Arquivo da tag: o que faz

Interfarma reformula site e investe em produção própria de notícias

A Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa – Interfarma reformula e anuncia seu novo site. A novidade faz parte da mudança de identidade institucional, que prioriza aumentar a comunicação com a sociedade e o setor, reforçando a associação como fonte de informações para a população, governo e parceiros. Com a reformulação, a entidade ainda visa produzir conteúdos  próprios,  tornando-se também um portal de notícias sobre a área farmacêutica de pesquisa.

Os conteúdos serão classificados em “Para sociedade” e “Para setor” e serão divididos entre Saúde no Brasil, Segurança Farmacêutica, Ética e Transparência, Relações Institucionais, Comunicação e Economia.

O  site ganhou ainda um canal onde é possível enviar denúncias relacionadas ao próprio Código de Conduta da entidade ou à Compliance. A Interfarma foi pioneira ao lançar o Código de Conduta em 2007, com o objetivo de formalizar a relação entre suas associadas e outras organizações aderentes e os profissionais de saúde. O canal de denúncias reforça o objetivo da Interfarma de se relacionar de maneira ética e transparente, assim como suas associadas.

O site também ganhará em breve uma versão em inglês com uma gestão diferente para notícias internacionais. Também está previsto o lançamento de um aplicativo para download, com todas as informações e ferramentas disponíveis no novo site. 

O novo site da Interfarma, com cara nova e conteúdos em português sobre o setor, já está no ar e pode ser acessado pelo link https://www.interfarma.org.br/ 

Sobre Interfarma 

Fundada em 1990, a Interfarma (Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa) representa no Brasil 51 farmacêuticas responsáveis pela inovação em saúde, com viés científico e tecnológico. A Associação atua propondo soluções conjuntas para a sustentabilidade dos sistemas de saúde, e ainda é responsável por produzir materiais para os servidores e técnicos públicos para muni-los com o máximo de informações e tendências mundiais sobre o setor. Hoje, por meio de suas associadas, a Interfarma contribui para trazer para o Brasil tecnologias capazes de acelerar novos tratamentos e incorporá-los aos Sistemas de Saúde (SUS e Suplementar), proporcionando longevidade e qualidade de vida aos pacientes. 

...

Gostou “Interfarma reformula site e investe em produção própria de notícias“?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email assim que estiverem online em nosso site. Aproveite e leia sobre Carreiras e Trabalho, com os ensinamentos de Rogério de Caro.

Junte-se a 2.689 outros assinantes

Birôs de crédito: Você sabe o que são?

Os birôs de crédito são plataformas que oferecem informação de pessoas e empresas, com foco nos dados que impactam o crédito. Os birôs têm intenção de tornar público e comercializar ao mercado que compra o acesso à plataforma – informações de hábitos de pagamento do consumidor para conceder-lhe crédito.

Segundo dados do Google Public Data, sob a rubrica “A abrangência da agência de informações de crédito privada indica o número de indivíduos ou empresas indicadas por uma agência de informações de crédito privada com informações atualizadas sobre o histórico de reembolsos, dívidas não pagas ou crédito sem liquidação”,  de 2016 até 2018, no Brasil, cerca de 80,5% da população adulta tem seus dados de inadimplência disponíveis em algum dos birôs de crédito.

O que os birôs ofertam e o que o mercado busca é uma relação mais igualitária entre as partes dessas operações de crédito, ou seja, o mercado quer conhecer o consumidor. Os birôs possuem três grandes ênfases: os produtos de prospecção de mercado, as avaliações de crédito, auxílio na gestão de carteira e na recuperação de  obrigações vencidas. 

Os  serviços e produtos envolvem a coleta e o tratamento de dados pessoais, demográficos, de renda,  de relacionamento com o mercado. Essas informações  podem ser utilizadas no momento que antecede a fase da concessão de crédito.  Os dados disponíveis para essa fase são coletados no próprio banco, e ainda em compartilhamento de dados entre as empresas, aquisição de dados existentes em outras empresas, como por exemplo, o cartório e uso de dados públicos como o PNAD e IBGE.

 As  atividades de avaliação de crédito dos birôs têm uma dinâmica que entrega atividades referenciais para prevenção de fraude. Eles avaliam a confiabilidade das partes que compõem operação de crédito, estatística de solvência para avaliar a habitualidade de inadimplemento e a formação de uma  nota de crédito que sugestiona a capacidade de endividamento e de adimplemento do tomador.  Essas atividades são feitas no momento  anterior à concessão do crédito e se propõem a avaliar temporalmente as atividades do tomador de crédito.

