Dia Mundial do Câncer: Brasil registra 280 mil óbitos anuais

Quase 10 milhões de pessoas morrem por ano no mundo por causa de diversos tipos de câncer. O Dia Mundial do Câncer, na data de hoje (4 de fevereiro), é para conscientizar sobre os cuidados e prevenções.

No Brasil, essa estatística já alcançou um patamar de mais de 280 mil óbitos anuais. Mas, apesar de ser uma doença multifatorial, em que várias causas se juntam, permitindo que ela apareça, o câncer não é impossível de ser prevenido.

E essa é a mensagem que as instituições de pesquisa e tratamento da doença querem transmitir neste 4 de fevereiro, Dia Mundial do Câncer. A chefe da coordenação de prevenção e vigilância do Inca, o Instituto Nacional de Câncer, Liz Almeida, afirma que sete hábitos do dia a dia estão relacionados a diversos tipos da doença, e que mudá-los poderia evitar até um terço das mortes.

E é de olho nesses fatores, que a Fundação Nacional do Câncer lançou a campanha ’21 ações para 2021’, ano em que se estima que 625 mil novos casos da doença serão registrados no país. E o diretor-executivo da Fundação, Luiz Augusto Maltoni, alerta para os impactos da pandemia e do isolamento social nessa construção de bons hábitos.

Trancadas em casa e ansiosas, muitas pessoas aumentaram o consumo de cigarros e álcool, negligenciaram a alimentação e os exercícios físicos e adiaram a realização de exames periódicos. Agora é preciso reverter os primeiros, para prevenir o início de um câncer. Já o rastreio periódico, como explica o doutor Maltoni, é importantíssimo, especialmente para quem tem casos de câncer na família. Porque, se a doença ocorrer, será identificada e tratada precocemente, o que aumenta muito as chances de cura.

E essa recomendação foi seguida a risca pela aposentada Ana Célia Nogueira Pinto, que descobriu um câncer de mama no início do ano passado e precisou passar por uma cirurgia em plena pandemia. Posteriormente, ela também precisou fazer sessões de radioterapia, enquanto lidava com um diagnóstico positivo para covid-19.

Hoje, Ana Célia comemora a cura do câncer e da covid e acredita que, para ambos os casos o diagnóstico precoce tenha feito diferença. Ela também considera que os hábitos de fazer exercício regularmente e manter uma alimentação saudável tenham ajudado. Quem quiser entrar nessa corrente, pode procurar informações na página da Fundação do Câncer: www.cancer.org.br.

Gostou de “Dia Mundial do Câncer: Brasil registra 280 mil óbitos anuais“?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email. Aproveite e leia mais notícias do Brasil.

Dia Mundial do Câncer: Brasil registra 280 mil óbitos anuais

Acidentes em rodovias caem em 2020, mas mortes ficam estáveis

O número de acidentes em rodovias brasileiras diminuiu 6% em 2020 se comparado a 2019. Foram 63.447 acidentes no ano passado, 4 mil a menos do que o registrado no ano anterior. Acidentes em rodovias caem em 2020.

A crise gerada pelo coronavírus influenciou o resultado. Segundo o diretor-executivo da Confederação Nacional do Transporte, Bruno Batista, os meses mais críticos da Covid-19 também foram os que tiveram maior queda no número de acidentes por causa da redução de veículos circulando nas estradas.

Menos acidentes, porém, mais graves e mais letais. De acordo com o levantamento, o número de mortos também diminuiu, mas apenas 1%. Em 2020, 5.287 pessoas morreram nas rodovias, contra 5.332 em 2019, 45 vidas perdidas a menos. As colisões de veículos foram responsáveis por quase 62% das mortes ocorridas nas estradas.

Para o diretor-executivo da CNT, Bruno Batista, os acidentes também são resultado das características viárias do país.

O painel da CNT com dados da Polícia Rodoviária Federal ainda aponta que 55% das mortes foram aos finais de semana, principalmente no domingo.

A rodovia com o maior número de acidentes, ao longo do ano passado, foi a BR-101, que atravessa o país e liga o Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul. Já a BR-116, que começa em Fortaleza e também termina no Rio Grande do Sul, é a rodovia que mais mata.

A CNT estima que os acidentes em rodovias federais produziram um prejuízo de mais de R$ 10 bilhões só no ano passado, e afirma que, para reduzir os acidentes e mortes, é preciso investir em infraestrutura rodoviária e na formação dos condutores.

Em parceria com Agência Brasil.

Gostou de “Acidentes em rodovias caem em 2020, mas mortes ficam estáveis”?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email. Aproveite e leia mais notícias do Brasil.

Acidentes em rodovias caem em 2020, mas mortes ficam estáveis

Acidentes nas rodovias paulistas: Em 2020 já registraram mais de 28 mil

De cada dez acidentes com mortes ocorridos de janeiro a outubro de 2020 nas rodovias que compõem o Sistema Anhanguera-Bandeirantes, quatro envolveram motociclistas. De acordo com a concessionária CCR AutoBan, as motocicletas representam apenas 2,5% do total de veículos que circulam pelas autopistas do complexo. Acidentes nas rodovias paulistas

A Rodovia Anhanguera liga a capital paulista ao norte do estado. A Rodovia Bandeirantes, por sua vez, conecta a capital a importantes municípios de São Paulo, como Campinas.

Segundo o gestor de Atendimento da CCR AutoBan, Fabiano Adami, a concessionária procura organizar campanhas para orientar os motociclistas sobre segurança no trânsito. Uma das instruções de prevenção de acidentes é evitar trafegar pelos corredores que se formam entre os automóveis.

De acordo com levantamento do InfosigaSP, banco de dados que reúne informações da Polícia Civil, da Polícia Militar e da Polícia Rodoviária Federal, as rodovias paulistas concentraram 20,1% dos acidentes com vítimas. No total, em 2020, ocorreram mais de 28,7 mil acidentes entre Janeiro e Outubro.

Fonte: Agência Brasil