Arquivo da categoria: Boletim Coronavírus

Encontre aqui as matérias produzidas especialmente pelos nossos colunistas! Tudo que é importante e relevante, trazemos para você ficar por dentro! Portanto, Leia, curta, comente e compartilhe! Boletim Coronavírus, feito para você!

Jornal Grande ABC e Boletim Coronavírus

O Jornal Grande ABC é feito para você, e por vocês. Sendo assim, nossos colaboradores e jornalistas estão todos dias buscando novidades e matérias. Assim, produzindo material especial para nossos leitores. Portanto, nosso foco são as cidades de Mauá, Diadema, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, São Caetano do Sul, São Bernardo do Campo e Santo André. Além disso, cobrimos o que acontece no Brasil e no Mundo, incluindo esporte, entretenimento e tecnologias.

Não possuímos nenhuma vinculação política ou partidária. Da mesma forma, sem ligações com outras mídias já existentes na região. Nossa fundação se deu em 07 de Setembro de 2020. Desde então, cada dia estamos crescendo e chegando em mais dispositivos e usuários. Por isso, nossa maior satisfação é entregar material de qualidade para nossos leitores. Portanto, cada nova visita e comentário, nos dão mais fôlego para seguirmos firmes e fortes neste projeto.

Quer receber mais notícias, em qualquer momento? Assine nossa Newsletter, basta inserir seu e-mail logo abaixo, e receba as publicações todos os dias.

Junte-se a 103 outros assinantes

É um prazer ter você conosco. Aproveite para deixar comentário aqui embaixo. Salve nosso Site. Volte Sempre! Editoriais ABC, feito para você!

Você sabe o que é o ABCBook? Ainda não? Está perdendo uma grande oportunidade …

GANHE PARA NAVEGAR! VEJA AS NOTÍCIAS, COMENTE, COMPARTILHE, FAÇA AMIGOS E GRUPOS. MAIS QUE UMA REDE SOCIAL, É ABCBOOK!

Conecte SUS agiliza identificação e informações da vacinação

Com uso facultativo, ferramenta lançada pelo Ministério da Saúde, Conecte SUS agiliza e facilita processo de vacinação

O Ministério da Saúde orienta a população a baixar o aplicativo Conecte SUS para ter acesso às fases de vacinação contra a Covid-19. O uso da ferramenta é facultativo, mas é necessário realizar um cadastro no sistema nacional, por meio do site do Governo Federal.

O Conecte SUS tem um sistema intuitivo e simples e funciona como uma plataforma oficial de comunicação entre o cidadão e o Sistema Único de Saúde (SUS). O uso da ferramenta pode facilitar a identificação no momento de vacinação, agilizando o fluxo de atendimento.

Após criar seu login e senha, o cidadão pode acessar seu histórico de vacinação por meio do aplicativo, além de verificar consultas e exames realizados na rede pública, assim como o cadastro necessário para apresentar no posto de saúde na hora da vacinação contra o coronavírus.

O acesso a vacinas da rede pública de Saúde, no entanto, não está condicionado ao cadastramento em aplicativo ou plataforma. Mas trata-se de um direito que decorre da gratuidade e universalidade do SUS, ressaltou o secretário-executivo do Consórcio ABC, Acácio Miranda.

Como usar?

“O uso do Conecte SUS facilita muito o processo de vacinação tanto para o cidadão quanto para as equipes de Saúde, mas é uma ferramenta de uso facultativo. É importante frisar que ninguém que pertence ao público prioritário da campanha deixará de ser vacinado caso não baixe o aplicativo”, afirmou Miranda.

Para obter a vacina, será necessário apenas apresentar o Cadastro de Pessoa Física (CPF) ou o Cartão Nacional de Saúde (CNS), para que o profissional de saúde o localize na base de dados do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI).

Segundo o Ministério da Saúde, o cidadão que faz parte dos grupos prioritários, mas não tem cadastro, não deixará de ser imunizado. Em caso de ausência do nome no sistema, não haverá impedimento para receber a vacina, desde que comprove que integra algum grupo prioritário.

O Conecte SUS pode ser acessado por meio do site oficial ou pode ser baixado na App Store ou na Google Play.

Gostou da matéria sobre “Conecte SUS agiliza”?

Então, assine nossa Newsletter e receba nossas publicações em seu email. Então, aproveite e leia mais sobre Vacinação contra Covid-19.

Conecte SUS agiliza

Governador do Amazonas institui novas medidas contra pandemia

O Governador do Amazonas institui novas medidas de restrição, plano de abastecimento de oxigênio para as unidades hospitalares e remoção de pacientes para hospitais de outros estados.

Diante do colapso no sistema de saúde com a falta de oxigênio nos hospitais na última quinta-feira (14), o governador do Amazonas, Wilson Lima, anunciou ações frente ao recrudescimento da pandemia da Covid-19 no estado. A medida inclui novas medidas de restrição, plano de abastecimento de oxigênio para as unidades hospitalares e remoção de pacientes para hospitais de outros estados. 

Segundo o governador, a ampliação das medidas de restrição visa a proteção da vida das pessoas. O novo decreto restringe também o transporte coletivo de passageiros em rodovias e rios e suspende a circulação de pessoas nas ruas em todo o estado, com toque de recolher entre às 19h e 6h.

Em relação ao abastecimento de oxigênio nas unidades hospitalares, o governo do Estado ressaltou que as medidas para solucionar as dificuldades logística estão sendo adotadas junto ao governo federal. Também foi iniciada a transferência de pacientes para unidades hospitalares de cinco estados. Além do translado desses pacientes, o governo instituiu um grupo de apoio psicossocial para pacientes e familiares.

“Governador do Amazonas institui novas medidas contra pandemia” em parceria com Brasil 61

Gostou da matéria “Governador do Amazonas institui novas medidas contra pandemia”?

Assine nossa Newsletter e fique por dentro das notícias, assim que forem publicadas, ou como desejar. Para periodicidade, confira informações no email recebido. Então, aproveite e leia mais sobre Medidas Contra Pandemia.

Governador do Amazonas institui

Nova cepa do coronavírus gera incertezas entre autoridades

Nova cepa do coronavírus causa incertezas entre autoridades de saúde e a população em geral. O Ministério da Saúde já registrou suspeita de casos da variante do vírus, no estado de São Paulo. Segundo o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde do estado, essa nova cepa é a mesma detectada recentemente no Reino Unido e nos Estados Unidos. 

Além disso, o Ministério da Saúde foi notificado pelo Governo do Japão sobre a presença de nova variante do vírus, em viajantes brasileiros que chegaram em Tóquio, após passarem uma temporada no Amazonas. Nesses casos, as variações são as mesmas encontradas no Reino Unido e África do Sul.

Para detalhar o assunto, a epidemiologista e pesquisadora do CNPq, Ethel Maciel, concedeu uma entrevista exclusiva ao portal Brasil61.com. A especialista também é enfermeira, professora titular da Universidade Federal do Espírito Santo e pós-doutora em Epidemiologia pela Universidade Norte-Americana Johns Hopkins.

Segundo Ethel Maciel, é comum que esse tipo de vírus sofra mutação, mas até então, nenhuma das alterações anteriores tinham mudado a estrutura viral, tornando-o desapercebido pelo sistema imunológico humano. “Ele fez uma mudança naquelas espículas do vírus, que formam a coroa. Essa mudança conseguiu tornar essa variante (B117) 70% mais transmissível.”

Nova cepa do coronavírus

Segundo a especialista, mesmo que a variante não cause doenças mais graves, ela tem maior capacidade de transmissão entre as pessoas, podendo atingir mais indivíduos que já possuem comorbidades. Além disso, foi identificado maior número de infecções da nova cepa do coronavírus em crianças.

A preocupação também gira em torno das vacinas e resultados de exames. “A vacina faz uma apresentação do vírus para nosso organismo, para treiná-lo a como combater aquele vírus. Então qualquer mudança que ele consiga despistar no nosso sistema imunológico é ruim. A resposta fica mais lenta a esse agressor”, explica a Ethel Maciel. No entanto, empresas como a Pfizer e a Moderna informam que essa mudança não teve impacto na vacina. 

Em relação aos testes da Covid-19, a Anvisa já divulgou uma nota técnica, alertando os laboratórios brasileiros, sobre os exames que detectam a doença pela coroa do vírus. De acordo com a doutora Ethel, esse tipo de diagnóstico pode ser ineficaz para identificar a nova cepa do coronavírus.

Nova variação do vírus

A doutora Ethel Maciel alerta para uma segunda variação do coronavírus, diagnosticada no final mês de dezembro, na África do Sul, que é ainda mais preocupante, já que fez várias mudanças na coroa do vírus. Mutação já foi identificado em pacientes na Bahia e em São Paulo. Segundo ela, a comunidade cientifica ainda não sabe qual é o impacto disso nas vacinas. A expectativa é que os imunizantes sejam disponibilizados o mais rápido possível, para diminuir a circulação do vírus e impedir essas mutações.

Vacina na rede particular

A doutora Ethel Maciel afirma que as vacinas podem ser comercializadas na rede particular, desde que primeiro seja garantida a distribuição na rede pública. Ela ressalta que é papel do Estado promover a vacinação de sua população, e destaca um acordo feito pela Organização Mundial da Saúde com as fabricantes, para que as doses desenvolvidas só fossem vendidas para os governos.

A epidemiologista avalia que não seria justo que a vacina fosse disponibilizada apenas para pessoas que podem pagar. Segundo ela, é preciso começar a imunização pelos grupos prioritários, para evitar complicações de saúde, até que a coberta vacinal atinja 70% da população. “A vacina não é um remédio. Ela é uma estratégia de prevenção, que só funciona se for coletiva, se muitas pessoas se vacinarem, porque cria a imunidade de rebanho. A estimativa é que 70% da população do Brasil precisa ser vacinada para adquirir essa imunidade”, explica.

Nos últimos dias, o Instituto Butantan e o governo de São Paulo anunciaram que a eficácia da Coronavac, desenvolvida em parceria com farmacêutica chinesa, obteve 50,38% de eficácia global, no estudo clínico desenvolvido no Brasil. Além disso, o imunizante possui 78% de eficácia para casos leves e 100% contra casos moderados e graves da Covid-19. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está analisando o pedido de uso emergencial da vacina, assim como do imunizante desenvolvido pela Fundação Oswaldo Cruz, em parceria com a AstraZeneca.

Segundo a epidemiologista Ethel Maciel, o governo federal deveria ter firmado parcerias com outros laboratórios, antes mesmo da comprovação de eficácia, para que tivéssemos mais opções de vacina para este momento. “E a gente vai precisar de mais vacinas. Uma boa coisa para o Brasil fazer agora talvez seja começar a negociar com a Jansenn. Eles estão prometendo uma finalização do estudo em janeiro. E é uma vacina de uma dose só, então muito mais simples para a gente operacionalizar”, comenta.

Papel dos municípios

A epidemiologista Ethel Maciel acredita que não haverá dificuldade na operacionalização da vacinação, já que os municípios brasileiros possuem vasta experiência com outros imunizantes. Mas ressalta a importância de organizar um local, onde as pessoas vacinadas devam ir, caso apresentem alguma reação adversa. 

A gestão municipal também precisa fazer a conta de quantas doses da vacina serão necessárias para imunizar cada grupo prioritário da cidade, de acordo com o Plano Nacional de Imunização do governo federal. A partir desse cálculo, o Ministério da Saúde encaminha o número de doses estipulado para cada localidade.

Além disso, os municípios devem organizar as salas de vacinação. A doutora Ethel Maciel cita o caso do município de Vitória, no Espírito Santo. “A gente já faz, por exemplo, na vacina da gripe, o agendamento online. A ideia do governo agora é disponibilizar um aplicativo para que a gente possa fazer isso no Brasil todo, para evitar a aglomeração”, explica.

