Uma sociedade com menos medo

Capítulo 4 (Uma sociedade com menos medo) de O Medo Humano. Leia desde o Capítulo 1

Jamais teremos uma sociedade humana melhor que a civilização ocidental. Uma união improvável de uma moralidade sublime e inalcançável, decorrente de uma pequena sociedade do oriente médio, mais um sistema jurídico racional, decorrente de um império em decadência, e uma filosofia da busca da verdade absoluta, gerada por alguns radicais que viveram em desconformidade com a sociedade deles, sendo que o pioneiro desta filosofia precisou morrer envenenado para cumprir com autoridade o que pregava. Essa união improvável criou arte com características quase eternas, um sistema de auxílio aos mais pobres jamais alcançado pelo mais bondoso dos governantes, a sensação de pertencimento ao grupo mantendo a total responsabilidade individual pelos atos humanos.

Essa sociedade evoluída prova-se justamente por não só aceitar, mas receber maduramente as críticas ao próprio sistema, coisa que não se vê nos sistemas socialistas e islâmicos atuais. A crítica, nesses sistemas, normalmente é recompensada com a morte. A civilização ocidental prova-se mais madura que qualquer outra justamente por aceitar críticas. No entanto, essa mesma sociedade padece por não ter defensores corajosos. O medo dos defensores transforma-os em fantoches de si mesmos, alimentados pela sensação de esperança vazia, como se magicamente tudo fosse melhorar. Não vai melhorar. Só vai piorar.

menos medo

Uma pequena melhora pontual é possível mediante uma luta terrível, custosa, sangrenta e dura. Para se construir algo, é muito mais difícil que destruir. Veja-se a Escola de Frankfurt, que prega a destruição de tudo o que há. Destruição por destruição. É o ser humano agir como o Diabo. Às vezes, creio que até o Diabo tenha inveja de alguns seres humanos, que se empenham em destruir os outros com mais força que os demônios.

Melhoras pontuais são realizadas com esforço e dor. Com gasto de dinheiro, com lágrimas, com sangue. Cada melhora deve ser comemorada, para que o entorno (principalmente seus filhos) entendam a necessidade de celebrar o que é bom. Não é à
toa que as maiores festas da civilização ocidental são o Natal e a Páscoa. O nascimento
do homem perfeito e a morte substitutiva do mesmo.

Um início de melhora é feito, primeiramente, com a noção do que é bom, e posteriormente, com a alocação da coragem necessária para tal ato. Ter noção do que é bom já é, por si mesmo, tarefa complexa. É necessário entender-se, com raciocínio e sentimentos, o que é bom para todos. O governo dar coisas para todos é ruim, já que isso virá do trabalho de alguém, retirado na marra por meio de impostos. Liberdade para cada um procurar o trabalho que lhe apetece é bom, já que cria a sensação de responsabilidade individual. Pesando-se as consequências dos atos imaginados (e vendo a história, é claro), percebe-se o que é bom e o que é mau. Mas não devo pensar que é fácil distinguir.

Existem atos que parecem bons, e outros que parecem maus. É justamente a experiência própria, e a análise da experiência de outrem, que mostra quais atos específicos são bons e quais são maus. Difícil, mas não impossível. Podemos chegar ao
ponto de criar verdadeiros fluxogramas mentais para se imaginar a consequência de cada ato, para se entender se o ato é bom ou mau. Isso nos mostra que o ato deve ser bom em cada fase, para que se termine bom. Se, em algum momento, ele se tornar mau, corromperá tudo o mais após ele. Cada acontecimento posterior já está envenenado, e deve ser extirpado o quanto antes.

O segundo elemento, a coragem, é erroneamente entendida. Pensa-se na coragem de uma briga, na qual nenhum dos contendores foge. Embora possa haver bastante coragem nesse ato, não é aí que a mesma reside como em sua própria casa. Ela reside
no coração de quem faz o que quer fazer e mantém o ato até o final, crendo ser o melhor. Se a coragem reside ali, é ali que a bondade deve residir junto. Bondade sem coragem é omissão pesarosa, coragem sem bondade é força cooptada para o mal.

Boa parte dos atos humanos são direcionados pelo medo. O que se viu na quarentena foi justamente as redes de televisão incutindo medo diuturnamente com o vírus chinês, para muitos fins. Para manter a audiência alta, é um destes fins, já que a internet roubou a audiência de muitos. Aí aparece um novo medo: o medo da liberdade.

No Brasil a grande mídia (ou velha mídia, de acordo com aquele que opina) tem medo da liberdade de escolha do consumidor. Tamanho é esse medo que a mídia usa o medo para dominar. Como o ser humano naturalmente dá ouvidos a notícias ruins, pois alerta o senso de autopreservação, é mais fácil dar audiência para as mesmas notícias ruins, ao invés das boas. Criando-se noticiários frequentes para apavorar as pessoas (o que gerou recorde de suicídios e doenças mentais), instilou-se mais medo, que forçou as pessoas a assistir mais noticiários ainda. Tamanho foi o estrago que somente poderemos ter noção disso daqui a uns anos.

CONTINUA …

Por Marcio Pinheiro

Todo dia um novo capítulo em nosso Caderno Cultural. Portanto, assine a Newsletter para ser notificado sobre os próximos lançamentos.