Projeto Meu Condomínio Recicla visa ampliar a Coleta Seletiva

Para ampliar a Coleta Seletiva em Santo André e sensibilizar os moradores dos condomínios da cidade, o Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) lançou hoje o projeto Meu Condomínio Recicla. A ação, que faz parte do Junho Verde, aconteceu na manhã desta quinta-feira (10) no edifício residencial Bienvenido, na rua Gil Vicente (Jardim Silveira). O projeto foi financiado em parte com verba oriunda do Fundo Municipal de Desenvolvimento Urbano e contempla as premissas dos dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Organização das Nações Unidas.

O Meu Condomínio Recicla é mais uma iniciativa da autarquia para aumentar o volume de recicláveis que chega às cooperativas parceiras do município. A estimativa é ampliar em 10% o índice de recuperação de resíduos. De acordo com o superintendente do Semasa, Gilvan Junior, a previsão é implementar o projeto em 500 condomínios da cidade. “Estamos sempre em busca de alternativas que possam contribuir para a expansão da vida útil do Aterro e esta é mais uma frente de trabalho. A nossa expectativa é impactar cerca de 5 mil moradores destes edifícios, que hoje são grandes geradores de resíduos”, diz.

A proposta do projeto é instalar PEVs (Postos de Entrega Voluntária) no condomínio, o que facilita o trabalho dos coletores no momento da passagem do caminhão e retirada dos materiais; oferecer caixas de reciclagem individuais para cada unidade condominial realizar a separação do lixo; e manter um canal permanente de contato com os responsáveis pelos edifícios para sanar dúvidas, ouvir sugestões e melhorias. O síndico do condomínio Bienvenido, Fernando Henrique, comenta que já tinha vontade de incorporar projetos formais como este no local e que a iniciativa ‘planta a semente’ da conscientização junto aos condôminos. “Espero que com a chegada do projeto ao edifício ‘caia a ficha’ das pessoas para a importância deste tipo de ação para o meio ambiente e para a parte social, lembrando que há pessoas que trabalham com a reciclagem e vivem disso”, conclui.

O condomínio que aderir ao projeto também recebe um selo de participação, que pode ser afixado na área comum, permitindo que todos os moradores estejam cientes do trabalho e da importância da reciclagem. “Nem todos participam da coleta seletiva, mas a maioria ainda tem boa vontade. Nós já fizemos um trabalho de conscientização e estímulo à separação de materiais dentro do prédio e este projeto do Semasa vai nos ajudar muito mais”, comemora a moradora Denise Maria Aparecida, de 52 anos.

Síndicos interessados em participar da iniciativa podem acessar a página do Semasa, em bit.ly/meucondominiorecicla, e realizar o pedido de implantação de forma on-line. A equipe do Departamento de Resíduos Sólidos da autarquia recebe a solicitação e faz o contato com os responsáveis para vistoriar o edifício e indicar a melhor forma de implantação.

| Texto: Paloma Alvarez
| Fotos: Divulgação/Semasa

Mais notícias do Grande ABC

Gostou “Projeto Meu Condomínio Recicla visa ampliar a Coleta Seletiva”?

Projeto Meu Condomínio Recicla visa ampliar a Coleta Seletiva

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email assim que estiverem online em nosso site. Aproveite e leia sobre Carreiras e Trabalho, com os ensinamentos de Rogério de Caro. Veja também as Últimas Notícias. Visite e conheça o nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 3.057 outros assinantes

Moeda Pet entrega 300 quilos de ração e recebe 7.200 garrafas plásticas neste sábado

A edição do programa Moeda Pet realizada neste sábado (29) fez a entrega de 300 quilos de ração para cães e gatos e recebeu 7.200 garrafas plásticas. A iniciativa, que coloca Santo André à frente de políticas públicas que unem sustentabilidade e proteção animal, aconteceu em formato drive-thru, pela primeira vez na entrada do Parque Central.

O programa estimula a reciclagem e garante dignidade aos animais da cidade. Além de atuar na causa animal, o Moeda Pet também protege o meio ambiente, ao retirar plástico de circulação.

Cada quilo de garrafa plástica é trocado por um quilo de alimento para cães e gatos. Quem participa pode levar a ração para casa ou fazer a doação no local, que é destinada para a Uapa (União Andreense Protetora dos Animais), entidade que faz a distribuição entre protetores independentes.

“Santo André realiza coleta seletiva e possui outros programas, entretanto, sabe-se que muito se perde e acaba parando indevidamente no aterro sanitário. Com o Moeda Pet ganham o ambiente, a sociedade e os animais”, avalia o diretor de Departamento de Proteção e Bem-Estar Animal, Ariovaldo Veiga.

O programa é uma ação do Departamento de Proteção e Bem-Estar Animal da Secretaria de Meio Ambiente, que conta com parceria da farmácia de manipulação veterinária Farma Bichos e do Dr. Vet Hospital Veterinário.

A publicitária Silvia Zuquereli, de 61 anos, foi ao drive-thru acompanhada da sua cachorra Lola. “Moro no Centro e lá no bairro várias pessoas colaboram. O carro da frente é da dona do estacionamento onde eu paro o carro.  Sou síndica do meu condomínio e solicitei a todos moradores que separassem as garrafas. Estamos com uma quantidade grande para colaborar com os animais de rua. A gente deixa a ração aqui mesmo para serem doadas para as ONGs cadastradas”, comentou.

Parceiros – Com adesão cada vez maior da população ao programa, a Prefeitura de Santo André busca novas parcerias para expandir o Moeda Pet. “Precisamos de mais parceiros, para junto com eles estruturar uma nova equipe, visando expandir o programa para mais parques”, explicou o secretário adjunto de Meio Ambiente, Alexandre Audino.

As empresas interessadas em contribuir com o programa por meio de parceria devem entrar em contato com a Secretaria de Meio ambiente pelo telefone 4433-1958 ou pelo email aveiga@santoandre.sp.gov.br. Será acordado o volume de ração a ser doado mensalmente. Além de ajudar o meio ambiente e os animais, o parceiro ainda tem a divulgação da marca nas publicações associadas ao programa.

Sobre o programa – Realizado pela Secretaria de Meio Ambiente, o Moeda Pet conta com o apoio do Departamento de Vigilância à Saúde, do Banco de Rações do Fundo Social de Solidariedade e do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) que encaminha todo o reciclável arrecadado para as cooperativas de reciclagem.

Somente no ano passado, o programa distribuiu três toneladas de ração e arrecadou cerca de 73 mil garrafas.

| Texto: Rafaela Mazarin
rcpmazarin@santoandre.sp.gov.br / 4433-0142
| Fotos: Helber Aggio/PSA

Mais Vagas no Grande ABC

Gostou “Moeda Pet entrega 300 quilos de ração e recebe 7.200 garrafas plásticas neste sábado“?

