Os Benefícios do Selo Água e a importância dos mananciais

A água mineral natural é o único minério de fonte renovável, todos os outros minérios são exauríveis. Isso porque ela faz parte do ciclo hidrológico, ou seja, é a chuva de alguns anos atrás que percorre as rochas, se enriquecendo dos sais minerais e sendo purificada. Quando a água mineral natural chega aos lençóis é trazida para a superfície como a natureza oferece, sem a necessidade de tratamento. Por isso, a importância dos mananciais.

Segundo Cesar Dib, diretor da Lindoya Verão, há 70 anos a empresa é sustentável e oferece uma água pura e cristalina aos consumidores, enriquecida com os principais sais minerais que o corpo humano necessita. “Isso tem sido possível pelo árduo trabalho e pela constante preocupação em manter a qualidade dos mananciais, preservando as áreas de proteção, que no Brasil temos cerca de 700 fontes de água mineral, maior que o estado de Sergipe”, destaca.

A importância dos mananciais

O código de águas minerais de 1945 se espelha à Europa e à França, garantindo que a água mineral natural do Brasil tem uma alta qualidade e, para manter-se assim, é fundamental a preservação das áreas de proteção permanentes. “Nossa água mineral é uma riqueza para o planeta e garante uma qualidade para a saúde da população”. 

O executivo ainda destaca que as pessoas estão, a cada dia, mais preocupadas com uma alimentação saudável, mas se esquecem de que a hidratação antecede a alimentação, sendo necessário manter primeiramente uma boa ingestão de água de qualidade. 

Levando em conta esses pontos, Dib lembra que em 1º de janeiro deste ano o Governo de São Paulo definiu como sendo obrigatório o uso de Selo Fiscal de Controle e Procedência para toda embalagem de água mineral, natural ou potável de mesa, e adicionada de sais, para galões de 10l e 20l destinado à comercialização em território paulista, mesmo que proveniente de outro estado brasileiro. 

Para Dib, o Selo Água é muito relevante, pois dá várias garantias de que a empresa cumpre com todas as suas obrigações social, ambiental, tributária e está em dia com as licenças da CETESB. Uma grande vantagem é a situação igualitária, tirando a disparidade entre as grandes empresas e as que trabalham na informalidade e possibilitando uma concorrência justa. “Pelo lado do consumidor há a certeza da procedência da água, e o Estado consegue ter um controle maior sobre a fiscalização do setor. Atuar na legalidade e ter transparência traz benefícios para toda a cadeia, seja indústria de base, indústria de transformação, varejo, população e governo.”

Os Benefícios do Selo Água

O selo fiscal em garrafões de 10l e 20l é impresso em papel seguro e afixado no lacre dos vasilhames retornáveis. A Valid, especializada em identificação e rastreabilidade, produz o selo da água com itens de segurança para evitar fraudes, tais como numeração alfanumérica, código de check randômico, impressão fluorescente em fundo invisível reativo a luz ultravioleta, entre outros recursos que impedem a sua reprodução. 

Para finalizar, o executivo reforça que o Selo Água terá um impacto positivo para toda cadeia envolvida, mas que também é importante conscientizar a sociedade sobre a necessidade de preservar as áreas de preservação. “O Brasil conta com uma riqueza ímpar que precisa ser valorizada e protegida, pois a água mineral natural é um produto raríssimo”, finaliza Dib. 

Foto: Divulgação.

Sobre Lindoya Verão

Uma das primeiras águas minerais a ser comercializada no Brasil, a Água Mineral Lindoya Verão tem sua trajetória marcada pelo pioneirismo e pela inovação. Em maio deste ano, a empresa comemora 70 anos de história e, desde sua fundação, em 1951, a marca apoia-se em tradição, origem nobre, inovação, design e qualidade. Seu alto padrão foi comprovado internacionalmente já no final da década de 1960, quando  foi escolhida pela Nasa  por sua altíssima qualidade para ser a água mineral dos astronautas da missão Apollo 11 na conquista da Lua, em 1969.

A fim de garantir a quantidade e a qualidade dos seus sais minerais, a água proveniente das fontes da Lindoya Verão passa por cerca de 1.400 análises laboratoriais internas de qualidade por mês. Por ano, são mais de 16 mil, sem contar as análises realizadas por institutos externos. Toda essa preocupação com a qualidade é atestada por importantes institutos de certificação e controle, como o NSF (National Sanitation Foundation) International e o INMETRO.

Sobre a Valid 

Vivemos na economia da confiança. Nessa economia, a moeda é a identidade, e identificação é o que dá valor a ela. Para a Valid (B³: VLID3 – ON), identificação é reconhecer algo ou alguém como verdadeiro. Estamos no seu RG, nos seus cartões de banco, nas transações que faz pelo celular e em todos esses lugares, usamos tecnologia de ponta. Somos 6,000 colaboradores em 16 países levando em consideração as particularidades culturais e regionais, para entregar soluções personalizadas e integradas. No Brasil somos a maior empresa em emissão de documentos de identificação, no mundo ocupamos a 5ª posição na produção de SIM Cards e estamos entre os 10 maiores fabricantes de cartão do planeta. Identificação é nossa razão de ser. Para saber mais, acesse www.valid.com  

Gostou da nossa matéria “Os Benefícios do Selo Água e a importância dos mananciais“?

