Compras semanais: Como se organizar?

Rosângela Lopes é autora de “Compras semanais: Como se organizar?”

Hoje é dia de fazer a organização da semana, com algumas orientações você economiza tempo dinheiro e evita desperdício.

* Faça uma lista de compras de acordo com o que você vai cozinhar para a semana;
* Confira os alimentos que tem na dispensa e na geladeira e anote o que está faltando;
* Faça boas escolhas, 2 a 3 alimentos de cada grupo (carboidrato, proteína e gordura);
* Planeje as refeições diárias e varie os legumes e frutas;

Por exemplo

Carboidrato: quinoa, mandioca, batata doce;
Proteína: frango, ovo, peixe;
Gorduras saudáveis: abacate, castanhas, azeite;
Vegetais: abobrinha, brócolis, berinjela;
Frutas: banana, laranja, morango;
Acrescente folhas verdes diariamente como couve, espinafre e rúcula.

Esses são só alguns exemplos procure variar sempre. Você costuma se planejar?

Veja mais dicas sobre nutrição, em nossa coluna, assinada por Rosângela Lopes.

Informação sobre a Cesta Básica no Brasil (com Agência Brasil)

Em maio, o custo médio da cesta básica ficou mais alto em 14 das 17 capitais brasileiras que são analisadas na Pesquisa Nacional da Cesta Básica, estudo divulgado mensalmente pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). No mês passado, a cesta só ficou mais barata em Campo Grande (-1,92%) e Aracaju (-0,26%).

O Dieese analisou, mas não divulgou o custo médio da cesta básica de Belo Horizonte, por mudança na metodologia.

A capital que apresentou a maior alta no mês foi Natal (4,91%), seguida por Curitiba (4,33%) e Salvador (2,75%).

Entre as capitais analisadas, a cesta mais cara foi a de Porto Alegre, onde o custo médio dos produtos básicos somou R$ 636,96. Em seguida aparecem São Paulo (R$ 636,40), Florianópolis (R$ 636,37) e Rio de Janeiro (R$ 622,76). A cesta mais barata foi a de Aracaju, cujo preço médio encontrado foi de R$ 468,43.

Com base na cesta mais cara, registrada em Porto Alegre, o Dieese estimou que o salário mínimo do país deveria ser de R$ 5.351,11, valor que corresponde a 4,86 vezes o piso nacional vigente, de R$ 1.100,00.

Gostou “Compras semanais: Como se organizar?”?

Compras semanais: Como se organizar?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email assim que estiverem online em nosso site. Aproveite e leia sobre Carreiras e Trabalho, com os ensinamentos de Rogério de Caro. Veja também as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Entre Séries.

Junte-se a 2.155 outros assinantes

Vacina Convidecia é analisada pela Anvisa, para uso emergencial

Na terça-feira (18) a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recebeu um pedido de autorização temporária para uso emergencial, em caráter experimental, da vacina contra a Covid-19 chamada Convidecia e será analisada. O pedido foi feito pela empresa Belcher Farmacêutica, representante do laboratório chinês CanSino Biologics no Brasil. A análise da documentação já foi iniciada.

Em março, antes da formalização do pedido, a Anvisa realizou duas reuniões com representantes do laboratório CanSino onde foram apresentados os procedimentos necessários e as informações que a empresa deveria fornecer para a análise. A Agência deve se manifestar em até sete dias úteis, caso todos os requisitos legais tenham sido cumpridos pela empresa solicitante.

O imunizante da CanSino é produzido a partir de um adenovírus humano não replicante e é oferecido em apenas uma dose. Os ensaios clínicos da vacina foram desenvolvidos no Paquistão, Rússia, Chile, Argentina e no México.

Fonte: Brasil 61

Gostou “Vacina Convidecia é analisada pela Anvisa, para uso emergencial”?

Vacina Convidecia é analisada pela Anvisa, para uso emergencial
Foto: Reprodução Brasil61

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email assim que estiverem online em nosso site. Aproveite e leia sobre Carreiras e Trabalho, com os ensinamentos de Rogério de Caro.

Junte-se a 2.155 outros assinantes

Alimentos saudáveis dispararam na pandemia; setor lucrou 100 bi

O consumo de alimentos saudáveis, que já vinha registrando um crescimento, dispararam com a chegada da pandemia no último ano. Em 2020, as vendas desses alimentos – que incluem de produtos sem glúten ou com menor teor de sódio a orgânicos certificados – atingiram R$100 bilhões no país, segundo a consultoria inglesa Euromonitor Internacional. O número é considerado a maior cifra para essa categoria desde 2006, quando esse segmento de alimentos começou a ser monitorado pela consultoria. Em relação a 2019, o avanço foi de 3,5%.

A preocupação com o consumo também  foi constatada em outra pesquisa que ouviu cerca de mil pessoas. Desse número, 78% disseram estar mais atentas à alimentação e à saúde, e 53% afirmaram buscar informação sobre a função dos alimentos. A pesquisa foi realizada pela RG Nutri em parceria com a Tech Fit, empresa líder em aplicativos de saúde e self-care no Brasil.

De olho nesse mercado, diversas empresas expandiram a sua oferta de produtos para atender essa demanda. “O nosso primeiro lançamento ocorreu em 2014 com a bebida Original, única no mercado com apenas dois ingredientes, sem glúten, sem lactose e zero colesterol. De lá para cá, sentimos a necessidade de expandir os sabores e, hoje, estamos com nove sabores no mercado, sem contar com a linha que lançamos recentemente para as crianças”, lembra Rodrigo Carvalho, sócio da A Tal da Castanha.

Foto: Divulgação

Neste ano as crianças foram contempladas com um lançamento de uma bebida totalmente vegetal pensada para complementar a alimentação infantil. O Mini nos sabores de Chocolate, Morango, Baunilha e Maçã & Banana não envolve nada de origem animal, aditivos artificiais e muito menos uma lista de ingredientes extensa. Um copo de 200ml da bebida, contém nutrientes essenciais para o desenvolvimento infantil, como cálcio, ferro, zinco, proteínas e fibras. De proteínas temos exatamente 3 gramas, provenientes da castanha de caju e da fava.

Apesar do momento econômico, a empresa continua crescendo e trabalha para expandir ainda mais a oferta de produtos. A marca faturou 45 milhões de reais em 2020 — e espera quase dobrar esse resultado, com projeção de fechar 2021 faturando 85 milhões de reais.

Alimentos saudáveis dispararam na pandemia
Foto: Divulgação

Sobre A Tal da Castanha: 

A Tal da Castanha é uma marca genuinamente brasileira que utiliza em sua composição apenas ingredientes de origem natural e vegetal. A marca combina excelência e inovação para trazer ao mercado brasileiro uma linha inédita de produtos que inclui bebidas vegetais, pastas e snacks. A filosofia da marca é pautada em pureza e simplicidade, quanto menos ingredientes, melhor. Líder no segmento, os produtos A Tal da Castanha são distribuídos nos melhores mercados do país. A Tal da Castanha é uma referência entre as marcas clean label do Brasil e faz parte da seleta lista de empresas B, um grupo global de organizações comprometidas com a geração de impacto positivo na sociedade e no meio ambiente.

Gostou da nossa matéria “Alimentos saudáveis dispararam na pandemia; setor lucrou 100 bi“?

Assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email, fique ligado nas notícias e matérias do jornal assim que estiverem online. Então, aproveite e leia as Últimas Notícias. Conheça nosso parceiro Dica App do Dia.

Junte-se a 2.155 outros assinantes