Economia Circular – faça parte do movimento

Hoje faço um convite para você que está lendo esse artigo (Economia Circular) e consequentemente, como um multiplicador de melhores práticas, para as pessoas de sua convivência:

‘Vamos inventar um mundo sem lixo?’. Eu faço parte desse Movimento, meus alunos e minha escola como um todo. O Movimento Circular é um movimento criado pela Atina Educação, do biólogo Átila Iamarino e parceiros. Tem o slogan acima, promovendo formação, desafios para escolas e para nós, cidadãos, presentando um site com conteúdo atual e extremamente didático sobre Economia Circular. Além disso, da tendência mundial a substituir a Economia Linear, em prol da proteção dos recursos naturais, sustentabilidade dos processos de extração e produção e novas formas de convivência entre os cidadãos e para com os produtos, além de revisão da forma que consumimos desenfreadamente.

A Economia Circular está totalmente alinhada com documentos internacionais, como os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, em que as metas podem ser atingidas, seguindo princípios e diretrizes da mesma.

Nos próximos artigos, estarei falando mais sobre como podemos nos inteirar e ser parte do Movimento Circular!

Por enquanto, segue o site: https://www.movimentocircular.io/, para vocês explorarem e entenderem um pouco mais do assunto.
Carolina Estéfano
Mestra em Ciências – ênfase em Análise Ambiental Integrada
(UNIFESP SP)
Bióloga e Gestora Ambiental

Jovens de SP têm oportunidade de participar da interlocução

Conselho Estadual da Juventude prorrogou até 16 de outubro inscrições para eleição; cidadãos de 18 a 29 anos podem se candidatar

A Subsecretaria Estadual da Juventude, vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional (SDR), abriu pela primeira vez as inscrições para a eleição de representantes da sociedade civil que integrarão o Conselho Estadual da Juventude. Jovens de 18 a 29 anos podem se candidatar. O prazo para se inscrever será prorrogado até 16 de outubro.

O Conselho contará com 24 representantes, sendo 12 de Secretarias Estaduais e 12 da sociedade civil. A iniciativa pretende incentivar a participação da juventude paulista na construção de políticas públicas para a faixa etária.

O Governo de São Paulo entende que o jovem não precisa apenas de esporte, mas também de cultura, saúde e segurança pública. Pelas próprias característica da SDR, de interlocução intersetorial com as demais pastas estaduais, o órgão facilitará as políticas públicas em todos os âmbitos.

Coordenadorias

Outro foco desde a transferência da Subsecretaria para a SDR tem sido a intensificação junto aos municípios para a criação de Coordenadorias e Conselhos Municipais. Menos de 5% dos 645 municípios dispõem de conselhos específicos, ou estão inseridos dentro de áreas relacionadas a assistência social ou esporte.

“O Conselho Estadual da Juventude é um instrumento importante na interlocução entre o governo e a sociedade civil, garantindo maior equilíbrio e qualidade das políticas públicas para a juventude de SP”, afirmou o secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi.

Criado pelo artigo 1º do Decreto nº 25.588 de 28 de julho de 1986 e regido pelo Decreto nº 42.487 de 10 de novembro de 1997, o Conselho Estadual da Juventude foi reativado a partir da Lei nº 16.779 de 22 de junho de 2018, estabelecida pelo projeto de Lei nº 205, de 2017, de autoria do então deputado estadual Marco Vinholi.

“Com a eleição e criação do conselho, reafirmamos nosso compromisso com uma gestão que dialoga com todos”, afirma o subsecretário da Juventude, Luiz Oliveira.

Público jovem

A função principal do Conselho é propor e consolidar as ações que estão sendo desenvolvidas em todas as Secretarias Estaduais que atendem o público jovem de 15 a 29 anos.

Os jovens Conselheiros atuarão no desenvolvimento de estudos, debates e pesquisas sobre a juventude; conscientização dos setores da comunidade para a realidade da juventude, suas necessidades e potencialidades; promoverão campanhas de conscientização e programas educativos, particularmente junto a instituições de ensino e pesquisa, empresas, veículos e comunicação e outras entidades sobre as potencialidades, necessidades, direitos e deveres dos jovens; apoiarão realizações e instituições nacionais ou internacionais, além de opinar e votar nas mais diversas propostas de políticas públicas.

As funções de membro do Conselho não serão remuneradas, porém, são consideradas como de serviço público relevante. A eleição para o Conselho reforça a importância que a juventude tem dado as questões políticas. De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), somente em 2020, cerca de 46 mil jovens de 18 a 29 anos são candidatos a um cargo público em todo o país, nas próximas eleições. O estado de São Paulo corresponde a 13,6% deste total.

