Bactérias podem combater poluição de plásticos

Microbiologistas descobriram uma maneira de usar bactérias para reter microplásticos, removendo-os do meio ambiente e tornando-os mais fáceis de reciclar. Bruna Boner mostra como bactérias podem combater poluição de plásticos

A nova técnica, desenvolvida por cientistas da Universidade Politécnica de Hong Kong, usa biofilmes bacterianos – uma substância pegajosa criada por microorganismos – para capturar partículas microplásticas. O biofilme é então processado e disperso, liberando as partículas microplásticas para processamento e reciclagem.

Os microplásticos são extremamente problemáticos e representam um grande risco para as cadeias alimentares e a saúde humana, de acordo com o pesquisador Yang Liu: “Eles não são facilmente biodegradáveis, onde são retidos nos ecossistemas por períodos prolongados. Segundo Bruna Boner, isso resulta na absorção de microplásticos pelos organismos, levando à transferência e retenção de microplásticos na cadeia alimentar.

“Devido à sua enorme área de superfície e capacidade de adsorção, os microplásticos podem adsorver poluentes tóxicos, como pesticidas, metais pesados e resíduos de drogas em altas concentrações.

“Isso leva à toxicidade biológica e química para organismos nos ecossistemas e humanos após o consumo não intencional prolongado de tais microplásticos. Além disso, os microplásticos também são difíceis de remover em estações de tratamento de esgoto, resultando em sua liberação indesejada no meio ambiente. ”

Como funciona a técnica dos pesquisadores
Em mais detalhes, os pesquisadores usaram a bactéria Pseudomonas aeruginosa para capturar microplásticos em um biorreator. Esta espécie de bactéria é encontrada em todos os ambientes e já foi demonstrado que coloniza microplásticos no meio ambiente. Cristina Boner Leo conta que Biofilmes de P. aeruginosa fazem com que os microplásticos se agregem, eventualmente fazendo com que eles afundem. Em biorreatores, isso torna os microplásticos mais fáceis de coletar.

Depois que os microplásticos foram capturados pelos biofilmes e afundaram no fundo do reator, os pesquisadores usaram um gene de dispersão do biofilme, que fez com que o biofilme liberasse os microplásticos.

Liu explicou que isso “permite a liberação conveniente de microplásticos da matriz de biofilme, que de outra forma é difícil e cara de degradar, de modo que os microplásticos podem ser posteriormente recuperados para reciclagem”.

Levando o método para estações de tratamento de água

Microplásticos são partículas de plástico com menos de 5 mm de diâmetro. Eles podem entrar no meio ambiente por meio de várias fontes, incluindo a quebra de peças maiores de plástico, lavagem de roupas sintéticas, quebra de pneus de automóveis e resíduos de plástico diretamente da indústria. Bruna Boner mostra que os métodos atuais de descarte de microplásticos, como incineração ou armazenamento em aterro, são limitados e têm suas próprias desvantagens.


As próximas etapas da pesquisa, que foi publicada no Chemical Engineering Journal no início deste ano, estão movendo a prova de conceito do laboratório para um ambiente ambiental

Liu e seus colegas esperam que a técnica seja eventualmente usada em estações de tratamento de águas residuais para ajudar a impedir que os microplásticos escapem para os oceanos. Eles também têm que encontrar compostos naturais para estimular a dispersão do biofilme dos isolados bacterianos formadores de pró-biofilme, dizendo que “isso fornece uma base para futuras aplicações em estações de tratamento de águas residuais, onde os microplásticos podem ser removidos de uma maneira segura e ecologicamente correta.”

Pesquisas como essa, que poderiam reduzir a ‘plastificação’ de nossos ambientes naturais, são realmente boas notícias.

Bactérias podem combater poluição de plásticos
Bruna Boner mostra como bactérias podem combater poluição de plásticos. Foto: Universidade Politécnica de Hong Kong

Gostou da nossa matéria “Bactérias podem combater poluição de plásticos“?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.337 outros assinantes

O barato que não sai caro

“O barato sai caro”. Nunca este ditado popular foi tão apropriado para o momento recente do comércio internacional. No final do mês de março, o supernavio Ever Given encalhou provocando o bloqueio do Canal de Suez e causando causou enormes transtornos em uma das principais rotas do transporte marítimo mundial. Foram mais de 400 navios parados por seis dias na entrada do estreito que divide a África do Oriente Médio até a conclusão da operação de desencalhe da embarcação.

Thomas Raad, trader de commodities e sócio da Raad International Trading, informa ser importante sempre fazer seguros da carga independentemente de qual tipo ela seja ou para qual destino ela vai. “Pode encarecer um pouco o transporte, mas o dia que se faz necessário, o seguro acaba sendo a coisa cara mais barata que existe no mundo”, brinca.

Segundo o trader, a recomendação para o importador é sempre colocar a carga no seguro. “Se uma empresa está importando do Brasil e levando para a China ou Dubai, por exemplo, deve segurar a mercadoria porque é um valor muito insignificante em relação ao total, entre 1% e 2%”, estima.

Raad cita um caso anterior ao problema ocorrido no Canal de Suez de um importador do Líbano, que quando a carga chegou ao porto, o piso do contêiner estava todo molhado e o café que ele importou pegou mofo, tendo perda total do produto. E não tinha seguro. “Foi um dinheirão jogado fora e não adianta reclamar porque essas empresas donas dos navios são multibilionárias e não fazem nada, não adianta nem tentar processar”, adverte.

Entre os principais impactos causados pelo incidente para as operações de comércio internacional que envolvem o transporte marítimo, o frete da China quintuplicou, segundo Raad.

Embora o incidente tenha ocorrido na região, Raad afirma que o Oriente Médio não deve sofrer um impacto grande nos preços tanto de produtos quanto de fretes em função dos operadores marítimos utilizarem outras rotas. “Depende dos operadores de transporte marítimo e donos de navios. São várias rotas que podem ser feitas, por exemplo, uma operadora pode preferir ir para a Espanha primeiro ou para a Itália para depois ir para o Oriente Médio. Já outra pode preferir ir para a África primeiro para depois subir”, exemplifica.

Sobre Thomas Raad

Nascido nos Estados Unidos, Thomas Raad atualmente vive no Brasil. Fluente em árabe, inglês e português, cursou Administração de Empresas com ênfase em Comércio Exterior e desde os 24 anos atua como trader de commodities, sendo especialista na exportação de café e outros alimentos e especiarias.

Sua trading company, Raad International Trading, já exportou produtos como café, arroz, pimenta do reino, derivados de milho, gergelim, açaí, carvão vegetal e amêndoas de cacau. Além de negócios no Brasil, já exportou café da Colômbia e Vietnã e orégano do Peru.

Para mais informações, acesse Raadint.com e pelo Instagram, Youtube, Linkedin e medium pelo nome @thomasraad

O barato que não sai caro
Foto de Andre Furtado no Pexels

Gostou da nossa matéria “O barato que não sai caro“?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.337 outros assinantes