Experimente um novo alimento, sempre que possível

Rosângela Lopes é nutricionista e autora de “Experimente um novo alimento, sempre que possível”.

Por conta da nossa rotina, muitas vezes optamos por tudo que seja mais fácil e prático, e claro que também temos aquela famosa listinha de alimentos que não gostamos, não comemos de jeito nenhum.

Quando temos essa listinha acabamos deixando de lado muitas opções que são nutritivas.

Por isso te pergunto: Quando foi a última vez que você experimentou algo novo?

Você consegue variar a sua alimentação ao longo da semana?

Será que você realmente não gosta desse alimento?

Quantas vezes você comeu esse alimento para ter certeza de que não gosta dele?

Portanto, aqui estão algumas orientações que vão te auxiliar:

Escolha pelo menos um alimento diferente, sempre que possível, para comer no seu dia ou na sua semana; Prove novamente aqueles alimentos que você não gosta, de preferência preparados de formas diferentes, com novos temperos ou até mesmo por pessoas diferentes; As vezes pensamos que não gostamos de um determinado alimento porque só o provamos de uma maneira, assim faça um teste e você pode se surpreender.

Gostou de “Experimente um novo alimento, sempre que possível“?

Experimente um novo alimento, sempre que possível
Foto: Divulgação

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 1.366 outros assinantes

Vendas de automóveis, comerciais leves e ônibus caem em janeiro

Números divulgados pela Fenabrave, a associação que representa as concessionárias de automóveis, revelam que as vendas de carros e veículos comerciais leves caíram 11,7% no primeiro mês de 2021, na comparação com igual período do ano passado.

No total, foram emplacadas 162 mil, 567 unidades, entre carros de passeio e utilitários leves

Comparando com dezembro, que tradicionalmente é um mês mais aquecido que janeiro, a queda é ainda maior: 30%.

Importante lembrar que os números de janeiro já não contam com a produção de carros pela Ford, que anunciou nos primeiros dias do ano sua saída do País, com fechamento da fábrica em Camaçari, na Bahia, onde montava os modelos Ka e EcoSport, e da unidade em Taubaté, no interior de São Paulo, onde produzia motores e transmissões.

Também houve retração, em janeiro, no mercado de ônibus, que somou 1.324 unidades comercializadas, total quase 40% inferior a  janeiro de 2020 e queda próxima de 15% sobre dezembro passado.

Segundo a Fenabrave, o segmento ainda sofre com os efeitos da pandemia. As restrições de circulação e os cancelamentos de viagens afetaram muito as empresas de ônibus, o que acabou desmotivando a compra de novas unidades.

Já o mercado de caminhões apresenta resultados mais animadores.

As vendas de caminhões iniciaram 2021 em bom ritmo. Em janeiro, foram emplacados 7.262 veículos, alta de pouco mais de 1% na comparação com o primeiro mês de 2020, mas ainda com retração de quase 25%, na comparação com dezembro do ano passado.

Com informações de Rádio2.

Gostou de “Vendas de automóveis, comerciais leves e ônibus caem em janeiro“?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email. Aproveite e leia mais notícias do Brasil.

Vendas de automóveis, comerciais leves e ônibus caem em janeiro
BRA10. RÍO DE JANEIRO (BRASIL), 04/09/2012.- Fotografía de archivo del 13 de noviembre de 2008 donde se ven cientos de coches importados de las firmas Chrysler, Dodge, Fiat y Citroen en el puerto de la ciudad de Río de Janeiro (Brasil), a la espera de ser puestos a la venta en los diferentes concesionarios de esas marcas en todo el país. Brasil registró en agosto una venta récord de 420.101 vehículos gracias a las reducciones de impuestos concedidas por el Gobierno para incentivar uno de los sectores más afectados por la crisis económica internacional, informó hoy, martes 4 de septiembre de 2012, la Federación de Distribuidores de Vehículos Automotores (Fenabrave). EFE/Marcelo Sayão