Hipocrisia

Acho que essa palavra tá na moda. Por onde passei Virtualmente, hipocrisia está no top 10, está em todo lugar. Hipocrisia associada a um julgamento feito e uma resposta dada.

Sei lá….Seria hipocrisia usar o verbo, com a força da palavra em si para justificar um conceito que tem sido fortemente utilizado?!?

A necessidade que as pessoas têm em se autoafiramarem constantemente não seria uma fábrica de novos hipócritas futuros?!? A banalização da palavra, se faz uma boa ação, mas no momento em que o outro discorda, surge um dedo indicador e grita: *- Hipócrita!!*

Estilo “querem controlar, mas são todos descontrolados” Somos todos falhos em demasia, muito, muito mesmo. Existem estratégias que funcionam na prática, outras preferem a teoria, em tese, como material didático é de fácil manuseio, quando vamos entender que pessoas são complexas?!?

Concordo, cada um com uma forma de pensar, por cada um ter classe social, moral, cultural, religiosa diferente, que as motiva e manteve até aqui. Mas quando uma pessoa se torna hipócrita por pensar diferente do que eu penso?!? Quando a sua verdade que não é a mesma que a minha se torna hipocrisia?!?Estaria eu sendo hipócrita agora, por observar que pessoas pensam diferente, interagem em meios diferentes e que são exatamente as nossas diferenças que nos tornam únicos e especiais.

Que por meio da suposta “hipocrisia” podemos compartilhar novos conhecimentos compreender novas e diferentes formas de pensar e ajustar para que se enquadrem a nossa realidade e as variáveis de nosso hábitat natural.

Seria “antologia” pensar assim e “analogar”, não para me justificar, mas sim deixar claro que somos livres para pensar de maneiras diferentes e agir de acordo com o que achamos mais conveniente e proprício conforme os ensinamentos aprendidos e alguns enraizados?!?

O agir, esse sim foi comprometido brutalmente com o passar do tempo e todas as novas informações, valores foram perdidos, pessoas esfriam-se na Fé, sem diretrizes de caminhar, sem exatamente certo ou extremamente errado , hipócrita seria falar que tudo é muito mais fácil de uma maneira complicada?!?  O “meio” uso das palavras, a separação do diálogo, o afastamento de pessoas por : raça, crenças, grau de escolaridade, bens materiais, entre outros , esses sim são problemas que antecedem a jornada de muitos a qual iniciou-se em navios negreiros e toda comercialização de pessoas como mercadorias de uso e desfruto de seus senhores.

Nascemos em uma sociedade marcada por muitas guerras, intolerância, escravidão, disseminação de ódio, discursos de dias melhores, mínimas foram as ações de esperança, digo, não houve praticamente nenhuma de quem rege o tal poder da nação, estamos sempre diante de seis ou meia dúzia.

O tempo que dedicamos pensando na solução mundial, esquecemos que nós crescemos mal resolvidos e levamos esta indignação até o sepulcro que se repete , se repete incansavelmente.

A ação mundial se inicia em dar atenção primária a nós mesmos, identificar os pontos que necessitamos aprimorar e explorar, lapidar o melhor que possuímos de berço.

Suponha que nascemos, “meta-meta” 50% bondade e 50% maldade, seria justo dizer que somos hipócritas ao não reconhecermos nossas imperfeições, dedicar-se a busca da perfeição Divina que “jamais” atingiremos.

Somos semelhança do Criador, ter a mesma “sagacidade”, clareza de pensamentos e relacioná-los a pessoas e atitudes cotidianas sem julgar, deduzir, especular ou supor criticamente, geralmente, são usadas palavras ofensivas ou maldosas seria um bom ato ou hipocrisia?

Somos hipócritas ao pensarmos em hipocrisia, porque na maioria das vezes nos falta humildade para ouvir, aceitar ou discordar respeitosamente, a partir do momento em que desconheço os aspectos que motivam e a linha de pensamento usada pra chegar até ali.Não são palavras que justificam maus atos, a atrocidade fala por si, por trás de um monstro, um dia houve um ser, o que seria da humanidade se pensássemos assim?!?

Sobretudo respeitar o próximo. Não temos como hábito respeitar a nós mesmos, excedemos e vamos além de nossos limites quase sempre , mas dificilmente dedicamos tempos para nós identificar como seres atuantes de uma sociedade.

Não identificamos de “cara” nossas falhas e somos falhos exatamente por isso, não ouvimos nossas indignações para tratá-las adequadamente, elevaríamos por assim dizer a bondade original destruindo de vez a matriz de fábrica, superando os 50% em busca dos 100% da bondade que podemos atingir.

Aqui chegamos cheias de resquícios, onde o objeto é reestruturar nossa condição e o primeiro passo, não para um sucesso promissor financeiro, mas sim para uma evolução espiritual necessária , quanto mais acertos tivermos, menos dúvidas teremos e ficaremos mais próximos da missão cumprida e despedida deste plano.

A Fé é o melhor combustível, in natura temos essa semente, basta que sejamos solos férteis para o cumprimento de todas as etapas do ciclo de vida, seja ela: mineral, vegetal, animal e hominal.

Como se estivéssemos armados, selecionamos as melhores pedras a serem lançadas, quando intimamente fomos alvos inúmeras vezes, sem motivos explícitos. Feridas foram abertas e jamais cicatrizadas, mas sempre há um bom comentário da vida alheia na agulha a ser feito.

