Propósito Livro Caixinha

Propósito Livro Caixinha – 100 perguntas para pensar em planos e destino

Autoria de Julia Duarte

Sinopse: “Tenha certeza de que você escolhe a vida que vive e não apenas se
acomodou com a vida que leva.”

Essa provocação é, na verdade, uma oportunidade para você mergulhar em
seu universo pessoal e profissional. Este livro-caixinha® vai mostrar que o que
deixa você curioso pelo que está acontecendo ou vai acontecer não é aleatório,
está conectado ao seu propósito Você só vai largar essas perguntas para
respirar, refletir e, finalmente, cumprir o seu destino.

Serviço:
Editora Matrix: Veja no link https://matrixeditora.com.br/produtos/proposito/
Amazon: Veja no link https://amzn.to/31VrSMc

Propósito Livro Caixinha

Gostou de “Propósito Livro Caixinha?

Então, aproveite e assine nossa newsletter e seja noticiado assim que publicarmos novas matérias! Ah, leia mais em nosso Caderno Cultural. Confira nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 674 outros assinantes

Amor…

Amor… é uma troca de interesse egoísta?!?

É cada coisa que aparece.
Saber que vivemos em um mundo caótico, que temos nossas próprias dificuldades internas e o mundo nos “entuba” uma série de desventuras

Eu te pergunto, porquê e pra que questionar o Amor?!?

Descabido?!?
Não sei.
Dúvida é uma opção humana natural
Mas associar o amor ao egoísmo e troca de interesse, sinceramente acho que é um tanto demais.

Um sentimento sublime, excelsa da natureza e sua criação.

1 Coríntios 13. Paulo fala da excelência da caridade — A caridade, um amor puro, excede e supera quase todas as outras coisas. … 3 E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse caridade, nada disso me aproveitaria.

amor
Photo by Orlando Allo on Pexels.com

Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.

Noto que não só porque não o sentimos verdadeiramente, creio que não somos capazes de julgar.

Julgo por mim mesma, jurava ter amado alguém, até o nascimento das minhas crias, e olha que fui avisada que quando os filhos nascem sentimos algo crescer no peito de forma inexplicável, não considerava possível, as retas finais das gestações são variadas e incômodas , verdade seja dita, o processo é legal e tal, tem o lance da curiosidade de conhecer quem te habita mas sentimentos inexplicáveis, como seria isso?!?

Eu pensava medo, é provável, sou inexperiente e tal, novidade, mudanças, alterações de rotinas, choro, alimentação, putz só via os contras.

Óbvio, eu desconhecia o momento da chegada, o choro é sinal de vida e saúde, alimentação ato de amor natural, sem sacrifício, “incômodo” por ser algo novo, parece ser desconfortável, não dura tanto, logo passa a ser prazeroso, gratificante e lindo, momento de intimidade plena e início de laços finitos.

Questionar o amor entre pessoas é realmente necessário?!?

Não vejo serventia alguma….
Quantas vezes sentimos uma imensa vontade de sorrir feitos bocós, que somos invadido por uma alegria sem fundamento, que nos sentimentos felizes tudo junto e misturado ao mesmo tempo.

Uauuuuu, isso não seria Amor?!?
Ver beleza na simplicidade, ser invadida por bons sentimentos, receber e ofertar sorrisos espontâneos, se alegrar em ver a alegria alheia, ter a bondade correndo em suas entranhas inundando a mente e vivenciando momentos de paz.

Isso é Amor?!?
Crer no inesperado
Sentir o impalpável
Não encontrar palavras, figuras, nada para decifrar o quanto tão bem se sente, ainda sim não seria amor.

Inefável é o Amor, egoísta pode ser, por ser imensurável suas formas e ausência de explicações para singelos atos que transformam o ser e a experiência humana dia após dia .

Ame involuntariamente, compulsivamente, descontroladamente, sinta os extremos, se jogue de corpo e alma, amor próprio, amor ao próximo, ame simplesmente por amar, pelo bem que o amor te faz sentir-se com você mesma.

Ou se preferir uma experiência sem solo, “Nunca Ame Ninguém!”

Lorena Pelais ❤️ ॐ∞

Gostou de do novo artigo da autora?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu emai. Aproveite, leia mais artigos da autora Lorena Pelais. Veja também nosso parceiro Entre Séries.

Junte-se a 674 outros assinantes

Romances

Lorena Pelais é autora de “Romances”

Usado muito por jovens, quem nunca ouviu a seguinte frase:
“- Um lance é um lance e não um romance!”
Hahaha, do nada me surgiu essa frase na mente, pensei bem ….
Revirei minhas lembranças e constatei: por mais “dura” que uma pessoa aparente ser, em seu íntimo existe o desejo de amar, se apaixonar verdadeiramente por alguém.

Essas experiências afetivas são excelentes, no início são belas como uma linda rosa , mas contêm espinhos que podem perfurar a alma.

Por que o amor é tão bom, mas sempre nos faz chorar?!?

Sentimentos….
O coração é um órgão vital, mas ele tem suas tramas e põe a mente em segundo plano em fração de segundos.

close up of couple holding hands
Romances … foto de Pixabay, no Pexels.com

Como é bom se render a um sentimento que te embala de alegria e prazer levando o êxtase por dias e noites, uma sensação interminável que te envolve levando sua mente a lugares desconhecidos por alguns segundos ….

Putz, aí está o grande lance, geralmente a ausência de palavras é bem comuns, o desejo berra desesperadamente e palavras se tornam apenas um detalhe como outro qualquer.

Muitas vezes nada fica claro, não se sabe se é um lance ou se trata de um romance, mas pra que pensar nisso? Afinal o coração está 100% ativo e a mente momentaneamente de férias por assim dizer, definir é apenas um título , ou quem sabe estabelecer regras na maioria das vezes é melhor serem desconhecidas devido experiências anteriores, apreciar os momentos de intensidade faz muito mais sentindo do que “preocupar-se” com detalhes, que seja bom enquanto dure.

O que muitas vezes não levamos em consideração é que um lance pode virar um romance e o romance avançar para relações duradouras sem aviso prévio nenhum e mantido na mesma falta de diálogo inicial, o tempo passa, a companhia é boa, os momentos divididos são bem interessantes e afinal compromissos são planejáveis.

Não que de fato seja bem assim que aconteça, mas de uma maneira ou de outra este suposto início é um início dentro de muitos outros com enredos similares.

Mas o que ninguém assume para si mesmo a imensa vontade e o “inalcançável” desejo de ter alguém, soa como uma besteira ou uma bobagem, pensamento voltado a mulheres pela natureza romântica que nos é “entubada” por meio de conto de fadas, história que nos antecedem e por aí vai…

O lance é que tanto homens como mulheres têm o mesmo pensamento em relação a sentimentos, uns interiorizam outros exteriorizam para ambos os sexos.

man and woman staring at each other
Romances … foto de cottonbro, no Pexels.com

Àquela sensação de início é tão cativante e envolvente que logo pensamos, será ótimo passar o resto da minha vida ao lado desta pessoa, imagine todos os nossos dia assim ….
Parece um sonho!!!

