3 presos por roubo de fiação elétrica; material avaliado em R$ 40 mil

Cerco aos 3 criminosos presos aconteceu na avenida Atlântica, na Vila Valparaíso, na manhã desta terça, por roubo de fiação.

A GCM de Santo André prendeu três pessoas na manhã desta terça-feira (25) por roubo de fiação elétrica de um condomínio localizado na avenida Atlântica, na Vila Valparaíso.

Os guardas foram acionados por moradores do local e, quando chegaram para iniciar o cerco, dois dos suspeitos foram presos em flagrante e outro detido posteriormente nas redondezas. Com estes indivíduos foi encontrada fiação elétrica furtada também de outros locais, avaliada em cerca de R$ 40 mil.

Assim que avistaram a presença da GCM chegando ao local da ocorrência, os indivíduos fugiram pela avenida Atlântica e dois deles foram alcançados pelos guardas e presos. Durante a fuga os homens abandonaram duas bicicletas, também produto de roubo.

Os GCMs prosseguiram com as diligências e buscas no local e prenderam o terceiro criminoso, que já possui dois mandados de prisão em aberto. O caso foi registrado no 1º Distrito Policial de Santo André e os três homens se encontram à disposição da Justiça.

| Texto: Daniel Betega
| Fotos: Divulgação/PSA

Casos recorrentes na região

A Guarda Civil Municipal (GCM) de Santo André impediu no dia 15 deste mês (maio) um assalto rua Igarapava, também bairro Valparaíso. Uma viatura realizava patrulha na região quando flagrou três indivíduos abordando uma mulher que guiava um Jeep Renegade. Confira esta matéria aqui.

Gostou da nossa matéria “3 presos por roubo de fiação elétrica; material avaliado em R$ 40 mil“?

3 presos por roubo de fiação elétrica; material avaliado em R$ 40 mil

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias, e também conheça o nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.160 outros assinantes

PF deflagra maior operação do ano contra lavagem de dinheiro

Estão sendo sequestrados aproximadamente R$ 400 milhões em bens do narcotráfico

A Polícia Federal, em ação conjunta com a Receita Federal, dando sequência ao cumprimento de diretrizes de descapitalização patrimonial, prisão de lideranças e cooperação internacional, deflagrou nesta segunda-feira (23/11) a Operação Enterprise, a maior operação do ano no combate à lavagem de dinheiro do tráfico de drogas e uma das maiores da história na apreensão de cocaína nos portos brasileiros, uma vez se tratar de uma organização criminosa (ORCRIM) especializada no envio de cocaína para a Europa.

Dando sequência ao cumprimento da diretriz de desarticulação patrimonial do crime organizado, estão sendo sequestrados aproximadamente R$ 400 milhões em bens do narcotráfico, sendo a maior operação do ano em sequestro patrimonial, consubstanciados em aeronaves, imóveis e veículos de luxo, havendo a expectativa de que novos bens sejam identificados após o cumprimento dos mandados de busca e apreensão.

A Operação ENTERPRISE se destaca ainda por ser a MAIOR da história em apreensão de cocaína, pois durante a investigação foram anteriormente apreendidas 50 toneladas da droga nos portos do Brasil, da Europa e da África, tratando-se de um importante trabalho de integração entre a Polícia Federal e a Receita Federal na repressão ao tráfico internacional de drogas nos portos nacionais. Tal volume de apreensões situa essa organização criminosa como uma das maiores em atuação no país.

O esquema utilizado pelos criminosos consistia na lavagem de bens e ativos multimilionários no Brasil e no exterior com uso de várias interpostas pessoas (laranjas) e empresas fictícias, a fim de dar aparência lícita ao lucro do tráfico.

Na data de hoje, cerca de 670 policiais federais e mais 30 servidores da Receita Federal cumprem 149 mandados de busca e 66 mandados de prisão nos estados do Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Bahia e Pernambuco. As medidas foram expedidas pela 14ª Vara Federal de Curitiba.  

Em continuidade às ações de cooperação internacional, foram expedidas, ainda, difusões vermelhas na Interpol para a prisão de oito investigados que estão no exterior, bem como a identificação e sequestro de bens em outros países.

ENTERPRISE: O nome da operação faz alusão à dimensão da organização criminosa investigada, que atua como um grande empreendimento internacional na lavagem de dinheiro e exportação de cocaína, o que trouxe alto grau de complexidade à investigação policial.