Bactérias podem combater poluição de plásticos

Microbiologistas descobriram uma maneira de usar bactérias para reter microplásticos, removendo-os do meio ambiente e tornando-os mais fáceis de reciclar. Bruna Boner mostra como bactérias podem combater poluição de plásticos

A nova técnica, desenvolvida por cientistas da Universidade Politécnica de Hong Kong, usa biofilmes bacterianos – uma substância pegajosa criada por microorganismos – para capturar partículas microplásticas. O biofilme é então processado e disperso, liberando as partículas microplásticas para processamento e reciclagem.

Os microplásticos são extremamente problemáticos e representam um grande risco para as cadeias alimentares e a saúde humana, de acordo com o pesquisador Yang Liu: “Eles não são facilmente biodegradáveis, onde são retidos nos ecossistemas por períodos prolongados. Segundo Bruna Boner, isso resulta na absorção de microplásticos pelos organismos, levando à transferência e retenção de microplásticos na cadeia alimentar.

“Devido à sua enorme área de superfície e capacidade de adsorção, os microplásticos podem adsorver poluentes tóxicos, como pesticidas, metais pesados e resíduos de drogas em altas concentrações.

“Isso leva à toxicidade biológica e química para organismos nos ecossistemas e humanos após o consumo não intencional prolongado de tais microplásticos. Além disso, os microplásticos também são difíceis de remover em estações de tratamento de esgoto, resultando em sua liberação indesejada no meio ambiente. ”

Como funciona a técnica dos pesquisadores
Em mais detalhes, os pesquisadores usaram a bactéria Pseudomonas aeruginosa para capturar microplásticos em um biorreator. Esta espécie de bactéria é encontrada em todos os ambientes e já foi demonstrado que coloniza microplásticos no meio ambiente. Cristina Boner Leo conta que Biofilmes de P. aeruginosa fazem com que os microplásticos se agregem, eventualmente fazendo com que eles afundem. Em biorreatores, isso torna os microplásticos mais fáceis de coletar.

Depois que os microplásticos foram capturados pelos biofilmes e afundaram no fundo do reator, os pesquisadores usaram um gene de dispersão do biofilme, que fez com que o biofilme liberasse os microplásticos.

Liu explicou que isso “permite a liberação conveniente de microplásticos da matriz de biofilme, que de outra forma é difícil e cara de degradar, de modo que os microplásticos podem ser posteriormente recuperados para reciclagem”.

Levando o método para estações de tratamento de água

Microplásticos são partículas de plástico com menos de 5 mm de diâmetro. Eles podem entrar no meio ambiente por meio de várias fontes, incluindo a quebra de peças maiores de plástico, lavagem de roupas sintéticas, quebra de pneus de automóveis e resíduos de plástico diretamente da indústria. Bruna Boner mostra que os métodos atuais de descarte de microplásticos, como incineração ou armazenamento em aterro, são limitados e têm suas próprias desvantagens.


As próximas etapas da pesquisa, que foi publicada no Chemical Engineering Journal no início deste ano, estão movendo a prova de conceito do laboratório para um ambiente ambiental

Liu e seus colegas esperam que a técnica seja eventualmente usada em estações de tratamento de águas residuais para ajudar a impedir que os microplásticos escapem para os oceanos. Eles também têm que encontrar compostos naturais para estimular a dispersão do biofilme dos isolados bacterianos formadores de pró-biofilme, dizendo que “isso fornece uma base para futuras aplicações em estações de tratamento de águas residuais, onde os microplásticos podem ser removidos de uma maneira segura e ecologicamente correta.”

Pesquisas como essa, que poderiam reduzir a ‘plastificação’ de nossos ambientes naturais, são realmente boas notícias.

Bactérias podem combater poluição de plásticos
Bruna Boner mostra como bactérias podem combater poluição de plásticos. Foto: Universidade Politécnica de Hong Kong

Gostou da nossa matéria “Bactérias podem combater poluição de plásticos“?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.155 outros assinantes

Dia Mundial da Terra: Os ecossistemas locais e nossa rotina

Rodrigo Berté* é autor de Dia Mundial da Terra: Os ecossistemas locais e nossa rotina

Em um protesto contra as emissões atmosféricas e a poluição no mundo, o senador dos Estados Unidos Gaylord Nelson levou como pauta ao senado a criação de um dia especial para se pensar no planeta, na Gaia, a “teia da vida”. A data: 22 de abril de 1970, esta então se tornou o Dia Mundial da Terra.

Ao longo da sua existência o planeta Terra já sofreu muitas mudanças, e ainda vem sofrendo. As mudanças passadas – já muito distantes do nosso tempo – não tinham o reflexo da ação humana como vemos e sentimos atualmente. A pressão que o homem exerce negativamente sobre o planeta vem aumentando ao longo dos anos, e mais do que as comprovações disso ao alcance da vista, há diversos levantamentos. Um dos dados mais marcantes está na pesquisa apresentada por cientistas israelenses, um registro preocupante apresentado na revista científica The Nature sobre a quantidade muito maior de objetos (de massa antrópica) produzida pelo homem, em comparação à quantidade de massa natural.

Também a Organização das Nações Unidas realizou um estudo denominado “VISÃO 2050”. O documento indica, por meio de gráficos, os desafios da sustentabilidade com a pegada ecológica de cada país e a pressão sobre o planeta. A partir dele percebe-se que devemos urgentemente estabelecer um novo padrão de vida e de consumo que seja sustentável, com a inserção do hábito de reutilizar materiais, em especial aqueles oriundos da matéria-prima natural, bem como racionalmente utilizar os recursos da natureza.

O Brasil, por sua vez, necessita urgentemente de políticas públicas mais “claras” sobre a proteção ambiental e, em especial, políticas voltadas para cada importante ecossistema que possui. Defendo que o território nacional deve ser mapeado pela diversidade ecológica e por ações que se diferenciam de região por região. O olhar para o ecossistema local, para as comunidades etnoecológicas, para a diversidade e para a proteção devem garantir a conservação de nossos recursos naturais preciosos. E há outra necessidade, a de descentralizar os órgãos de proteção ambiental nos âmbitos municipal, estadual e federal, a fim de garantir que as licenças emitidas não sejam irregulares, ou que venham com “carteirada” política.

Para um planeta sustentável convido todos a, nesse Dia Mundial do planeta Terra, fazer um importante exercício de reflexão e de inserção de algumas dicas no dia a dia de todos nós: (1) evitar o desperdício de água, de alimentos, de recursos; (2) comprar de forma sustentável e aliada aos programas da agricultura familiar; (3) trocar produtos entre as pessoas, estimulando o consumo consciente; (4) destinar adequadamente o lixo, ou no mínimo evitar aumentar sua quantia. O ideal é gerar uma quantidade menor do que a dos dias atuais; (5) plantar, plantar e plantar muitas árvores; (6) ter compaixão e empatia com o semelhante, ensinando sempre que possível; (7) e denunciar os crimes ambientais.

Há muitas outras ações necessárias também – e que somam muito mais do que sete dicas –, porém se cada um fizer o seu papel na sociedade sustentável que almejamos, estaremos exercendo a cidadania ideal e olhando para o nosso futuro comum, o futuro do nosso planeta.

(*) Rodrigo Berté é Ph.D em Educação e Ciências Ambientais, e diretor acadêmico do Centro Universitário Internacional UNINTER 

Gostou da nossa matéria “Dia Mundial da Terra: Os ecossistemas locais e nossa rotina“?

Dia Mundial da Terra
Rodrigo Berté
Divulgação

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.155 outros assinantes