Mesmo com a vacinação, a população precisa manter os cuidados. “Mesmo que inicie a campanha, até que 70% da população seja vacinada, vai demorar um pouco. Então a gente vai precisar ainda seguir aquelas orientações, de utilizar máscara. 2021 vai ser um ano que a gente ainda vai utilizar máscara, vai precisar fazer distanciamento físico. Álcool em gel e a lavagem das mãos vão ser nossos aliados”, afirma a epidemiologista.

Arte - Brasil 61

Enem e retorno das aulas

Nos próximos dias 17 e 24 de janeiro, quase 6 milhões de estudantes vão realizar, presencialmente, as provas do Exame Nacional do Ensino Médio. Em entrevista exclusiva ao portal Brasil61.com, o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep/MEC), Alexandre Lopes, afirmou que o órgão investiu R$ 69 milhões em medidas de prevenção à Covid-19, para que as provas sejam realizadas de forma segura.

No entanto, a epidemiologista Ethel Maciel avalia a situação como preocupante, já que milhões de pessoas, entre estudantes e funcionários, vão se locomover para a realização do certame. “No meio de uma segunda onda, nós mobilizarmos tantas pessoas assim, se movimentado pelas cidades, eu considero muita irresponsabilidade, nesse momento. Do tempo que a gente estava esperando para fazer o Enem, eu acredito que o governo já deveria ter criado uma outra solução para essa prova”. Segundo avaliação da epidemiologista, a data da prova deveria ser revista, pelo menos até a aplicação das vacinas.

A especialista ressalta que a nova variante do coronavírus e a segunda onda dos contágios trazem uma preocupação a mais, em relação ao retorno das aulas. “Nós esperávamos que essa segunda onda chegasse um pouco mais tarde, depois de março, abril. E a gente foi surpreendido, em novembro e dezembro, com aumento exponencial de casos no Brasil. Nesse momento não tem segurança para o retorno presencial das aulas”. A doutora Ethel Maciel defende que os profissionais da educação estejam nas primeiras fases da vacinação.

Estudos sobre medicamentos

A epidemiologista comenta sobre os estudos de medicamentos para tratar a Covid-19. “No momento, nós não temos nenhum medicamento aprovado contra a Covid-19, que tenham tido eficácia e segurança. Nós temos alguns estudos que ainda estão em fase 2 e 3. Eles seriam utilizados para tratar a infecção e prevenir a doença grave e fatal. Mas não seriam dados indiscriminadamente”, comenta. A previsão é que os resultados desses estudos fiquem prontos a partir do mês de abril.

Por fim, a epidemiologista recomenda que o País tome medidas mais restritivas, para evitar um colapso do sistema de saúde. “A gente deveria fazer o lockdown, fazer uma restrição, para que a gente pudesse começar com um pouco mais de tranquilidade. Várias previsões matemáticas apontam que se a gente não tomar uma decisão hoje, janeiro vai ser trágico e fevereiro ainda mais. As chances de termos um colapso no serviço de saúde agora é real”, alerta.

Acompanhe a seguir a entrevista completa com a epidemiologista e pesquisadora do CNPq, Ethel Maciel.

“Nova cepa do coronavírus gera incertezas entre autoridades” é com informações de Brasil 61

Gostou da matéria “Nova cepa do coronavírus gera incertezas entre autoridades”?

Assine nossa Newsletter e fique por dentro das notícias, assim que forem publicadas, ou como desejar. Para periodicidade, confira informações no email recebido. Então, aproveite e leia mais sobre as Vacinas Contra Covid-19.

Manaus terá prioridade na vacinação contra Covid-19

Em pronunciamento realizado na manhã desta quarta-feira (13) em Manaus, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, reafirmou que os estados receberão as vacinas em três ou quatro dias após a autorização da Anvisa. Manaus terá prioridade na vacinação.

Em pronunciamento realizado na manhã desta quarta-feira (13) em Manaus, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, reafirmou que os estados receberão as vacinas contra a Covid-19 em três ou quatro dias após a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para início da imunização. 

“Vamos vacinar em janeiro e Manaus será a primeira cidade a receber o imunizante. A vacina será distribuída simultaneamente em todos os estados na sua proporção de população, mas Manaus terá essa prioridade”, disse.

A agência reguladora informou que está prevista para o próximo domingo (17) a reunião da Diretoria Colegiada que decidirá sobre pedidos de autorização para uso emergencial, temporário e experimental das vacinas do Instituto Butantan e da Fiocruz. A data representa o penúltimo dia do prazo estabelecido pela própria Agência como meta para análise dos pedidos.

A capital amazonense voltou a ter hospitais lotados por conta do vírus. Nos últimos dias, a cidade registrou recorde de novas internações que superaram números vistos em abril e maio, quando houve colapsos no sistema público de saúde e funerário. O prefeito, David Almeida (Avante), decretou novamente estado de emergência por 180 dias e afirmou que a cidade vive seu pior momento da pandemia, sem descartar um novo lockdown.

Ao lembrar que sua família mora na cidade, Pazuello afirmou que o governo federal está acompanhando de perto a situação do município. “Quero deixar claro para todos que nós não estamos nem um pouco afastados de viver o problema de Manaus, nós estamos dentro do problema como todos os senhores. Essa é a sensação que tem que ser compreendida, nós estamos juntos. Podem contar comigo, com o presidente da República, ele me apoia em tudo, cem por cento”, declarou.

Na última semana, o Ministério da Saúde providenciou o envio de 131 ventiladores pulmonares para o estado do Amazonas, sendo 78 apenas para Manaus. O Ministério da Defesa também está providenciando o transporte de 1.500 cilindros de oxigênio para o município. 

Em decorrência da viagem emergencial do ministro a Manaus esta semana, foi adiada a reunião com os presidentes da Confederação Nacional de Municípios (CNM) e das entidades municipalistas estaduais que estava marcada para hoje. Segundo a pasta, a reunião pode ocorrer ainda nesta semana. A videoconferência também terá como pauta o planejamento e a execução da vacinação contra a Covid-19 nos demais municípios.

“Manaus terá prioridade na vacinação contra Covid-19” é com informações de Brasil 61

Gostou da matéria “Manaus terá prioridade na vacinação contra Covid-19”?

Assine nossa Newsletter e fique por dentro das notícias, assim que forem publicadas, ou como desejar. Para periodicidade, confira informações no email recebido. Então, aproveite e leia mais sobre a Vacinação.

Manaus terá prioridade na vacinação contra Covid-19
(Brasília – DF, 27/04/2020) Coletiva de imprensa com Ministro da Saúde, Nelson Teich. Fotos: José Dias/PR
professores vacina pandemia

Entenda os resultados da CoronaVac

50,4% ou 78% de eficácia? Entenda os resultados da CoronaVac e os percentuais diferentes.

O Instituto Butantan divulgou nessa terça-feira os dados completos de eficácia da vacina contra o coronavírus que está desenvolvendo em parceria com o laboratório chinês Sinovac, a CoronaVac. E O índice de eficácia foi de 50,4%.

Todavia, número bem abaixo do índice divulgado na última quinta-feira, de 78%.

Com os dados completos, fica claro que esses 78% se referem à prevenção apenas de casos leves, mas exclui da conta os casos muito leves e os casos assintomáticos.

Os dados também confirmam que a CoronoaVac é eficiente em evitar as formas mais graves da Covid-19. Não existiram doentes graves entre os voluntários que tomaram a vacina. Entre os voluntários que tomaram placebo foram sete casos.

Mas, como o número de pacientes é muito bem pequeno, os cientistas tratam esse resultado como uma tendência. Portanto, não como uma informação definitiva de que a CoronaVac pode evitar todas as formas graves da doença, como explicou o diretor médico de pesquisa do Instituto Butantan, Ricardo Palácios.

Na semana passada, o governo de São Paulo chegou a garantir que a vacina era 100% eficaz contra casos graves da doença.

Reações adversas

Por outro lado, não houve registros de reações adversas graves entre as pessoas que tomaram a CoronaVac. Apenas 0,3% dos voluntários apresentaram reações leves, como dor de cabeça, dor no local da aplicação e um pouco de fadiga. Para Ricardo Palácios, está claro que a vacina é segura.

Apesar dos números mais modestos divulgados nessa terça-feira, os resultados se mostraram suficientes para mobilizar um batalhão de cientistas em defesa do início imediato da vacinação no Brasil.

A bióloga Natália Pasternak lembrou que a vacina é adequada ao sistema de vacinação brasileiro.

Para a infectologista do Hospital Emília Ribas Rosana Richtmann, uma das principais referências no atendimento a pacientes com Covid-19 no Brasil, não dá para desprezar a eficácia de 78% na prevenção de casos leves da doença.

O pedido de uso emergencial da CoronaVac teve registro na Anvisa na última sexta-feira. Nesse sentido, o painel de andamento da análise das vacinas da Agência, o Butantan ainda precisa apresentar pouco mais de 5% dos documentos exigidos. Cerca de 40% do processo já passou por análise da agência. Diferente da divulgação dos números incompletos da semana passada, dessa vez o governador de São Paulo, João Doria, não participou da coletiva de imprensa.

“Entenda os resultados da CoronaVac” é com informações de Agência Brasil

Gostou da matéria “Entenda os resultados da CoronaVac”?

Assine nossa Newsletter e fique por dentro das notícias, assim que publicadas, ou como desejar. Portanto, para periodicidade, confira informações no email recebido. Então, aproveite e leia mais sobre a Coronavac.

Entenda os resultados da CoronaVac
Saúde formaliza compra de 46 mi de doses da CoronaVac ao Butantan

Análise da vacina do Butantan: Prazo ainda não começou

Análise da vacina do Butantan: Os técnicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária já começaram a analisar os documentos enviados pela Fiocruz e pelo Instituto Butantan. Essa análise começou ainda no fim de semana, após a checagem dos dados enviados pelas duas instituições.

No sábado, a Anvisa informou que, para o Butantan, o prazo de 10 dias corridos para a análise ainda não tinha começado porque faltava parte da documentação sobre a vacina Coronavac, desenvolvida em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac. E que outra parte ainda precisava de mais documentos.

Já em relação à vacina desenvolvida pela Fiocruz em parceria com a universidade inglesa de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca, todos os documentos foram enviados. Por isso, começou a contar no sábado o prazo de até 10 dias para a Anvisa responder ao pedido de uso emergencial. O prazo, portanto, termina na próxima segunda-feira.

E o que a Anvisa avalia neste momento? A análise é complexa e se baseia em requisitos científicos aceitos internacionalmente. A equipe da agência reguladora confere os documentos técnicos que comprovem a eficácia de cada vacina para prevenir a Covid-19 e as mortes causadas pela doença. A preocupação é que o imunizante tenha qualidade, eficácia, segurança e ofereça o menor risco possível.

“Análise da vacina do Butantan: Prazo ainda não começou” é com informações de Agência Brasil

Gostou da matéria “Análise da vacina do Butantan: Prazo ainda não começou”?

Assine nossa Newsletter e fique por dentro das notícias, assim que forem publicadas, ou como desejar. Para periodicidade, confira informações no email recebido. Leia mais sobre as Vacinas contra Covid-19.

Análise da vacina do Butantan
Photo by Miguel Á. Padriñán on Pexels.com
primeira vítima fatal da Covid-19

Há um ano era registrada a primeira vítima fatal da Covid-19

Há um ano o mundo registrava a primeira vítima fatal de Covid-19. Desde então, quase 2 milhões de pessoas já morreram, e 90 milhões de casos positivos confirmados no mundo todo. Os Estados Unidos continuam sendo o país mais afetado pela pandemia, com mais de 370 mil mortos, seguido do Brasil, com mais de 200 mil vítimas fatais.

Apenas na próxima quinta-feira, uma equipe de especialistas da Organização Mundial da Saúde deve entrar na China pela primeira vez para iniciar uma investigação sobre a origem do coronavírus.