Poderia dizer que nascemos todos hipócritas pela facilidade de nos deixarmos envolver com as belezas materiais, ignorando a verdadeira beleza que não vemos a olho nu, a *Beleza Espititual* , onde a hipocrisia se torna uma palavra vã, sem moral alguma diante do objetivo de ser e existir preenchendo o mesmo momento espaço tempo sem alterações dando lugar a toda bondade em sua magnitude, transbordaríamos alegria e contagiaríamos a todos por onde quer que passemos sem hipocrisia, assumindo o controle de si, sem julgamentos precoces de situação que desconhecemos ou das quais não temos todos os detalhes.

Mente aberta.
Nossa mente e bons pensamentos , nos conduzirá onde quer que originalmente fomos “programados” tenhamos leveza , empatia e gentileza, sem medo do que quer que sejamos julgados ou simplesmente observados, boas ações e tolerância nos afastam da hipocrisia que quer nos consumir para deixarmos de ser e existir.

Exista realmente, sem teatro, dissimulação e fingimentos.Seja temente a Deus sem “beatice”, permita que habite seu coração em essência, compreenda suas intenções sem sugestões de terceiros. Use e abuse da *Boa Fé* não dissemule verdadeiros sentimentos, para o hipócrita só existe a falsidade!

Lorena Pelais ॐ∞.

Gostou da nossa matéria “Hipocrisia“?

Hipocrisia
Foto de Anete Lusina no Pexels

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 1.098 outros assinantes

Teatro da vida

Lorena Pelais é autora de “Teatro da vida“.

Feche os olhos, inspire imagine o que mais te agrade, que te faça se sentir bem , um lugar, uma sensação, um elemento da natureza, limpe sua mente, abstraia de todas as preocupações que te cercam, expire lentamente, abra os olhos vagarosamente para que o excesso de luz não te cegue.

A partir daí, estaremos preparados para realizarmos quaisquer que sejam as atividades, prontos para plantar , colher, rascunhar, editar e quem sabe apta para reescrever sua própria história.

Existem momentos em que os desafios parecem montanhosos, mas só possuem esse tamanho para quem os cria, aqueles que conseguem “invadir” , visualizar seu mundo não veem o mesmo que você.

A vida é bela, é um sonho ou real??
Quais são os grandes mistérios que envolvem a existência humana??
As dúvidas algum dia cessarão??

Existem tantos porquês, quase sempre sem respostas, por que na verdade as respostas são buscadas em fontes errôneas, pois na verdade elas sempre estiveram bem ali na sua frente, só você e eu não queríamos ver, seja por falta de conhecimento, por não sabermos fazer bom uso ou simplesmente temos medo de agir, mas as respostas sempre estão dentro de você é como um enigma, mito da caverna , “conheça a ti mesmo que terás as respostas para tudo que te aflige”.

A falta de conhecimento interno, nos embosca de tal maneira que involuntariamente e inconscientemente, participamos de planos macabros contra nós mesmos, desenvolvidos por nós mesmos, soa como loucura, pode até ser, rsrsrs.
Somos guardiões do bem e do mal, administre-se , nem oito ou oitenta, busque o equilíbrio e seja bom para você mesmo, não se maltrate!!

Excessos são causadores de problemas, excesso de confiança e alto estima, junto vem o superego e vaidade, a necessidade de ser melhor sempre como se fosse uma competição, sabotam-nos invisivelmente , é corda pra se enforcar, é dar linha demais à pipa, é acelerar sem testar primeiro o break.

É estar a mercê da própria sorte, age-se deliberadamente, como se fosse portador de “super poderes” sem ter acesso as regras de uso, com instruções minuciosas e principalmente sem a supervisão de alguém treinado e devidamente habilitado.

Uauuuuu, pressentem o tamanho da catástrofe?

Seu “Transformer do mal” foi criado, a mente te “engana” acelerada te passa informações de bem-estar e plena funcionalidade, o ápice, um monstro com ferocidade de uma bomba nuclear, capaz de emitir ondas elétricas de altas tensões, suas explosões serão internas seus destroços com aspectos variados, erupção de alcance desmedido sem previsão de longitude e latitude.

Que a mente humana é um grande mistério, sabemos, não é de hoje, não sabe-se ao certo o que nos motivam constantemente, capaz de gerar energia sem que haja necessidade de substâncias externas, necessidades básicas primárias.

Motivação como fonte primordial de energia e alimento para o corpo e a alma, a exposição ao sol como fonte de calor para crescimento sadio, a chuva para refrescar, mesmas gotas que aliviariam a sede, tudo na medida certa, excessos são prejudiciais e causam danos irreparáveis, aprisiona-se a mente em objetivos fracos e mal embasados perdendo a essência da alma entregando-se aos demônios ocultos e alheios, entocados nas profundezas de seu ser, aguardando uma pequena brecha para “tomarem de assalto”, te roubam, destroem e por fim matam nem sempre o próprio ser , mas os sonhos e as habilidades naturais que nos são dadas no dia de nosso nascimento, que deveríamos ter a humildade de desenvolvê-las pra serem nosso maior trunfo e grande troféus , um dom que calamos, matamos e enterramos por nos envaidecer.

Quer conhecer alguém? Dê poder e verás todas as suas faces ocultas.
Nós somos nossos maiores inimigos, dizem que mente vazia, torna-se obra do maligno, retirando o pouco que temos interiormente, a paz.

Limpe a mente e siga em frente, busque seu Eu, faça bom uso das dádivas divinas presentes em sua vida.

A vida não tem muitas explicações a te dar cotidianamente, erre, conserte e acerte.