Moeda Pet entrega 300 quilos de ração e recebe 7.200 garrafas plásticas neste sábado

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email assim que estiverem online em nosso site. Aproveite e leia sobre Carreiras e Trabalho, com os ensinamentos de Rogério de Caro. Veja também as últimas notícias da região e do Brasil.

Junte-se a 3.057 outros assinantes

Catadores de recicláveis em Santo André: Semasa fará estudo

O Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) realizou mais uma missão técnica com representantes da CAF (Banco de Desenvolvimento da América Latina), responsável pelo financiamento de US$ 50 milhões do programa Sanear Santo André. Dentre as novidades acerca da atualização do escopo do programa está o desenvolvimento de um estudo para mapear o número de catadores de recicláveis que atuam no município de Santo André.

O levantamento faz parte das obras de construção de mais 20 Estações de Coleta e tem como objetivo descrever, com o auxílio de uma pesquisa de campo, o contingente de pessoas que recolhem materiais secos pelas ruas para que elas possam ser inseridas no trabalho formal de triagem e venda de recicláveis, por meio das cooperativas que existem em Santo André.

O levantamento também será fundamental para que a cidade possa fomentar políticas públicas que busquem a qualificação de quem trabalha com reciclagem, além de estimular a economia solidária. Após o resultado do diagnóstico, também será analisada a possibilidade de construir a terceira cooperativa da cidade. A previsão é de que a pesquise comece e seja concluída neste ano. Ainda em 2021, também iniciam os serviços para construir mais dez Estações de Coleta.

Complexo Viário Cassaquera – Primeira realização do programa Sanear Santo André, as obras do Complexo Viário Cassaquera seguem em ritmo acelerado, com 66% do total das intervenções concluídas. Com os serviços de preparação do solo para a pavimentação da avenida Luiz Ignácio de Anhaia Mello, o Semasa começou a atuar simultaneamente em sete frentes de trabalho. Os serviços de canalização do córrego Cassaquera, na extensão de 1,7 quilômetro do curso d’água, chegaram a cerca de 75%.

Outras intervenções – Em meados de maio, o Semasa realizou a abertura de envelope das empresas licitantes no processo de contratação do projeto executivo para a construção de obras de drenagem na região do córrego Guarará. Os estudos estão sendo analisados pela comissão técnica formada por representantes da autarquia.

As intervenções para modernizar e ampliar o sistema e alerta de chuva do município serão feitas em dois contratos. O primeiro, que envolve a implantação de 25 câmeras para monitorar córregos e o rio Tamanduateí, está na etapa de preparação da minuta de edital. O segundo contrato integra a instalação de novos pluviômetros, fluviômetros, bocas de lobo inteligentes, estações meteorológicas, softwares de simulação de inundações, dentre outros. A fase atual é de elaboração do termo de referência para licitação.


| Texto: Susi Elena
| Fotos: Divulgação/Semasa

Mais Vagas no Grande ABC

Gostou “Catadores de recicláveis em Santo André: Semasa fará estudo”?

Catadores de recicláveis em Santo André: Semasa fará estudo

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email assim que estiverem online em nosso site. Aproveite e leia sobre Carreiras e Trabalho, com os ensinamentos de Rogério de Caro. Veja também as últimas notícias da região e do Brasil.

Junte-se a 3.057 outros assinantes

Moeda Pet acontece no portão principal do Parque Central neste sábado

O portão principal do Parque Central, em Santo André, receberá no sábado (29) mais uma edição do Moeda Pet. O programa, que troca um quilo de garrafas PET por um quilo de ração para cães ou gatos, será realizado em sistema drive-thru, das 10h às 15h. O parque fica na rua José Bonifácio, na Vila Assunção.

“O sistema drive-thru, ao permitir a realização da troca sem que o munícipe saia do carro, é mais adequado para este momento, já que impede a possibilidade de contato e aglomeração, mas garante a oferta de ração para as pessoas que têm seus pets e os protetores independentes de animais. Isso sem falar do benefício para o meio ambiente que a retirada destas garrafas de circulação representa”, disse o secretário de Meio Ambiente, Fabio Picarelli.

Cada quilo de garrafa plástica (que equivale a 20 garrafas de dois litros ou 26 de um litro) é trocado por um quilo de ração. Quem participa pode levar o alimento para casa ou fazer a doação no local, para que seja destinada à Uapa (União Andreense Protetora dos Animais), entidade que faz a distribuição entre os protetores independentes cadastrados.

Quem não conseguir juntar um quilo de garrafas pode apenas ir doar qualquer quantidade de garrafas que acumulou. Neste caso, toda a arrecadação de rações será revertida para as protetoras de animais. O material reciclável arrecadado com o Moeda Pet é remetido para as cooperativas localizadas no Aterro Municipal, vendido e o valor revertido para as famílias cooperadas.

O programa é uma ação do Departamento de Proteção e Bem-Estar Animal da Secretaria de Meio Ambiente, que conta com parceria da farmácia de manipulação veterinária Farma Bichos e do Dr. Vet Hospital Veterinário. A iniciativa também conta com o apoio do Departamento de Vigilância à Saúde, do Banco de Rações do Fundo Social de Solidariedade e do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André), que encaminha todo o reciclável arrecadado para as cooperativas.

| Texto: Paola Zanei
| Fotos: Alex Cavanha/PSA

Gostou da nossa matéria “Moeda Pet acontece no portão principal do Parque Central neste sábado“?

Moeda Pet acontece no portão principal do Parque Central neste sábado

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 3.057 outros assinantes

Bactérias podem combater poluição de plásticos

Microbiologistas descobriram uma maneira de usar bactérias para reter microplásticos, removendo-os do meio ambiente e tornando-os mais fáceis de reciclar. Bruna Boner mostra como bactérias podem combater poluição de plásticos

A nova técnica, desenvolvida por cientistas da Universidade Politécnica de Hong Kong, usa biofilmes bacterianos – uma substância pegajosa criada por microorganismos – para capturar partículas microplásticas. O biofilme é então processado e disperso, liberando as partículas microplásticas para processamento e reciclagem.

Os microplásticos são extremamente problemáticos e representam um grande risco para as cadeias alimentares e a saúde humana, de acordo com o pesquisador Yang Liu: “Eles não são facilmente biodegradáveis, onde são retidos nos ecossistemas por períodos prolongados. Segundo Bruna Boner, isso resulta na absorção de microplásticos pelos organismos, levando à transferência e retenção de microplásticos na cadeia alimentar.

“Devido à sua enorme área de superfície e capacidade de adsorção, os microplásticos podem adsorver poluentes tóxicos, como pesticidas, metais pesados e resíduos de drogas em altas concentrações.