Mais informações com Silvano Mendes, da Rádio França Internacional.

Ouça:

 

Com informações de Agência Brasil

Gostou de “Há um ano era registrada a primeira vítima fatal da Covid-19”?

Assine nossa Newsletter e fique por dentro das notícias, assim que publicadas, ou como desejar. Portanto, para periodicidade, confira informações no email recebido. Então, aproveite e leia mais sobre a Pandemia.

primeira vítima fatal da Covid-19
Photo by Karolina Grabowska on Pexels.com
Vacina Pfizer é eficaz contra

Vacina Pfizer é eficaz contra duas mutações do coronavírus

A vacina contra a covid-19 da Pfizer/BioNTech se mostrou eficaz contra uma “mutação-chave” das variantes britânica e sul-africana do coronavírus – apontam resultados de trabalhos divulgados nesta sexta-feira (8) pelo laboratório BioNTech.

“Os anticorpos das pessoas que receberam a vacina da Pfizer/BioNTech neutralizam, de forma eficaz, o Sars-CoV-2 com uma mutação que também se encontra em duas variantes altamente transmissíveis”, identificadas na Grã-Bretanha e na África do Sul, afirma o laboratório, em um comunicado.

A emergência no Reino Unido e na África do Sul das duas novas variantes do coronavírus Sars-CoV-2 preocupa a comunidade internacional devido à sua maior capacidade de transmissão, segundo os primeiros dados.

Em parceria com Agência Brasil

Gostou da “Vacina Pfizer é eficaz contra…”?

Então, assine nossa Newsletter. Não deixe de comentar logo abaixo também. Leia mais sobre Vacinas contra Covid-19.

Vacina Pfizer é eficaz contra
Mulher segura frasco rotulado como de vacina contra Covid-19 em frente a logo da Pfizer em foto de ilustração 30/10/2020 REUTERS/Dado Ruvic

Jornal Grande ABC

COMUNICAÇÃO: Existem formas de falar

O Jornal Grande ABC é feito para você, e por vocês. Nossos colaboradores e jornalistas estão todos dias buscando novidades e matérias. Assim, produzindo material especial para nossos leitores. Nosso foco são as cidades de Mauá, Diadema, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, São Caetano do Sul, São Bernardo do Campo e Santo André. Além disso, cobrimos o que acontece no Brasil e no Mundo, incluindo esporte, entretenimento e tecnologias.

Não possuímos nenhuma vinculação política ou partidária. Da mesma forma, sem ligações com outras mídias já existentes na região. Nossa fundação se deu em 07 de Setembro de 2020. Desde então, cada dia estamos crescendo e chegando em mais dispositivos e usuários. Por isso, nossa maior satisfação é entregar material de qualidade para nossos leitores. Portanto, cada nova visita e comentário, nos dão mais fôlego para seguirmos firmes e fortes neste projeto.

Quer receber mais notícias, em qualquer momento? Assine nossa Newsletter, basta inserir seu e-mail logo abaixo, e receba as publicações todos os dias.

Junte-se a 103 outros assinantes

É um prazer ter você conosco. Aproveite para deixar comentário aqui embaixo. Salve nosso Site. Volte Sempre!

Butantan apresenta pedido de uso emergencial da Coronavac

Butantan apresenta pedido de uso emergencial da Coronavac

Butantan apresenta pedido de uso emergencial: O Instituto Butantan fez, nesta sexta-feira (8), o pedido de uso emergencial da vacina Coronavac na Anvisa. A informação foi confirmada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária. O prazo para uma resposta, definido pela Anvisa, é de 10 dias corridos. Portanto, espera-se uma resposta até o dia 18 de janeiro autorizando ou não o uso emergencial do imunizante.

A Anvisa informou ainda que já iniciou a triagem dos documentos e que, nas primeiras 24 horas, deve checar se todos os dados necessários estão disponíveis.

Se faltar alguma informação, a Anvisa pode pausar o prazo e solicitar os dados adicionais ao laboratório, que é o responsável pela vacina da Coronavac no Brasil, produzida em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

Nessa quinta-feira (7), o Instituto Butantan divulgou o resultado dos testes com a Coronavac no Brasil, que mostrou uma eficácia de 78%. Ou seja, a vacina produzida pelo laboratório chinês Sinovac, em parceria com o instituto brasileiro, conseguiu evitar a covid-19 em 78% dos casos, chegando a uma eficácia de 100% nos casos graves da doença.

A promessa do Butantan é disponibilizar 46 milhões de doses da vacina até março. Neste momento, existem 10 milhões e 800 mil doses prontas para serem usadas.

“Butantan apresenta pedido de uso emergencial da Coronavac” é com informações de Agência Brasil

Gostou de “Butantan apresenta pedido de uso emergencial da Coronavac“?

Então, assine nossa Newsletter. Não deixe de comentar logo abaixo também. Veja mais sobre as Vacinas contra Covid-19.

Butantan apresenta pedido de uso emergencial da Coronavac

Brasil ultrapassa marca dos 200 mil mortos pela pandemia

O Brasil superou nessa quinta-feira (7) a marca dos 200 mil mortos pela pandemia da covid-19. De acordo com o balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, já são 200.498 vidas perdidas para a pandemia, sendo 1.524 delas registradas nessa quinta.

Foi o segundo maior número de mortes desde o começo da pandemia. O recorde foi em 29 de julho, quando morreram 1.595 pessoas por causa da doença.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, prestou solidariedade às vítimas, em nome do governo, e disse que o momento exige união. Pazuello fez uma apresentação aos jornalistas para atualizar as ações do governo contra a pandemia.

Sobre as vacinas, o Ministério da Saúde afirma ter assegurado 354 milhões de doses para este ano, com a chance de vacinar até 177 milhões de brasileiros.

São 2 milhões que a Fiocruz comprou este mês, do imunizante de Oxford/AstraZeneca, fabricado na Índia; 100 milhões e 400 mil doses direto da AstraZeneca até julho; 110 milhões da vacina de Oxford/AstraZeneca, mas fabricadas totalmente pela Fiocruz, que devem ser entregues de agosto a dezembro; 42 milhões e 500 mil vacinas do consórcio internacional Covax Facility, que provavelmente serão de Oxford/Astrazeneca; e outros 100 milhões de doses da vacina da Coronavac, desenvolvida pela farmacêutica Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, sendo inicialmente 46 milhões de doses e, 30 dias depois, mais 54 milhões.

O ministro avaliou que essas doses já podem ser suficientes para interromper a circulação do novo coronavírus em algumas localidades.

Eduardo Pazuello acrescentou que o Ministério da Saúde também negocia com a empresa privada União Química a compra de doses da Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamalea.

O ministro voltou a dizer que o Brasil tem interesse em todas as vacinas e negocia com outras três empresas farmacêuticas. No caso da Janssen, Pazuello destacou que o preço, a eficácia e o fato de ser apenas uma dose chamaram a atenção do governo. O problema é que eles só disponibilizaram 3 milhões de doses a partir de abril e outros 8 milhões só na segunda metade do ano.

A vacina da Moderna custa cerca de 10 vezes mais que a de Oxford/AstraZeneca e pode entregar 30 milhões de doses este ano, mas somente a partir de outubro. Por isso, Eduardo Pazuello enfatizou a necessidade de fabricar as vacinas no Brasil.

Sobre a vacina da Pfizer, o ministro disse que a empresa não abre mão de algumas cláusulas contratuais. Eduardo Pazuello citou três exigências com as quais o governo não concorda. Uma delas é que a Pfizer não seja responsável por nenhum efeito colateral grave e que essa responsabilidade fique para o governo.

A segunda é que a Justiça brasileira não receba nenhum processo contra a empresa, que responderia somente nos Estados Unidos. A terceira exigência é que o governo crie um fundo com recursos públicos para arcar com possíveis ações judiciais em que a Pfizer aparecer como ré, nos Estados Unidos.

Eduardo Pazuello disse que o governo espera que as negociações avancem.

A equipe do Ministério da Saúde também detalhou a medida provisória que autoriza o Poder Público a comprar vacinas sem licitação e antes mesmo do registro na Anvisa. As vacinas, no entanto, só poderiam ser aplicadas após a autorização da agência reguladora. E toda a estratégia deveria ser dentro do Plano de Operacionalização da Vacinação, apresentado em dezembro pelo ministério. Ou seja, distribuída simultaneamente em todo o país, começando pelos grupos prioritários definidos pela equipe técnica da pasta.

“Brasil ultrapassa marca dos 200 mil mortos pela pandemia” com informações de Agência Brasil

Gostou de “Brasil ultrapassa marca dos 200 mil mortos pela pandemia“?

Então, assine nossa Newsletter. Não deixe de comentar logo abaixo também. Saiba mais sobre a Pandemia.

Brasil ultrapassa marca dos 200 mil mortos pela pandemia
Uso de máscaras de proteção ns ruas da capital federal
Eficácia geral da Coronavac é de 50,38%, segundo Butantan

Coronavac tem 78% de eficácia. Em outros países, taxa foi maior

A vacina experimental desenvolvida pela Sinovac Biotech, Coronavac, tem 78% de eficácia contra a Covid-19 em testes em estágio final no Brasil. este é o resultado mais detalhado até agora sobre a eficácia do imunizante, após dados anteriores gerarem confusão e dúvidas.

A taxa de proteção, confirmada por funcionários do estado de São Paulo, foi derivada dos testes de estágio final mais avançados do Sinovac no Brasil, envolvendo cerca de 13.000 participantes. A taxa é tímida, frente os cerca de 95% de eficácia observada em vacinas de mRNA desenvolvidas pela Pfizer e Moderna.

A vacina foi 78% eficaz na prevenção de casos leves de Covid-19 e 100% eficaz contra infecções graves e moderadas, disse Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan que fez parceria com a Sinovac para produzir o imunizante localmente. O instituto planeja solicitar autorização de uso emergencial para Anvisa nesta sexta-feira.

Faltando detalhes

O estudo contabilizou cerca de 220 participantes infectados. Destes, 160 no grupo do placebo e quase 60 entre os que receberam a vacina, segundo Covas. As autoridades se recusaram a fornecer uma análise mais detalhada do estudo, incluindo informações sobre faixas etárias e efeitos colaterais da injeção, e não especificaram quando a documentação completa será publicada.

Não ficou claro como os pesquisadores calcularam a taxa de eficácia. O instituto se recusou a dar mais detalhes, dizendo que não tinha informações, além do divulgado na coletiva de imprensa.

Como algumas outras vacinas, o CoronaVac é administrado em duas doses, com 14 dias de intervalo. O Butantan está considerando aumentar para até 28 dias. Neste sentido, para que mais pessoas façam as primeiras vacinas rapidamente, disse Covas.

O governador João Doria tenta agilizar as vacinações, já que o Brasil vê um ressurgimento do vírus. Ao todo, quase 11 milhões de doses da vacina de Sinovac, CoronaVac, já chegaram no Brasil.

Doria planeja obter aprovação rápida e começar a vacinar a população do estado. Sendo assim, cerca de 45 milhões de pessoas em 25 de janeiro. A pressão de outros governadores levou o ministério da saúde a incluir a Coronavac, publicamente rejeitado por Bolsonaro, nos planos de vacinação do país.

Informações conflitantes e incompletas dos julgamentos de Sinovac no mês passado criaram confusão sobre a eficácia exata. Pesquisadores atrasaram a liberação de dados completos sobre o CoronaVac no final de dezembro, apenas afirmando ter mais de 50% de eficácia. O secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, disse posteriormente que a vacina não atingiu 90% de eficácia. Ainda mais confusos, a Turquia disse que seu ensaio mostrou uma taxa de eficácia estimada de 91,25%, embora tenha sido baseada em apenas 29 casos.