O mundo gira, “em cima em baixo” tenha nobreza de espírito para distinguir seus próprios desafios e sair deles um ser melhor do que quando entrou.

Passagem ….
A vida é uma grande passagem, um sonho, uma realidade, neste espetáculo chegamos como coadjuvantes, mas o objetivo é ser o protagonista principal, respeitando as leis divinas.

📿 Lorena Pelais ॐ∞.

Gostou da nossa matéria “Teatro da vida“?

Teatro da vida
Teatro da vida. Foto de Mohan Reddy Atalu no Pexels

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 1.098 outros assinantes

Despedida

Lorena Pelais é autora de “Despedida”.

Assustador como derrepente tivemos nossas vidas transformadas.
Pessoas assustadas, “quarentena” interminável, mudanças de hábitos, vidas ceifadas.

Inúmeras perdas em todo canto do mundo deste planeta, o mistério da vida , as crescentes especulações aos enigmas que envolvem a morte, chamada de “vida eterna”, uma viagem sem previsão de reencontro, não resta menor dúvida, os que ficam não conseguem superar com facilidade, é difícil lidar com a ausência e a saudade.

Do riso ao choro, do drama a graça, das desgraças uma comédia da vida urbana na íntegra com riquezas de detalhes, cada aspecto de certa forma tocou diretamente os inúmeros espectadores independente de quais meios de comunicação tenha sido usado, cada um de nós , teve sua história contada com doses exageradas de bom humor, leveza , toda tristeza revertida em uma bela gargalhada.

Em tempos tão difíceis, a doce lembrança de bordões inesquecíveis ficam registradas no coração dos que aqui ficam.

“Borocoxozinha é a sensação de uma nação, sem poder assistir teus córneos show, uma pessoa rica riquíssima de alegria contagiante, de energia além de 220volts sua partida será algo difícil de acreditar e que jamais vai colar a palavra Adeus!”.

Uma passagem brilhante, em cada personagem a transparência da alma a sinceridade do ser humano por trás do papel, presenteou nossos dias com muito amor, risadas e alegrias, se doou, compartilhou sua vida com graciosidade para uma platéia desconhecida, partiu, deixando um pouco de ti marcado em cada um dos que te assitia , se essa era sua missão, caminhe certo que foi belamente cumprida, lamentamos somente porque não estávamos preparados ainda.
Encantou, emanou alegrou, despertou amor com humor transformou vidas , os “pensares”, os “conceitos” , jamais serão os mesmos , fez da própria vida uma “piada” recorde de bilheteria, com glamour, beleza, agradável a ser vivida.

Inacreditável…
Porque os bons morrem jovens??
Já dizia Renato Russo/ Legião Urbana.

No espetáculo da vida, ao fechar das cortinas, apagar as luzes, o mais difícil é dizer: – Vai com Deus! 😭

Meus sinceros sentimentos a todas às famílias vítimas da pandemia!!!

Ao amigo que gostaria de ter conhecido Paulo Gustavo, condolências à família, sempre será lembrado, um ser bem quisto e amado, nos deixa uma dentre muitas lições que rir é um ato de resistência!

💔 Lorena Pelais ॐ∞

Despedida
Foto de cottonbro no Pexels

Gostou de “Despedida”?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu emai. Aproveite, leia mais artigos da autora Lorena Pelais. Veja também nosso parceiro Entre Séries.

Junte-se a 1.098 outros assinantes

Relações sociais e o fluxo da vida

Lorena Pelais é autora de “Relações sociais e o fluxo da vida”

De nada adianta uma vida, sem ter com quem dividi-la.

Bem assim ….
A nossa história depende de outras.
Nossa estrada se cruza com caminhos que nem sempre conhecemos com riqueza de detalhes, mas que fazem parte da nossa jornada.

O medo de se lançar ao que é novo muitas vezes nos consome, se torna maior do que possamos imaginar, enfraquecendo nossa vontade de tentar e se jogar de corpo e alma em novas oportunidades que a vida secretamente nos reserva , mas que de uma forma ou de outra precisam ser completadas para que possamos finalizar ciclos, iniciar outros que por medo muitas vezes aprazamos.

Repetitivo, sei que é….
Mas sinto a necessidade de expor o pensamento que não somos feitos para vivermos sós.
Até nossa chegada, quantas pessoas nos antecederam , o quanto nós esperamos para vir ao mundo e porquê alguns insistem afirmar que a solidão é a melhor experiência da vida?!?

Não vou negar que nos conhecermos o suficiente é imprencidível para amar a convivência com nós mesmos, para sermos “autoalegres” é ter certeza de que somos capazes de sermos felizes de nós conosco mesmos, mais gratificante se torna quando conseguimos doar esse conhecimento, compartilhando uma vida em comum, formando uma família, perpetuando nossa existência com nossos descendentes, participando e atuando seja como for na vida de alguém além de nós mesmos ampliando o significado da vida, explorando o real motivo de estar vivo e viver.

Qual a serventia de nossos feitos e conquistas se não temos com quem dividir os bons e maus momentos que passamos.
E quando tropeçamos é tão reconfortante ter alguém para nos acalentar, ajudar, amparar e se necessário nos pôr de pé novamente, um tropeço pode levar uma queda , o dia a dia pode ser tão exaustivo que renovar o fôlego para dar continuidade sozinho me parece árduo , improvável, mas não impossível.

Por mais que nós queiramos nos sentir autossuficientes , ainda sim , sou muito a favor à interação entre os seres de todas as espécies, com respeito, dedicação e afeto todas as relações são possíveis e terem momentos ternos inesquecíveis que ficaram reservadas no coração e na mente.