“Isso leva à toxicidade biológica e química para organismos nos ecossistemas e humanos após o consumo não intencional prolongado de tais microplásticos. Além disso, os microplásticos também são difíceis de remover em estações de tratamento de esgoto, resultando em sua liberação indesejada no meio ambiente. ”

Como funciona a técnica dos pesquisadores
Em mais detalhes, os pesquisadores usaram a bactéria Pseudomonas aeruginosa para capturar microplásticos em um biorreator. Esta espécie de bactéria é encontrada em todos os ambientes e já foi demonstrado que coloniza microplásticos no meio ambiente. Cristina Boner Leo conta que Biofilmes de P. aeruginosa fazem com que os microplásticos se agregem, eventualmente fazendo com que eles afundem. Em biorreatores, isso torna os microplásticos mais fáceis de coletar.

Depois que os microplásticos foram capturados pelos biofilmes e afundaram no fundo do reator, os pesquisadores usaram um gene de dispersão do biofilme, que fez com que o biofilme liberasse os microplásticos.

Liu explicou que isso “permite a liberação conveniente de microplásticos da matriz de biofilme, que de outra forma é difícil e cara de degradar, de modo que os microplásticos podem ser posteriormente recuperados para reciclagem”.

Levando o método para estações de tratamento de água

Microplásticos são partículas de plástico com menos de 5 mm de diâmetro. Eles podem entrar no meio ambiente por meio de várias fontes, incluindo a quebra de peças maiores de plástico, lavagem de roupas sintéticas, quebra de pneus de automóveis e resíduos de plástico diretamente da indústria. Bruna Boner mostra que os métodos atuais de descarte de microplásticos, como incineração ou armazenamento em aterro, são limitados e têm suas próprias desvantagens.


As próximas etapas da pesquisa, que foi publicada no Chemical Engineering Journal no início deste ano, estão movendo a prova de conceito do laboratório para um ambiente ambiental

Liu e seus colegas esperam que a técnica seja eventualmente usada em estações de tratamento de águas residuais para ajudar a impedir que os microplásticos escapem para os oceanos. Eles também têm que encontrar compostos naturais para estimular a dispersão do biofilme dos isolados bacterianos formadores de pró-biofilme, dizendo que “isso fornece uma base para futuras aplicações em estações de tratamento de águas residuais, onde os microplásticos podem ser removidos de uma maneira segura e ecologicamente correta.”

Pesquisas como essa, que poderiam reduzir a ‘plastificação’ de nossos ambientes naturais, são realmente boas notícias.

Bactérias podem combater poluição de plásticos
Bruna Boner mostra como bactérias podem combater poluição de plásticos. Foto: Universidade Politécnica de Hong Kong

Gostou da nossa matéria “Bactérias podem combater poluição de plásticos“?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 3.057 outros assinantes

Os Benefícios do Selo Água e a importância dos mananciais

A água mineral natural é o único minério de fonte renovável, todos os outros minérios são exauríveis. Isso porque ela faz parte do ciclo hidrológico, ou seja, é a chuva de alguns anos atrás que percorre as rochas, se enriquecendo dos sais minerais e sendo purificada. Quando a água mineral natural chega aos lençóis é trazida para a superfície como a natureza oferece, sem a necessidade de tratamento. Por isso, a importância dos mananciais.

Segundo Cesar Dib, diretor da Lindoya Verão, há 70 anos a empresa é sustentável e oferece uma água pura e cristalina aos consumidores, enriquecida com os principais sais minerais que o corpo humano necessita. “Isso tem sido possível pelo árduo trabalho e pela constante preocupação em manter a qualidade dos mananciais, preservando as áreas de proteção, que no Brasil temos cerca de 700 fontes de água mineral, maior que o estado de Sergipe”, destaca.

A importância dos mananciais

O código de águas minerais de 1945 se espelha à Europa e à França, garantindo que a água mineral natural do Brasil tem uma alta qualidade e, para manter-se assim, é fundamental a preservação das áreas de proteção permanentes. “Nossa água mineral é uma riqueza para o planeta e garante uma qualidade para a saúde da população”. 

O executivo ainda destaca que as pessoas estão, a cada dia, mais preocupadas com uma alimentação saudável, mas se esquecem de que a hidratação antecede a alimentação, sendo necessário manter primeiramente uma boa ingestão de água de qualidade. 

Levando em conta esses pontos, Dib lembra que em 1º de janeiro deste ano o Governo de São Paulo definiu como sendo obrigatório o uso de Selo Fiscal de Controle e Procedência para toda embalagem de água mineral, natural ou potável de mesa, e adicionada de sais, para galões de 10l e 20l destinado à comercialização em território paulista, mesmo que proveniente de outro estado brasileiro. 

Para Dib, o Selo Água é muito relevante, pois dá várias garantias de que a empresa cumpre com todas as suas obrigações social, ambiental, tributária e está em dia com as licenças da CETESB. Uma grande vantagem é a situação igualitária, tirando a disparidade entre as grandes empresas e as que trabalham na informalidade e possibilitando uma concorrência justa. “Pelo lado do consumidor há a certeza da procedência da água, e o Estado consegue ter um controle maior sobre a fiscalização do setor. Atuar na legalidade e ter transparência traz benefícios para toda a cadeia, seja indústria de base, indústria de transformação, varejo, população e governo.”

Os Benefícios do Selo Água

O selo fiscal em garrafões de 10l e 20l é impresso em papel seguro e afixado no lacre dos vasilhames retornáveis. A Valid, especializada em identificação e rastreabilidade, produz o selo da água com itens de segurança para evitar fraudes, tais como numeração alfanumérica, código de check randômico, impressão fluorescente em fundo invisível reativo a luz ultravioleta, entre outros recursos que impedem a sua reprodução. 

Para finalizar, o executivo reforça que o Selo Água terá um impacto positivo para toda cadeia envolvida, mas que também é importante conscientizar a sociedade sobre a necessidade de preservar as áreas de preservação. “O Brasil conta com uma riqueza ímpar que precisa ser valorizada e protegida, pois a água mineral natural é um produto raríssimo”, finaliza Dib. 

Foto: Divulgação.

Sobre Lindoya Verão

Uma das primeiras águas minerais a ser comercializada no Brasil, a Água Mineral Lindoya Verão tem sua trajetória marcada pelo pioneirismo e pela inovação. Em maio deste ano, a empresa comemora 70 anos de história e, desde sua fundação, em 1951, a marca apoia-se em tradição, origem nobre, inovação, design e qualidade. Seu alto padrão foi comprovado internacionalmente já no final da década de 1960, quando  foi escolhida pela Nasa  por sua altíssima qualidade para ser a água mineral dos astronautas da missão Apollo 11 na conquista da Lua, em 1969.