Além do universo de dados, a atualidade do dado possui importância ímpar. Último aspecto prestado pelos banco de dados, o auxílio na gestão de carteira e recuperação de crédito. Inclui  a disponibilidade de dados relativos aos hábitos de consumo, propensão de solvência do devedor e produtos que sensibilizem o inadimplente  ao cumprimento do pagamento.

O mercado de informação para o crédito é caracterizado por empresas que sistematizam a geração de dados, o registro e a classificação de eventos obrigacionais das pessoas físicas e jurídicas, ofertando através de produtos tecnológicos instrumentos de auxílio para conceder crédito mais assertivo, diminuindo a chance de calote.

No Brasil existem quatro birôs de crédito privados habilitados para funcionar, o SPC Brasil é o que tem maior capilaridade territorial, maior rede de atendimento e maior base de dados.

O Banco Central possui uma Central de Informação de Crédito – SCR  e o  Cadastro de Emitentes de Cheques Sem Fundo- CCF, que são birôs públicos que disponibilizam para os cidadãos o acesso para seus dados bancários e análise de endividamento através do portal registrato. Esse banco de dados não possui a mesma amplitude de acesso que as plataformas privadas, tampouco a mesma oportunidade de informações.

A legislação impõe ao mercado de birôs uma interface educativa visando minimizar os efeitos de superendividamento, a maioria dos bancos de dados disponibilizam ferramentas  e ambientes para mediação da dívida o que gerou outro mercado rentável: a manutenção do ciclo de gestão e recuperação de crédito nos ambientes extrajudiciais.

  *Alexandre Damasio Coelho é presidente da CDL  São Caetano do Sul e advogado.

Gostou da nossa matéria “Birôs de crédito: Você sabe o que são?“?

Birôs de crédito: Você sabe o que são?
Alexandre Damasio é presidente da CDL de São Caetano do Sul. Foto: Divulgação

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.689 outros assinantes

Aumento de ciberataques à área de saúde na pandemia

A prática de extorsão – roubo de dados pessoais de pacientes e mesmo de clínicas e hospitais, com ameaça de vazamento caso não seja feito pagamento – está entre as mais comuns relacionadas com o aumento de ciberataques, alerta especialista.

O agravamento da pandemia de Covid-19 no Brasil é acompanhado por um aumento nos ciberataques contra instituições e profissionais da área de saúde. Diante desse cenário, uma empresa brasileira especializada em segurança na internet – a Apura – alerta: os cuidados precisam ser ainda mais rigorosos, incluindo a adoção de práticas de prevenção contra essas investidas. É um perigo real, que tende a se acentuar, adverte a organização.

Além de infringir um direito básico, o da privacidade de profissionais e pacientes, os ciberataques afetam diretamente os custos das empresas. De acordo com a mais recente edição (2020) do relatório anual do Ponemon Institute, da IBM Security, entre os segmentos de mercado é o de assistência médica que registra os maiores custos decorrentes das violações de dados em todo o mundo. Cada violação custou em média: US$ 7,13 milhões. A pesquisa envolveu 524 organizações e 3,2 mil entrevistados de 17 países e regiões (entre eles o Brasil).

Com mais de 25 anos de experiência em segurança em tecnologias da informação, o fundador e CEO da Apura, Sandro Suffert, observa que a sobrecarga de trabalho de médicos, consultórios, clínicas, hospitais e instituições afins deixa o setor ainda mais vulnerável à investida de cibercriminosos. O excesso de demanda e o foco prioritário na prevenção e combate à pandemia não podem, contudo, deixar em segundo plano a preocupação com a segurança de sistemas e bancos de dados.

De acordo com Suffert, as investidas do cibercriminosos visam, sobretudo, vantagens financeiras. É a extorsão pura e simples. A prática mais recorrente é a seguinte, explica o especialista: por meio de mensagens, de conteúdo falso, criminosos instalam um tipo de software, denominado ransomware, por meio do qual os dados da clínica ou hospital são bloqueados. São dados tanto da empresa como de pacientes – incluindo prontuários e outras informações particulares.

O ransomware faz a criptografia dos dados e, para a liberação, os cibercriminosos cobram das empresas médicas e profissionais o pagamento de resgate em criptomoedas, ou, até mesmo, depósito bancário. Caso o pagamento não seja feito, a ameaça é a de exposição dos dados e informações. Sem saída, com receio de que a ameaça seja cumprida e dados pessoais e sigilosos de seus pacientes ou clínicas venham a ser vazados, não raro as vítimas se veem obrigadas a ceder à pressão.