Coronavac tem 78% de eficácia. Mas fabricante adiou divulgação.

A divulgação de dados mais definitivos sobre a eficácia da vacina foi adiada porque o desenvolvedor da vacina, com sede em Pequim, precisava conciliar os resultados de diferentes testes usando protocolos variados.

Embora a divulgação da Sinovac agora forneça uma imagem clara da eficácia de sua vacina e deva aumentar a confiança em países onde fechou acordos de fornecimento como a Indonésia e o Brasil, a falta de divulgações oportunas e claras dos desenvolvedores chineses contribuiu para a falta de confiança.

Aplicação na China

A China já aplicou mais de 4,5 milhões de doses, sob autorização de uso emergencial. Além disso, pretende vacinar 50 milhões de pessoas contra o vírus até o início de fevereiro, antes do feriado anual do Ano Novo Lunar.

Tanto a Sinovac quanto a desenvolvedora estatal China National Biotec, cujo imunizante se tornou o primeiro do país a ser aprovado para o público em geral, viram dados conflitantes revelados sobre suas vacinas. CNBG disse que sua vacina é eficaz na prevenção de Covid-19 em 79,3% das pessoas, menos do que 86% relatados anteriormente em seus testes nos Emirados Árabes Unidos.

Capacidade de produção da Sinovac

A Sinovac pode produzir mais de 600 milhões de doses por ano em suas instalações na China. A empresa tem pedidos de países envolvidos em testes de vacinas, incluindo Brasil, Turquia e Indonésia, e também fornecerá Cingapura e Hong Kong, além da própria China.

As vacinas de Sinovac e CNBG usam uma versão inativada do coronavírus para estimular a resposta imunológica do corpo. Eles podem ser armazenados em temperatura de geladeira (2 a 8 graus Celsius), tornando-os escolhas potencialmente melhores para distribuição e uso no mundo em desenvolvimento do que as vacinas de mRNA da Pfizer e Moderna que requerem congelamento.

Com informações de Bloomberg

Gostou de “Coronavac tem 78% de eficácia. Em outros países, taxa foi maior“?

Então, assine nossa Newsletter. Não deixe de comentar logo abaixo também.

Coronavac tem 78% de eficácia
Fábrica de vacinas da Sinovac em Pequim 24/09/2020 REUTERS/Thomas Peter
Plano Estadual de Imunização

Plano Estadual de Imunização contra a Covid-19 é apresentado

São Paulo: A estratégia das autoridades estaduais é iniciar a imunização contra em todas as regiões do estado no dia 25 de janeiro. Confira mais sobre o Plano Estadual de Imunização contra.

O Governador do estado de São Paulo, João Doria, apresentou nesta quarta-feira (6) o Plano de Estadual de Imunização contra o coronavírus aos 645 prefeitos eleitos para os mandatos iniciados em 2021. A estratégia das autoridades estaduais é iniciar a imunização contra Covid-19 em todas as regiões do estado no dia 25 de janeiro.

Foram listados aos gestores, novos e reeleitos, detalhes do plano. A primeira etapa de vacinação vai priorizar profissionais da saúde, pessoas com 60 anos ou mais e grupos indígenas e quilombolas. A expectativa do estado é que 9 milhões de pessoas sejam imunizadas na primeira etapa, com a aplicação de 18 milhões de doses, até o dia 28 de março.

A campanha coordenada pela Secretaria Estadual da Saúde, em parceria com os 645 municípios paulistas, visa dobrar o total de postos de vacinação dos atuais 5,2 mil para até 10 mil. A estimativa é de que a vacinação envolva cerca de 79 mil profissionais, com 54 mil trabalhadores do setor da saúde e 25 mil agentes da segurança pública para garantir a segurança da população e evitar aglomerações nos locais de imunização.

“Plano Estadual de Imunização contra a Covid-19 é apresentado” é em parceria com o Brasil 61

Gostou de “Plano Estadual de Imunização contra a Covid-19 é apresentado“?

Então, assine nossa Newsletter. Não deixe de comentar logo abaixo também. Leia mais sobre Vacinas contra coronavírus.

Plano Estadual de Imunização
30/10/2020 REUTERS/Dado Ruvic/Foto ilustrativa

Estrangeiros que vierem ao Brasil precisam do teste de Covid-19

Para entrar no Brasil por via aérea, os estrangeiros que vierem ao Brasil devem preencher a Declaração de Saúde do Viajante (DSV) e apresentar teste negativo para Covid-19. A medida do governo federal  começou a valer no dia 30 de dezembro de 2020 e exige que brasileiros ou estrangeiros que desejam entrar no País de avião apresentem à companhia aérea um teste PCR, feito com 72h de antecedência, com resultado negativo ao embarcar.

A norma atende à recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), pelos riscos de contaminação e disseminação do vírus. Considerado o padrão de referência, o RT-PCR é o exame que identifica a presença do vírus por meio de amostras coletadas do nariz e garganta através de cotonetes. Tido como a modalidade de teste mais assertiva durante a infecção, o ideal é que ele seja realizado entre o 3º e o 7º dia após o início dos sintomas.

Brasileira residente nos Estados Unidos, Selma Hess, de 63 anos, veio ao Brasil em novembro para visitar familiares. Apesar da não obrigatoriedade à época, ela realizou por precaução dois exames, antes de embarcar e também em seu retorno. “Foram perguntadas todas as questões do protocolo de prevenção da Covid-19 no nosso embarque e na nossa chegada. Por conta própria, seguindo recomendações, nós seguimos a quarentena de duas semanas e depois disso fizemos um teste aqui nos Estados Unidos e felizmente tudo correu bem, o teste deu negativo”, contou. 

Antes do embarque para o Brasil, o viajante agora também deverá apresentar à companhia aérea o e-mail de comprovação do preenchimento da Declaração de Saúde do Viajante (DSV). A declaração tem o objetivo de conhecer a situação de saúde do viajante antes do embarque. 

Ao preencher a DSV, também se concorda em atender às medidas sanitárias adotadas durante o período que estiver no País. O descumprimento implica responsabilização civil, administrativa e penal, e, no caso de estrangeiros, repatriação ou deportação imediata e inabilitação de pedido de refúgio.

A consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia, Sylvia Lemos, destacou que esta é uma medida preventiva adotada não só pelo Brasil, mas que também já era válida em outros países. “É uma medida de vigilância epidemiológica para que se contenha ou se detecte inclusive a quantidade de pessoas que possam estar transmitindo e também se existem as transmissões de variantes do vírus”, pontuou.

A Anvisa publicou, na última sexta-feira (1º), uma Nota Técnica com informações sobre o impacto da variante do coronavírus identificada no Reino Unido. A Nota recomenda que os laboratórios estejam atentos às informações das instruções de uso e adotem medidas que favoreçam o diagnóstico, como a utilização de produtos voltados a diferentes alvos virais. Ainda de acordo com o documento, a maioria dos ensaios moleculares do tipo PCR regularizados no Brasil utilizam mais de um alvo, o que reduziria o impacto ao diagnóstico.
O engenheiro civil Johnatha Freitas, de 30 anos, que está residindo na Itália, tem passagem comprada para voltar ao Brasil no final de janeiro.

Apesar de ser a favor da testagem obrigatória para a prevenção da disseminação do vírus, ele sente falta de um amparo em relação ao custo do exame. “O valor desse teste é muito alto. Aqui custa em torno de € 150, no Brasil em torno de R$ 300. Era preciso uma regulamentação para ter um valor mais em conta”, disse.

Não será permitido o ingresso no Brasil de viajante procedente do exterior que não portar a DSV e o laudo do teste do RT-PCR com resultado negativo ou laudo desse teste tiver resultado positivo/reagente para o novo coronavírus.

Inconstitucionalidade da medida

Especialistas argumentam que a exigência da apresentação do teste de detecção da Covid-19 antes de embarcar fere princípios constitucionais e que há casos de cidadãos fora do Brasil enfrentando dificuldades para agendar os exames. Desde o início da pandemia, o governo federal tem editado regras que restringem a entrada no País de visitantes internacionais, excetuando alguns casos específicos. 

As diferentes normativas renovam o protocolo referente a estrangeiros, sendo que até a norma de 17 de dezembro de 2020 os brasileiros sempre estiveram autorizados a retornar ao País.

Segundo o advogado Renato Ribeiro de Almeida, doutor em Direito do Estado pela USP, é possível que se estabeleça o teste e até mesmo uma quarentena para resguardar a saúde das pessoas que já estão dentro do território. “Essa situação é sim constitucional. Tendo em vista que o contexto da pandemia em caráter internacional exige que estados nacionais tomem providências e essas providências sejam as mais adequadas à contenção da pandemia”, avaliou. 

Para o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello a portaria é ilegal e a exigência é “extremada” e inconstitucional no caso dos brasileiros. Segundo o magistrado, a decisão se justificaria para estrangeiros, mas não aos brasileiros que desejam retornar ao País.

“Estrangeiros que vierem ao Brasil precisam do teste de Covid-19” em parceria com Brasil 61

Estrangeiros que vierem ao Brasil precisam do teste de Covid-19
Medidas de proteção contra possíveis infecções por cornoavírus sendo mostradas na clínica universitária de Essen

Gostou de “Estrangeiros que vierem ao Brasil precisam do teste de Covid-19“?

Então, assine nossa Newsletter. Não deixe de comentar logo abaixo também. Leia mais sobre a pandemia do coronavírus.

dois milhões de doses de vacina

Itamaraty garante importação de dois milhões de doses de vacina

O Ministério das Relações Exteriores informou, nesta terça-feira (5), que não há qualquer tipo de proibição oficial do governo da Índia para exportação de doses da vacina contra a Covid-19 produzidas pela indústria farmacêutica daquele país. 
 
Na segunda-feira (4), o chefe do Instituto Serum da Índia, Adar Poonawalla, afirmou que as exportações seriam barradas pelo governo indiano até que parte da população recebesse a vacina. No entanto, ele mesmo esclareceu a informação e disse que a exportação para outros países será permitida.

No último dia 31, a Anvisa autorizou a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) a importar, em caráter emergencial, dois milhões de doses da vacina produzida pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca. Essas doses viriam da Índia. A expectativa do governo brasileiro é de que as doses cheguem ao Brasil ainda em janeiro.

Com informações de Brasil 61

Gostou da matéria “Itamaraty garante importação de dois milhões de doses de vacina”?

Assine nossa Newsletter e fique por dentro das notícias, assim que forem publicadas, ou como desejar. Para periodicidade, confira informações no email recebido. Leia mais sobre Vacinas contra Covid-19.

dois milhões de doses de vacina

SP apresenta a prefeitos o Plano Estadual de Imunização

Programas estaduais, retomada da economia e vacinação foram alguns dos temas em teleconferência sobre o Plano Estadual de Imunização, coordenada pelo Governador João Doria

O Governador João Doria apresentou nesta quarta-feira (6), durante o 1º Seminário Virtual de Gestão Pública, o Plano de Estadual de Imunização contra o coronavírus aos 645 prefeitos eleitos para os mandatos iniciados em 2021. A estratégia das autoridades estaduais é iniciar a imunização contra a COVID-19 em todas as regiões do estado no dia 25 de janeiro.

“A saúde é a prioridade absoluta. Lamentavelmente, todos os 215 países estão enfrentando uma segunda onda desse vírus e isso exige cuidado, zelo, disciplina, perseverança, determinação e coragem para fazer o que precisa ser feito”, disse Doria.

O Secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn, listou aos prefeitos os detalhes do plano. A primeira etapa de vacinação vai priorizar profissionais da saúde, pessoas com 60 anos ou mais e grupos indígenas e quilombolas. A expectativa do Estado é que 9 milhões de pessoas sejam imunizadas na primeira etapa, com a aplicação de 18 milhões de doses, até o dia 18 de março.