Lorena Pelais ॐ∞

Gostou de “Relações sociais e o fluxo da vida”?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu emai. Aproveite, leia mais artigos da autora Lorena Pelais. Veja também nosso parceiro Entre Séries.

Junte-se a 1.098 outros assinantes

Universo Paralelo

Lorena Pelais é autora de “Universo Paralelo”.

Embora tenhamos muitas dúvidas sobre o universo e seu funcionamento, nossa relação de existência nesse espaço físico tão grandioso o qual chamamos de casa, o planta Terra, que existem vidas em outros planetas , que a viagem a Marte seja a mais sonhada para alguns, que os seres possuem características similares a nossa, mas sua aparência não é tão “formosa” como a nossa, que os seres extra terrestres possuem “superpoderes” capazes de ler mentes e mover objetos e a mais destacável de todas sua pele geralmente é verde.

Uauuuuu, quantas suposições temos, se já é difícil cuidarmos das nossas próprias vidas, porque nos interessamos tanto a compreender a existência de seres em outros planetas?!?
Porque os consideramos tão grandiosos?!?
Quando na verdade, cada um carrega individualmente um poder consigo.

Não seria muito mais fácil, tentarmos nos compreender primeiramente , saber exatamente para que e como funciona cada parte de nossa mente?

Sei que tudo pode parecer uma grande bobagem, poderia eu estar imergida em meu universo Paralelo nesse momento, onde suponho minha coexistência, onde todas as pesquisas , estudos estejam verdadeiramente certos, ao invés de, estudarmos a mente do povo que aqui habita e tentar aperfeiço-lá para assim tentarmos sanar um pouco das dores causadas pelos desencontros que ocasionamos com a nossa própria existência.

Em sua maioria, em quase sempre todos momentos, partimos contra as leis da criação, não seguimos a risca os mandamentos, outrora questionamos que as escrituras foram registradas por meros homens comuns, questionando inclusive que talvez esteja desatualizada com o avançar dos tempos…

Não sou estudiosa, apenas uma entusiasta, mas percebo que nos deram regras simples e não conseguimos segui-las, seria desvio de caráter, ou por tendências naturais do espírito?!?

Respostas que em sua maioria não a teremos tão facilmente, não existe um órgão de serviço de proteção ao crédito da existência, ou uma sociedade preservadora dos direitos inquestionáveis , nem mesmo um confessionário de respostas celestiais imediato.

Sabe, a criação do universo pode ter sido gerada através de uma grande explosão, onde supostamente ainda não havia Deus e nem mesmo não existia nada.

Somos livres para cremos no que nos faz sentir melhor, mas temos que elevar sim a mente e pensar, se partimos do princípio que antes o universo era escuro e nada havia, houve uma explosão e surgiu Deus , dando início à obra da criação, dias da semana foram criados, a escuridão passou a ser temporária e representada pela lua, indicado o anoitecer, a luz se fez presente, o dia carrega a esperança de um amanhecer melhor , vidas foram criadas.

Que existem vidas em toda parte do universo, sempre será algo contestável.
Que civilizações antigas tinham métodos próprios para contagem do tempo, criações foram desenvolvidas aprimorando métodos que utilizamos e perpetuarão, que somos capazes de ir além do que vemos, chegar a patamares desconhecido, mas sob orientação de “fonte desconhecida”, que brilhantemente nos conduz a um lugar melhor.

Porque nos fechamos tanto a novas informações, acreditando que somos conhecedores de muitos mistérios, onde nossa mente é um grande universo com partes escuras que talvez jamais encontrem a luz ,ou seja, do Sol ou Divina que assim permaneceram as idéias imergidas na finita escuridão interior que habitamos .

Já imaginou que talvez sejamos seres tão primatas que não estejamos preparados para conhecer os “dominadores” dos poderes ocultos da nossa própria mente e por esse motivo não tivemos a devida apresentação.

A vida nos apresenta universos paralelos a todo instante, desde que chegamos o céu e o inferno, o plano que vivemos entre a carne e o espírito é o limiar.

Tantos avanços, tantas tecnologias, tantos conhecimentos e de que forma é associado pela mente?
Como fazemos uso de todas as descobertas o quão evoluímos com elas?

Como nos sentimos diante das regras , das orientações prévias que recebemos?

Falamos sempre o externo, esquecendo de priorizar o íntimo e primordial a mente.

Assim como somos o Universo, todos temos nosso próprio Universo Paralelo, nosso faz de conta, nossos medos, inseguranças, até mesmo vestígios de vidas que aparentemente não vivemos, de tempos que desconhecemos, lembranças saudosistas de imagens, fragrâncias, sabores de experiência que nunca tivemos.

Universo Paralelo
Foto de Rakicevic Nenad no Pexels

Que existe explicação, existe , mas convence a todos o que você ou eu acreditamos que possa ser a “verdade completa” ou apenas uma de todas as faces que podem ser apresentadas, muitas teorias, pouca prática e assim seguimos na dúvida da expansão do universo sem conhecer o universo individual que nos habita .🎇

Lorena Pelais ॐ∞

Gostou de “Universo Paralelo”?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu emai. Aproveite, leia mais artigos da autora Lorena Pelais. Veja também nosso parceiro Entre Séries.