A pesquisa Datafolha realizada em agosto de 2018 apontou que jovens são o grupo com maior interesse em atuar na política, disputando eleições. Entre os 2.086 entrevistados em 129 cidades brasileiras, jovens entre 16 e 25 anos são o grupo com maior interesse em participar da política, entre os entrevistados, 29% responderam ter interesse. O levantamento ainda revela que quanto maior a idade, a disposição para atuar nesse segmento diminui.

Agenda 21 Brasileira – planejar de forma participativa

A Agenda 21 Brasileira é um documento construído de forma participativa, após muitas discussões públicas, na época da Rio 92 (evento mundial, sediado no estado do Rio de Janeiro), que embasou e continua sendo aliado em ações de planejamento e programas, planos e projetos socioambientais governamentais e da sociedade civil organizada, com uma visão holística de Desenvolvimento Sustentável, ou com o termo atualizado: Sustentabilidade.

O compromisso assumido pelo Brasil incluiu a elaboração de uma Agenda 21 própria, com base na Agenda 21 global, para atendimento das especificidades, entre elas, a maior biodiversidade do planeta. Uma agenda é um caderno em branco, no qual anotamos nossos afazeres cotidianos e estipulamos prazos, estratégias, outras pessoas envolvidas, enfim. Esse documento também funciona assim e, vamos conhecê-lo um pouco em detalhes a seguir.

Em suas visões de futuro possível, nos interessa aquele pautado na Sustentabilidade, em que suas diretrizes ‘social, ambiental, econômica, cultura, geográfica, institucional e educacional’ sejam orientadoras de melhorias e soluções viáveis que permitam maior qualidade de vida e bem-estar à todos, inclusive aos outros seres, além do ser humano.

As ações prioritárias definidas na Agenda 21 brasileira (fonte: Ministério do Meio Ambiente) e que necessitamos incorporar em nosso dia-a-dia são:

1. A economia da poupança na sociedade do conhecimento – produção e consumo responsáveis; responsabilidade socioambiental das empresas; integração regional e retomada de planejamento estratégico com infraestrutura; energia renovável; conhecimento;

2. Inclusão social para uma sociedade solidária – educação permanente para o trabalho e a vida; promover a saúde e evitar a doenças; inclusão social e distribuição de renda; proteção às mulheres, negros e jovens; universalizar o saneamento básico com foco na proteção à saúde e ao ambiente;

3. Estratégia para a sustentabilidade urbana e rural – gestão do espaço; promoção da agricultura sustentável; promover o desenvolvimento integrado e sustentável; transporte coletivo e mobilidade sustentáveis;

4. Recursos naturais estratégicos: água, biodiversidade e florestas – preservar a quantidade e melhorar a qualidade da água; controle do desmatamento e corredores de biodiversidade; proteção e uso da biodiversidade; ecossistemas ameaçados, como a Mata Atlântica, Cerrado e Amazônia;

5. Governança e ética para a promoção da sustentabilidade – parcerias e poder local; gestão ambiental e instrumentos econômicos; relações internacionais e governança global; cultura cívica e novas identidades; meios de comunicação; ética e solidariedade. Fica a dica para que você leia atentamente o exposto acima e reflita quais ações e de que forma você pode incorporá-las em sua vida pessoal e profissional, estipulando prazos e parceiros, promovendo uma Agenda 21 Local, pois todos nós somos parte fundamental desse quebra-cabeças que é a convivência entre todos e nossa sobrevivência, seja na nossa casa, rua, bairro e cidade.

Leia mais sobre Pílulas de Sustentáveis

Carolina Estéfano

Fórum sobre saneamento debate oportunidades e desafios ligados ao meio ambiente

Especialistas do setor apresentaram ideias, soluções inovadoras de infraestrutura e qualidade de vida para os brasileiros

O secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado, Marcos Penido, participou virtualmente nesta segunda-feira (14) do Fórum “Saneamento: Desafios e oportunidades para um novo setor”. O evento organizado pelas empresas Híria, LMDM e o jornal O Estado de S. Paulo recebeu patrocínio da Sabesp e da Iguá Saneamento.

O fórum online recebeu 30 palestrantes e debatedores, que apresentaram ideias e soluções inovadoras de infraestrutura que impactam diretamente na qualidade de vida dos brasileiros. Com a iminência da aprovação do novo marco regulatório do setor, o evento visou ao debate e à exposição de medidas e ideias efetivas que transformarão todo o setor.

