Que tal um Baião de Dois neste Dia das Mães?

O Dia das Mães pede uma comemoração com prato de aquecer o coração. Mesmo com poucas pessoas à mesa, devido ao isolamento social, a homenageada do dia merece um almoço especial. Que tal um Baião de Dois neste Dia das Mães?

O chef Melchior Neto ensina uma receita tipicamente brasileira, que apesar de bem elaborada é muito fácil de fazer. Confira!

Baião de Dois

Por Chef Melchior Neto

Ingredientes

2 xícaras de arroz cozido

1 xícara de chá de feijão fradinho

200g de carne seca desfiada

3 queijo coalho cortado em cubos

1 litro de água

3 pimentos inteiros (vermelho, amarelo e verde)

1 cebola picada

2 dentes de alho

1 folha de louro

2 colheres de sopa de azeite

2 colheres de sopa de manteiga

Coentro a gosto

Sal a Gosto

Pimenta calabresa a gosto

Cominho a gosto

Modo de Preparo

Comece a receita cozinhando 1 xícara de chá de feijão fradinho em 1 litro de água, a folha de louro e sal a gosto. Deixe cozinhar por 10 minutos depois que apitar a pressão. Separe duas xícaras de arroz cozido e reserve.

Leve para assar os 3 pimentões inteiros, o vermelho, o amarelo e o verde. Além do sabor, será fácil de remover a pele depois que esfriar. Pique e reserve.

Em uma panela, coloque o azeite e a manteiga, refogue a cebola e o alho e junte com a carne seca desfiada, com os pimentões sem pele e acrescente uma pitada de pimenta calabresa e uma pitada de cominho. Feito isso, misture bem com o feijão já cozido e o arroz. Dê uma rápida grelhada no queijo coalho em cubos e acrescente no final da receita. Finalize com coentro a gosto.

Gostou da nossa matéria “Que tal um Baião de Dois neste Dia das Mães?“?

Que tal um Baião de Dois neste Dia das Mães?
Fotos: Helber Aggio/PSA

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 1.325 outros assinantes

Panqueca de espinafre

Rosângela Lopes é autora de “Panqueca de espinafre”

Rendimento: 15 panquecas médias.
Ingredientes
3 ovos;
300 ml de leite;
1/2 xícara de queijo parmesão ralado;
folhas de 1 pé de espinafre (branqueá-las passando na água fervente por 3 minutos e depois na gelada);
sal e pimenta;
2 xícaras de farinha de trigo aproximadamente.

Modo de preparo
Escorra e esprema bem o espinafre.
Bata todos os ingredientes no liquidificador com metade da farinha e vai acrescentando o restante aos poucos até dar o ponto cremoso e não muito ralo.

Aqueça a frigideira e unte com manteiga ou azeite. Com uma concha pequena faca as medidas e coloque no meio e vai girando até cobrir toda frigideira. Vire e frite do outro lado.

Recheie como preferir (frango com catupiry; carne seca; presunto e queijo; ricota temperada etc) a minha fiz com frango desfiado, cubra com molho bechamel ou outro de sua preferência.

Molho bechamel

Ingredientes
1 colher de sopa cheia de manteiga;
1 colher de sopa cheia de farinha de trigo;
500 ml de leite;
nos moscada, sal e pimenta a gosto.

Modo de preparo
Derreta a manteiga e acrescente a farinha, mexa bem e deixe dourar. Jogue o leite de uma vez e com um fouet não pare de mexer até engrossar. Tempere com sal, pimenta e nos moscada. Deixe mais ralo acrescentando mais leite se precisar. Despeje em cima das panquecas prontas. Sirva imediatamente.

Gostou de “Panqueca de espinafre“?

Panqueca de espinafre
Foto: Divulgação

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 1.325 outros assinantes

22 de abril: o dia do Descobrimento da nossa rica culinária

Aprendemos por muito tempo na escola que a data de 22 de abril de 1500 é marcada pelo o que se costumou chamar de “Descobrimento do Brasil”. Historiadores de hoje questionam este entendimento, já que quando os navegadores portugueses aportaram em terras brasileiras, encontram aqui várias e grandes nações indígenas que já estabelecidas, com sua cultura, costumes e história. Hoje, muitos estudiosos defendem o uso do termo “Chegada dos Portugueses ao Brasil”, como uma forma mais precisa de se referir a esse importante fato histórico.