A fim de garantir a quantidade e a qualidade dos seus sais minerais, a água proveniente das fontes da Lindoya Verão passa por cerca de 1.400 análises laboratoriais internas de qualidade por mês. Por ano, são mais de 16 mil, sem contar as análises realizadas por institutos externos. Toda essa preocupação com a qualidade é atestada por importantes institutos de certificação e controle, como o NSF (National Sanitation Foundation) International e o INMETRO.

Sobre a Valid 

Vivemos na economia da confiança. Nessa economia, a moeda é a identidade, e identificação é o que dá valor a ela. Para a Valid (B³: VLID3 – ON), identificação é reconhecer algo ou alguém como verdadeiro. Estamos no seu RG, nos seus cartões de banco, nas transações que faz pelo celular e em todos esses lugares, usamos tecnologia de ponta. Somos 6,000 colaboradores em 16 países levando em consideração as particularidades culturais e regionais, para entregar soluções personalizadas e integradas. No Brasil somos a maior empresa em emissão de documentos de identificação, no mundo ocupamos a 5ª posição na produção de SIM Cards e estamos entre os 10 maiores fabricantes de cartão do planeta. Identificação é nossa razão de ser. Para saber mais, acesse www.valid.com  

Gostou da nossa matéria “Os Benefícios do Selo Água e a importância dos mananciais“?

Os Benefícios do Selo Água e a importância dos mananciais
A importância dos mananciais. Foto: Divulgação

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias e mais vagas de emprego abertas. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 3.057 outros assinantes

Sustentabilidade vista pelos jovens em concurso de desenho

Exposição “Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável” está disponível no site do Acervo do Estado. Resultado demonstra como a sustentabilidade vista pelos jovens hoje em dia.

O Governo do Estado divulgou neste sábado os 20 desenhos vencedores do Concurso de Desenho “Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”. A exposição virtual está disponível em www.acervo.sp.gov.br.

Alunos dos anos finais do Ensino Fundamental (6º. ao 9º. anos) e do Ensino Médio da rede pública estadual foram convidados a participar. Dessa forma, mostrar por meio de desenhos realizados com diferentes técnicas, como eles entendem as cinco áreas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Estas, estabelecidas na Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU) – pessoas, planeta, paz, prosperidade e parcerias.

A iniciativa marca a comemoração dos 75 Anos da ONU. Além disso, é fruto da parceria entre as Secretarias da Casa Civil, da Educação, de Governo e de Relações Internacionais. O Acervo Artístico-Cultural dos Palácios, vinculado à Secretaria de Governo, também participou da organização do concurso e realizou a exposição virtual com os trabalhos vencedores. O projeto teve o apoio da Representação da UNESCO no Brasil – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

Concurso mostra sustentabilidade vista pelos jovens

Comissões multidisciplinares formadas nas escolas e nas Diretorias de Ensino avaliaram os trabalhos inscritos e selecionaram 200 desenhos finalistas. Uma comissão julgadora integrada por representantes das Secretarias responsáveis pela organização do concurso. Além disso, de consultoras do setor de Educação da UNESCO no Brasil, definiu os vencedores.

Os critérios de avaliação foram a pertinência em relação ao tema, criatividade e originalidade e qualidade plástica da produção artística, dentre outros. Todos os desenhos apresentados foram acompanhados por um texto explicativo sobre o conceito da criação.

Sustentabilidade vista pelos jovens

Agenda 2030 no Currículo Paulista

A Agenda 2030 dialoga com todas as áreas de conhecimento e componentes curriculares do Currículo Paulista.

“Uma das competências trabalhadas nas escolas é a defesa de ideias que respeitem e promovam os direitos humanos, a consciência socioambiental e o consumo responsável. Os 17 ODS e os 5P´s da sustentabilidade tratam desses temas com uma linguagem universal e os alunos souberam traduzir esses conteúdos em seus desenhos”, explica Rossieli Soares da Silva, Secretário da Educação.

Ana Cristina Carvalho, Curadora do Acervo Artístico-Cultural dos Palácios do Governo, destacou a conscientização dos alunos da rede pública sobre os temas da Agenda 2030. Por exemplo, como o enfrentamento da pobreza, da fome e a busca pela equidade. “Em cada desenho há uma descoberta de caminhos e muita esperança”, registrou.

Para a Coordenadora de Educação da UNESCO no Brasil, Rebeca Otero, o concurso contribui para o alcance da meta 4.7 do ODS 4 – Educação de Qualidade, que visa, até 2030, promover a educação para o desenvolvimento sustentável e estilos de vida sustentáveis. Portanto, estabelecendo uma ponte com o conjunto dos ODS. “A UNESCO no Brasil reconhece que esta iniciativa do concurso está alinhada com os princípios da Educação para o Desenvolvimento Sustentável”, afirmou.

Jornal Grande ABC

COMUNICAÇÃO: Existem formas de falar

O Jornal Grande ABC é feito para você, e por vocês. Nossos colaboradores e jornalistas estão todos dias buscando novidades e matérias. Assim, produzindo material especial para nossos leitores. Nosso foco são as cidades de Mauá, Diadema, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, São Caetano do Sul, São Bernardo do Campo e Santo André. Além disso, cobrimos o que acontece no Brasil e no Mundo, incluindo esporte, entretenimento e tecnologias.

Não possuímos nenhuma vinculação política ou partidária. Da mesma forma, sem ligações com outras mídias já existentes na região. Sendo assim, nossa fundação se deu em 07 de Setembro de 2020. Desde então, cada dia estamos crescendo e chegando em mais dispositivos e usuários. Por isso, nossa maior satisfação é entregar material de qualidade para nossos leitores. Portanto, cada nova visita e comentário, nos dão mais fôlego para seguirmos firmes e fortes neste projeto.

Quer receber mais notícias, em qualquer momento? Então, assine nossa Newsletter, basta inserir seu e-mail logo abaixo, e receba as publicações todos os dias.

Junte-se a 3.057 outros assinantes

É um prazer ter você conosco. Portanto, aproveite para deixar comentário aqui embaixo. Salve nosso Site. Volte Sempre!

Economia Circular – faça parte do movimento! – 2

O Movimento Circular tem um Manifesto, com indicação de proposições e, ao final, podemos complementar com nossas ideias e ações para um mundo sem
lixo! Economia Circular, faça parte! Link da matéria anterior aqui.

“Virou lixo? E se desse para virar outra coisa?
Afinal, tudo o que é bom dura muito e no fim vira outra coisa.

E se a gente assumir que adora coisa usada?
Coisa usada é mais gostosa. Se ficar com ela, é uma a menos que vai para o aterro.

E se a gente ignorar a mania de fazer upgrade?
Fazer upgrade só é bom para quem vende as coisas. Portanto, seja rebelde.

E se a gente consertar em vez de jogar fora?
Ademais, consertar é inteligente. As coisas duram mais e o dinheiro fica no seu bolso.