Os Benefícios do Selo Água e a importância dos mananciais
A importância dos mananciais. Foto: Divulgação

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias e mais vagas de emprego abertas. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.253 outros assinantes

Programa Águas Brasileiras revitalizará bacias do País

Programa Águas Brasileiras vai revitalizar bacias hidrográficas do País. Para selecionar os interessados em investir na iniciativa, o Ministério do Desenvolvimento Regional publicou o primeiro edital de chamamento público. O objetivo é selecionar projetos que contemplem o uso sustentável dos recursos naturais e a melhoria da disponibilidade de água, em quantidade e qualidade, para usos múltiplos.

Podem participar instituições privadas, com ou sem fins lucrativos. As propostas devem ser voltadas para as bacias hidrográficas São Francisco, Parnaíba, Taquari e Tocantins-Araguaia; e devem contemplar os seguintes eixos temáticos: manejo florestal sustentável; proteção e recuperação de áreas de preservação permanente e de áreas de recarga de aquíferos; implantação de sistemas agroflorestais; contenção de processos erosivos; soluções sustentáveis de saneamento no meio rural e reuso de água no meio urbano; técnicas de engenharia natural para infiltração da água; ações que levem à redução da criticidade hídrica; e economia circular da água.

O Programa Águas Brasileiras do MDR conta com a parceria da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico. O prazo para apresentar as propostas encerra em 11 de fevereiro. 

Em parceria com Brasil 61

Gostou de “Programa Águas Brasileiras revitalizará bacias do País”?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email. Aproveite e leia sobre Desenvolvimento Sustentável.

Programa Águas Brasileiras

Amazônia+21: modelos de desenvolvimento regional sustentável

A programação do evento está prevista para os dias 4, 5 e 6 de novembro e ocorrerá de forma virtual

Com o intuito de estimular a identidade cultural e econômica da região amazônica, o Fórum internacional Amazônia+21 tem como propósito ajudar a criar novos modelos de desenvolvimento regional sustentável. A programação do evento está prevista para os dias 4, 5 e 6 de novembro e ocorrerá de forma virtual. O acesso será gratuito e contará com tradução simultânea para o inglês e espanhol.

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia (FIERO), Marcelo Thomé, explica que Amazônia+21 é um fórum de diálogos que visa promover a comunicação entre os mais variados agentes que atuam no território amazônico, entre eles o governo, o setor produtivo e a sociedade civil organizada.

“Desde o dia 19 de agosto, quando iniciamos essa jornada, já tivemos dois encontros. Tivemos encontros sobre infraestrutura, regularização fundiária e agricultura na Amazônia. Sobre cidades amazônicas e, ainda, cultura e agricultura, como preparação para o evento principal, em novembro”, destaca o presidente da FIERO.  

O evento deve contar com a participação de cientistas, pesquisadores, especialistas, empresários, empreendedores, investidores, órgãos de fomento, governantes e chefes de Estado. Além da FIERO, o Amazônia+21 é promovido com o apoio da Prefeitura de Porto Velho, através da ADPVH, com correalização da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e Instituto Euvaldo Lodi (IEL).

Para ter acesso aos debates, os interessados devem se inscrever aqui. O acesso por este canal é importante, principalmente para quem não tem domínio da língua inglesa ou espanhola, já que a tradução simultânea só será disponibilizada por esta plataforma e alguns convidados não falam português.

Eventos anteriores

Antes da realização do Fórum internacional Amazônia+21, outros eventos importantes foram realizados. Em um deles, no último dia 14, foi debatido o assunto vida nas cidades amazônicas e oportunidades de negócios sustentáveis.  Para o aprofundamento do tema, foi necessária a divisão em dois diálogos.

O primeiro apresentou a temática “Cidades e Desenvolvimento Sustentável”, com informações repassadas pelo gerente de Relações Institucionais do Iclei América do Sul, Rodrigo Corradi. A prefeita de Boa Vista, Teresa Surita, chegou a apresentar um projeto de sustentabilidade de energia por meio de investimentos em energia fotovoltaica.

“Nossa capital é a única que não é interligada ao sistema nacional de energia elétrica. E preocupados com poluição, focamos no investimento em placas solares, pois a região nos permite”, afirmou.

O projeto piloto foi desenvolvido na comunidade indígena Darora, que conta com cerca de famílias. Com o sucesso da experiência, outras cinco usinas solares foram construídas e atendem diversos órgãos públicos, como a prefeitura, secretarias municipais, mercado municipal e pontos de ônibus climatizados.

“Até o final do ano entregaremos mais uma usina, que, somada às já concluídas, representará uma economia de R$ 5 milhões/ano, a preservação de 245.629 árvores, abastecimento de mais de 9 mil residências e diminuição de 7,5 milhões em emissão de gás carbono”, salientou Teresa Surita.

Na avaliação do diretor regional da ONU-Habitat para América Latina e Caribe, Elkin Velásquez, atualmente há uma necessidade de progresso na agenda da sustentabilidade. Segundo ele, incluir a região no chamado bloco da panamazônia é um meio de chamar a atenção dos governos para a importância da sustentabilidade e do desenvolvimento.

Fonte: Brasil 61