Mas discussões históricas à parte, o que se pode celebrar com certeza neste 22 de abril é o encontro desses dois diferentes povos, que deram origem a essa nação plural e rica culturalmente chamada Brasil. E é na culinária que os traços das culturas indigena e europeia (trazida pelos portugueses) estão mais evidentes. A chef e professora de culinária Adriana Gomes, que assina a curadoria do E-book Receitas do Meu Goiás, lançado pela Marajoara Laticínios, afirma que a culinária goiana, em especial, retrata bem essa mistura de sabores herdada de índios e portugueses.

“A culinária brasileira herdou vários hábitos e costumes indígenas que continuam muito presentes nos dias de hoje, como a utilização da mandioca e seus derivados (farinha de mandioca e polvilho).  O costume de se alimentar de peixes e frutos do mar é também uma herança indígena. Bem como o consumo de frutas silvestres tais como: o cupuaçu, graviola, o açaí, caju e o nosso famoso pequi”, explica a chef .

Os portugueses
Entre as influências trazidas pelos portugueses, Adriana destaca as técnicas de cozimento usadas na Europa, a tradição dos doces e confeitos, o grande consumo e uso do leite no preparo de muitos alimentos, o uso de especiarias, o consumo de arroz, hortaliças, e das carnes de de galinha, porco e boi. “Muitos dos pratos típicos que temos aqui no Brasil, como a nossa tradicionalíssima feijoada, são resultados das adaptações que os portugueses precisaram adotar diante das adversidades encontradas na nova colônia”, lembra Adriana.

A chef lembra ainda, que depois do encontro entre índios e portugueses, a culinária brasileira enriqueceu ainda mais com a influência dos povos africanos e mais tarde dos imigrantes italianos, alemães, espanhóis e até japoneses. “Estudar ou pesquisar sobre a origem de muitos dos nossos  pratos típicos é mais do que uma lição de culinária, é também uma deliciosa aula de história”, frisa Adriana Gomes.

22 de abril: o dia do Descobrimento da nossa rica culinária
A combinação entre o arroz e o pequi, como no risoto de pequi, é um exemplo típico da mistura de influências indígena e portuguesa na nossa culinária. Foto: Divulgação.
O largo uso da mandioca e seus derivados é uma das mais fortes influências dos índios em nossa culinária. Foto: Divulgação
22 de abril: o dia do Descobrimento da nossa rica culinária
A tradição dos doces, como a rabanada, é uma das principais contribuições da cultura portuguesa para nossa culinária. Foto: Divulgação

Gostou da nossa matéria “22 de abril: o dia do Descobrimento da nossa rica culinária“?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias e mais vagas de emprego abertas. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 1.325 outros assinantes

Gratuidade do Bom Prato até 30/04 para moradores de rua

Além disso, a gratuidade do Bom Prato para jantares e refeições aos finais de semana e feriados serão servidos pela rede até 28 de fevereiro

O Governador de SP determinou a prorrogação da gratuidade das refeições oferecidas na Rede Bom Prato. Os moradores em situação de rua terão direito a gratuidade até o dia 30 de abril. A decisão publicada nesta quarta-feira (30) no Diário Oficial passa a valer a partir de hoje.

“A prorrogação da gratuidade nas refeições é uma das nossas ações de proteção social para amparar as pessoas em situação de maior vulnerabilidade social”, diz a Secretária de Desenvolvimento Social do Estado de São Paulo, Célia Parnes.

A gratuidade nas refeições da Rede Bom Prato para pessoas em situação de rua teve início em junho, mediante cadastramento das Prefeituras e apresentação do cartão com QR Code pelos beneficiários.

Desde o início da pandemia da COVID-19, os 59 restaurantes Bom Prato adaptaram o atendimento. Portanto, passando a servir três refeições diárias (café da manhã, almoço e jantar) em embalagens descartáveis e para retirada, inclusive aos finais de semana. Por mês, mais de 3 milhões de refeições servidas na rede. Desde então, ao todo mais de 23 milhões de refeições servidas. Além disso, mais de 500 mil servidas gratuitamente para a população em situação de rua cadastrada.

Gratuidade do Bom Prato
Foto: Divulgação

Gratuidade do Bom Prato jantares e finais de semana

Além disso, o Governo de São Paulo prorrogou também a oferta de jantares e refeições nos finais de semana e feriados. A Rede Bom Prato servirá nestes dias até 28 de fevereiro. Critérios técnicos determinarão em quais unidades haverá implantação da medida. Nesse sentido, a demanda e local definirão as escolhas.

O site da Secretaria de Desenvolvimento Social divulgará a relação das unidades e horários de funcionamento

Com informações da Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado de São Paulo