MERCADO ‘UNDERGROUND’

Na penúltima semana de abril, foi revelado que um mercado ‘underground’ de credenciais de acesso remoto a sistemas Windows, mais especificamente de Remote Desktop Protocol (RDP), teve as informações capturadas por pesquisadores de segurança. Mais de 1,3 milhões de credenciais estavam sendo negociadas no mercado, sendo a maioria pertencentes a Brasil, Índia e Estados Unidos e muitas de organizações da área da saúde. O acesso via RDP é uma das formas mais utilizadas por criminosos para obter acesso indevido a sistemas das empresas.

Além de contar com esse mercado ilegal de credenciais, Suffert destaca que os atacantes se aproveitam de sistemas mal configurados, com senhas fracas ou senhas padrão, sem múltiplo fator de autenticação, para penetrarem nas organizações, inclusive nas da área da saúde.

Outro problema que tem realçado a fragilidade da segurança cibernética nas organizações de saúde é a exposição pública de informações e sistemas na internet de forma acidental. Recentemente, um analista de segurança identificou uma falha em um servidor da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) que dava acesso a informações de gerenciamento de vacinas, dados de pesquisas e até informações de funcionários da fundação. O acesso a esse sistema poderia potencialmente até permitir o desligamento de freezers ou alteração de temperaturas, o que poderia colocar em risco o armazenamento de vacinas.

A Fiocruz consertou a falha antes que se tornasse de conhecimento público e alegou que o servidor servia apenas para testes e que todas as informações disponíveis eram fictícias e que nenhum sistema esteve efetivamente em risco.

Caso semelhante ocorreu em fevereiro deste ano, quando a configuração errada de uma página do Ministério da Saúde expôs os dados de pacientes e servidores do Sistema Único de Saúde (SUS).

Essas ocorrências vêm ressaltar a necessidade de um foco mais atento à segurança dos sistemas de todas as empresas, em especial as do ramo da saúde, nos quais um ataque pode ter consequências muito mais danosas do que simples vazamento de informações, ressalta Sandro Süffert.

WHATSAPP NA MIRA

Além desses ataques a bancos de informações e sistemas de dados de estabelecimentos de saúde, Sandro Suffert cita outro tipo recorrente de investida: o envio de mensagens (geralmente por WhatsApp) a médicos e outros profissionais de saúde, e mesmo a pacientes desses profissionais, com links falsos. Trata-se do chamado phishing, comumente empregado em ciberataques voltados a outras áreas também.

As mensagens têm conteúdo, linguagem e aparência que soam como reais, contudo, se configuram em armadilhas. O phishing é utilizado para “pescar” dados pessoais e confidenciais, como número e detalhes do cartão de crédito, senha, entre outras informações que abrem caminho para os criminosos realizarem suas fraudes.

Um exemplo desse golpe é de uma clínica odontológica do Paraná que teve seu WhatsApp invadido. Uma mensagem falsa foi enviada aos pacientes sobre o sorteio de um carro; para participar, eles teriam que responder via SMS com um ok, deixando seus aparelhos vulneráveis a ataques.

Veja a mensagem abaixo:

Aumento de ciberataques

DICAS DE PROTEÇÃO

Confira recomendações da Apura, especializada em segurança cibernética, voltadas principalmente à prevenção de ataques contra estabelecimentos e profissionais de saúde:

  • As empresas médicas devem manter sistemas operacionais com versões atualizadas e com as configurações adequadas. Para isso, é importante ter o suporte de especialista;
  • Elas devem, também, promover a cultura da cibersegurança entre a equipe de colaboradores. Isso inclui instruir os funcionários quanto à escolha, uso e atualização de senhas, bem como a desconfiar de e-mails ou mensagens que solicitem informações institucionais e pessoais. E, é claro, a não abrir anexos ou clicar em links suspeitos;
  • Tanto aos pacientes quanto aos colaboradores é imprescindível desconfiar de promoções, brindes, descontos e ofertas similares que soem muito vantajosas. Antes de clicar em links, é importante pesquisar sobre a empresa anunciante, ou mesmo averiguar se há alguma notícia de golpe relacionada ao fato;
  • Atenção aos aplicativos: para baixar qualquer aplicativo, opte por fazê-lo nos sites oficiais das empresas ou nas lojas de aplicativos do sistema operacional de seu smartphone;
  • Uma dica é utilizar soluções de segurança no celular, como as que detectam phishing em aplicativos de mensagens (como WhatsApp) e em redes sociais;
  • Em caso de ataque, registre um boletim de ocorrência, caso seja vítima de cibercrimes ou tenha recebido algum contato neste sentido. Polícias civis de vários estados contam com delegacias especializadas em crimes cibernéticos; em muitas delas é possível fazer a queixa on-line.