E se a gente customizar antes de enjoar e se livrar?
Use a imaginação para transformar o que é banal em algo inédito.

E se você for um gênio na arte de consertar coisas?
Certamente você vai descobrir na prática.”

Continue o Manifesto contando o que você vai fazer por um mundo sem lixo!

E se….”

Você pode enviar para o site e também comentar aqui, certamente vou adorar conversar com você!

Economia Circular, faça parte!!!

A Economia Circular garante, principalmente, o atingimento de diversas metas vinculadas aos Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável.

Anteriormente, em 2015, a ONU lançou uma nova agenda de desenvolvimento sustentável. Sobretudo, baseada nos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), estabelecidos no ano 2000. A Agenda 2030 tem o objetivo de finalizar o trabalho de erradicação da pobreza iniciado com os ODM por meio de 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e 169 metas que mobilizam Governos, Empresas e Sociedade Civil para que tomem ações em áreas de importância crucial para a humanidade e para o planeta.

Fonte: Movimento Circular.
Acesse: https://www.movimentocircular.io

Carolina Estéfano
Mestra em Ciências, com ênfase em Análise Ambiental Integrada (UNIFESP SP), Bióloga e Gestora Ambiental.

Economia Circular – faça parte do movimento

Hoje faço um convite para você que está lendo esse artigo (Economia Circular) e consequentemente, como um multiplicador de melhores práticas, para as pessoas de sua convivência:

‘Vamos inventar um mundo sem lixo?’. Eu faço parte desse Movimento, meus alunos e minha escola como um todo. O Movimento Circular é um movimento criado pela Atina Educação, do biólogo Átila Iamarino e parceiros. Tem o slogan acima, promovendo formação, desafios para escolas e para nós, cidadãos, presentando um site com conteúdo atual e extremamente didático sobre Economia Circular. Além disso, da tendência mundial a substituir a Economia Linear, em prol da proteção dos recursos naturais, sustentabilidade dos processos de extração e produção e novas formas de convivência entre os cidadãos e para com os produtos, além de revisão da forma que consumimos desenfreadamente.

A Economia Circular está totalmente alinhada com documentos internacionais, como os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, em que as metas podem ser atingidas, seguindo princípios e diretrizes da mesma.

Nos próximos artigos, estarei falando mais sobre como podemos nos inteirar e ser parte do Movimento Circular!

Por enquanto, segue o site: https://www.movimentocircular.io/, para vocês explorarem e entenderem um pouco mais do assunto.
Carolina Estéfano
Mestra em Ciências – ênfase em Análise Ambiental Integrada
(UNIFESP SP)
Bióloga e Gestora Ambiental

Gestão de Resíduos Sólidos: Consórcio ABC e SIMA definem plano de trabalho 2021

O encontro virtual definiu propostas de ação na Gestão de Resíduos Sólidos para o próximo ano de acordo com as demandas da região

O Consórcio Intermunicipal Grande ABC e o Comitê de Integração de Resíduos Sólidos (Cirs) da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (Sima) se reuniram nessa segunda- feira (7/12), por meio de videoconferência, para definir o plano de trabalho para 2021 do protocolo celebrado  entre os entes de fomento ao desenvolvimento de cooperação técnica para a gestão de resíduos sólidos.

A reunião contou com a participação do coordenador do CIRS, José Valverde, do assessor estratégico Ivan Mello e dos técnicos Wagner Cabelho e Tana Bassi. Representaram o Consórcio ABC, o secretário-executivo, Edgard Brandão, o diretor de Programas e Projetos, José Carlos Orosco, e a coordenadora Lívia Rosseto.

O plano de ação foi definido de acordo com as demandas da região. A estratégia para o próximo ano deverá focar em três frentes: resíduos da construção civil com o envolvimento das entidades representantes do setor; planejamento regional a partir do plano de resíduos do Alto Tietê de 2021 e da logística reversa de resíduos eletroeletrônicos.

“O objetivo é focarmos em pautas importantes para a região como a questão da reciclagem e rastreamento de resíduos da construção civil, participação dos municípios no processo de planejamento do plano para o Alto Tietê e bem como a  possibilidade de implementarmos projeto piloto para a efetivação da logística reversa, que pode ser ampliado para toda região”, destacou Edgard Brandão.

 José Valverde destacou a importância da parceria e reforçou a necessidade da elaboração do plano de trabalho para o próximo ano para garantir a efetividade das ações. A proposta do Consórcio ABC é apresentar o cronograma de execução do plano aos prefeitos das sete cidades e aos técnicos do Grupo de Trabalho (GT) Resíduos Sólidos no início da gestão de 2021.

Diadema e Santo André: Enel reabre ecopontos

Ecopontos em Diadema e Santo André: a Enel Distribuição São Paulo retorna com as atividades, após 7 meses suspensas por causa da pandemia. A maior concessionária de energia elétrica do Brasil, acaba de retomar integralmente o programa Ecoenel. O programa oferece um desconto na conta de luz em troca de materiais recicláveis.

São nove pontos de coleta reabertos na área de concessão da distribuidora, situados na capital paulista e nos municípios de Santo André, Barueri e Diadema.

Um dos ecopontos reabertos em outubro é o situado na universidade Mackenzie, na Rua da Consolação, 968. O ecoponto arrecadou mais de 140 toneladas de resíduos (2019). Como resultado, gerou bônus nas contas de energia dos clientes de mais de R$ 15 mil. Desta forma, o valor é superior ao desconto gerado em 2018, superior a R$ 12 mil.

Ecopontos em Diadema e Santo André
Assaí Diadema é um dos locais de ecoponto. Foto: Divulgação

O ecoponto situado na Sociedade Benfeitora Jaguaré, na Rua Floresto Bandecchi, também foi reaberto em outubro. O local arrecadou 169 toneladas de resíduos em 2019, o que gerou um bônus na conta de luz dos clientes de R$ 39,4 mil. Ao passo que em 2018 o local recebeu 171,5 toneladas de resíduos e gerou um desconto de cerca de R$ 37 mil nas faturas de energia.

Desde o início de 2019 até o fechamento do primeiro semestre deste ano, mais de 1.500 toneladas de resíduos foram transformadas em cerca de R$ 350 mil em bônus na conta de 5.889 clientes da distribuidora.

Confira os endereços e horários de funcionamento dos Ecopontos em Diadema e Santo André:

Assaí Diadema (SP): Av. Piraporinha, 1144
Horário de funcionamento: terça a sábado, das 10h às 13h e das 14h às 17h.

Assaí Santo André (SP): Rua Giovanni Battista Pirelli, nº 1221
Horário de funcionamento: terça a sábado, das 10h às 13h e das 14h às 17h.

