outros assinantes

motorola indigena

Motorola acrescenta língua indígena da Amazônia nos smartphones

Além de Nheengatu, falado na Amazônia, a língua Kaingang também estará disponível entre os cerca de 80 idiomas suportados na interface do Android; Confira sobre Motorola acrescenta língua indígena da Amazônia nos smartphones

A Motorola continua a abraçar a inclusão por meio do conceito “Tecnologia mais inteligente para todos” e acrescentou duas línguas indígenas ameaçadas de extinção em seus dispositivos, tornando-se a primeira fabricante de telefones celulares do mundo a dar suporte a um idioma indígena falado na Amazônia. 

Agora, qualquer pessoa que tenha um dos novos dispositivos da Motorola, ou que seja atualizado para o Android 11, poderá acessar as línguas Kaingang e Nheengatu como parte dos outros 80 idiomas suportados na interface do Android e disponíveis em smartphones Motorola. O projeto teve como principal objetivo dar acesso às línguas indígenas por meio da tecnologia, visando também a preservação e perpetuação das mesmas no mundo digital.

A Motorola sabe que as populações indígenas estão interagindo com a tecnologia móvel, e fazem parte dos diversos grupos que constituem sua base de consumidores. Com grande parte dos seus usuários presentes na América Latina, a empresa percebeu que nenhuma das línguas indígenas faladas no Brasil ou nos demais países do continente estão presentes no Android. E tampouco faziam parte do padrão de codificação de caracteres universal, Unicode, que compõe os fundamentos para inclusão e representação digital em uma variedade de interfaces digitais.

Motorola acrescenta língua indígena da Amazônia nos smartphones
Cauã Wirapayé, integrante da comunidade indígena Amazônica, Nheengatu. Foto: Divulgação

Antes da chegada dos portugueses ao Brasil, aproximadamente 1.215 línguas eram faladas no território. E, com o tempo, muitas dessas línguas deixaram de existir. Hoje, 500 anos depois, apenas cerca de 200 delas permanecem vivas. Em menos de um século, esse número poderá chegar a zero. Quando uma língua desaparece, morre também com ela a história, a cultura e a identidade daquela população. E um patrimônio cultural é extinto.

Neste cenário, a Motorola tomou a decisão de trabalhar para preservar e revitalizar algumas dessas linguagens por meio de nossa experiência de software. Atuamos em parceria com o professor e especialista Wilmar da Rocha D’Angelis, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e representantes de cada uma dessas comunidades indígenas, para adicionar Kaingang, falada no Sul e Sudeste do Brasil, e Nheengatu, falada na Amazônia, Colômbia e Venezuela, aos nossos dispositivos por meio do Android.

“Estamos sendo pioneiros, dando um passo importante em direção a uma experiência móvel mais inclusiva. Nosso trabalho foi marcado pelo desejo de contribuir para a revitalização das línguas indígenas que, segundo a Unesco, estão correndo risco de extinção. Nossa meta foi viabilizar que falantes de Kaingang e Nheengatu pudessem usar a tecnologia como ferramenta de empoderamento da sua cultura”, diz Janine Oliveira, diretora executiva de Globalization Software da Motorola Mobility. “Ao compartilhar nossa inovação com outros fabricantes e profissionais da globalização, estamos ampliando o impacto desse projeto, pavimentando o caminho para que mais línguas indígenas estejam disponíveis no Android no futuro”, completou.

Como a integração de línguas nativas escrita é crucial para sua preservação, a Motorola segue trabalhando junto com o Google para disponibilizar essas línguas em AOSP e Google Gboard. Também segue atuando em parceria com o Consórcio Unicode, para assegurar que todos os dados das línguas coletados com seu apoio sejam de fonte aberta.

A Motorola continua conduzindo pesquisas em comunidades indígenas e está engajada com equipes regionais para enriquecer as experiências com a marca e melhorar a vida dos consumidores.

Gostou de “Motorola acrescenta língua indígena da Amazônia nos smartphones?

Então, aproveite e assine nossa newsletter e seja noticiado assim que publicarmos novas matérias! Ah, leia mais sobre o que acontece nas cidades do Grande ABC. Confira nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.645 outros assinantes