Gostou da nossa matéria “Aumento de ciberataques à área de saúde na pandemia“?

Aumento de ciberataques à área de saúde na pandemia
Apura S/A. “Aumento de ciberataques”, por Sandro Suffert, da Apura S/A.

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.689 outros assinantes

Mercado de ATM se solidifica ainda mais nos EUA

A The Brink’s Co., conhecida no Brasil como transportadora de valores, anunciou no início de abril a aquisição da PAI Inc., maior provedora privada de serviços de ATM dos Estados Unidos, por US$ 213 milhões. A estimativa é que a PAI gere receita anual de cerca de US$ 320 milhões, disse a Brink’s em um comunicado.

O negócio vai proporcionar à Brink’s uma plataforma de serviços e mais de 100 mil locais de oferta de caixas eletrônicos nos Estados Unidos. Na Europa, a empresa assumirá a propriedade total e fornecerá serviços gerenciados a instituições financeiras para mais de 11 mil ATMs. As ações da Brink’s não estavam ativas no pré-mercado, mas ganharam 12% no ano até o momento, enquanto o S&P 500 ganhou 8,6%.

Para Nilo Mingrone, cofundador da ATM Club, empresa especializada no desenvolvimento e gerenciamento de máquinas de rede de caixas eletrônicos nos Estados Unidos, essa aquisição solidifica ainda mais o mercado de ATMs no país e indica uma opção interessante de investimento tanto para cidadãos americanos quanto para estrangeiros.

Francisco Moura Junior, cofundador, CMO e COO do ATM Club — que também oferece um clube de investimentos na rede de cerca de 500 caixas eletrônicos mantidos pela empresa —, informa que o mercado global do segmento prevê um crescimento em torno  de 5,2% de 2020 a 2027, com movimentação de US$ 30,5 bilhões no período.

Ele defende a longevidade e rentabilidade da rede de caixas no curto prazo. “Com o serviço de banco on-line em ascensão, a estrutura das agências bancárias está diminuindo em todo o mundo”, aponta.

Alternativa de investimentos

Criado com o objetivo de ajudar empresários e investidores de outros países a terem seus próprios negócios nos Estados Unidos, com segurança e sem burocracia, em um setor com grande potencial de crescimento, no ATM Club o investidor se torna o proprietário de uma rede de caixas eletrônicos, recebendo comissões a cada retirada. 

Segundo Francisco Moura Junior, os caixas eletrônicos estão presentes nas ruas, em lojas, mercados, shoppings, em passarelas e em estações de metrô. “Apesar do avanço progressivo dos sistemas de pagamento em todo o mundo, e todas as inúmeras facilidades que isso envolve, o bom e velho terminal de autoatendimento não vai sumir tão cedo”, garante.

Para o empresário, os terminais são ótimas opções para aqueles que não gostam de viajar com muitos dólares ou então para quem comprou muito e ficou sem dinheiro.

Já para o investidor, o negócio pode proporcionar um retorno de aproximadamente 8% no primeiro ano, 10% no segundo e ROI de, em média até 1% ao mês a partir do terceiro ano. “É importante lembrarmos que esses números são baseados na experiência do passado, o que não garante  rentabilidade no futuro”, destaca.

Presente em cidades como Orlando, Miami, Nova Iorque, Nova Jersey e São Francisco, o ATM Club tem uma rede hoje de aproximadamente 500 pontos de atendimento e o investidor pode formar uma rede própria, de acordo com o aporte inicial. Francisco recomenda um investimento inicial de US$ 50 mil, o que equivale a cinco ATMs. “O valor mínimo é de US$ 10 mil, sendo US$ 7,5 mil do ATM com locação por cinco anos e US$ 2,5 mil de capital de trabalho que é o dinheiro que circula, ou seja, está na máquina ou na conta e é aportado uma única vez”, detalha.