Sonho meu, sonho seu, uma grande ilusão, o que não sabemos é que em algum momento a cabeça volta à ação e o coração sai de férias sem explicação é justamente quando nos deparamos com os defeitos, os maus hábitos e somos inundados por uma suposta “frustração” ou com o pensamento de “onde amarrei minha cabra”, “onde eu estava com a cabeça que não vi isso!!” entre outros questionamentos que surgem ao avançar do tempo de convivência.

Ninguém se apresenta com uma carta de recomendação, registrado sua última experiência, suas tendências, seus costumes, sua cultura e crenças, não se trata de uma entrevista de emprego, é sobre duas pessoas que enfatizaram suas afinidades, preferências e “amaram” o tempo que estiveram juntos falando sobre assuntos aleatório, sem fundamento muitas vezes que se permitiram trocar uma ideia e que de repente surgiu uma faísca capaz de causar um grande incêndio.

“O gramado do vizinho sempre é mais bonito” , todas as relações quando vista de fora são muito mais atraentes do que verdadeiramente se apresentam no interior de uma casa com as portas fechadas.
Uma bela fachada pode ser construída, bons recursos implantados, alta tecnologia, reparos que aumentem o bem estar, autoestima , fisicamente a última geração de todos os recursos disponíveis dentro do alcance financeiro, um esteriótipo perfeito, “harmonia”, beleza, fotos de comercial de margarina, pessoas felizes, problemas só os matemáticos.

Aí que está a desilusão humana….
A nossa fragilidade de reconhecer, assumir e identificar nossos próprios sentimentos podem se confundir com quem está ao seu lado, já pensou nisso? Estilo ” eu me agarrava a ela por que eu não tinha mais ninguém!!”

Às vezes, rola uma transferência de sentimento, uma preocupação excessiva, porque afinal queremos bem quem está ao nosso lado como companheiro (a), queremos o bem de nossos amigos e familiares, automaticamente queremos o melhor para quem está conosco dia a dia, assim como nosso bem pessoal, engraçado como “bem pessoal” soa como uma vontade de querer estar bem, mas que pode ser “visto” como “bem material” aguçando um sentimento de posse involuntário e é justamente nesse momento que perdemos as rédeas de toda a situação e surgem as pequenas desavenças infundadas e intermináveis sem motivos aparentes para um, mas fundamentado o bastante na mente do outro que o faz.

Não que seja necessário um acordo para iniciar uma relação, não que haja perguntas estratégicas como se fosse necessário e impressindivel traçar o perfil psicológico a cada encontro, não que seja um talk show com perguntas e respostas rápidas , seria tudo muito mecanizado.

Romances
Romances … Foto de Flora Westbrook, no Pexels.com

Mas que as relações fossem mais estreitas e que pudéssemos estar com 50% do coração e da mente juntas em todo o tempo, para não sermos emotivos demais nem racionais excessivos ou de menos, que tenhamos a balança entre a razão e a emoção , com empatia, lucidez, compaixão e paciência, um tônico perfeito para lidar com nós mesmos e com o nosso par nas atitudes mais bizarras sem que saísse do ponto zero ao extremo instantemente e irredutíveis fora da escala e com ouvidos bem abertos para ouvir o outro e a nós mesmos e assim ponderar o todo da situação.

Em todas as relações estamos pré dispostos a ter bons e maus momentos, quando se trata de relações afetivas como: um lance, um romance, namoro ou casamento os dois últimos titulados são regados de anseios, perspectivas, planos e uma dose estupenda de intolerância onde nos tornamos irracionais complicando as coisas mais simples, aprisionando a mente a padrões que muitas vezes não encaixam-se a nós, cada casal, são dois seres distintos que dividem um mesmo “espaço comum”, nem sempre, mas com objetivos pessoais diferentes, não é porque são um casal que devem ser apenas um ser, seremos sempre dois seres com características bem diferentes que precisamos nos entender para compreender a necessidade do outro e assim vivermos o meu, o nosso “felizes para sempre” de acordo com as nossas “regras”, a nossa maneira, com todo amor, respeito e carinho que possa haver neste ou em qualquer outra parte do mundo.

Não ser somente uma bela foto de comercial de margarina, mas viver os belos momentos juntos conhecendo as qualidades e defeitos amando-as como um todo e para sempre.

Amor ….
Condicional ou incondicional
Podemos dividi-lo em inúmeras doses generosas e compartilhá-lo por todo o universo ao invés de trancá-lo e torná-lo restrito a quem supostamente merece, quanto mais doamos, mais recebemos e podem vir de fontes jamais esperada.

Bons sentimentos que sejam imortais na alma e na mente, um encontro perfeito da razão com a emoção, entrelaçadas pelo Amor que sentem um pelo outro, mas sem palavras e ações para assumir, amenizando a possível dor do desencontro interno que nos causam repentinamente devastando nosso ser deixando feridas que nem sempre o tempo ou um novo Amor é capaz de curar.

Um lance, um romance quando avança não foi tolice, foi porque tinha que ser, simples assim!!

Não cobre, não julgue, não condene, não mude, adapte-se para uma excelente convivência, busque qualidade ao invés de críticas, empenhe-se nos bons feitos, permita enxergar o melhor, descarte o que não presta e não guarde ódio nem rancor , não levam a nada.

Romances
Romances … foto de Jackson David, no Pexels.com

Dance conforme a música, dance na chuva , viva bem pra você, por você, os riscos são altos, os bons sentimentos são os que verdadeiramente fazem a diferença, capaz de mudar tudo que te cerca , envolver, contagiar, irradiar a todas as relações da “formiguinha ao gigante”.

Tenha um coração bom e uma mente aberta!!
Lorena Pelais, ॐ∞

Gostou de “Romances”?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, como esta Romances. Aproveite, leia mais artigos da autora de “Mundo…”, Lorena Pelais. Veja também nosso parceiro Entre Séries.

Junte-se a 674 outros assinantes

8 de Março

Dia internacional das mulheres, 8 de Março

A luta pelos direitos de igualdades, começou há muito tempo e perpetua até os dias atuais.

Ser mulher, é uma tarefa “árdua”, temos que ser muito fortes pra isso, exige preparo físico e mental, requer muita sabedoria em todos os aspectos, o mais legal que mulheres nascem graduadas e se especializam dia após dia, a Vida nos oferece essa incrível condição sem nem mesmo em alguns casos termos presenciado o ensino tradicional em escolas, sabedoria nata.

Esse é um grande privilégio, ser mulher, ser considerado o “sexo frágil”, quando na verdade somos verdadeiras Mulheres Maravilhas espalhadas pelo mundo inteiro cada uma com sua crença, classe social, cultura e etnia, sensacional fazer parte de um grupo tão autêntico, que tentam nos manter em anonimato subestimado “frágil”, quando na verdade somos “Super Girls”.

Em 1945, a Organização das Nações Unidas (ONU) assinou o primeiro acordo internacional que afirmava princípios de igualdade entre homens e mulheres.