A campanha coordenada pela Secretaria Estadual da Saúde em parceria com os 645 municípios paulistas visa dobrar o total de postos de vacinação dos atuais 5,2 mil para até 10 mil. A estimativa é de que a vacinação envolva cerca de 79 mil profissionais, com 54 mil trabalhadores do setor da saúde e 25 mil agentes da segurança pública para garantir a segurança da população e evitar aglomerações nos locais de imunização.

Sobre o Seminário

O seminário também teve a participação dos Secretários de Estado Marco Vinholi (Desenvolvimento Regional), Henrique Meirelles (Fazenda e Planejamento), Mauro Ricardo (Projetos, Orçamento e Gestão), Patricia Ellen (Desenvolvimento Econômico), Coronel Walter Nyakas Júnior (Casa Militar e Defesa Civil), Célia Parnes (Desenvolvimento Social), do Diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, e da Presidente do Fundo Social de São Paulo, a Primeira-Dama Bia Doria.

O Secretário da Fazenda destacou o atual momento econômico de São Paulo e as perspectivas para retomada da economia em 2021. A pandemia impactou a economia paulista, mesmo em setores que não foram afetados pela quarentena. Com a retomada gradual das atividades econômicas sob as diretrizes do Plano São Paulo, o PIB paulista voltou a crescer.

Em outubro, Doria apresentou o programa Retomada 21/22, com previsão de R$ 36 bilhões para impulsionar a economia do estado e gerar cerca de 2 milhões de empregos. Segundo Meirelles, a iniciativa inclui 19 projetos para atração de investimentos privados nacionais e estrangeiros em todas as regiões do estado.

Já a Secretária de Desenvolvimento Econômico respondeu a dúvidas dos prefeitos sobre o Plano São Paulo. Já o Secretário de Projetos, Orçamento e Gestão apresentou aos prefeitos sugestões de medidas iniciais para ajuste fiscal, redução de despesas gerais e incremento de receitas.

Parcerias municipais

O Secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, anunciou o lançamento de uma plataforma exclusiva para as prefeituras no site www.parceriasmunicipais.sp.gov.br. A ferramenta digital é importante no apoio aos gestores municipais e oferece diagnósticos de cada município ante indicadores estaduais, além de possíveis convênios com o Estado, uma agenda de cursos de capacitação e o desempenho de cada cidade no programa desde 2019.

Gostou da matéria sobre Plano Estadual de Imunização?

Assine nossa Newsletter e fique por dentro das notícias, assim que forem publicadas, ou como desejar. Para periodicidade, confira informações no email recebido. Leia mais sobre São Paulo.

Plano Estadual de Imunização
Photo by Polina Tankilevitch on Pexels.com
Plano de vacinação é discutido entre Bolsonaro e Pazuello

Plano de vacinação é discutido entre Bolsonaro e Pazuello

O presidente Jair Bolsonaro fez uma visita técnica ao Ministério da Saúde nesta terça-feira, onde se reuniu com o ministro Eduardo Pazuello. Em pauta, o Plano de vacinação é discutido novamente, além do cronograma de vacinação contra a Covid-19 aqui no país.

O governo também tenta garantir que haja estoque suficiente de seringas e agulhas para a vacinação. Pra isso, o Ministério da Saúde fez uma requisição administrativa para que fabricantes brasileiros forneçam seus estoques excedentes desses produtos. Além disso, no dia 31 de dezembro, o governo criou restrições para impedir que agulhas e seringas fabricadas no Brasil sejam exportadas para outros países.

Antes da reunião, os ministérios da Saúde e das Relações Exteriores confirmaram, também nesta terça, a importação emergencial de dois milhões de doses da vacina contra a Covid-19 que está sendo fabricada na Índia.

A compra emergencial do imunizante havia sido autorizada pela Anvisa no dia 31 de dezembro, mas foi posta em dúvida no último domingo — depois de o presidente do Instituto Serum, responsável pela fabricação das vacinas na Índia, ter afirmado que o governo indiano impediria a venda do produto. Adar Poonawala, o presidente do Instituto Serum, voltou atrás de sua declaração na manhã desta terça, e disse que a venda a outros países vai ser permitida pela Índia.

Agora que a compra das vacinas está confirmada pelo governo, a Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, se reuniu novamente com representantes da Fundação Oswaldo Cruz para discutir o registro do uso emergencial desse imunizante. As vacinas que serão importadas da Índia foram desenvolvidas em Oxford, no Reino Unido — o mesmo produto que está sendo produzido pela Fiocruz. Mas a Anvisa quer saber se o modo de produção também é o mesmo, antes de autorizar o uso do imunizante importado no Brasil.

A compra de 2 milhões de doses fabricadas na Índia foi solicitada pela própria Fiocruz como uma medida emergencial — já que as doses fabricadas no Brasil só vão ficar prontas para serem distribuídas em fevereiro.

“Plano de vacinação é discutido entre Bolsonaro e Pazuello” com informações de Agência Brasil

Gostou da matéria “Plano de vacinação é discutido entre Bolsonaro e Pazuello”?

Assine nossa Newsletter e fique por dentro das notícias, assim que forem publicadas, ou como desejar. Para periodicidade, confira informações no email recebido. Leia mais sobre Coronavírus no Brasil.

Plano de vacinação é discutido entre Bolsonaro e Pazuello
O presidente Jair Bolsonaro dá posse ao ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, no Palácio do Planalto.

Em defesa de vacina contra Covid no SUS, entidades lançam carta

Conselho Nacional de Saúde e outras instituições apoiam a carta em defesa de vacina contra Covid no SUS

Enquanto uma missão brasileira foi à Índia negociar a compra de vacinas contra a Covid-19 para serem vendidas em clínicas particulares, a Frente pela Vida lançou carta com o título “Vacinar no SUS é um direito de todas e todos e um dever do Estado”. A frente é um grupo de entidades de classe que representam profissionais de saúde e diferentes setores da sociedade.

Entre as entidades que assinaram a carta está o Conselho Nacional de Saúde, um colegiado formado por representantes da sociedade, dos trabalhadores da saúde e do Ministério da Saúde.

Em defesa de vacina contra Covid no SUS

O médico Neilton Oliveira, que representa o Ministério da Saúde no Conselho Nacional, comentou que, na situação atual, somente o SUS tem condição técnica de fazer a vacinação de maneira adequada. Isso porque o Brasil deve aplicar pelo menos dois tipos de vacina, cada uma com duas doses.

De acordo com ele, o monitoramento da imunização precisa ser intenso, semelhante ao que já é feito no combate à tuberculose. Sendo assim, para garantir que as pessoas façam o tratamento completo.

A carta em defesa de vacina contra Covid no SUS

A carta da Frente pela Vida afirma que “é moralmente inaceitável que a capacidade de pagar seja critério para acesso preferencial à vacinação contra a Covid-19. Caso isso ocorra, uma fila com base em riscos de se infectar, adoecer e morrer será desmontada.” Essa fila são exatamente os grupos prioritários definidos pelo Plano de Operacionalização da Vacinação, apresentado em dezembro pelo Ministério da Saúde.

Neilton Oliveira destacou que, nesse momento, o combate à Covid-19 é tão complexo, que precisa ser feito pelo SUS. Mas não descartou a possibilidade de, no futuro, a vacinação ocorrer também na rede particular.

Desde segunda-feira um grupo de representantes da Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas está na Índia para conhecer a fábrica da Bharat Biotech. A empresa desenvolve a vacina contra a Covid-19 conhecida como Covaxin.

A meta da associação é comprar 5 milhões de doses da vacina e conseguir a aprovação dela na Anvisa para vender em clínicas privadas aqui no Brasil. Seria uma alternativa à vacinação pelo Sistema Único de Saúde. No entanto, o Plano de Operacionalização da Vacinação prevê a vacinação exclusivamente na rede do SUS.

Na segunda-feira solicitamos entrevista com a associação, mas não obtivemos resposta. Nessa terça, tentamos novamente contato, mas ninguém atendeu as ligações.

“Em defesa de vacina contra Covid no SUS, entidades lançam carta” é com informações de Agência Brasil

Gostou da matéria?

Então, assine nossa Newsletter. Não deixe de comentar logo abaixo também. Leia mais sobre Saúde.

Brasileiros devem ser imunizados ainda esse mês contra covid-19

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, garantiu que os estados receberão doses da vacina simultaneamente e que a vacinação em massa está prevista para começar em fevereiro. Brasileiros devem ser imunizados emergencialmente no final de janeiro

2021 promete ser o ano em que o mundo todo vai voltar a sonhar com encontros e abraços outra vez. Com a produção de vacinas contra a Covid-19, a expectativa é de que os brasileiros comecem a ser imunizados ainda em janeiro deste ano. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) começou em novembro os testes de pelo menos quatro vacinas, que se encontram agora em fase de monitoramento e Plano de Gerenciamento de Risco. 

Em dezembro, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, garantiu que todos os estados receberão doses do imunizante simultaneamente. “Gostaria que todos tivessem a confiança de que vacinaremos todos os brasileiros de forma igualitária, de forma proporcional ao número de pessoas por estado – e de graça. Confiem na estrutura do Sistema Único de Saúde (SUS), confiem que existem pessoas que realmente estão trabalhando diuturnamente para que tenhamos a vacina distribuída o mais rápido possível e a todos os brasileiros”, clamou.

Brasileiros devem ser imunizados: Início

Segundo previsão da pasta, as doses começam a ser aplicadas em caráter emergencial até final de janeiro. Pazuello lembrou, ainda, que o cronograma depende da atualização dos laboratórios que possuem contratos firmados com a pasta. “A vacinação com quantidade e registros necessários para a vacinação em massa começa a partir de fevereiro”, revelou Pazuello. 

A Anvisa passou a divulgar em seu portal o status das análises preliminares para registro e outras informações de vacinas contra a Covid-19. A última atualização, feita em 1º de janeiro de 2021, mostra que as quatro vacinas em teste no Brasil – Astrazeneca/Fiocruz, Janssen, Pfizer e Sinovac/Butantan – concluíram a Fase II. Em relação à Fase III, apenas a Astrazeneca concluiu os testes. As demais estão em análise ou com documentos pendentes. 

Ainda de acordo com a atualização, nenhum dos quatro imunizantes está com pedido de uso emergencial ou com pedido de registro. Entretanto, a Agência já autorizou a importação de dois milhões de doses de vacina contra a doença para antecipar a disponibilização quando o registro ou uso emergencial for aprovado.

A vacina com a importação aprovada foi a produzida na Índia pela Serum Institute of India. A empresa fabrica a vacina da AstraZeneca, na Índia. Lá, o uso emergencial já foi aprovado. Em nota, a Agência explica que “a principal exigência é que as vacinas importadas fiquem sob a guarda específica da Fiocruz até que a Anvisa autorize o uso do produto no País. Para isso, a Fiocruz deve garantir as condições de armazenamento e segurança para manutenção da qualidade.” 

Vacina nos estados

Alguns estados já começaram a se planejar em relação à vacinação. Um dos primeiros a anunciar a medida foi São Paulo. O secretário Estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn, confirmou recentemente em entrevista a uma rádio local que São Paulo já está preparada para iniciar a campanha de vacinação contra a Covid-19 em 25 de janeiro. Segundo ele, a espera é pela autorização da Anvisa.  Gorinchteyn garantiu que os insumos para o procedimento, que inclui desde o apoio policial para organização até os pontos de aplicação das doses, estão assegurados. 

Na capital paraense, o prefeito Edmilson Rodrigues (PSOL) adiantou, durante a posse (1º), que já está montando uma logística para dar início à vacinação, também prevista de brasileiros devem ser imunizados para fim de janeiro.

Outro estado a anunciar a imunização da população ainda neste mês foi o Rio de Janeiro. De acordo com o secretário municipal de Saúde do Rio, Daniel Soranz, a vacinação começa até o fim de janeiro, mas avisou que o governo local vai aguardar as datas exatas de cada fase da imunização pelo Plano Nacional de Imunização, do Ministério da Saúde. 