Certificação socioambiental ‘Selo Verde’ da OSCIP Ecolmeia

O que é?

Programa de certificação socioambiental destinado às organizações dos setores da sociedade, que se comprometem com o desenvolvimento de suas atividades, potencializando a valorização humana e a sustentabilidade.

Valor do Selo Verde

Possui metodologia própria da OSCIP Ecolmeia, patenteada no INPI – Proc. nº 829892117/2011. Revalidado mediante auditoria anual das suas atividades, pelo MJ – Ministério da Justiça (Proc. nª 08071.003651/2012-71).

Certificações

São 164 Organizações certificadas pelo Selo Verde Ecolmeia, que integram a Rede de Certificadas, e se tornaram multiplicadoras de boas práticas socioambientais.

Objetivos do Selo Verde

 Formar Rede de Organizações com comprometimento e responsabilidade socioambiental.

 Orientar as Organizações certificadas para o desenvolvimento de boas práticas sustentáveis.

 Tornar pública as boas práticas socioambientais da Organização perante a Sociedade.

Metodologia

Nossos auditores, capacitados, visitam a empresa e aplicam um roteiro composto por 6 temas: Social, Meio Ambiente, Cultura, Ética, Tecnologia e Economia, priorizando a valorização humana, a sustentabilidade e responsabilidade social.

Visite: https://ecolmeia.org.br/  e https://ecolmeia.org.br/selo-verde/#Apresentação
contato@ecolmeia.org.br
Carolina Estéfano
Educadora e Coordenadora de Projetos Socioambientais e Auditora Selo Verde, na OSCIP Ecolmeia

Canais de diálogo e de participação da comunidade

O planejamento e gestão públicos devem ser realizados, para maior efetividade e transparência, por meio de um modelo de governança, em que governo e população discutem e optam por prioridades de forma conjunta. Mas, não necessariamente, o poder público ter alguns canais de diálogo e participação para as comunidades significa participação efetiva em qualidade e quantidade, nem realizações por parte do governo. Medir e avaliar essa participação é fundamental ao longo do processo. Como empoderar a população? Como termos participações qualificadas? O governo deve incorporar, se possível, na gestão, o que a população solicita.

Primeiro, ter os canais de diálogo é fundamental. Nem todas as esferas públicas os têm ou os têm de forma adequada. Aceitar que o senso-comum, ou seja, as comunidades ampliadas de pares atuem também na resolução de problemas e desafios, além dos técnicos e esferas políticas, demonstra transparência no processo decisório e melhor enfrentamento perante questões ambientais, sociais e éticas, segundo Funtowicz e Ravetz (1997). 

Para traçar perspectivas reais de futuro, a participação é imprescindível. List, (2006) enumera 2 razões que justificam esse envolvimento: valor prático e valor moral. Ou seja, as pessoas devem saber quais decisões serão tomadas pelos stakeholders, pois suas vidas estão em jogo e é necessário poderem se readequar em determinadas situações, de acordo com suas questões socioculturais.

Em um primeiro momento, a participação acontece por uma cooptação manipuladora, em que a população participa pensando em atender suas questões pessoais e não coletivas. O ideal é que essa população seja qualificada e atinja a automobilização e o tão esperado empoderamento, em que ser cidadão é entender que se tem direitos e deveres para com a sociedade (LIST, 2006).

Uma grande questão é a construção e a manutenção da confiança entre os envolvidos. Christopher et al. (2008) indicam que reconhecer as estórias pessoais dos membros da comunidade e aceitar as opiniões do senso-comum com suas visões de mundo diferenciadas é fundamental para maiores resultados.

Vácuos administrativos que ocorrem em transições de governo, bem como em mudanças de partidos políticos desconstroem relações estabelecidas entre poder público e comunidade local e retomá-las não é simples, levando muitas vezes, os 4 anos de gestão da equipe. Isso acarreta desânimo da população que percebe descontinuação de programas e projetos. Há descrédito também quando ocorre participação, incentivada pelo governo, que acaba por não colocar em prática os anseios e solicitações da população. Claro, nem tudo é possível, nem todos os procedimentos são rápidos, mas a população relata que há muitos descasos, fazendo com que as pessoas realmente não vejam resultados de seu tempo disponibilizado para tais espaços de diálogo em prol do bem-coletivo.

A pesquisa-ação é uma excelente metodologia, pois é aberta e dinâmica, sendo legítima ao representar os anseios da população e propor ações baseadas em processos educativos para melhorias, de forma colaborativa. Ao permitir o envolvimento dos sujeitos do problema, em um processo de reflexão e aprendizagem coletiva, fortalece a comunidade como um todo (TOLEDO, 2011). Como há efetivação para resolução do problema detectado, a população percebe-se atendida, respeitada e cria um laço afetivo com o lugar e com as demais pessoas, incluindo governo.

Jacobi et al. (2006) apontam outra metodologia que contribui para o processo de construção de tomada de decisões compartilhadas que englobam diversos setores e atores: a Aprendizagem Social. Aprender juntos a decidir e intervir juntos. Como por exemplo, a Agenda 21 Escolar é vista como a construção de propostas e ações socioambientais que problematizam e inserem o sujeito no mundo político de forma responsável, solidária e consciente.

Um desdobramento é a Agenda 21 Local, processo interessante por seu caráter agregador, mais disciplinado de organização popular, que inclui diversas atividades, como visitas de campo, biomapas, encontros para discussão das problemáticas socioambientais, cronograma de intervenções e ações no território, além do comprometimento da comunidade.

A participação é uma via de mão dupla: a população espera transparência, ganhos e incentivos, justiça, abertura de diálogo, poder intervir na realidade e resultados na política e por outro lado, o poder público tem que oferecer meios de comunicação e de negociação de conflitos em que ocorra identificação das pessoas com o objeto em discussão e a percepção da sua relevância seja enfatizada, bem como os instrumentos serem adequados à realidade sociocultural da comunidade, além de ter que qualificar a participação popular, elevando a autoestima dos sujeitos, avaliar e monitorar a participação  e dar feedbacks dos resultados esperados.

Preparar os indivíduos e grupos sociais para uma Educação Política é permitir a autonomia e o exercício da cidadania, que leva à justiça social, em que a reflexão crítica transforma e interfere em melhores condições de vida.

Referências

CHRISTOPHER, S. et al. Building and Maintaining trust in a community-based participatory research partnership. In: American Journal of Public Health 8, v. 98, 2008. 1398-1404.

FUNTOWICZ, S.; RAVETZ, J. Post-normal science and extended peer communities in the face of environmental challenges. In: História, Ciências, Saúde, v. 4, 1997. 219-230.

JACOBI, P. R. et al. Aprendizagem social: práticas educativas e participação da sociedade civil como estratégias de aprimoramento para a gestão compartilhada em bacias hidrográficas. In: São Paulo em perspectiva 2, v. 20, 2006. p. 5-18.