Em 1975 comemorou-se oficialmente o Ano Internacional da Mulher e em 1977 o “8 de março” foi reconhecido oficialmente pelas Nações Unidas.

“O 8 de março foi momento marcado , onde retrata todas as mobilizações para a “conquista” de direitos e para discutir as discriminações e violências morais, físicas e sexuais ainda sofridas pelas mulheres.

Não que atualmente vivamos em um verdadeiro mar de rosas, houve melhora, porém existem aspectos que podem ser ampliados , a luta não chegou ao fim e não devemos fechar nossos olhos , devemos manter a luta para que qualidades de vida social e profissional melhorem e impedir que ocorram retrocessos capazes de ameaçarem as melhorias alcançadas em diversos países”, a luta é árdua e será contínua, pois nossa sociedade se diz avançada, porém possuem conceitos retógrados , não podemos abrir do que temos e ainda temos muito mais por vir.

Somos fortes, sábias, praticamente imbatíveis, estamos à frente de muitos projetos diários, somos administradoras natas, demonstramos isso com o cuidado que temos com o nosso lar e com a família, estamos a frente de fogões e damos volta ao mundo como Amelia Earhart nas nuvens observando a imensidão do mar.

Somos Estrelas Além do Tempo

Como Katherine Johnson (matemática) que contribuiu com a primeira volta na órbita da Terra.

Mae Jemisson 1ª astronauta mulher e negra, que afronta hein!!
Super merecido, engenheira química e cursou medicina.

Mamie Phipps Clark, psicóloga social, pai médico, sofreu efeitos de segregação educacional e toda a família sofria discriminação por serem negros onde moravam.

8 de Março

Não podemos esquecer da nossa ilustríssima Chiquinha Gonzaga, muito à frente de seu tempo, casou-se muito cedo , não concordou com os termos em que foi inserida precocemente aos 16 anos em uma vida conjugal, mãe a princípio de 3 filhos, casou novamente e engravidou novamente, pode criar apenas um de seus quatro filhos, sofreu muito preconceito por ser “mãe solteira” e desquitada era uma afronta para a sociedade. Se dedicou à música , regeu a primeira orquestra brasileira e contribuiu com o samba, eternizada por sua marchinha de carnaval.

Minha história não tem nada a ver com a delas, putzzzz!!

Diversas áreas feitos explêndidos, assim como nós, atuamos sem currículo em vários segmentos cotidiano.

Mas não tenho notoriedade em meus feitos, isso é o que menos importa!!!

Todas estamos debaixo de um mega holofote dia e noite, porque somos mulheres!!!

Sabe o que todas nós temos em comum?!?
Um sonho, um objetivo, garra e muita força de vontade!

Independente da história, da estrada , dos feitos , somos poderosas e muito capazes.

8 de março é todo dia, nossas lutas são diárias!!!!
Cada conquista é grandiosa, contudo, merecemos muito mais!!!

Feliz dia da mulher pra você , pra mim, para todas as guerreiras de corpo e alma de “aspirantes” a “brigadeiras”, somos tudo um pouco inclusive doces e sutis capazes de conquistar o mundo e todo universo.

Parabéns para nós!!!
Lorena Pelais ॐ∞

Gostou de “8 de Março”?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, como esta Um olhar. Aproveite, leia mais artigos da autora de “Mundo…”, Lorena Pelais. Veja também nosso parceiro Entre Séries.

Um olhar …

Lorena Pelais é autora de “Um olhar …”

Alegria
Tristeza
Medo
Possibilidades
Oportunidades
Chances

“Um olhar sincero” humano é capaz de reverter o mundo.
Este te possibilita novas oportunidades, temos a chance de realizar algo novo, participar de novas empreitadas, mostrar nossos conhecimentos, compartilhar, doar, interagir, agregar, inúmeras são as possibilidades e oportunidades envolvidas.

Desenvolver-se
Todos passarão a ter novas perspectivas, doses de esperanças são lançadas, expandindo-se mundo a fora.
Emanaremos ainda mais amor, paz, alegria e esperança.

Às vezes, tenho a sensação que as pessoas parecem tão cansadinhas, esgotadas física e mentalmente, o que em alguns momentos comprometem o rendimento pessoal, sem estímulos, em meio o caos e desventuras vividas.
Uma dose de ânimo muda tudo em todo o processo!!!

Nossa sociedade anda tão carente de bons sentimentos, possibilidade é a palavra mais que perfeita para hoje, fôlego para galgar novos objetivos, traçar novas conquistas, aperfeiçoar relações internas aperfeiçoando relações externas, irradiando aos quatros cantos do mundo.

Notam a dimensão?!??

Existem momentos que tudo parece tão ….. esquisito, indiferente, desanimador, tudo parece tão confuso, complexo, irredutível, a dor se faz profunda, sofrimento se fim.

Visão turva no cega, cerrando os olhos para o futuro promissor que cada um de nós temos por direito, mérito pessoal, exclusivo e intransferível….

Isso me lembra a personagem Tristeza do filme infantil Divertidamente

” -Ah, tudo tão triste!!”
Tristeza faz jus ao nome , triste e engraçado ao mesmo tempo, a expressão desanimada, o peso não permite erguer-se, rasteja-se em uma melancolia interminável, realmente tristeza da cabeça aos pés, sem perspectivas, reconhece a importância que a Alegria tem.

Enquanto isso, Alegria em sua euforia sem fim, arrasta a Tristeza por todo canto para reverter a situação e voltarem a sala de comando, Alegria esteve sempre a frente até ali.

Cada uma com sua importância e conhecimentos distintos, dividem o mesmo espaço e cada uma em seu quadrado por assim dizer.

Acho graça, não de rir da tristeza alheia, mas das atitudes comportamentais da Tristeza e por sem querer e ter que reconhecer que a Tristeza tem seu papel importante, assim como, O Medo, O Raiva e A Nojinho, personagens do filme referido.

Nós momentos de tristeza sempre surge uma mão amiga, uma palavra de consolo, um afeto inesperado, uma compaixão jamais vista, um ombro amigo e até um “colo acolhedor”.

Paraaaaa, tristeza tem importância, onde, quando e por quê????

Pirou????
É pireiii!!! E daí???
A Tristeza tem sua importância assim como a Alegria, a tristeza nos aproxima ou afasta de pessoas, sensibilidade, essência, não sei ….
“Mas é na hora da tristeza que conhecemos nos verdadeiros amigos!”

Não nascemos para viver a sós.
Estamos ligados direta e indiretamente a partir do momento que ocupamos a mesma esfera, uns mais próximos, outros distantes até os “confins” do universo (devido longevidade).

São tantas as situações, ninguém está preparado para lidar com tudo e com todas as situações apresentadas pela vida sozinhos, somos pegas desprevenidas, nos deixamos abater, sem margem de dúvida, as reações são as mais diversificadas: gritar, pedir ajuda, afastar , interiorizar.

Quem nunca???

Somos humanos e possíveis conhecer todos os sentimentos na carne ou superficialmente essa experiência facilita conhecer , sentir e dissolver pendências emocionais, precisamos conhecer primeiramente para saber como agir.