“Acreditamos que, resolvidas às dúvidas em relação a segurança regulatória para investimentos e a melhora da qualidade dos projetos e contratos, os índices de cobertura e atendimento do setor garantirão saúde para toda a população”, disse Penido.

Painel

Também participaram da iniciativa o secretário de Parcerias do Rio Grande do Sul, Bruno Vanuzzi, a superintendente de Parcerias e Concessões do Estado do Piauí (SUPARC), Viviane Moura, e o professor da Fundação Getulio Vargas Daniel Barcelos Vargas.

O secretário Marcos Penido participou do painel sobre “O novo Saneamento Brasileiro – A visão e os planos de Governadores e Prefeitos para incentivar e liderar o desenvolvimento do setor: o desafio de atrair investimentos necessários para universalizar os serviços”.

O setor de saneamento básico se movimenta rapidamente para apresentar soluções efetivas que proporcionem uma melhor qualidade de vida dos cidadãos. A proposta do novo marco tem como objetivos a universalização do saneamento (prevendo coleta de esgoto para 90% da população) e o fornecimento de água potável para 99% da população até o fim de 2033.

Sociedade Cultural Ítalo-Brasileira de Santo André faz 120 anos

No próximo dia 20 de setembro, a Sociedade Cultural Ítalo-Brasileira de Santo André completará 120 anos, um período marcado por muitas histórias e recordações que tiveram início como Società Italiana di Mutuo Soccorso Savoia, em 1900. Coincidentemente, 20 de setembro foi a data da reunificação da Itália, no ano de 1870 e protagonizada por Giuseppe Garibaldi, Giuseppe Mazzini e a casa dos Savoia, cujo reinado só foi interrompido com a proclamação da República em 1946.

Em 1939, durante a Segunda Guerra Mundial, o nome Itália teve que ser suprimido e passou a denominar-se Società di Mutuo Soccorso di Santo André, suprimindo-se também o nome Savoia. Em 1950 passou a se chamar Sociedade Beneficente e Recreativa Santo André e, finalmente em setembro de 1962, Sociedade Cultural Ítalo-Brasileira de Santo André.

A sociedade surgiu da necessidade de amparo ao imigrante italiano da região do Grande ABC que, assim como os demais cidadãos, não encontravam nos poderes públicos qualquer tipo de assistência e nessa época, a região passava a se desenvolver de maneira rápida com a colaboração dos imigrantes que para cá vieram, mas enfrentando muitas dificuldades.

Influenciados pelas fundações de sociedades de mútuo socorro, tanto em São Bernardo do Campo como em São Caetano do Sul, surgiu a sociedade da qual Giuseppe Nasossi foi um grande entusiasta. “Obviamente muitos outros participaram dessa iniciativa e tiveram influência, não só na história da nossa sociedade como na história de Santo André, que na época vinha se despontando como um polo industrial e econômico importante dentro do Estado de São Paulo”, destaca o presidente Wilson Roberto Davanzo.

Hoje, com 190 sócios ativos, a entidade tem como objetivo congregar sócios que participam de atividades culturais e eventos ligados à tradição italiana, como a comemoração da República Italiana, Dia do Imigrante Italiano e outras que lembram costumes e hábitos de seus ancestrais, tanto na cultura, culinária como na arte. Afinal, o Brasil tem a maior população de descendentes italianos fora da Itália, algo em torno de 30 milhões. Existe, ainda, uma cidade irmã na Itália – Sesto de San Giovanni – localizada na Lombardia, firmada através de um acordo de Gemellaggio, em 1997.

“Nossas instalações, localizadas na Rua Airó, 69 – Vila Gilda, em Santo André, propiciam local adequado para eventos, com amplo salão para festas, auditório confortável e equipado, além de um amplo estacionamento. Temos ainda a parceria com uma tradicional escola de língua italiana, que apesar de independente, é nossa grande parceira. Outro tesouro da Sociedade Cultural Ítalo-Brasileira de Santo André é o seu Coral, que há 20 anos integra o patrimônio cultural de nossa entidade, sendo reconhecido e respeitado como um dos melhores do Estado”, acrescenta Davanzo.

Toda essa tradição é mantida por meio de trabalho de toda uma diretoria que se empenha de maneira intensa para manter viva uma sociedade centenária, respeitada e ciente do seu papel dentro da história da região do Grande ABC e na manutenção da tradição dos seus ancestrais italianos.

Fonte: MP & Rossi