Francisco Moura

Vasta experiência com mais de 15 anos no mercado de seguros no Brasil e na América Latina. Formado em Ciências Atuariais pela PUC / SP e em Gestão e Planejamento de Marketing e Vendas pela Universidade Anhembi Morumbi. Empresário em série, nos EUA, participou ativamente da criação de várias empresas em diversos segmentos dentre eles: restaurantes, valet parking e gestão de garagens, importadora de medicamentos e o principal negócio, chamado ATM CLUB, com receita nos últimos três anos que ultrapassa US $ 4 MM.

Nilo José Mingrone

Vasta experiência com mais de 30 anos no segmento jurídico corporativo. Autor de vários artigos sobre Direito Empresarial. Direito Empresarial pela ESEADE Buenos Aires. Ex-Presidente dos Comitês de Direito Societário e Prerrogativas da Subseção OAB . Co-autor do livro “Investimentos no Brasil – Aspectos Legais”. Também é um dos fundadores do ATM CLUB.

Sobre o ATM Club

Com sede na Flórida, o ATM Club é uma empresa especializada no desenvolvimento e gerenciamento de máquinas de rede ATM nos Estados Unidos.

Fundado por dois empresários brasileiros, o ATM Club foi criado com o objetivo de ajudar empresários e investidores de outros países a terem seus próprios negócios nos Estados Unidos, com segurança e sem burocracia, em um setor com grande potencial de crescimento.

Ao pensar em investir em solo americano, as opções mais comuns são fundos de investimento, propriedades ou algumas franquias, mas a opção de investir em caixas eletrônicos, além de mais inovadora, obteve excelentes resultados com risco muito baixo.

Para mais informações, acesse http://atmclub.cash ou nas redes sociais:

Facebook: atmclubusa

Instagram: atmclub_usa

LinkedIn: https://www.linkedin.com/company/atmclub/

Gostou da nossa matéria “Mercado de ATM se solidifica ainda mais nos EUA“?

ATM
Foto: iStockphotog/Getty Images

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.689 outros assinantes

Mais novo unicórnio da internet mira o Brasil

O crescimento exponencial do uso de aplicativos de mensagem como o WhatsApp, SMS, Messenger, Signal ou Telegram, no Brasil e no mundo, mudou para sempre a forma como as empresas se relacionam com seus clientes. E mesmo com o controle da pandemia e a volta à “normalidade”, este novo comportamento dos consumidores deve se acentuar.

Foi com esta perspectiva que a Gupshup, líder indiana de mensageria com mais de 6 bilhões de interações/mês apenas na Índica, se tornou o mais novo unicórnio da internet ao receber um aporte de USD$ 100 milhões da Tiger Global Management, na segunda semana de abril, o que elevou seu valor de mercado a USD$ 1,4 bilhão.

“O Brasil é um dos maiores mercados quando se fala em uso comercial dos aplicativos de mensagem. E este é um segmento que deve aumentar muito mais, pelas facilidades que oferece no relacionamento entre empresas e clientes. A Gupshup vinha atendendo clientes brasileiros em sua plataforma, que é self-service, e por isso decidimos criar uma estrutura local, que também vai atender outros países da América Latina e do Sul.” explica Beerud Shteh, CEO e co-fundador da companhia.

A Guphup é uma empresa de tecnologia que desenvolve soluções para que as empresas se relacionem com seus clientes por meio de aplicativos como WhatsApp e SMS, que são apenas o canal de contato. As caixas de diálogo, links e outras interações, são fornecidas por empresas de mensageria.

Sua plataforma funciona com base em IP, o que lhe permite atuar em qualquer país do mundo sem qualquer necessidade de adaptação ou limitação por conta de diferenças de protocolo.

Brasil

A Gupshup iniciou o atendimento de clientes brasileiros em sua plataforma, que é “self-service”. E começou a trabalhar localmente em meados de 2020, para atender à crescente demanda e aceitação de suas soluções.

Agora, com uma estrutura plena no país, oferece um suporte mais adequado e um atendimento comercial mais identificado com a cultura local.

Líder de mercado na Índia, onde entrega mais de 6 bilhões de mensagens por mês, a Gupshup espera crescer 3 vezes no Brasil em 2021 e já atende clientes do porte da Caixa Econômica Federal, Banco do Nordeste, Unimed, Lojas Torras, governos estaduais e prefeituras, além de, por meio de parceiros, atender empresas que atuam em grandes Marketplaces.

Já com clientes do porte da Caixa Econômica Federal, Banco do Nordeste, Unimed e Lojas Torra, além de outros grandes do varejo, por meio de parceiros, a empresa acaba de se tornar um unicórnio ao receber um aporte financeiro de USD 100 milhões do fundo Tiger Global.