Amor
Paz
Alegria
Saúde
Prosperidade
Sucesso

Que sejam infinitas, como tudo de bom tem que ser em nossa vida.

Esteja acessível a receber!!!
Somos envoltos por uma atmosfera tão grandiosa, muita luz no guia, orientando, mostrando novos horizontes, novas descobertas, novidades incontáveis!!

Superar, reverter a tristeza é dar oportunidade para sentimentos alegres façam morada em cada um de nós.

Gratidão da alegria à tristeza ou vice e versa, se bem que a gratidão é notória e óbvia quando sai da tristeza à alegria, essa sim parece ser mais significativa.

Seja sensível para perceber que pessoas, sentimentos, situações cotidianas, cada um tem sua importância, sempre há uma grande lição.

O melhor está sendo preparado para cada um de nós em alguma parte do planeta.

Paz de Espírito para compreender as lições vividas.
O mundo pode parecer cruel, mas esteja receptivo ao melhor que ele tem a nos oferecer.

Um olhar
Photo by Barcelos_fotos on Pexels.com

Amor e alegria para suavizarem a tristeza eliminando a raiva, o medo e tudo que comprometa seu aperfeiçoamento.

Quem acredita sempre alcança.
Tenha Fé e Esperança!!

Busque SER melhor a cada instante, lembre-se sua existência é o seu principal investimento hoje e sempre.
Seja o melhor que somos capazes de SER
Existência com qualidade!!!

Grande abraço
Lorena Pelais ॐ∞

Gostou de “Um olhar”?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, como esta Um olhar. Aproveite, leia mais artigos da autora de “Mundo…”, Lorena Pelais. Veja também nosso parceiro Entre Séries.

Mel e fel

Amor é doce
Maldade é cruel

Mel e fel
Mel e fel
/

Somos cheios de mistérios.
Muitas vezes afirmamos que nos conhecemos suficientemente bem,mas só nos conhecemos verdadeiramente diante de uma adversidade,pois este é o momento em que colocamos em prática todos os conhecimentos que temos sobre nós mesmos e descobrimos outros novos sentimentos que muitas vezes nem sabíamos que existiam.

Tem ecoado fortemente uma palavra em meus pensamentos:Maldade.
Com tanta coisa boa pra se falar,com tantos bons sentimentos existentes porque se render justamente a esse tema?!?

Foi exatamente isso que pensei,mas como a voz não queria se calar,pensei,bora vamos tentar explorar um pouco mais e talvez citar alguns pequenos comportamentos que são quase imperceptíveis mas que causam muita dor.

Algum tempo existem dois temas os quais busco palavras mas não consigo exteriorizar esse pensamento para a escrita,surgem tantas informações e quando início uma frase,a mesma já representa o fim,um dos temas é o preconceito,assunto muito evidenciado devido inúmeras manifestações por todo o mundo,o outro que cresceu bastante durante a pandemia foi violência doméstica,os abusos verbais,físicos,morais e patrimoniais causados às mulheres.

O que preconceito e violência doméstica tem a ver com a maldade?!?

Por ela estar associada ao prazer que uma pessoa tem em se auto afirmar diminuindo,“torturando”o outro.

A maldade está ligada a muitos“pequenos”sentimentos,se é possível assim dizer.
Ou seria melhor associarmos aos mais diversos e variados sentimentos macabros que possam existir.

Acho que acabei de dar duas opções“similares e distintas”quase simultaneamente,cabe a cada um saber identificar como surge,como afeta e de que maneira se apresenta para cada um de nós.

É,isso mesmo!!

De acordo com estudos psicológicos“somos potencialmente maus por natureza”,houve quem foi canonizado que acreditava que nós temos a maldade dentro de cada um de nós,há quem acredita que está ligado a fatores genéticos.

Sinceramente,todos os estudos são ótimos e tal,mas fico pensando como reagimos quando nos damos em conta com a maldade face a face,saindo de nós ou vinda em nossa direção.

Recentemente,percebi que o sarcasmo é um tipo de maldade,considerei quase oculta até compreender que o sarcasmo fere gravemente quem usa,por habitar um dos espaços mais sombrio da mente,ou que ao meu ver poderia até ficar lá e ser dado como esquecido,essa colocação chega até ser irônica,mas na verdade a vontade que sinto de rir,foi rir de nervosismo e um tiquinho de medo talvez pelo tamanho da dor que é capaz de causar a quem é atingindo.

Se bem que,usar o sarcasmo para evitar algumas situações evasivas,acho interessante,por não ferir ninguém,simplesmente por ser uma estratégia para distrair a atenção de uma situação delicada,porque o que mais existe é gente chata,gente mal humorada e mal amada,e elas são muito intrometidas e querem sempre mais e mais detalhes da vida alheia,AFFF,isso cansa e cansa e muitoooooo,haja paciência,só Jesus em ambos corações,um para reconhecer esses traços e não se deixar levar e o outro para perceber que sempre existe tempo e meios para melhorar e resolver as situações que nos desagradam sem pensar em viver ou querer se intrometer na vida alheia com especulações muitas vezes infundadas,as tais“piadinhas”,o tal do“jogar verde pra colher maduro”,acho isso chato sabe,porque não ser direto ao ponto,uma generosa dose de sinceridade e palavras bem selecionadas para se iniciar um diálogo franco e quem sabe assim as feridas sejam leves ao invés de profundas,sem gerar ou acumular maus sentimentos.

A convivência é algo lindo,as vezes,nem tanto,amo esses pontos de“certezas e incertezas”,gosto do flexível,a rigidez nos torna“cabeça dura”demais e estamos aqui para aperfeiçoação.

Sei que esse assunto não é o mais agradável,sei que poderia falar sobre mais alguns aspectos,mas parar é o mais razoável a ser feito no momento.

Para“combater”a maldade sugiro empatia.
Hã,como assim?!?
Empatia sim,tente se por no lugar do outro e perceba se pode sentir a dor,não se envolva,apenas doe uma parte de seu amor e doçura para amolecer estes coraçõezinhos amargos que andam espalhados por aí.

Por hoje revertamos a maldade em amor e doçura
Que sejam doces na medida certa para não causarmos“diabetes”a ninguém

Amor é mel
Maldade é fel
ॐ∞

Leia mais artigos deLorena Pelais.

Conheça nosso parceiroEntre Séries.

Mel e fel
Photo by Mareefe onPexels.com

Governantes medrosos

Capítulo 5(Governantes medrosos)de O Medo Humano.Leia desde o Capítulo 1

Tenta-se criar uma noção de “novo normal”,no qual o normal não é ter liberdade de ir e vir.Tudo em nome da doença.Justamente esse medo irracional de um vírus é um prato cheio para aqueles que desejam criar novas formas de controle comportamental,
principalmente para forçar a criação de uma aceitação automática de uma negação ao
direito de ir e vir.Com a ajuda do Judiciário,que nega até mesmo habeas corpus em nome de uma “saúde pública”,temos um desgoverno unido com uma ditadura judicial.