Junte-se a 1.098 outros assinantes

A presença dos prateados nos aplicativos de relacionamento

Layla Vallias é autora de Sexualidade prateada: a presença dos prateados nos aplicativos de relacionamento

Tecnologia e relacionamentos têm tudo a ver com maturidade, aliás, são duas coisas que os maduros gostam e nas quais investem tempo e energia. A pandemia, com todo o contexto de isolamento e distanciamento social, contribuiu muito para o aumento nas buscas por aplicativos de relacionamentos. Confinadas em casa, pessoas de todas as idades passaram a procurar mais por esse recurso para se relacionar com o outro.

De acordo com dados divulgados pelas próprias plataformas, o Happn – aplicativo de paquera no estilo do Tinder –teve um aumento de 18% nas mensagens trocadas; The Inner Circle, também no mesmo estilo, mas com um posicionamento de mercado mais voltado para a qualidade dos matches e não para a quantidade, teve um aumento de 15% nas “curtidas” e 10% nas mensagens enviadas. O Par Perfeito, por sua vez, registrou um crescimento de 70% de novos usuários, além de um ganho de 20% no tempo médio gasto no aplicativo e no site.

Os maduros não ficam fora desses resultados. Parcela da população que ganhou holofotes nesta pandemia por causa da vulnerabilidade diante do vírus, os prateados também estão nesses aplicativos. No Coroa Metade, plataforma focada em pessoas a partir de 40 anos, houve um aumento de 17% nos cadastros entre abril e outubro de 2020 em comparação aos seis meses anteriores à pandemia.

A presença digital dos maduros não me espanta! Quando coordenei a pesquisa Tsunami 60+, em 2018, descobri que esse grupo tem uma presença forte e marcante em tecnologia. Para se ter uma ideia, somente 10% dos entrevistados – em um universo de quase três mil pessoas – disseram não estar em nenhuma rede social. E, uma vez conectados, 81% acessam redes sociais; 80% pesquisam na internet; 66% tiram e gerenciam fotos e vídeos; 64% checam e-mails e 61% assistem a vídeos.

Por isso, gosto de dizer que a internet, para eles, é a janela para o mundo. Nas entrevistas que fizemos, as pessoas afirmaram adorar receber de 50 a 60 “mensagens de bom-dia” a cada manhã. Para esse público, isso é um movimento ­– uma pulsão da existência muito forte nessa fase da vida – quando a pessoa começa a trabalhar menos e ficar mais em casa. O que a internet tem feito é proporcionar que essa movimentação permeie diferentes áreas da vida. E o relacionamento é uma delas. Os maduros são um público que quer viver o agora e não têm mais tempo a perder. Relacionar-se com o outro, na forma de amizade ou amor, é fundamental para que mantenham a qualidade de vida.

No Coroa Metade, 69% dos homens procuram namoro; 54%, amizade; 21%, casamento; e 38%, sexo. Com relação às mulheres, 70% querem namoro; 51%, amizade; 20%, casamento; e 6%, sexo. Isso tem muito a ver com a liberdade que os maduros estão conquistando, seja na forma de procurar o relacionamento, seja na necessidade de não esconder mais a idade e os cabelos brancos. Grande parte dos usuários maduros quer mesmo é mostrar que aos 50, 60, 70 ou 80 anos ainda é possível namorar, ter uma vida sexual ativa, fazer novos amigos e se divertir.

Prova disso é que este público também está em sites de pornografia. Dados de 2019 do Pornhub – maior site de pornografia no mundo – apontam que os visitantes com idade entre 55 e 64 anos têm 83% mais probabilidade de assistir a vídeos na categoria “Vintage” e 65% acessam os da categoria “Maduros”, quando comparados a outras faixas etárias. Para visitantes seniores com mais de 65 anos, a categoria “Closed Captions” ganhou 77% de visualização e os vídeos “Vintage” foram duas vezes mais populares quando comparados aos visitantes mais jovens.

Esses dados revelam que tanto a pornografia quanto os aplicativos são recursos que estão presentes na realidade dos maduros, um grupo que cresce no mundo todo e tem como característica uma curiosidade de entender as novidades que o mundo oferece. Não é à toa que já existem diversas empresas focadas em oferecer encontros a esse público, como Coroa MetadeSolteiros 50 e OurTime Brasil. E, se o caminho para expandir as relações passa pela internet e pelos aplicativos, eles estão lá, curiosos para entender, aprender e utilizar essa ferramenta.

| Layla Vallias – eleita, em 2021, pela Forbes Under 30, uma das jovens brasileiras mais influentes com menos de 30 anos – é cofundadora do Hype50+, consultoria de marketing especializada no consumidor sênior e da Janno – startup agetech que tem como missão apoiar brasileiros 50+ em seu novo plano de vida. Foi coordenadora do Tsunami60+, maior estudo sobre Economia Prateada e Raio-X do público maduro no Brasil, e diretora do Aging2.0 São Paulo, organização de apoio a empreendedores com soluções para o envelhecimento em mais de 20 países. Mercadóloga de formação, com especialização em marketing digital pela Universidade de Nova York, trabalhou com desenvolvimento de produto na Endeavor Brasil.

Gostou de “A presença dos prateados nos aplicativos de relacionamento?