Já em Porto Alegre (RS), o prefeito Sebastião Melo (MDB) afirmou a intenção de montar um consórcio com cidades vizinhas para adquirir doses de vacina caso o governo federal não se planeje para isso. 

Brasileiros devem ser imunizados

A professora do curso de Saúde Coletiva da Universidade de Brasília (UnB) Carla Pintas esclarece que, inicialmente, toda vacina precisa de autorização para ser produzida e distribuída em larga escala – e essa autorização vem da Anvisa. Para que a imunização dê certo, segundo ela, o governo federal precisa apresentar um plano de imunização específico para a Covid-19, como já é feito para outras doenças. O Plano Nacional de Imunização, apresentado em dezembro, precisa responder perguntas como: onde serão aplicadas as vacinas, quem pode ou não pode tomar, quais os grupos prioritários etc.

“Se esse plano não está definido com as datas, fica muito difícil estabelecer que estados e municípios façam isso à frente do governo federal”, alerta a docente. 

“Pode acontecer? Pode. Como vivemos em um mundo capitalista, a partir do momento que a produção da vacina está liberada, o mercado disponibiliza e aí o estado e o município bancam a compra daquela vacina para a população local. E isso pode dar muito problema, porque se isso não for feito a nível nacional, imagine a correria das pessoas. São várias questões a serem verificadas”, argumenta Carla Pintas. 

Ela defende o SUS como referência na vacinação, especialmente nesse momento delicado que o Brasil vive. “A vacina é distribuída pelo Ministério da Saúde e estados e municípios têm a função de fazer a logística da aplicação da vacina nas Unidades Básicas de Saúde, do espaço físico, equipamento, material. Se sai uma corrida à frente desses estados e municípios, pode dar muito problema. Estados e municípios com mais recursos em caixa e que conseguem se organizar melhor podem sair na frente e deixar para trás aqueles entes com menos recursos e menos capacidade”, avalia Carla.  

Para evitar que isso ocorra, a docente acredita que a melhor saída é o Ministério da Saúde se organizar e apresentar um calendário nacional. “É importante que o órgão saia à frente, dizendo qual a quantidade de doses que será distribuída em cada estado, e os estados tomarem a decisão de como distribuir isso em cada um dos municípios. É assim que se faz um plano adequado de imunização”, observa a especialista. 

Vacinação pelo mundo

Até dezembro, mais de 40 países já haviam começado campanhas para vacinar a população. Ao todo, mais de 12 milhões de doses tinham sido aplicadas até essa data. O Reino Unido saiu na frente com doses da Pfizer/Biontech. Estados Unidos, Canadá, Arábia Saudita, Israel e os 27 países da União Europeia aparecem logo em seguida na tão esperada campanha. 

Com informações de Agência Brasil

Gostou de “Brasileiros devem ser imunizados ainda esse mês contra covid-19“?

Então, assine nossa Newsletter. Não deixe de comentar logo abaixo também. Leia mais sobre Covid-19.

Anvisa deseja mais informações da vacina fabricada na Índia

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) reforçou que precisa de mais informações para autorizar o uso emergencial da vacina fabricada na Índia, contra a Covid-19.

O pedido de mais informações sobre o produto foi feito pela Anvisa à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em uma nova reunião técnica realizada nesta segunda-feira (4).

No Brasil, a Fiocruz é a responsável por fabricar o imunizante da Oxford e AstraZeneca, desenvolvido no Reino Unido. Mas a previsão é de que as primeiras doses fabricadas aqui no país só fiquem prontas em fevereiro. Por isso, a própria fundação havia pedido à Anvisa que importasse 2 milhões de doses dessa vacina, produzida na Índia, em caráter excepcional.

A agência autorizou a importação no último dia 31 de dezembro. Mas para autorizar o uso do imunizante no país, ela quer saber se a versão fabricada na Índia é semelhante à que é fabricada no Reino Unido, e também se os materiais utilizados são os mesmos.

vacina fabricada na Índia
A diretora de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (DSNVS), Alessandra Bastos, o diretor-presidente, Antonio Barra e o Gerente-geral de Medicamentos e Produtos Biológicos, Gustavo Mendes, durante entrevista coletiva para falar sobre a interrupção dos estudos da vacina Coronavac

Na reunião desta segunda-feira com a Anvisa, os representantes da Fiocruz apresentaram os dados que já eram de seu conhecimento. A fundação emitiu uma nota após o encontro, dizendo que está empenhada para que essas informações solicitadas pela Anvisa sejam reunidas e apresentadas com a maior brevidade possível.

Enquanto isso, a importação das vacinas indianas corre o risco de não se concretizar, mesmo com a aprovação da Anvisa. Isso porque o governo da Índia pode negar a venda do produto ao Brasil.

Nesse domingo, Adar Poonawalla, presidente do Instituto Serum — que fabrica a vacina no país asiático — afirmou que o governo indiano deve barrar a exportação do imunizante, até que a população mais vulnerável do país esteja vacinada. Segundo ele, isso pode atrasar em até dois meses a exportação para outros países, inclusive para o Brasil.

Quem está conduzindo as negociações pela importação das vacinas indianas, neste momento, é o Ministério das Relações Exteriores, que não retornou contato até o fechamento desta reportagem.

Com informações de Agência Brasil

Gostou da matéria sobre vacina fabricada na Índia?

Assine nossa Newsletter e fique por dentro das notícias, assim que forem publicadas, ou como desejar. Para periodicidade, confira informações no email recebido.

Amazonas ultrapassa fase vermelha com alta de casos e mortes

O estado do Amazonas ultrapassa fase vermelha de risco para Covid-19 e chegou à fase roxa na análise de risco das autoridades de saúde do estado.

De acordo com a Fundação de Vigilância em Saúde amazonense, de novembro para dezembro, o número de casos aumentou 120% em Manaus e 47% se considerado os registros de todo o estado. Isso representa uma média móvel de 700 casos novos todos os dias.

Nos últimos 14 dias, a média móvel de mortes subiu 66%.

O crescimento nos casos de coronavírus refletiu na rede de atendimento. Segundo a secretaria de saúde do Amazonas, o número de internações diárias por Covid-19 nos hospitais de Manaus já é o maior desde o início da pandemia.

Nesse domingo, 159 pessoas foram hospitalizadas. É o recorde de internação em um dia, superando os picos do final de abril e início de maio, quando chegaram a ocorrer 105 internações em um dia.

Rosemary Pinto, presidente da Fundação de Vigilância em Saúde, afirmou que a rede privada já chegou a 100% da ocupação em leitos clínicos e de UTI.

Amazonas ultrapassa fase vermelha

Segundo o governo do Amazonas, nos últimos dois meses o estado ampliou de 457 para 1.038 o número de leitos, todos destinados a pacientes com Covid-19.

Representantes do Ministério da Saúde estão em Manaus e vão ficar na cidade até que a situação no estado esteja normalizada. A equipe está fazendo reuniões com gestores estaduais e do município e visitas técnicas a cinco hospitais de atendimento a pacientes com Covid-19 e na Central de Medicamentos do Amazonas.

A secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério, Mayra Pinheiro, explica qual será a atuação do governo federal.

Nesta segunda-feira, o Governo do Amazonas publicou decreto que suspende as atividades econômicas não essenciais pelo prazo de 15 dias. A medida cumpre decisão do Tribunal de Justiça do Amazonas.

Com informações de Agência Brasil

Amazonas ultrapassa fase vermelha

Gostou da matéria?

Assine nossa Newsletter e fique por dentro das notícias, assim que forem publicadas, ou como desejar. Para periodicidade, confira informações no email recebido.

Foto: Rodrigo Nunes/MS

Desafios para vacinação contra covid-19; O caso da Grã-Bretanha

Na ausência de acordos globais, espera-se que o nacionalismo de vacinas e a trapaça geopolítica proliferem nos próximos meses. Veja os obstáculos e possibilidades sobre a vacinação contra covid-19, em análise nos cenários para Europa, e que devemos aprender.

O grande lançamento da vacinação contra covid-19 iniciou, finalmente. O desenrolar das coisas definirá o ano que se inicia e a velocidade com que a vida na Grã-Bretanha e em todo o mundo voltará ao normal.

Até agora, cinco vacinas receberam aprovação de emergência. No oeste, as fotos da Moderna, Pfizer-BioNTech e Oxford-AstraZeneca agora vão para os braços das pessoas.

A vacina Sputnik V está sendo usada na Rússia, Bolívia e Bielo-Rússia. E na China, onde as autoridades têm inoculado os trabalhadores-chave dos soldados desde o verão, o Sinopharm obteve aprovação geral na semana passada. 

É tentador pensar que será fácil navegar a partir daqui. Os planos de pandemia ocidentais sempre se basearam (até demais, como resultou) na rápida distribuição de vacinas e antivirais . Podemos ter lutado com intervenções não farmacêuticas, segue uma certa lógica, mas a grande corrida das vacinas está sendo disputada em casa. Não é de admirar que os políticos vejam a luz no fim do túnel.

vacinação contra covid-19
foto: Reuters/Dado Ruvic/Direitos Reservados

Vacinação contra covid-19 no mundo

Mas a Terra é o lar de 7,8 bilhões de pessoas e quase todo mundo quer uma chance. Para acabar com a pandemia e impedir que o vírus volte constantemente, as nações precisarão se unir e inocular a maioria dos cidadãos do mundo. A vacinação contra covid-19 precisa ser global.

Portanto, espere ver muito mais do gráfico abaixo em 2021. Atualmente, Israel está à frente do grupo. Por lá, começou uma campanha de vacinação em massa há menos de duas semanas e já atingiu 10 por cento de sua população. No Reino Unido – um país muito maior – está se aproximando de 2% de cobertura. Mas para o mundo como um todo, o número é inferior a 0,1 por cento.

“A vacinação é a saída para isso”, diz a Dra. Clare Wenham, professora assistente de política de saúde global na London School of Economics. “Mas as barreiras logísticas e políticas vão persistir”.

Muito certo. Na ausência de acordos globais, espere que o “nacionalismo vacinal” e a trapaça geopolítica proliferem nos próximos meses. 

Os serviços de segurança britânicos já estão em alerta máximo. Embora talvez seja uma desculpa conveniente para se basear em dados nada lisonjeiros, funcionários graduados de Whitehall dizem que não podem falar em detalhes sobre o fornecimento de vacinas por medo de que as remessas recebidas sejam alvo de gangues do crime organizado e Estados hostis. 

Então, como pode ser o próximo ano para a Grã-Bretanha? O país vai prosperar ou quebrar novamente? Haverá cooperação ou o lançamento global da vacina será mais parecido com um episódio de Wacky Racers? Aqui estão três cenários: o bom, o ruim e o feio. 

O melhor cenário da vacinação contra covid-19

O melhor cenário é a previsão otimista de Boris Johnson de liberdade até a Páscoa se concretizar. 

A Grã-Bretanha consegue aumentar o fornecimento e a distribuição de vacinas rapidamente e inocula seus 25 milhões de cidadãos mais vulneráveis ​​no início de abril.

As hospitalizações despencam e a ameaça de sobrecarga de saúde e outros serviços essenciais se dissipam rapidamente, permitindo que bloqueios e outros distanciamentos sociais sejam cuidadosamente resolvidos a partir de 1º de abril.

Embora a oferta de vacinas seja apertada no início, a estratégia de priorizar as primeiras doses, inicialmente vista como uma aposta por alguns , prova ser uma virada de jogo e é copiada em todo o mundo. Há até apelos para que seu criador, o ex-primeiro-ministro Tony Blair, volte à política da linha de frente.