Assim vão surgindo as vergonhas que temos:agentes de segurança pública,em boa parte,são uma vergonha a céu aberto.Sobretudo no Brasil são conhecidos pelo gosto por dinheiro ilícito.Aliado ao medo de perder o salário,obedecem cegamente a leis ruins,prendendo inocentes que foram à praia durante uma quarentena inconstitucional.São pessoas que preferem prejudicar violentamente o direito alheio a discutir algo que poderia,em tese,criar um pequeno prejuízo para si.Preferem cortar a cabeça alheia a tomar uma agulhada no próprio dedo.

Estes mesmos agentes de segurança pública no Brasil,embora sejam conhecidos do povo como braço armado do Estado,não estão sozinhos.Um judiciário do qual eu sinto vergonha pessoal(embora nunca tenha feito parte desta estrutura)que vive para si,somente.Os juízes do Brasil são o que há de pior em muitos judiciários do mundo.Vivem por seus próprios desejos,envoltos em uma teia de auxílios mútuos,decisões que apenas protegem.O medo dos juízes está,justamente,em julgar conforme a lei.Já que isso não é normal,causa medo.

O juiz típico do Brasil faz aquilo que ele acha que vão aceitar como correto,não aquilo que diz a lei.E digo que os juízes fazem,não o que acham correto,mas o que seus próximos vão achar.Destroem o próprio entendimento em prol de interesses que nem
imaginamos quais sejam.Tudo se resume em trabalhar menos.Cada decisão que pode
ser copiada é um prêmio interno na alma do juiz,que não precisará pensar os fatos reais das pessoas reais que estão ali naqueles processos.

Jamais se pense que estou falando mal dos juízes sem qualquer objetivo.Não quero destruir,mas construir.Somente expondo-se os erros é que se pode consertá-los.

Junto ao juízes,temos o Ministério Público,órgão inatingível,incriticável,inabalável,que usa seu poder de propor ações penais como moeda de troca.A frase “quem vigia os vigilantes” é adequada ao Ministério Público no Brasil.Vigiam tudo e todos(e devem fazê-lo!),mas não aceitam ser vigiados.Na prática,a teoria é outra.

Governantes medrosos
Photo by Ahmed Adly onPexels.com

Enfim,cada vez mais temos a necessidade de vigilância dos atos,posto que cada um está tentando se esconder atrás de uma cargo,de um título,de uma função pública.A frase “ele está apenas fazendo seu trabalho” é um chavão típico de uma ditadura.Se houvesse uma lei,digamos,dizendo que pessoas sem pernas podem ser mortas(o exemplo é esdrúxulo,mas funciona perfeitamente).Um policial(ou um juiz,não importa)determina a morte de uma pessoa sem pernas,sendo essa pessoa seu filho único de cinco anos de idade.Quando esse seu filho for fuzilado por não ter pernas(seguindo-se literalmente a hipotética lei),o que você dirá?Aceitará a morte,afinal o agente estatal estava apenas cumprindo seu trabalho?

Se colocarmos a lei humana como padrão de bom,já destruímos nosso próprio espírito,e estamos cuspindo na cara de Deus.O bom é bom,o mau é mau,não importa o que diz uma lei humana.O que temos que fazer,como humanos,é tentar criar leis humanas sabidamente imperfeitas que procuram imitar o padrão sublime,portentoso e majestoso de bom.Aos poucos,com essa mentalidade,vai-se melhorando o conjunto
normativo de um local.Isso é trabalho para cem anos.

Nos pautarmos pela lei humana para definir o bom e o mau é o fim de uma existência como sociedade.Já é morta,como um conjunto de zumbis,que apenas vagueiam atrás de algo que não sabem o que é.Uma sociedade que vive em busca da última lei e da última decisão do STF para saber o que é certo e o que é errado já morreu,mas não foi enterrada,e,por isso,fede.

Tentando não divagar,e retornando ao núcleo da ideia primordial da presente obra,o medo humano age de modo a não se inovar positivamente.Esse medo faz com que a pessoa não crie novas ideias para tomar decisões acertadas.No máximo,temos o indivíduo pobre que,malsinado pelo que recebeu ao nascer,cria formas de agir empresarialmente,seja vendendo bolos pela internet,seja intermediando relações.Não tenho qualquer medo de dizer que um vendedor de salgados na rua causa mais bem social do que um detentor de cargo público poderoso.Principalmente se esse cargo foi chamado “Ministro do Supremo Tribunal Federal”.

O medo do desconhecido impede que o ser humano possa agir de modo a testar algo que pode ser revolucionário.Quando as pessoas colocaram o medo de lado,fizeram descobertas científicas absurdas.Justamente ao discordar de todo mundo,do “consenso científico”,tivemos na história as maiores descobertas e invenções.Foi indo contra o consenso que se viu que coisas impensadas poderiam funcionar.Se Tim Bernes-Lee tivesse medo,não criaria o padrão de internet usado no mundo todo.E foi além,criando algo que poderia ser replicado livremente.A internet trouxe mais liberdade do que qualquer governante bom da história do mundo.Ou do que qualquer revolução passada.

Assim,com a internet,vemos o cidadão comum,sem voz,falar para um juiz,um deputado,um comerciante,que o que estes fizeram é mau.Essas pessoas alheias ao mundo real dos “Seus Zés” e “Donas Marias” ficam perdidas,por sua bolha de sabão da
convivência ser estourada de repente,expondo suas vergonhas ao público.Temos visto
cada vez mais pessoas criando dossiês para expor erros alheios,coisa que somente agências de inteligência faziam.

Estamos num momento em que,ao receber uma sentença desfavorável,o sentenciado criará um conteúdo de exposição do julgador,como vingança à perda.Quando vaticino isso,me refiro ao brasileiro comum,sem acesso a serviços especializados.Aqueles que possuem acesso a serviços já o fazem,como mostra o que o ex-presidente Lula e seu partido fizeram com os membros da Operação Lava-Jato(e ainda o fazem).

Os juízes e promotores aguentarão ser expostos por cidadãos comuns?Não.Eles se julgam importantes.E quem se acha importante tem um medo terrível de não se considerado importante pelos que estão no entorno.Buscarão medidas dos apaniguados(o próprio judiciário e Ministério Público)para perseguir quem quer que tenha dito algo que os desagrada.

Poucos têm couraça endurecida pelo tempo.Normalmente,somente quem bastante apanhou é que aguenta lutar até o fim sem cair no choro.O brasileiro está tão acostumado a apanhar,que é mais fácil para ele lutar,em comparação a alguns outros
países,onde a vida é mais confortável.Não é à toa que temos frases populares como “tempos difíceis criam pessoas fortes,pessoas fortes criam tempos fáceis,tempos fáceis criam pessoas fracas,pessoas fracas criam tempos difíceis”.O ciclo é evidente.

Estudar de verdade causa medo.Pois além de ser cansativo,você vai mudar pensamentos que imaginava ter certeza absoluta.É o estudo que faz com que pessoas mudem de profissão,de religião,de filosofia.Enfim,mudam a própria estrutura mental.Mas a barreira maior aparece na mudança interna e posterior mudança pública,pois ninguém quer confessar que estava errado.Declarar abertamente que estava errado sobre algo,e que agora pensa de outra forma exige uma coragem que poucos,muito poucos,conseguem.Homens de geleia não conseguem.É preciso ser duro como rocha para se admitir isso sem medo.O medo de que riam de você.