A presença dos prateados nos aplicativos de relacionamento
Layla Vallias, autora de A presença dos prateados nos aplicativos de relacionamento. Foto: Divulgação

Então, aproveite e assine nossa newsletter e seja noticiado assim que publicarmos novas matérias! Confira as notícias do Brasil. Confira nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 1.098 outros assinantes

Mulher, solteira e feliz – Obra de Gunda Windmüller é lançada

Primavera Editorial lança “Mulher, solteira e feliz”,

“Melhor eu já confessar. Estou com trinta e poucos anos.
Não sou casada. Não tenho filhos. Sou mulher, solteira e feliz.
Suspeito que neste momento muitos começam a duvidar. Pensam que a última
palavra não está correta? Mulher, solteira e feliz? À sua frente está a imagem de uma
mulher reivindicando, de um jeito desafiador, algo
que talvez ela possa sentir agora…”

A virada do século 19 para o 20 é considerada um marco de uma mudança significativa na linguagem do amor. De acordo com Gunda Windmüller, mestre em Literatura, esse é o momento histórico em que as mulheres começam a desempenhar um papel social no romance; entretanto, nos livros, elas aparecem como figuras trágicas, seduzidas e traídas como Anna Karenina e Madame Bovary, respectivamente, personagens dos escritores Liev Tolstói e Gustav Flaubert.

Em pleno século 21, o conceito do amor romântico permanece reduzindo as mulheres
a um parceiro, relegando às solteiras a condição de coitadas. Com base em estatísticas, digressões históricas e sociológicas, experiências pessoais e entrevistas
com mulheres em idades entre 30 e 60 anos, a jornalista e escritora Gunda desafia a
falsa noção de que somente um relacionamento amoroso confere sentido à vida
feminina. Autora de Mulher, solteira e feliz, ela estreia no Brasil com o lançamento da
obra pela Primavera Editorial. Em tempos de pandemia, o livro está disponível,
inicialmente, na versão digital.

A ideia de escrever o livro surgiu, segundo a autora, quando terminou um
relacionamento de anos e constatou que as pessoas próximas estavam realmente
preocupadas com o presente e futuro dela: casamento, filhos, solidão à noite. “Essas
preocupações me intrigaram, porque eu estava realmente feliz. Foi nesse momento
que percebi o quanto uma mulher solteira desperta pena, inclusive de outras
mulheres. Daí, decidi escrever um livro sobre isso!”, afirma. Sobre a verdadeira
investigação social que fez no processo de construção da obra, Gunda conta que se
deparou com uma série de mentiras que a sociedade conta sobre as mulheres.

Mulher, solteira e feliz
Gunda Windmüller, autora de “Mulher, solteira e feliz” . Foto: Divulgação

“A principal é que precisamos nos apressar, porque a vida está prestes a acabar – o que não é verdade. Nós vendemos essa ideia da beleza desaparecendo com a idade; a noção de que tudo se reduz à aparência. Conversei com tantas mulheres na casa dos trinta que sentem, realmente, que as suas vidas estão apenas começando”, afirma.

Dividido em três blocos – Do Amor, Sobre as Mulheres, e Rumo à Liberdade –, a obra
trás investigações sobre o relacionamento clássico; o que o amor fez com o feminino;
ego e a realidade do desejo masculino; o conceito de single shaming (vergonha de ser
solteira); envelhecer sozinha; o melhor de estar sozinha; e o único amor verdadeiro.
Em Mulher, Solteira e Feliz há uma crítica ao papel feminino na construção desse
comportamento em relação aos seus pares – e o quanto as mulheres podem fazer
para que haja uma mudança social que promova uma real transformação.

“Se queremos mudar a narrativa sobre as mulheres, precisamos começar a falar de forma diferente; há uma demanda por sermos mais gentis conosco e com nossas irmãs. Por sermos mulheres, sempre pensamos que devemos ser perfeitas e, quando vemos outras de nós se comportando de maneira ‘não tão perfeitas’, somos rápidas em apontar o dedo, em culpá-las. Esse não é o caminho a seguir”, declara.

Sobre a mensagem que gostaria de trazer para as mulheres solteiras brasileiras,
Gunda responde rapidamente: “Você é o suficiente! A sociedade fala continuamente
que fala, às mulheres solteiras, um parceiro, uma família perfeita, o corpo certo. Mas,
não precisamos de nada disso para sermos completas; somos o suficiente. Pratiquem
o amor a si mesmas; esse é o amor que definitivamente vai durar até o fim”, finaliza.

FICHA TÉCNICA
Título: Mulher, solteira e feliz
Autora: Gunda Windmüller
Categoria: Não ficção, desenvolvimento pessoal
Páginas: 272
Preço sugerido: R$ 29,90 (digital)
Como adquirir? Clique aqui (Primavera Editorial)

SOBRE A AUTORA
Doutora em Literatura, a escritora Gunda Windmüller nasceu em 1980, na Alemanha.
Como jornalista freelancer, colabora com publicações como Die Welt, ze.tt e Huffpost.
Colunas no Huffpost | https://www.huffpost.com/author/gunda-windmaller
Entrevistas recentes
FrauTV | https://www.youtube.com/watch?v=MFnJPxlCyW0
Deutschlandfunk Kultur | https://www.deutschlandfunkkultur.de/gunda-windmueller-weiblich-ledig-gluecklich-sucht-nicht.1270.de.html?dram:article_id=446376

Trechos do livro

Página 17 | “(…) O livro não será sobre como encontrar um homem. Neste livro não
há um manual sobre como uma mulher fisga um homem e, se parecer, me avise…
Vamos esclarecer isso. Este livro trata de histórias. Da minha, da sua, da nossa
história. Conversei com mulheres que me contaram suas histórias. Mulheres na casa
dos trinta, quarenta, cinquenta e mais. Histórias sem homens, histórias com homens.
Conversei com psicólogos e especialistas em sociologia. E estive em um setor que
utiliza o modelo descrito como modelo de negócios.

