O impacto da pandemia no mercado imobiliário na região do Grande ABC

As vendas e locações de apartamentos baratos em Santo André não se abateram frente à pandemia, como impacto desta no mercado imobiliário.

Esta revelação foi feita por uma pesquisa realizada pela primeira vez pelo Conselho Regional de Imóveis do Estado de São Paulo. O objetivo do estudo foi revelar o atual cenário de locações e vendas na região do Grande ABC.

Ao todo, os técnicos do Conselho Regional de Imóveis consultaram 94 corretoras imobiliárias que estão instaladas em Santo André e em outras cinco cidades paulistas da região.

São elas Mauá, Diadema, São Caetano do Sul, São Bernardo do Campo e Ribeirão Pires.

Na análise feita não só em Santo André como em todas essas localidades, as zonas mais afastadas do centro urbano destas cidades acabaram sendo as mais beneficiadas.

Estas regiões de “periferia” ou do “subúrbio”, como também costumam ser conhecidas, foram as que mais apresentaram vendas de casas e apartamentos baratos em Santo André.

Conheça todos nossos canais (Whatsapp, Telegram, Facebook, Buscador): https://jornalgrandeabc.com/redes-sociais

Na zona do Grande ABC, 50% dos negócios fechados ocorreram nestas áreas em outubro de 2021.

As regiões nobres, por outro lado, acabaram ficando com uma porcentagem de 27,08% nas vendas e locações, sendo que as regiões centrais ficaram com 22,92% do total.

A recordar que a região do Grande ABC, além das seis cidades citadas, abrange ainda a cidade de Rio Grande da Serra – não incluída na pesquisa.

Analisando o caso específico de Santo André nas vendas – O impacto da pandemia no mercado imobiliário

Agora vamos analisar de maneira específica as vendas e aluguéis de casas e aptos baratos em Santo André.

Ainda de acordo com a pesquisa do Conselho Regional de Imóveis do Estado de São Paulo, nas vendas, houve certos tipos de imóveis que fizeram mais sucesso que outros na cidade.

Em relação às propriedades do tipo casas, as campeãs foram as que tinham três quartos, duas vagas de garagem e ainda uma área útil entre 100 a 200 m² , em média.

No caso das habitações do tipo apartamentos, os mais vendidos foram os que tinham dois quartos, uma vaga de garagem e área útil de 50 a 100 m² , em média.

Analisando o caso específico de Santo André nas locações

Há um motivo pelo qual estamos a destacar as casas e apês baratos em Santo André e não nas outras cidades também envolvidas na pesquisa.

O que ocorre é que, de fato, Santo André se destacou muito neste estudo feito pelo Conselho Regional de Imóveis do Estado de São Paulo.

Foi, na verdade, a cidade que chamou a atenção não só nas vendas, como foi ainda a que mais se destacou no que diz respeito às locações realizadas em outubro de 2021.

Os inquilinos novos de Santo André revelaram às corretoras imobiliárias consultadas pelos técnicos que conduziram a pesquisa alguns dados interessantes.

Na cidade, as preferências de imóveis para alugar estão divididas. Enquanto que 89,19% das pessoas que alugaram imóveis escolheram casas, 10,81% escolheram apartamentos.

Tudo bem que, se formos analisar de forma mais geral e sem pensar muito nos números, as casas foram mesmo uma escolha imbatível.

Contudo, é interessante e melhor dizer que as preferências estão “divididas”. Porque, mesmo que tenham sido poucos, os apartamentos alugados também fizeram a diferença nos negócios firmados pelas imobiliárias do Grande ABC quanto à locação de imóveis.


Em relação aos valores, a pesquisa também chegou a uma faixa de valor buscada pela maioria dos locadores de casas e aps baratos em Santo André e no Grande ABC como um todo.

De acordo com o estudo, pessoas que buscam imóveis para alugar (54,55% do mercado, para ser mais específico) costumam estar buscando imóveis de, no máximo, até R$1.250,00.

Quanto às casas mais alugadas, a pesquisa revelou que foram as de dois quartos, sem vaga de garagem e uma área útil de, em média, 50 m².

Quanto aos apartamentos, a escolha predileta foi por locações de acomodações com dois quartos, uma vaga de estacionamento e uma área útil de também, em média, 50 m².

A pandemia e sua influência no mercado imobiliário do Grande ABC – O impacto da pandemia no mercado imobiliário

O Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo, na pessoa do seu presidente, José Augusto Viana Neto, comentou a pesquisa.

De acordo com Viana Neto, a região do Grande ABC está a apresentar um aquecimento constante no mercado de imóveis nos últimos anos.

E, segundo o que explica o presidente da autarquia federal, foi exatamente a pandemia que ajudou a aquecer o setor.

O motivo? O crescimento do trabalho à distância, ou home office, como muitos também gostam de chamar.

Cada vez mais pessoas têm tido a chance de trabalhar em casa, e algumas até sem perspectiva de retorno ao trabalho presencial, como os trabalhadores da área de TI.

Com isso, ao longo dos últimos dois anos de pandemia, naturalmente aumentou a busca por parte dessas pessoas por imóveis que possibilitem um trabalho remoto mais confortável.

E, de acordo com o presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo, essa tendência do home office parece mesmo ter vindo para ficar.

“O trabalho em casa melhorou o ganho de tempo e a produtividade das pessoas, pois agora as pessoas podem realizar reuniões à distância sem a necessidade de deslocamento e perda de tempo no trânsito”, afirmou José Augusto Viana Neto.

Seguindo a explicação dada pelo presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo, outro fator a destacar são as taxas de juros na pandemia.

As mesmas acabaram se tornando muito convidativas, o que acabou por igualmente aquecer o setor das vendas de imóveis.

Como você pode ver, então, a pandemia, diferente do que muitas pessoas poderiam pensar ou prever, não foi tão negativa – pelo menos para o setor de imóveis no Grande ABC.

Conheça nossa parceria com o Meu Emprego Novo, com mais informações sobre empresas contratando.

Tudo bem que muitas pessoas faleceram, e é necessário ainda se cuidar muito por causa das variantes que continuam a surgir do novo coronavírus.

Todavia, não deixa de ser um alívio para a economia saber que, mesmo em meio a uma crise sanitária tão grande como a da Covid-19, alguns setores econômicos ainda sobrevivem.

Para o futuro, apartamentos baratos em Santo André e na região do Grande ABC continuarão com a procura alta – bom para donos de imóveis e quem busca imóveis nesse momento.

Veja Vagas no Grande ABC

Gostou do artigo? Então segue a gente nas redes sociais para mais conteúdos muito interessantes!

santo andre
Foto: Ramon Silva Lopes /Wikipedia

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email assim que estiverem online em nosso site. Aproveite e leia sobre Carreiras e Trabalho, com os ensinamentos de Rogério de Caro. Veja também as Últimas Notícias. Conheça nosso site para o Rio de Janeiro, o Jornal Grande Rio.

Junte-se a 5.924 outros assinantes