Por experiência própria vi que não é esse o resultado.A mudança pública de posicionamento,embora exija coragem ímpar,gera no entorno um respeito maior,pois as pessoas sabem da força necessária para se admitir o erro passado.O silêncio após a confissão não é de dor ou vergonha alheia,mas de admiração de força da personalidade.É esse silêncio que dá a deixa para a manifestação dos motivos.Mas como o ser humano é naturalmente fraco,não quer saber os motivos.Um ou outro,mais concentrado em melhorar a si mesmo,vai querer saber os motivo,e se interessará,pois tenta melhorar o próprio espírito,endurecendo-o como tal.

Esse endurecimento é sempre do núcleo.Temos pessoas vertebradas e crustáceos.Os primeiros têm um núcleo duro,embora tenham maciez na parte externa,o que admite mudanças sem afetar o núcleo.Já os crustáceos são aqueles que aparentam um aspecto forte e duro,mas no interior é mole e fraco.Quebre a casca,que tudo está exposto.Quem tem o que esconder vive se mostrando como crustáceo,aparentando
força.Uma pancada desmonta,e a verdade aparece.

CONTINUA …

Por Marcio Pinheiro

Todo dia um novo capítulo em nosso Caderno Cultural.Portanto,assine a Newsletter para ser notificado sobre os próximos lançamentos.

Gostou de“Governantes medrosos“?

Assine nossa Newsletter e fique por dentro das notícias,assim que forem publicadas,ou como desejar.Para periodicidade,confira informações no email recebido.

Uma sociedade com menos medo

Capítulo 4(Uma sociedade com menos medo)de O Medo Humano.Leia desde o Capítulo 1

Jamais teremos uma sociedade humana melhor que a civilização ocidental.Uma união improvável de uma moralidade sublime e inalcançável,decorrente de uma pequena sociedade do oriente médio,mais um sistema jurídico racional,decorrente de um império em decadência,e uma filosofia da busca da verdade absoluta,gerada por alguns radicais que viveram em desconformidade com a sociedade deles,sendo que o pioneiro desta filosofia precisou morrer envenenado para cumprir com autoridade o que pregava.Essa união improvável criou arte com características quase eternas,um sistema de auxílio aos mais pobres jamais alcançado pelo mais bondoso dos governantes,a sensação de pertencimento ao grupo mantendo a total responsabilidade individual pelos atos humanos.

Essa sociedade evoluída prova-se justamente por não só aceitar,mas receber maduramente as críticas ao próprio sistema,coisa que não se vê nos sistemas socialistas e islâmicos atuais.A crítica,nesses sistemas,normalmente é recompensada com a morte.A civilização ocidental prova-se mais madura que qualquer outra justamente por aceitar críticas.No entanto,essa mesma sociedade padece por não ter defensores corajosos.O medo dos defensores transforma-os em fantoches de si mesmos,alimentados pela sensação de esperança vazia,como se magicamente tudo fosse melhorar.Não vai melhorar.Só vai piorar.

menos medo

Uma pequena melhora pontual é possível mediante uma luta terrível,custosa,sangrenta e dura.Para se construir algo,é muito mais difícil que destruir.Veja-se a Escola de Frankfurt,que prega a destruição de tudo o que há.Destruição por destruição.É o ser humano agir como o Diabo.Às vezes,creio que até o Diabo tenha inveja de alguns seres humanos,que se empenham em destruir os outros com mais força que os demônios.

Melhoras pontuais são realizadas com esforço e dor.Com gasto de dinheiro,com lágrimas,com sangue.Cada melhora deve ser comemorada,para que o entorno(principalmente seus filhos)entendam a necessidade de celebrar o que é bom.Não é à
toa que as maiores festas da civilização ocidental são o Natal e a Páscoa.O nascimento
do homem perfeito e a morte substitutiva do mesmo.

Um início de melhora é feito,primeiramente,com a noção do que é bom,e posteriormente,com a alocação da coragem necessária para tal ato.Ter noção do que é bom já é,por si mesmo,tarefa complexa.É necessário entender-se,com raciocínio e sentimentos,o que é bom para todos.O governo dar coisas para todos é ruim,já que isso virá do trabalho de alguém,retirado na marra por meio de impostos.Liberdade para cada um procurar o trabalho que lhe apetece é bom,já que cria a sensação de responsabilidade individual.Pesando-se as consequências dos atos imaginados(e vendo a história,é claro),percebe-se o que é bom e o que é mau.Mas não devo pensar que é fácil distinguir.

Existem atos que parecem bons,e outros que parecem maus.É justamente a experiência própria,e a análise da experiência de outrem,que mostra quais atos específicos são bons e quais são maus.Difícil,mas não impossível.Podemos chegar ao
ponto de criar verdadeiros fluxogramas mentais para se imaginar a consequência de cada ato,para se entender se o ato é bom ou mau.Isso nos mostra que o ato deve ser bom em cada fase,para que se termine bom.Se,em algum momento,ele se tornar mau,corromperá tudo o mais após ele.Cada acontecimento posterior já está envenenado,e deve ser extirpado o quanto antes.

O segundo elemento,a coragem,é erroneamente entendida.Pensa-se na coragem de uma briga,na qual nenhum dos contendores foge.Embora possa haver bastante coragem nesse ato,não é aí que a mesma reside como em sua própria casa.Ela reside
no coração de quem faz o que quer fazer e mantém o ato até o final,crendo ser o melhor.Se a coragem reside ali,é ali que a bondade deve residir junto.Bondade sem coragem é omissão pesarosa,coragem sem bondade é força cooptada para o mal.

Boa parte dos atos humanos são direcionados pelo medo.O que se viu na quarentena foi justamente as redes de televisão incutindo medo diuturnamente com o vírus chinês,para muitos fins.Para manter a audiência alta,é um destes fins,já que a internet roubou a audiência de muitos.Aí aparece um novo medo:o medo da liberdade.

No Brasil a grande mídia(ou velha mídia,de acordo com aquele que opina)tem medo da liberdade de escolha do consumidor.Tamanho é esse medo que a mídia usa o medo para dominar.Como o ser humano naturalmente dá ouvidos a notícias ruins,pois alerta o senso de autopreservação,é mais fácil dar audiência para as mesmas notícias ruins,ao invés das boas.Criando-se noticiários frequentes para apavorar as pessoas(o que gerou recorde de suicídios e doenças mentais),instilou-se mais medo,que forçou as pessoas a assistir mais noticiários ainda.Tamanho foi o estrago que somente poderemos ter noção disso daqui a uns anos.

CONTINUA …

Por Marcio Pinheiro

Todo dia um novo capítulo em nosso Caderno Cultural.Portanto,assine a Newsletter para ser notificado sobre os próximos lançamentos.