Com tudo isso, não quero enterrar o amor e declarar os homens como seres inúteis.
De jeito nenhum! Prefiro libertar o amor. Quem liberta o amor não sabe aonde a
história vai levar. Não sei como a minha história continua. Ainda assim, como outras
histórias que relato, ela continua. Não sei se não estarei casada daqui a um ano. E
mãe… Ou mãe. De qualquer forma, não importa. Não muda o fato de que minha
história não precisa de um príncipe para ter um final feliz. Não acredito na moral
desses contos de fadas. Acredito na vida e no poder das narrativas. E por isso
nenhum príncipe surgirá por um motivo muito simples: porque ele não precisa surgir.”

Página 32 |“(…) Solteiras não têm boa reputação, ainda não. Os tempos mudam, mas
mudam lentamente, muito lentamente. A psicóloga Astrid Schütz e seus colegas
conduziram um estudo sobre atitudes em relação a solteiros. Os solteiros não estão em conformidade com a norma, desviam-se dela e não são vistos pelo que têm, mas
pelo que não têm. Por aquilo que supostamente lhes falta.”

Páginas 61 e 62 |“(…) Para as mulheres, a sensação de serem livres no amor, de serem elas mesmas, de serem realmente alguma coisa é bastante nova. Tradicionalmente, tínhamos permissão para fazer muito pouco. Alguns exemplos: ocupar cargos públicos, votar, ganhar dinheiro, herdar – em sua maioria, essas realidades mudaram apenas nos últimos cem anos. O que mudou apenas nos últimos
cinquenta anos é que as mulheres podem manter seu nome após o casamento,
podem ter uma conta corrente própria, podem trabalhar sem a permissão do marido, e
que o estupro no casamento é crime. E mesmo se o relacionamento estivesse em pé de igualdade, as mulheres não tinham esse direito. As mulheres também não tinham direito à escolha, a se apaixonar. As mulheres eram casadas e, no altar, não apenas simbolicamente o poder sobre elas era transferido do pai ao marido, mas juridicamente. Ainda hoje casa-se assim, mas sem a transferência de domínio. Mas o rito permanece: o pai pousa a mão da filha sobre a do homem. As latinhas e os sapatos velhos pendurados no para-choque do carro quando um casal recém-casado parte para a lua de mel são símbolos da violência que cabe ao marido. Toda mulher carrega essa história de falta de liberdade em seu véu de noiva, um véu pelo qual muitas mulheres anseiam.”

Sobre a editora
A Primavera Editorial é uma editora que busca apresentar obras inteligentes,
instigantes e acalentadoras para a mulher que busca emancipação social e poder
sobre suas escolhas. www.primaveraeditorial.com

Gostou de “Mulher, solteira e feliz – Obra de Gunda Windmüller é lançada?

Então, aproveite e assine nossa newsletter e seja noticiado assim que publicarmos novas matérias! Ah, leia mais em nosso Caderno Cultural. Confira nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 1.098 outros assinantes

Quem sai os seus não degenera

“Quem sai os seus não degenera”
“Filho de peixe, peixinho é”

Quem sai os seus não degenera
Quem sai os seus não degenera
/

Pais(pai e mãe),parentes próximos e os chegados mais chegados da família,são pessoas ótimas sempre em sua maioria,aprendemos muito constantemente.

Mas não somos perfeitos,e muitas vezes um“defeitinho”ali,quando“copiado”pode se tornar um“defeitão”aqui….

Família é um grande exemplo,mas existem suas exceções.

Adoroooooooooo demais ditos populares,eles carregam uma história sabe-se lá de onde vem,porque exatamente e o mais incrível,a primeira menção é uma e como telefone sem fio,populariza-se de acordo com a localidade e sempre há perda de fonemas,troca de vogais ou consoantes e o resultado final é outro que mais à frente descobrimos a intenção inicial e ficamos boquiabertas,porque muitas vezes passamos uma vida inteira em um mistério indecifrável,por apenas conhecer aquela“verdade”ouvida por um familiar mais antigo próximo citá-la.

O papo começou bom,parece confuso e acredito que tende a piorar,rsrs brincadeira a parte,mas prezo sim um excelente bom humor,nos preenche de alegria e nos traz e podemos ofertar um fôlego a mais de vida a quem nos cerca.

Vamos celebrar o bom humor,porque o dia a dia geralmente é tenso,ser“gente grande”não é fácil são tantos“quiproquós”que nos rondam que até dá para perder as contas.

Enfimmmm…..
Vamos voltar ao início?!?
“Quem sai aos seus não degenera”
Incrível como essa frase deveria soar mega positivo,mas as vezes que ouvi sempre foi de maneira pejorativa,associada aos maus exemplos e relacionando um membro a outro da mesma família.

Por outro lado,foi bom,por quê?!?
Porque pude perceber que enquanto nós como seres humanos tendemos a dizer sempre que jamais seremos cópias de nossos pais,parece até piada,pois é justamente nesse momento que“herdamos”todos os contras,tudo aquilo que verdadeiramente repugnamos e carregamos em uma mala invisível que usamos em nossas relações mais próximas sem nenhum tato e crente que estamos fazendo tudo completamente diferente daquelas tais atitudes que mais detestamos.

Pior que não,é aí que entra um outro dito popular“a língua é o chicote do rabo”ou“sempre pagamos a nossa língua”,justamente issooooooo,por que,por quê?
Alguém se habilita?!?

Passamos tanto tempo reparando o que não gostamos,criticando atitudes e comportamentos que acabamos nos tornando cópias fiéis sem que esse seja nosso interesse e que muita vezes nem mesmo nós temos a consciência deste ato.