“Clientes locais pedem presença local, tanto para suporte quanto para atendimento comercial, pois conseguimos estreitar o relacionamento com os clientes e desenvolver soluções cada vez mais específicas”, explica Leonardo de Paula, Head de Negócios da GupShup no Brasil.

Gupshup

Empresa de origem indiana criada em 2006, oferece soluções de mensageria conversacional por IP para empresas de todos os segmentos e tamanhos. É a plataforma líder neste segmento, gerando mais de 6 bilhões de mensagens por mês, e oferece uma única API de mensagens para mais de 30 canais. Em abril de 2021 a Gupshup recebeu um aporte de USD$ 100 milhões do Tiger Global Management, elevando seu valor de mercado para USD$ 1,4 bilhão.

Gostou da nossa matéria “Mais novo unicórnio da internet mira o Brasil“?

Mais novo unicórnio da internet mira o Brasil

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias e mais vagas de emprego abertas. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.689 outros assinantes

Gestão de Produtos Digitais, conheça o panorama da nova profissão

A profissão de Gerente de Produto (Gestão de Produtos Digitais), também conhecida como Product Manager (PM), vem chamando bastante atenção do mercado. Ter alguém que ajude a empresa a direcionar a visão, trabalhar roadmaps, estabelecer metas e estratégias, além de direcionar a execução em cada etapa do ciclo de vida de um Produto não é tarefa para qualquer um.

O Gerente de Produto pode guiar o sucesso de um Produto, por isso a procura pelo profissional segue aumentando em grande escala no mercado. No momento em que você está lendo essa matéria (janeiro/2021), há mais de 700 vagas em aberto no LinkedIn para o cargo, com salários e benefícios bem atrativos. Este é um dos motivos que levaram muitos profissionais a se especializarem na área e foi um dos pontos de partida para a criação da PM3.

O que se faz na Gestão de Produtos Digitais?

Neste contexto, o material da pesquisa foi produzido com a finalidade de ajudar profissionais e empresas a terem uma visão alargada do segmento, contribuindo assim para o desenvolvimento e futuro do ecossistema de Gestão de Produto/Product Management, que segue crescendo notadamente.

Veja algumas das informações relevantes sobre a área na imagem abaixo.

Gestão de Produtos Digitais
Fonte: Blog Cursos PM3

Por ter feito um mapeamento minucioso dentro do mercado, a PM3 obteve dados como cargo atual, satisfação no trabalho e na carreira, desafios e expectativas futuras. Além disso, o conteúdo consegue entender o perfil demográfico, formação, experiência na área e faixa salarial de forma detalhada.

Segundo a pesquisa, embora não exista uma graduação específica para esse perfil profissional, os dados mostram que os Gerentes de Produto geralmente tem pós-graduação (45,8% do total) ou formação superior (44,3%), nas áreas de Tecnologia (45,7%) ou Marketing e Comunicação (21,4%). Quanto ao salário, 70% deles ganham entre R﹩ 5 e R﹩ 15 mil mensais, sendo que especificamente em São Paulo o piso da média salarial sobe bastante, ficando entre R﹩ 12 e R﹩ 15 mil.

Com o crescimento dos processos de digitalização e tecnologia, principalmente após a pandemia de Covid-19, novas profissões estão surgindo e a Gestão de Produtos Digitais ganha mais destaque nesse sentido. Confira a pesquisa completa clicando aqui e descubra grandes tendências da área.

Sobre Cursos PM3

A Cursos PM3 é a referência na educação em Gerenciamento de Produtos Digitais no país e acredita que a comunidade de tecnologia vai evoluir de forma consistente e o Brasil se tornará uma referência mundial quando se trata desse setor. Fundada em março de 2018, hoje a escola já conta com dois cursos lançados e um curso em produção: Product Management, Product Discovery e Product Growth, os quais já somam mais de 3.500 pessoas aprendendo as melhores práticas de Produto no dia-a-dia.

Cursos PM3 , escola referência na educação em Gerenciamento de Produtos Digitais no País, lançou a pesquisa que traz um verdadeiro raio-x do cenário de Gerenciamento de Produto Digital no Brasil .

Gostou de “Gestão de Produtos Digitais, conheça o panorama da nova profissão”?

Então, assine nossa newsletter e receba nosso conteúdo em seu email. Leia mais sobre o Mercado de Trabalho.