LIST, D. Action research cycles for multiple futures perspectives. In: Elsevier/Futures, 2006. 673-684.  

TOLEDO, R. F. de. Pesquisa-ação: aprendizagem, produção de saberes e de práticas cidadãs. In: JACOBI, P. R. (Org.). Aprendizagem social: diálogos e ferramentas participativas: aprender juntos para cuidar da água. São Paulo: IEE/PROCAM, 2011, 86 p. 

Sabesp terá usina de reciclagem para produzir asfalto

Companhia vai reciclar sobras de obras para melhorar a reposição do pavimento asfáltico nos serviços em ruas da capital

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São (Sabesp) firmou contrato para implantação de uma usina de reciclagem para produção de base asfáltica a partir de resíduos de obras de saneamento. A solução sustentável deve melhorar a qualidade da reposição do pavimento nos serviços da Companhia em vias públicas e reduzir o descarte de resíduos sólidos em aterros. 

A iniciativa atende à estratégia da Sabesp de adotar o conceito inovador de economia circular, que foca na otimização e no reaproveitamento de materiais, reduzindo custos e beneficiando o meio ambiente.

A usina de reciclagem foi contratada por meio de licitação, vencida pelo consórcio Reintegrar, formado pelas empresas Fremix e Soebe. Serão investidos no projeto R$ 29,6 milhões em 30 meses.

Com a reciclagem das sobras de obras, a Companhia deixará de descartar ao ano 150 toneladas de material nos aterros sanitários, o que atende às diretrizes da Política Nacional de Resíduos Sólidos e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU.
 

Fonte: Brasil 61

Metrô envia para a reciclagem 9 toneladas de baterias alcalinas

Companhia do Metropolitano encaminhou para a reciclagem em 2020 (até setembro) nove toneladas de baterias alcalinas, meia tonelada de pilhas e baterias portáteis e 256 pneus.

Todos esses itens inservíveis são encaminhados para os respectivos fornecedores e destinados para reaproveitamento ou descarte de forma que não prejudiquem a natureza.

As ações de logística reversa são firmadas em contrato e constam do Sistema de Gestão Ambiental do Metrô, que é certificado com a ISO 14001 pela adoção de políticas comprometidas com a preservação do meio-ambiente.

Jornal Grande ABC

COMUNICAÇÃO: Existem formas de falar

O Jornal Grande ABC é feito para você, e por vocês. Nossos colaboradores e jornalistas estão todos dias buscando novidades e matérias. Assim, produzindo material especial para nossos leitores. Nosso foco são as cidades de Mauá, Diadema, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, São Caetano do Sul, São Bernardo do Campo e Santo André. Além disso, cobrimos o que acontece no Brasil e no Mundo, incluindo esporte, entretenimento e tecnologias.

Não possuímos nenhuma vinculação política ou partidária. Da mesma forma, sem ligações com outras mídias já existentes na região. Nossa fundação se deu em 07 de Setembro de 2020. Desde então, cada dia estamos crescendo e chegando em mais dispositivos e usuários. Por isso, nossa maior satisfação é entregar material de qualidade para nossos leitores. Portanto, cada nova visita e comentário, nos dão mais fôlego para seguirmos firmes e fortes neste projeto.

Quer receber mais notícias, em qualquer momento? Assine nossa Newsletter, basta inserir seu e-mail logo abaixo, e receba as publicações todos os dias.

Junte-se a 3.057 outros assinantes

É um prazer ter você conosco. Aproveite para deixar comentário aqui embaixo. Salve nosso Site. Volte Sempre!

Sustentabilidade pessoal e cidadania

O final do ano está chegando e com ele o desejo de uma nova vida em 2021 ou ainda no restante do atual (sempre é tempo de mudar e faltam 3 meses!). Essa nova vida depende única e exclusivamente de você! Repensar e fomentar sua sustentabilidade interna, ou seja, sua resiliência e perseverança diante dos obstáculos e aquisição de novos pensamentos e atitudes – mais sustentáveis – farão toda a diferença em sua vida pessoal e no exercer de sua cidadania em prol de um mundo melhor, mais colaborativo, altruísta, respeitoso e de ajuda mútua. 

Você pode começar analisando seus sonhos, desejos e objetivos pessoais e, após, relacioná-los com as metas socioambientais que os países têm elaborado e pretendem alcançá-las, como a Agenda 21 e os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (já citados em dois textos anteriores) – que serão os próximos assuntos de nossa coluna Sustentabilidade. A princípio você encontra esses documentos em uma pesquisa rápida na internet. Leia-os e pense como você, enquanto indivíduo, pode colaborar no cumprimento de pequenas ações cotidianas que abrangem essas metas maiores estipuladas em conjunto e que contribuem para melhorias dos problemas da humanidade nas mais diferentes áreas.

Sim, você faz parte de uma rede mundial de pessoas e ações conectadas e é parte importante para benfeitorias socioambientais e uma cidadania ativa, participativa e decisória. Comece em sua vida pessoal, sua casa, sua rua, seu bairro, seu local de trabalho e estudos e dessa forma, expandiremos boas vibrações, reflexões importantes e comportamentos mais sustentáveis, utilizando de suas competências e habilidades particulares que junto à outras, irão compor uma comunidade/sociedade mais justa e humana.

Para lhe ajudar nesse repensar e imergir em novas atitudes, apresento os 5 Cs da Sustentabilidade e Cidadania:

  1. Conhecer e compreender a dinâmica e os problemas: conhecendo os ciclos, o todo e suas partes, podemos entender o funcionamento, o equilíbrio e como se dá o desequilíbrio, para assim, agirmos de forma sustentável e cidadã;
  2. Conectar-se com a natureza e o ambiente: imergir, vivenciar, experienciar e coexistir com a natureza, para conservação/preservação ambiental, mudança de percepção individual e relação de respeito, além de nossa sobrevivência;
  3. Colaborar com o outro e com os ciclos naturais: trabalhar a compreensão, o altruísmo, o apoio mútuo, o respeito ao próximo e colaborar de diversas formas, bem como com a natureza, respeitando seus ciclos e permitindo sua existência plena; 
  4. Cuidar de nós, dos outros e do ambiente natural: o ato de cuidar é expressar amor, respeito e atitudes éticas nas relações que vivenciamos com os outros seres vivos;
  5. Compartilhar resultados, avanços e felicidade: não devemos manter conosco informações, conhecimento, resultados importantes para todos e muito menos sermos alegres e felizes de forma solitária – devemos expandir boas energias e boas ações, para formarmos uma rede do bem, que alcance cada vez mais adeptos de novas formas de encarar as relações entre todos os seres vivos.

Aproveite os meses finais para refletir e praticar os 5Cs!