Mas por incrível que pareça“Quem sai os seus não degenera”e“pagamos por nossa língua”estão brutalmente entrelaçados,como unha e carne,propriamente dito.

Sempre temos um porém,sempre temos uma opção,geralmente sempre temos uma segunda chance na maioria das vezes….

Pensei em um passo a passo,mesmo que esse não simplifique muito as coisas,mas pelo menos fica mais fácil de organizar as ideias e quem sabe assim reconhecer e buscar mudanças pessoais e deixando de vez os ditos de lado como estigmas que alguns se tornam sem que percebamos.

Reconheça,ou passe a se observar em relação àquele comportamento que você mais despreza,observe a situação alheia,como somos testados o tempo inteiro,ao se ver em uma situação similar,observe-se atentamente como será seu comportamento e suas reações,seja meticuloso e notará que se não há resquícios,certamente é a cópia fiel.

Beleza,se conseguir enxergar,“ponto pra você”não tem como fugir,aceita que dói menos,mas trate de se consertar,não alimente,afinal essa não é uma atitude louvável que você gostaria de ser a cópia fidedigna é repulsivo lembra?!?
Mude e mude imediatamente!!!

Quanto mais negamos a nós mesmos,mais enraizamos essas atitudes,logo viram tatoos que não serão removidas nem a lazer,ao contrário será seu defeito como se fosse de fábrica,automaticamente você se torna uma peça defeituosa e carregará consigo um“traço de família”.

Todos temos tantas qualidades,porque sempre nos prendemos aos defeitos e como nos apegamos a eles sem que tenhamos essa visão com clareza,já se perguntou sobre isso?!?

Pois bem,visto isso,faça o seu melhor para reverter a situação,se libertar desse mal,aceite que copiou o pior,mas não aceite que este te acompanhe e liberte-se,faça essa atitude caminhar para bem longe,o mais longe que você possa imaginar,deixa–a livre para que ela encontre um lugar bem longe de você,bem assim!!

Sei bem que é muito mais fácil olhar e falar do outro,porque muitas vezes nós não nos olharmos por dentro,causa um pouquinho de dor,mas não se evite,se enfrente,se confronte,duele contra seus próprios monstros,somente assim você estará liberto de tudo que não aprecia e que possa te”trazer,permitir”o mal estar.

Olhe-se com amor
Compare-se
Busque-se

Muitas vezes podemos estar perdidos dentro de nós mesmos,pelo excesso de confiança,vaidade e arrogância que involuntariamente carregamos na mala invisível junto com às atitudes dos mais próximos que se não usamos igualitariamente,recriamos(se assim é possível dizer)em uma versão moderna e simplificada,cabível para os dias atuais.

Vigie-se!!!
Não seja brecha para o mal.
Nem sempre tudo é tão notório,fique atento aos sinais mais ínfimos,muitas vezes revelarão grandes mistérios e te mostraram muitas vezes jamais vistas a olho nu,devido a uma pequena dose de ignorância relutante que não te permitirá ter a visão clara,clara como a luz do dia.

Por hoje,se permita que o sol ilumine cada parte de seu ser,pois cada um de nós carregamos partes sombrias,remova toda e qualquer partícula de escuridão que possa habitar você,essa é uma mudança pessoal,busque-se,“cada um por si e Deus por todos!”

Que sejamos bem aventurados nessa e em qualquer outra descoberta pessoal.
Desejo boa sorte a todos nós!
Um forte abraço.
ॐ∞

Gostou de“Quem sai os seus não degenera”?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email.Aproveite e leia artigos da autoraLorena Pelais.Veja também nosso parceiroEntre Séries.

Quem sai os seus não degenera
Photo by August de Richelieu onPexels.com

Modernização

Com o avanço tecnológico na área detelecomunicações,existem tantas novidades,tantos meios foram implantados.Modernização

Onde idade não significa absolutamente nada perto destes avanços tecnológicos.

Diante de inúmeras modernidades pessoas tornam-se obsoleta(como se pudesse usar este termo)da noite para o dia.

Idade física,comparada amodernização tecnológica,a vida parece caminhar lentamente,se formos extremistas,parece representar“absolutamente nada”.

Este ano o mundo virtual ganhou força,as Crianças diante de aparelhos eletrônico demostram ter uma maturidade inalcançável.Adolescentes parecem mestres doutorados.Os jovens,estes acompanham o caminhar voraz.

No início,certamente todos tiveram suas dificuldades,mas conseguimos administrar.

Adaptação com louvor,aprimorando incansavelmente diariamente,atendendo as demandas necessárias.
A inclusão se fez real em todas as faixas etárias.

Até o bom velhinho usa do recurso para diminuir a distância,certamente motivado pela sua senhora,rsrs

Modernização

#Noeltáon

Vivemos um tempo de muito intensidade,muitas descobertas aceleradas,estar ON LINE fez necessário,use com moderação,aprecie o presencial que te cerca.

OFFLINE tem suas vantagens,interação familiar,uma boa leitura,cantigas,use aquele jogo de tabuleiro que parece descontinuado,antiquado talvez,me parece uma boa opção.

Velhos hábitos e brincadeiras se perdem aos poucos com a invasão digital,cabe a nós resgata-los.

A tecnologia é necessária,quando possível desconecte-se e aproveite o presencial limitado que hoje temos!!!

Com fé,
Logo,logo,tudo voltará ao“normal”,será que estaremos aptos para realidade presencial?!?