As mortes da terceira onda de Covid-19 (aquelas registradas nos primeiros seis meses do ano) eventualmente permanecem abaixo do primeiro pico, mas ainda estão em torno de 36.000 – o melhor cenário na modelagem atual do Reino Unido .

Somos ajudados pelo clima. Uma primavera tão quente e brilhante quanto a do ano passado eleva o clima nacional e ajuda a reduzir a transmissão, enquanto as pessoas aproveitam ao máximo o ar livre novamente.

Resultado esperado

Melhor ainda, dados mostrando que as vacinas reduzem tanto a transmissão quanto as doenças foram anunciados em março pela Public Health England.

Os jabs da Pfizer e da Moderna baseados em RNA acabam sendo “esterilizantes”, o que significa que eles param totalmente a transmissão. A vacina Oxford Astra-Zeneca reduz a transmissão em 60 a 70 por cento, e a possibilidade real de a Grã-Bretanha obter imunidade coletiva vem à tona.

Britânicos vacinados começam a receber “passaportes de vacina” e as viagens internacionais começam novamente para aqueles que foram vacinados a tempo das férias de verão.

A estratégia da Força-Tarefa de Vacinas do governo também compensa. Não apenas os suprimentos iniciais chegam como prometido, mas, em agosto, estaremos nadando no material, com quase todas as 355 milhões de doses encomendadas entregues ou a caminho dos centros de vacinas do NHS.

A Grã-Bretanha usa a vacina extra para inocular 80% da população até novembro, obtendo com sucesso a imunidade coletiva.

Ao mesmo tempo, distribui dezenas de milhões de doses para baixa e média renda em todo o mundo, ajudando a acabar com a crise global e impulsionando nossa posição internacional.

No final do ano, a economia está acelerando rapidamente e um novo ano 20 ruidoso começa .

Consciente de como as desigualdades podem armazenar problemas para o futuro, o governo estabelece uma nova agenda radical de “nivelamento” para garantir que os ganhos do boom sejam compartilhados igualmente por todo o país. 

Os especialistas começam a se referir à Grã-Bretanha como a nova e velha Suécia. 

O Cenário ruim

A Grã-Bretanha é atingida não apenas pelo azar, mas por uma série de maus atores. 

A distribuição de vacinas, atualmente em torno de 250.000 doses por semana, permanece teimosamente baixa e chega a nada perto dos dois milhões de vacinas por semana que a modelagem sugere serem necessárias .

Os contratos assinados pela Força-Tarefa de Vacinas provam não ter sido redigidos com firmeza suficiente, e potências maiores, principalmente a UE e os Estados Unidos, se mobilizam para enxugar a maior parte dos suprimentos iniciais. 

Dos condados menores, apenas aqueles com longa prática nas artes sombrias de manobras geopolíticas obtêm as vacinas de que precisam com rapidez suficiente. 

Na Páscoa, as mortes atingiram o pico acima dos níveis de 2020 em Londres e no sudeste, e se espalharam rapidamente pelo resto do país. O total de mortes de Covid-19 nos primeiros seis meses do ano atingiu quase 85.000 na virada do verão. 

O NHS cambaleia até abril, mas fica sobrecarregado, forçando os ministros a autorizar uma política de “triagem populacional” que ela redigiu secretamente após o Exercício Cygnus em 2016, mas nunca tornou pública.

Um bloqueio nacional de “nível cinco”, que está em vigor desde meados de janeiro, foi mais uma vez estendido.

A situação da Grã-Bretanha é agravada pela comparação internacional. Enquanto grandes partes da Europa Ocidental e da América estão se juntando à China e ao Leste Asiático para se abrirem novamente, o Reino Unido permanece firmemente bloqueado.

Para completar, enquanto as vacinas Pfizer e Moderna demonstram interromper a transmissão, a vacina Oxford demonstrou ter pouco impacto na disseminação do vírus.

Isso coloca os “passaportes para vacinas” fora do alcance da maioria dos britânicos, aumentando a sensação de isolamento do país.

Os especialistas observam que, no século passado, os loucos anos 20 também se limitaram à Europa continental e à América.

O cenário pessimista da vacinação contra covid-19

Não é bonito por definição, mas tem menos a ver com os outros.

Em meados de janeiro, o país é atingido por uma nova “Besta do Oriente” . Os montes de neve, o frio intenso e as estradas geladas tornam o lançamento de uma vacina já difícil para os cidadãos mais vulneráveis ​​da Grã-Bretanha quase impossível.

Os idosos e os frágeis simplesmente não conseguem sair de suas casas para as centenas de postos de vacinação criados para eles. 

O mau tempo estica ainda mais os recursos do NHS e acelera a transmissão do vírus, que prospera no ar frio e seco.

A oferta de vacinas também permanece restrita, não porque outros a estejam comprando, mas porque as cadeias globais de abastecimento não conseguem acompanhar a demanda.

Embora grandes quantidades de vacinas sejam produzidas em fábricas em todo o mundo, especialmente na Índia, a escassez de produtos de acabamento e embalagem significa que muito pouco vai além dos portões da fábrica até a primavera. 

Pior ainda, a estratégia de vacinar os mais vulneráveis ​​começa a desmoronar à medida que governos em todo o mundo cedem às crescentes demandas de interesses adquiridos. 

O impacto dos jabs no alívio da pressão sobre os serviços de saúde na Grã-Bretanha e em todo o mundo é, portanto, bastante reduzido.

As mortes na Grã-Bretanha continuam em uma trajetória ascendente no meio do verão e o país permanece fechado. Ao mesmo tempo, o risco de outra mutação aumenta – até porque apenas uma injeção foi aplicada à maioria dos vacinados.

“Estou preocupado que Sars-Cov-2 possa começar a aparecer com mutantes que não são apenas mais transmissíveis, mas mais letais”, disse o Dr. Peter Daszak, presidente da EcoHealth Alliance.

“Não há evidências disso ainda, mas mesmo um aumento marginal na letalidade, ou um aumento de um ou dois por cento no número que acaba com a Covid grave, levaria a balança ao desastre em muitos países onde a Covid já está atingindo o pico.

Informações com The Telegraphy

O que abre e o que fecha

O que abre e o que fecha em Ribeirão Pires

Medidas seguem diretrizes do Governo do Estado, pelo Plano São Paulo, para conter a propagação do coronavírus. Portanto, confira o que abre e o que fecha na cidade neste final de ano.

Ribeirão Pires seguirá as novas diretrizes estabelecidas pelo Governo do Estado para conter a propagação do coronavírus nos próximos dias (Decreto Estadual Nº 65.415/2020). Entre 25 a 27 de dezembro e 1 a 3 de janeiro, áreas de lazer (mesmo que dentro de imóveis privados como hotéis ou pousadas); comércios de rua e shoppings; bares e restaurantes; e lojas de conveniência terão suas atividades presenciais suspensas – não poderão abrir para atendimento ao público.

Bares, restaurantes, lanchonetes e similares, bem como lojas de conveniência, poderão manter os serviços de retirada no balcão ou entrega em domicílio – delivery.

O que abre e o que fecha

– Serviços relacionados à saúde – hospitais, clínicas, farmácias, lavanderias, serviços de limpeza e estabelecimentos veterinários;

– Alimentação – supermercados, hipermercados, açougues e padarias (SEM CONSUMO DE ALIMENTOS OU BEBIDAS NO LOCAL);

– Abastecimento – transportadoras, postos de combustíveis e derivados, armazéns, oficinas de veículos automotores e bancas de jornal;

– Hotéis e pousadas – respeitando distanciamento e proteção pessoal e coletiva.

Seguem vigentes as normas sanitárias e de segurança contra o coronavírus para os estabelecimentos que terão mantidas atividades presenciais: uso obrigatório de máscara de proteção; aferição da temperatura e disponibilização de álcool gel 70% na entrada dos estabelecimentos; limpeza de áreas de uso comum e boa ventilação dos espaços; limite da capacidade de pessoas nos locais (de acordo com o tipo de atividade); entre outras.

Jornal Grande ABC

O que abre e o que fecha

O Jornal Grande ABC é feito para você, e por vocês. Nossos colaboradores e jornalistas estão todos dias buscando novidades e matérias. Assim, produzindo material especial para nossos leitores. Nosso foco são as cidades de Mauá, Diadema, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, São Caetano do Sul, São Bernardo do Campo e Santo André. Além disso, cobrimos o que acontece no Brasil e no Mundo, incluindo esporte, entretenimento e tecnologias.

Não possuímos nenhuma vinculação política ou partidária. Da mesma forma, sem ligações com outras mídias já existentes na região. Nossa fundação se deu em 07 de Setembro de 2020. Desde então, cada dia estamos crescendo e chegando em mais dispositivos e usuários. Por isso, nossa maior satisfação é entregar material de qualidade para nossos leitores. Portanto, cada nova visita e comentário, nos dão mais fôlego para seguirmos firmes e fortes neste projeto.

Quer receber mais notícias, em qualquer momento? Então, assine nossa Newsletter, basta inserir seu e-mail logo abaixo, e receba as publicações todos os dias.

Junte-se a 103 outros assinantes

É um prazer ter você conosco. Aproveite para deixar comentário aqui embaixo. Salve nosso Site. Volte Sempre!

A vacina está chegando

A vacina está chegando, mas a pandemia não acabou

A notícia de que a vacinação contra Covid-19 iniciou em alguns países e logo chegará ao Brasil não pode ser brecha para o afrouxamento das medidas de prevenção contra a disseminação da doença. Com a chegada das festas de fim de ano, a movimentação em estabelecimentos comerciais, como lojas e restaurantes, além das tradicionais reuniões familiares, eleva o risco de contaminação. Neste sentido, o Conselho Federal de Química (CFQ) reforça o lembrete: a vacina está chegando, porém, pandemia não acabou, fique alerta! É hora de redobrar a atenção.

O CFQ trabalha, desde o início da pandemia, para combater a desinformação e orientar a população sobre as medidas eficazes de prevenção, como lavar sempre as mãos com água e sabonete, escolher corretamente o álcool em gel, saber utilizar a água sanitária para desinfecção de objetos e superfícies, e manter o distanciamento social.

Para evitar a propagação do vírus, as medidas sanitárias precisam ser mantidas e seguidas. Por isso, o CFQ listou conteúdos úteis para ajudar a população.

A vacina está chegando, mas mantenha os hábitos

#1
Use máscara e não esqueça de higienizar corretamente quando voltar para casa. Então, Confira o vídeo do CFQ ensinando o processo.
#2
Higienize as mãos com água e sabão e/ou com álcool em gel.
A maneira correta de usar o álcool gel
O que observar no rótulo do produto
Saiba qual álcool usar
#3
Passo a passo da aplicação da solução diluída de água sanitária.
Solução caseira para prevenir que o novo coronavírus chegue em sua casa
Como higienizar alimentos e suas embalagens?
#4
Não utilize túneis/cabines de desinfecção. Não há garantia de que esses equipamentos sejam um método que realmente funcione, o que pode gerar uma falsa sensação de segurança, ou seja, a pessoa passar pelo túnel, achar que está protegida e relaxar nos demais cuidados. Além disso, as substâncias usadas nos túneis/cabines podem causar irritação na pele, olhos e mucosas, além de alergias e problemas respiratórios.


Leia a nota conjunta do Sistema CFQ/CRQs e ABIPLA sobre o tema

Jornal Grande ABC

A vacina está chegando

O Jornal Grande ABC é feito para você, e por vocês. Nossos colaboradores e jornalistas estão todos dias buscando novidades e matérias. Assim, produzindo material especial para nossos leitores. Portanto, nosso foco são as cidades de Mauá, Diadema, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, São Caetano do Sul, São Bernardo do Campo e Santo André. Além disso, cobrimos o que acontece no Brasil e no Mundo, incluindo esporte, entretenimento e tecnologias.

