Cards Inova acredita que o PIX é uma grande evolução

O cidadão brasileiro já está acostumado com as possibilidades que os bancos oferecem para que sejam feitas transferências de dinheiro para pessoas com contas ou entre instituições. São elas a TED – Transferência Eletrônica Disponível e DOC – Documento de Crédito.

Segundo Fernando Muterle, diretor da Cards Inova Certificadora, o PIX chega como uma alternativa a esses meios de pagamentos já existentes e vem com o objetivo principal do Banco Central de oferecer pagamentos instantâneos que serão concretizados em alguns segundos.

Agora as transações serão realizadas em tempo real e sem intermediação de terceiro, o dinheiro sai de uma conta e vai direto para conta de quem receberá o valor. Um grande benefício é que essas movimentações poderão ser feitas 24 horas e os 7 dias por semana.

Para o executivo, o PIX visa ampliar a competitividade e, principalmente, a abertura de novos negócios inovadores no setor, uma vez que os empresários deverão oferecer serviços que correspondam e facilitem a vida dos cidadãos e comerciários.

“O que há de recente como exemplo de revolução no mercado, é o Banking as a Service, um modelo de serviço bancário que permite a pessoa criar sua carteira digital sem precisar de conta corrente para fazer pagamentos. O sistema bancário é um processo completo e garante a execução geral de um serviço financeiro fornecido pela web”, ressalta Muterle.

A ferramenta vem com a proposta de revolucionar esse mercado, agilizando o processo de pagamento, permitindo um maior volume de transações por conta de custos. “Acredito que o PIX tem um grande potencial de reformular tradicionais meios de pagamentos que envolvem empresas adquirentes, bancos emissores e ainda os gateways”.

Esta ferramenta de alta disponibilidades deve ter um papel fundamental nas decisões das empresas que buscam segurança, alta performance para reduzir riscos e custos, ou seja, as empresas irão se adaptar rapidamente. “Por se tratar de uma solução para baixar custos e a simplicidade do uso por meio do mobile terá uma aceitação muito positiva e o mercado deve crescer e atingir rapidamente um grande volume de transações”, destaca Muterle.

Sobre a Cards Inova  

A Cards Inova é uma rede própria para a venda e validação de certificados digitais com tecnologia da AC Valid, emitente dos certificados digitais ICP-Brasil e credenciada pelo ITI.  

Com matriz em Americana/SP, a Cards Inova conta com mais de 60 unidades de validação, distribuídos nos estados de SP, RS, MT, SC, BA, PE, RJ, ES e MG. Para dar maior segurança aos seus clientes, a empresa conta com desenvolvimento e capacitação continua de seus agentes, em cada um dos seus pontos de validação. O projeto de expansão da empresa prevê que, até o segundo semestre de 2020, sejam mais 80 unidades de atendimento no Brasil. 

Informações para Imprensa:
Jornalista Responsável: Soraya Simón
Email: soraya3s.ss@gmail.com
Tel/Fax: (11) 99329-3306

PIX começa a valer a partir de 16 de novembro

Em entrevista exclusiva ao portal Brasil61.com, Mayara Yano, assessora no Banco Central, tira todas as dúvidas sobre o Pix, sistema que promete funcionar 24 por dia, 7 dias por semana

Você certamente já ouviu falar do Pix, o novo meio de pagamento instantâneo criado pelo Banco Central (BC). De acordo com a própria entidade, a promessa é de transferência de recursos entre contas de qualquer banco em poucos segundos, a qualquer hora e dia. Entre os objetivos do novo sistema, estão o de alavancar a competitividade e a eficiência do mercado, promover a inclusão financeira e preencher uma série de lacunas existentes nos instrumentos de pagamentos disponíveis hoje para a população. 

Até dia 15 de novembro, o sistema vai funcionar de forma restrita e em esquema de teste para alguns clientes. Mas a partir de segunda-feira (16), todo mundo vai poder testar a novidade. 

“O Pix veio para facilitar a vida dos nossos pagamentos do dia a dia. Ele é um novo jeito de fazer pagamento e transferências criado pelo Banco Central, em conjunto com a indústria”, adianta a assessora no Departamento de Competição e Estrutura do Mercado Financeiro do Banco Central, Mayara Yano. 

O sistema é totalmente digital e instantâneo. “Você pode fazer transferências inclusive nos fins de semana, de madrugada e é muito prático”, garante Mayara, em entrevista exclusiva para o portal Brasil61.com. Segundo ela, basta acessar a conta pelo aplicativo no celular que vai estar disponível a opção de pagamento ou transferência de dinheiro pelo Pix. “E ele é muito seguro, aberto e acessível. Ele conecta praticamente em todas as contas, independentemente de onde a outra parte tem conta.” 

A assessora do Banco Central avisa que o Pix não é obrigatório, e sim mais uma opção disponível. “Quem escolhe se vai usá-lo como meio de pagamento é quem está realizando a transação. A pessoa pode usar cartão, boleto, TED, DOC ou o Pix. Ele veio para agregar e somar como mais uma opção”, reforça. 

Na prática, vai funcionar assim: você acessa sua própria conta bancária, a que você já tem – seja num banco ou numa fintech. Essa conta pode ser corrente, poupança ou de pagamento pré-pago e no próprio menu do aplicativo do celular ou pelo internet banking vai aparecer a opção Pix. “Dentro disso vai ter a opção de pagar com Pix, que pode ser feito a partir da leitura de um QR code ou usando a chave, que nada mais é que uma forma muito simples de identificar a conta de quem vai receber o recurso”, explica Mayara Yano. 

Sobre a chave, ela detalha. “Primeiro, é importante frisar que ela não é obrigatória, não é necessário você ter o cadastro dessa chave para poder usar o Pix. Ela só é uma forma mais simples de identificar a sua conta. Então, quando você quiser receber um pagamento ou transferência, por exemplo, em vez de passar nome do banco, agência, conta, CPF, você simplesmente passa a sua chave Pix cadastrada e a transação ocorre de forma muito mais rápida. É muito mais simples para quem está pagando”, sinaliza. 

Municípios sem agências 

De acordo com levantamento do próprio Banco Central, cerca de 2,3 mil municípios ainda não possuem agências bancárias. “O Pix veio justamente para facilitar a vida dessas pessoas. Ainda há muitas transações que usam dinheiro em espécie e os municípios sem agência têm essa dificuldade, porque as pessoas têm que se dirigir para outras localidades para fazer o depósito ou para sacar, por exemplo. Com o Pix, essas transações passam a ser eletrônicas e é um meio totalmente seguro. Tendo acesso à internet, a pessoa consegue fazer os pagamentos, transferências, compras sem a necessidade de se locomover até uma agência bancária”, ressalta Mayara.

Para o futuro, a assessora do Banco Central adianta que haverá uma opção de saque no varejo. “Isso vai facilitar muito a capilaridade desse serviço de saque, mas é uma novidade que vem só mais para frente para facilitar a vida desses municípios.” 

Confira agora a entrevista exclusiva com a assessora no Departamento de Competição e Estrutura do Mercado Financeiro do Banco Central, Mayara Yano. 

Fonte: Brasil 61