Maturidade

Maturidade

Capítulo 3(Maturidade)de O Medo da Humano.Leia desde oCapítulo 1

Voltando ao assunto,temos a continuidade do comportamento medroso,que imagina coisas que,provavelmente,jamais ocorrerão.Imaginar que algo terrível vai acontecer,mesmo sem evidências do mesmo,gera um espírito de pânico que,não gerenciado,cria uma síndrome,ou depressão,ou outra doença da alma.Esse medo,alimentado diariamente,cria prisões desnecessárias,que impedem o aproveitamento da própria vida de modo mais saudável,já que a pessoa não permite a si mesma que saia de casa,ou que frequente um local,ou que divirta-se com coisas simples.

O ser humano,portanto,vive pelo medo ao não ser maduro.Quando inicia o doloroso processo de amadurecimento,precisa quebrar diariamente um pedaço desta estátua de mármore chamada medo,que possui um núcleo muito rígido,terrível de se alcançar.A maturidade vai ocorrer,justamente,ao se aceitar o medo,e após aceitá-lo,começar a controlá-lo aos poucos.Ato por ato,fato por fato,um de cada vez,progressivamente.

O mais conhecido processo de amadurecimento é ter um dependente.Ter um filho,na maioria das vezes.A pessoa passa a considerar aquele ser indefeso como alguém necessitado de cuidados,o que força uma maturidade de se preocupar com o bem-estar de outro,e agir de modo condizente a protegê-lo e alimentá-lo.Isso requer um comportamento mais comedido e controlado,a busca por um trabalho que pague valores maiores sem incorrer em riscos desnecessários(ou,pelo menos,riscos que se possa controlar),de modo que se gere,internamente,um sentimento de confiança em si próprio,para que se viva de modo mais tranquilo,e se aproveite a própria vivência com os dependentes.

É aí que a pessoa pode verificar essa maior diferença:seu dependente padece de medos absurdos,notadamente trabalhados nos sonhos,enquanto que o maduro terá seus medos mais realistas,ou desejos não realizados,também nos sonhos.O sonho acaba como uma ferramenta para trabalhar seus medos,ansiedades e desejos,retratando o que ocorreu no dia,envolto em emoções descontroladas.A maturidade vai tornando a vivência mais saudável,já que,por medir as consequências,as pessoas freiam seus próprios atos,ao se imaginar que os mesmos podem ser encarados como
violação do espaço alheio,o que incorre em quebra de confiança.Essa quebra de confiança gerará prejuízos,já que um quebrador de confianças acabará sozinho.Sendo
um animal político,o ser humano maduro prefere sofrer um pouco,para não quebrar confianças,e não ficar só.O medo de ficar só acaba gerando um comportamento até salutar,mas pelo motivo errado.O motivo do medo.

Pensar e agir de modo salutar,através do raciocínio,torna-se objetivo a ser buscado na maturidade.Antes da maturidade,o medo é que vai gerar atitudes positivas,às vezes,como o medo de ficar sozinho já mencionado.Mas viver pelo medo nunca será bom.Essa noção de bom e mau é construída pela sociedade do entorno da pessoa,mas não impede que a pessoa mude essa mesma sociedade,já que ela faz parte da mesma.Noções sublimes de bondade já foram enunciadas pelos antigos,sobretudo na Bíblia,o
que mudou radicalmente sociedades inteiras.Antes do cristianismo,qualquer pessoa que ouvisse alguém aconselhar a fazer o bem sem esperar nada em troca ganharia risadas.De sarcasmo.

Vivemos de modo a diminuir a sensação de medo,criando confortos psicológicos como dinheiro guardado na conta bancária,bens imóveis alugados,seguros de veículos e outros pormenores.Já em outros momentos,nos comportamos de modo a gerar um sentimento de admiração do outro para nós,para nos sentirmos importantes.É justamente nesse desejo que muitos são manipulados.Se sentir importante é um desejo de praticamente todo ser humano.E na busca desta emoção,as pessoas criam mentiras para si mesmas,e repetem-nas para todos,tentando fazer crer que aquilo corresponde à verdade.

Nesse raciocínio,vemos que os atos humanos acabam,muitas vezes,se dirigindo no mesmo sentido:medo de não se sentir importante;mentir a si mesmo para se sentir importante;parecer importante e continuar ocultando seus medos.Não é à toa que chamam os mais íntimos medos de demônios pessoais.É o mal,encarado sozinho,numa sala escura,no qual a pessoa nada tem,além de si mesma e de suas verdades pessoais,que serão quebradas uma a uma no enfrentamento.O que sai desta sala escura é um ser humano com menos medo,com o couro duro,mas sem perder a gentileza.Um conjunto de 100%corajoso com 100%gentil,no qual cada momento pede uma aplicação de quantitativos de coragem e gentileza no trato humano diário.

A destruição progressiva é palpável no rosto do medroso.Parece que não só transparece no rosto,mas altera seu próprio semblante,criando-se bolsas de pele ao redor dos olhos e decaimento dos lábios,que mal sorriem verdadeiramente.Apenas sorrisos forçados,para tentar viver amigavelmente,e evitar agressões alheias.A sorte de muitos é que a civilização ocidental é pautada no princípio da não-agressão.Os que
vivem contrariamente a este princípio são marcados socialmente pelas famílias do entorno,criando uma aura de desconfiança automática.Essa aura chega a ser ensinada de pai para filho,com relação ao trato da pessoa que vive em desconformidade com o princípio da não-agressão.

CONTINUA…

PorMarcio Pinheiro

maturidade

Todo dia um novo capítulo em nossoCaderno Cultural.Portanto,assine a Newsletter para ser notificado sobre os próximos lançamentos.

vivendo o medo

Vivendo o medo

Jornal Grande ABC
Jornal Grande ABC
Vivendo o medo
/

Capítulo 2(Vivendo o medo)de O Medo da Humano.Leia oCapítulo 1

Viver em liberdade significa dominar o próprio medo.O medo de morrer,o medo de ser preso,o medo de não ter o que comer ou beber,o medo de ser humilhado,o medo de não parecer importante,o medo de ser isolado,o medo de não ser aceito.

A luta pela liberdade é uma luta contra o medo.Não que não tenhamos que ter medo.Algum medo é necessário,para que o ser humano não se comporte de modo temerário,arriscando desnecessariamente a própria vida.Mas o medo que ultrapassa o instinto de autopreservação já é,por si só,negativo.Assumir o risco é parte de controlar o medo,e ser,finalmente,adulto.

A maturidade ocorre quando se domina o medo.Cristo dizia para sermos perfeitos como o Pai celeste.Originalmente,no grego,Cristo nos mandou sermos completos em desenvolvimento,ou seja,maduros,adultos,como o Pai celeste é.Esse é o significado do “perfeito” mencionado.Para sermos maduros como Deus,temos que fazer aquilo que Deus faz,ou seja,fazer o que é certo,pensando nas consequências dos atos.

Deus não dá as coisas ao ser humano,mas capacitou-o a fazer o que é correto.Se Deus desse aos seres humanos alimentos diários,vindos do céu,o ser humano jamais seria responsável por si,já que não necessitaria lutar para conseguir suprir suas necessidades a curto prazo,nem de seus dependentes.Assim,o ser humano maduro é consciencioso das consequências de seus atos,agindo corretamente,mas nunca fazendo pelo outro aquilo que o outro pode fazer por si.