Seja sustentável em casa!

Pequenos gestos adotados em sua casa podem fazer a diferença para um mundo melhor em qualidade ambiental e valorização dos recursos naturais, indispensáveis à nossa vida moderna, pois tudo que temos é feito a partir desses recursos e temos que poupá-los para não os esgotarmos, já que são em sua maior parte, não renováveis.

Nossas ações devem se basear na prática dos 5 Rs, seguindo a seguinte ordem de importância: repensar, recusar, reduzir, reaproveitar (reusar) e reciclar. O ideal é assumirmos os três primeiros Rs; não sendo possível, após reflexão e consumo consciente incessantes, os dois últimos Rs entram em ação. 

Mudar nossos hábitos pessoais reverberará em uma consciência coletiva, a partir do exemplo da ação, que pode se conectar a outras ações, em uma rede em prol do meio ambiente mais sadio e na consequente qualidade de vida e bem-estar a todos os seres vivos.

A seguir vou apresentar dicas de atitudes simples que transformarão sua vida e seu entorno, além de economizar recursos financeiros e naturais, diminuirão os impactos negativos causados à natureza e à nós mesmos, como a poluição de rios, mares, ar, desmatamento de florestas e áreas, entre tantas outras situações:

– compartilhe seu carro por meio de carona solidária, criando grupos de conhecidos que realizam o mesmo trajeto no dia-a-dia;

– use bicicleta e transporte coletivo ao máximo que conseguir;

– não deixar aparelhos eletrônicos, como tv e computador em modo stand by, pois consome energia e reflete em sua conta de luz, bem como desgaste do recurso água – hidrelétricas;

– abra janelas, portas e cortinas para aproveitar ao máximo a luz natural e arejar sua casa, contra vírus, bactérias e fungos (umidade);

– troque lâmpadas incandescentes por fluorescentes, que duram até 10 vez mais;

– não lave seu quintal e carro com mangueira; utilize água de chuva coletada em cisterna ou tambor com tampa (para evitar a dengue) para essas ações, além de regar o jardim e as plantas;

– evite comprar produtos alimentícios com muitas embalagens; prefira alimentos frescos a congelados;

– vá em feiras livres ou compre de agricultores familiares seus legumes, verduras, e frutas, usando sacolas retornáveis (ida ao mercado também) e carrinhos, em vez de sacolas plásticas;

– o que você juntar de embalagem, separe e acondicione adequadamente para não ser chamariz de pragas urbanas, como baratas, aranhas e mosquitos/moscas, leve até o ecoponto ou cooperativa de reciclagem mais próximos, deixe na calçada para a coleta seletiva da prefeitura ou catadores autônomos recolherem e gerarem renda;

– guarde o óleo de cozinha usado: pode ser feito sabão em barra. Óleo ralo abaixo na pia, causa entupimentos e atrai baratas;

– cultive uma pequena horta em sua varanda, quintal, jardim. Alimentos e temperos frescos à mão;

– faça uma faxina em sua casa ao menos 2 vezes ao ano e separe roupas, sapatos, roupas de cama e objetos em bom estado que não utiliza mais para doar à projetos sociais e/ou em campanhas de prefeituras e ONGs;

– não utilize pratos, talheres e copos descartáveis em suas festas;

– ao escovar dente e tomar banho, seja o mais breve possível e feche torneiras ao se ensaboar e escovar o dente em si.

As dicas são infinitas, reflita você mesmo o que pode mudar em seu cotidiano para contribuir a um meio ambiente equilibrado.

Vou deixar uma tarefa a vocês: a construção e manutenção de uma composteira caseira para ter seu próprio adubo para usar em sua horta/jardim, vender, distribuir aos amigos e destinar corretamente materiais orgânicos!

Em espaço pequeno mesmo, você já consegue ter uma composteira, podendo utilizar como base 3 caixas/tambores plásticos ou até um vaso. Toda refeição que for preparar, separe cascas de legumes, folhas de verduras, pó de café, casca de ovo e do jardim, folhas e flores secas e de poda. Não pode deixar o ambiente úmido por conta dos fungos que estragam o ambiente: para isso coloque serragem.

Abaixo, segue o esquema de como montar e realizar a manutenção da composteira; ao final de 4 meses aproximadamente, você terá adubo de qualidade, natural, sem substâncias químicas (agrotóxicos) e até chorume, que também é um adubo líquido a ser dissolvido em água.

O mais interessante é aproveitar para percebermos nossos hábitos alimentares e de consumo, ou seja, o quanto consumimos e o quanto nossa dieta é saudável ou não, além de destinarmos de forma correta uma quantidade imensa de resíduos de forma natural, como ocorre na natureza. É, acima de tudo, uma grande aula de Ecologia!

Conte para nós depois, suas experiências e vivências e mudanças de estilos de vida!

Consórcio ABC participa de revisão do Plano de Resíduos Sólidos

Iniciativa é realizada pela Secretaria Estadual de Infraestrutura e Meio Ambiente 

O Consórcio Intermunicipal Grande ABC participou na terça-feira (29/9), por meio de videoconferência, de audiência pública sobre a revisão do Plano de Resíduos Sólidos do Estado de São Paulo, convocada pelo Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema). A revisão está sob responsabilidade da Secretaria Estadual de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA). 

O coordenador de Planejamento de Ambiental da pasta estadual, Gil Scatena, destacou que a abordagem do plano é baseada em cenários com metas quantificáveis e mensuráveis fortalece o planejamento e seu acompanhamento. “É importante que o plano seja factível”, afirmou.

Durante a audiência, que  contou com participação dos coordenadores do Comitê de Integração de Resíduos Sólidos (CIRS), José Valverde e Ivan Mello, foi apresentada a estrutura do Plano, incluindo questões como panorama, regionalização e dinâmicas territoriais, cenários e metas e fonte de dados. Foi informado ainda que foram levantadas não só as ações mas também as fontes de financiamentos.

Em sua fala, o secretário-executivo do Consórcio ABC, Edgard Brandão, apontou pontos positivos no plano, como o Planejamento a partir das Unidades de Gerenciamento de Recursos Hídricos (UGRHI) em detrimento do planejamento por regiões administrativas, a incorporação do conceito de economia circular na estruturação do plano e a contextualização do histórico e do Sistema Paulista de Meio Ambiente.


“O plano coloca os arranjos intermunicipais dos consórcios no centro da gestão de resíduos com metas específicas para seu fortalecimento, com duas metas específicas para a gestão e capacitação para os planos regionais até 2025, não os citando como uma apenas opção”, ressaltou o secretário-executivo do Consórcio ABC.

Brandão destacou o capítulo específico para a regionalização e dinâmicas como um grande avanço para as políticas do segmento.

O plano está aberto a consulta e contribuições até 6 de outubro.