Mais uma vez permeia a emoção do medo na relação entre pessoas,já que não se sabe qual será o comportamento alheio.A ausência de confiança gera um novo medo do desconhecido,criando-se barreiras emocionais que impedem um relacionamento de entrega ao outro,para que o outro supra as suas necessidades,e eu,as dele.Aos poucos,o tempo vai provando quem merece um grau maior desta confiança.Mas pelo fato do ser humano ser falho,invariavelmente haverá um novo erro,que quebrará a confiança.

Uma saída adotada por muitos é não esperar nada de bom.Esse “pessimismo” é criado para que a pessoa não sofra por confiar e ter sua confiança quebrada.Se não se deposita a confiança em ninguém,não haverá quebra da mesma.Vivendo num sistema interno de que “todos vão errar,inclusive eu”,não se deposita a confiança em ninguém.Claramente,em algum momento haverá necessidade de confiar,pois mesmo o ser humano mais desconfiado,ao entrar em um supermercado e comprar um quilograma de açúcar,não vai abrir o pacote para provar se é açúcar mesmo.Ele confia que o conteúdo é o que indica na embalagem.Algum grau de confiança haverá sempre.

É nesse momento que o ser humano coloca em Deus a confiança.Por ser Deus(não importa a religião ou filosofia de vida)um ser supremo que não erra,a confiança depositada no mesmo terá a garantia de não ser violada nunca.Se um ser não erra,ele não trai a confiança.Esse é o raciocínio que o ser humano usa para se tranquilizar,já que tem medo disso também.

CONTINUA…

PorMarcio Pinheiro

O MEDO

Todo dia um novo capítulo em nossoCaderno Cultural.Portanto,assine a Newsletter para ser notificado sobre os próximos lançamentos

vivendo o medo

O Medo Humano

Entendendo o medo–Capítulo 1

O ser humano é medroso,fraco e implora por controle.Ele busca alguém para controlar a vida dele,para que ele não seja responsável por seus atos,sendo mais cômodo viver assim.O ser humano,nesta escravidão auto imposta,vai em busca de alguém para controlá-lo,de geração em geração.Quando o ser humano atinge o nível de querer,buscar e até lutar pela liberdade,ele cria um novo padrão de comportamento que dura algumas décadas,no sentido de se manter livre.Às vezes,até lutando novamente por isso.No entanto,a vida fácil decorrente desta liberdade cria confortos que acostumam as gerações posteriores com facilidades,mas não mostra para eles a luta necessária para a tal liberdade.Assim,uma nova geração clama por ser controlada,em cada um de seus atos,e acredita que ainda é livre,só porque não está dentro de um presídio.A cada geração,a noção de liberdade diminui,ao ponto de se tolerar,e até pedir,que um governante mande na vida íntima do ser humano.

Para dar uma aparência de liberdade,tolera-se o pior desta.Não só se toleram,mas fomentam-se comportamentos livres que geram prisão,como libertinagem sexual,na qual o ser humano pode tudo.Esse desvario gera um vício comportamental que exige mais do mesmo,de modo que se cria uma prisão em torno de vícios sexuais.Isso cria uma espiral comportamental que suga a essência vital do ser humano de modo que ele busca mais sexo para compensar o excesso de sexo,tal qual um cocainômano consome mais cocaína para compensar a falta de cocaína.Quanto mais o tempo passa,mais difícil é sair deste redemoinho,que gira para dentro e para baixo.

Em tempos de quarentena social,decorrente do vírus chinês,vimos que as pessoas que mais falavam em liberdades ficaram quietas,amando a experiência totalitária de ficar preso em casa,enquanto que os lutadores da vida real,sobretudo os mais pobres,morrem de inanição.Pais de família vendem balas nos semáforos.Quando um homem adulto trabalha como ambulante,o problema é mais grave,pois uma pessoa com mais qualificações profissionais trabalhando no semáforo significa que meninos que faziam isso estão,na melhor das hipóteses,lutando para sobreviver perto de suas próprias casas.

Caiu como uma pedra na cabeça de muitos o comportamento dos “tolerantes”,que agem a favor de quarentenas e bloqueios sociais.Chegou-se ao ponto de pessoas comportarem-se como sovietes,denunciando seus vizinhos por não estarem de máscaras quando saíam às ruas.Acostumados a ter facilidades que não entendem,como ir ao supermercado e encontrar diversas marcas de um único produto,entram em pânico ao não encontrarem o que queriam.Ficam tristes por não terem a marca que gostam.A classe média não está passando fome,mas está em pânico.

De forma alguma penso em termos negativos ou positivos com a classe média.É somente a média da sociedade,que vive em residências próprias ou alugadas,em bairros comuns,com automóveis comuns,empregos comuns,vidas comuns,filhos comuns,religião cristã genérica e sensação de fazer o que é certo por ajudar algumas pessoas de vem em quando.Não há qualquer sarcasmo(ou outro sentimento)nisso,apenas a descrição exata do que eu vejo,com as palavras exatas que me ocorrem.

O tal medo humano fez com que governantes,que normalmente não sabem o que fazer,fizessem errado:criando sistemas de proibição de circulação de pessoas,veículos,atividades econômicas,de modo que a economia rola escada abaixo sem qualquer tipo de freio.E economia não é um número,um índice,um percentual.Economia é um trabalhador colocando um prato de comida na mesa de jantar,com o dinheiro que recebeu por seu trabalho suado.Isso é a economia que é tratada na presente obra.Nada mais,nada menos.

Esses mesmos governantes,atuando com os outros medrosos que têm cargos públicos,usam o seu próprio medo para impor medo aos outros,gerando cenas revoltosas mostradas pela internet:prisões arbitrárias de transeuntes que estavam sozinhos em praias,determinando a retirada de bandeiras do Brasil das janelas dos veículos etc.Este último tem uma razão de ser:por ser um ato de apoio ao atual presidente,governadores estaduais,com raiva,inveja e,por que não,medo,mandavam seus agentes de segurança pública tirar tais bandeiras.Esses agentes deveriam prestar continência à bandeira,mas retiraram-nas.O medo dos governantes e dos agentes públicos em geral criaram comportamentos opostos ao que deveria ser feito.

As pessoas,com medo,foram mandadas para delegacias,nas quais os agentes de segurança autuavam por atos que não são crimes,para gerar mais medo.Como é impossível prender milhões ao mesmo tempo,prende-se apenas os primeiros,gerando um efeito manada,criado pelo medo humano de sofrer,o que por sua vez gera o comportamento de acatar e aceitar as opiniões ditatoriais de certos governantes.Mas para lutar contra isso,é necessário domar o medo,pois até a liberdade assusta.

CONTINUA…Leia o Capítulo 2

Por Marcio Pinheiro

O MEDO

Todo dia um novo capítulo em nossoCaderno Cultural.Assine a Newsletter para ser notificado sobre os próximos lançamentos