Não possuímos nenhuma vinculação política ou partidária. Da mesma forma, sem ligações com outras mídias já existentes na região. Sendo assim, nossa fundação se deu em 07 de Setembro de 2020. Desde então, cada dia estamos crescendo e chegando em mais dispositivos e usuários. Por isso, nossa maior satisfação é entregar material de qualidade para nossos leitores. Portanto, cada nova visita e comentário, nos dão mais fôlego para seguirmos firmes e fortes neste projeto.

Quer receber mais notícias, em qualquer momento? Então, assine nossa Newsletter, basta inserir seu e-mail logo abaixo, e receba as publicações todos os dias.

Junte-se a 103 outros assinantes

É um prazer ter você conosco. Aproveite para deixar comentário aqui embaixo. Salve nosso Site. Volte Sempre!

anvisa vacina coronavirus covid

Anvisa aprova pesquisa com células-tronco para Covid-19

Estudo combina as fases 1 e 2 e prevê a participação de 90 pacientes

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou um estudo clínico com produto de terapia avançada para tratamento da Covid-19. Segundo a autarquia, o estudo integra as fases 1 e 2, e é o primeiro controlado no Brasil e autorizado pela Agência com células-tronco originadas da polpa de dente humano.

Patrocinada pela empresa brasileira Cellavita Pesquisas Científicas, a pesquisa tem como objetivo principal avaliar a segurança do uso do produto NestaCell e verificar a eficácia na melhora do quadro clínico e do perfil inflamatório de pacientes com Covid-19 hospitalizados sem suporte ventilatório. 

De acordo com a Anvisa, está prevista a participação de 90 pacientes e a pesquisa deverá ser realizada em diversos centros clínicos brasileiros, com aprovação da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep/MS), e será supervisionada por um Comitê Independente de Monitoramento de Segurança. 

Fonte: Brasil 61

coronavirus pandemia ribeirão pires

RP amplia teste de covid-19 para moradores a partir de 12 anos

Doentes crônicos, profissionais da saúde ou segurança, e motoristas de transporte público, táxis ou aplicativos também podem fazer teste

A Prefeitura de Ribeirão Pires ampliou a testagem de covid-19 entre moradores da cidade. A partir desta segunda-feira, dia 9/11, pessoas com mais de 12 anos e/ou doenças crônicas; profissionais da saúde da rede pública ou privada (residentes na cidade); profissionais da segurança pública da cidade; motoristas de transporte público (RIGRAS), aplicativo (que residam na cidade) ou táxis (que residam ou trabalhem na cidade); podem fazer o teste gratuito na Escola Municipal Engenheiro Carlos Rohm I – Rua Ana Maria Rodriguez Fernandez de Lima 170 – Centro (antiga Rua 1º de Maio).

Diariamente, são distribuídas 550 senhas – quantidade limitada à capacidade de coleta e processamento dos exames. A ação é promovida todos os dias da semana, inclusive aos sábados, domingos e feriados, das 8h às 18h.

Para a retirada da senha, é necessária a apresentação de documento com foto (RG ou CNH), Cartão SUS e comprovante de endereço no município. Para pacientes com doenças crônicas que não passam na rede municipal de saúde (e usam Cartão SUS) será necessária apresentação de receita de medicamento de uso contínuo. Profissionais da saúde da cidade, da segurança ou motoristas de transporte público, táxi ou aplicativo deverão apresentar identificação de trabalho (crachá).

A testagem na Escola Municipal Eng. Carlos Rohm I seguirá até dia 12 de novembro. Até o último sábado, dia 7, foram realizados 3.737 testes.

Reforço na testagem de covid-19 – A Secretaria de Saúde de Ribeirão Pires recebeu neste mês a doação de testes do Instituto Butantan. Além dos kits para testagem, o município foi contemplado com um novo sistema para enviar, via internet, as amostras coletadas, por meio de um leitor chamado Hilab, – dispositivo laboratorial desenvolvido pela Hi Tecnologies em sinergia da Intel e Microsoft.

O novo sistema funciona da seguinte forma: as equipes que estão aplicando o teste registram os dados do paciente no sistema, preenchem questionário com informações sobre a doença, coletam sangue e inserem a amostra no leitor, que envia os dados ao laboratório para análise.

Em cerca de 30 minutos, o resultado do teste é disponibilizado ao paciente por sms e/ou e-mail. Os testes realizados nesta nova fase são do tipo IGG/IGM.

pandemia tratamento anvisa ozônio

Anvisa: Gás ozônio não é eficaz contra o novo coronavírus

De acordo com o documento, uma revisão de dados de estudos nacionais e internacionais concluiu que não foram apresentadas evidências científicas relacionadas à eficácia contra o vírus

A Anvisa publicou uma Nota Técnica  com informações sobre o uso de ozônio como produto desinfetante durante a pandemia da Covid-19. De acordo com o documento, uma revisão de dados de estudos nacionais e internacionais concluiu que não foram apresentadas evidências científicas relacionadas à eficácia contra o vírus.   

Embora tenha ação desinfetante na água de consumo humano e seja utilizado com esta finalidade, principalmente na Europa, o documento afirma que o uso do ozônio tem potencial para causar danos agudos e crônicos em humanos, como lesões na pele, nas vias respiratórias, nos olhos, e causar reações alérgicas.   

De acordo com os marcos regulatórios vigentes, equipamentos ou estruturas que utilizam ozônio para desinfecção de ambientes públicos e de superfícies em geral não estão sujeitos à regularização junto à Anvisa. 

Fonte: Brasil 61

impacto coronavirus pandemia educação

Educação pode perder até R$ 40 bi em tributos

O estudo leva em consideração o impacto econômico da Covid-19 a partir de um mapeamento de projeções tributárias e análise de dados do Tesouro Nacional

Segundo um levantamento do Instituto Unibanco e Todos Pela Educação, em parceria com o Conselho Nacional dos Secretários de Educação, as redes estaduais e municipais de ensino devem perder entre R$ 13 bilhões e R$ 40 bilhões em tributos neste ano. O último relatório da série Covid-19: Impacto Fiscal na Educação Básica leva em consideração os aspectos econômicos da pandemia do novo coronavírus a partir de um mapeamento de projeções tributárias e análise da base de dados do Tesouro Nacional.

De acordo com o professor e especialista em educação pela Universidade de Brasília (UnB) Raimundo Luiz Silva Araújo, os impactos dessa perda poderão ser sentidos até o final do ano que vem. “A queda na arrecadação puxa para baixo o Fundo Público e o financiamento da Educação Básica. Muitas prefeituras vão ter dificuldades para fechar as contas no final do ano e, como a economia não está se recuperando da forma que o governo anuncia, a previsão é de que esse impacto dure todo o ano de 2021”, avalia.

Ainda segundo o estudo, somando os 38,3 milhões de estudantes das redes de Educação Básica, a perda desse montante em tributos significaria uma redução média no investimento anual por estudante que pode ficar entre R$ 345, no melhor cenário, e R$ 1.038, no cenário mais pessimista. Hoje, o Brasil investe anualmente cerca de R$ 21.500 por estudante de ensino fundamental. O valor é 2,2 vezes menor que a média dos países participantes da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

De acordo com o presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e Dirigente Municipal de Educação de Sud Mennucci, Luiz Miguel Martins Garcia, a má previsão deverá obrigar os municípios a estabelecerem soluções de reorganização das verbas para garantir investimentos como a manutenção das escolas, realização de atividades complementares, modelo híbrido, preparação e adequação das instituições para o retorno dos estudantes, entre outros. 

“Tudo que for implicar em novos investimentos, vai ficar comprometido. Isso pode gerar dificuldades para estabelecer essas ações e para o processo de retomada dos direitos de aprendizagem não efetivados nesse momento por falta de recursos, já que o orçamento da educação é bastante apertado. Imagine uma situação de queda e com necessidade de crescimento”, exemplificou. 

Para além dessas estimativas, o relatório das instituições traz um levantamento com 82 redes municipais de Educação, que identificou um conjunto de gastos adicionais que variam de R$ 230 a R$ 490 por estudante matriculado. Esses valores estão relacionados às despesas com ensino remoto, alimentação, comunicação com as famílias, patrocínio de pacotes de dados de internet e compra de materiais de higiene. 

Já nas redes estaduais, estima-se que o gasto total das secretarias de Educação com ações extraordinárias de enfrentamento à pandemia no exercício de 2020 será de no mínimo R$ 2,1 bilhões, podendo chegar até R$ 5,3 bilhões.
 

Fonte: Brasil 61

previdência social aposentadoria pensionista

TCU avalia efeitos da pandemia na Previdência Social

Análise feita pelo Tribunal de Contas da União (TCU) que faz parte do 4º relatório de acompanhamento da Previdência Social, apontou também a exclusão de pessoas que possuem direito a benefício e o pagamento indevido

Acerca dos efeitos da crise causada pela pandemia da Covid-19, aumentou o tempo para conclusão da análise dos requerimentos de benefícios administrados pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). A análise feita pelo Tribunal de Contas da União (TCU), que faz parte do 4º relatório de acompanhamento da Previdência Social, apontou também a exclusão de pessoas que possuem direito a benefício e o pagamento indevido. 

O aumento do tempo piorou em praticamente todos os grupos analisados após o INSS ter adotado medidas de enfrentamento à pandemia. No que diz respeito às concessões de benefício de prestação continuada (BPC), a principal causa de aumento do tempo de análise foi a suspensão da etapa de avaliação biopsicossocial, fase crítica do processo de concessão do BPC para a pessoa com deficiência. 

O diretor do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP), Diego Cherulli, avaliou o aumento do tempo para conclusão da análise dos requerimentos. “O IBDP entende que a demora de fato se dá a não realização das perícias presenciais e também a dificuldade de se avaliar todos esses critérios ensejadores do benefício”, disse. Segundo ele ainda o pagamento indevido é tido nos casos onde há antecipação e caso houver esse tipo de pagamento esses ocuparão a menor quantidade de benefícios.

A medida de antecipação do pagamento não tem sido suficiente para evitar o envelhecimento do estoque de requerimentos, cuja idade aumentou de 188 dias (fevereiro de 2020) para 253 dias (agosto).

A Corte de Contas recomendou ao INSS que avalie a adoção de medidas para reduzir a duração das etapas anteriores à avaliação biopsicossocial. Também foi recomendado o aumento da eficácia da medida temporária de antecipação do pagamento. Como, por exemplo, conceder aos requerentes a oportunidade para apresentar documentos comprobatórios da deficiência.

O Tribunal também sugeriu a implementação de controles para assegurar que a análise administrativa dos requerimentos seja feita conforme a ordem de ingresso na fila geral de reconhecimento inicial do direito. Para tanto, o INSS poderia promover a automatização dessa análise e dos procedimentos de exigência dela decorrentes.

O advogado especialista em direito administrativo, Pedro Henrique Costódio, avaliou a atuação do TCU como plausível, uma vez que vários beneficiários estão sendo prejudicados em razão do atraso.

“Entre os inúmeros prejuízos causados pela Covid-19, merecem destaque a dificuldade na entrega de documentos e a suspensão no atendimento presencial junto à previdência social. Ao analisar essa questão o TCU levantou uma série de fatores e sugeriu a implementação de medidas que diminuam o excesso de tempo na conclusão desses processos administrativos”, disse. 

Em nota, o INSS informou que está em constante diálogo com o TCU e, junto à Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, tomará as medidas necessárias para que sejam sanados os problemas apontados.

Fonte: Brasil 61

saúde trabalhador essencial pandemia

55% dos trabalhadores de serviços essenciais têm depressão

Estudo conduzido por pesquisadores da Fiocruz tentou entender impacto da pandemia na saúde mental dos profissionais

Durante a pandemia da Covid-19, sintomas de ansiedade e depressão afetam 47,3% dos trabalhadores de serviços essenciais, no Brasil e na Espanha. Mais da metade deles sofre de ansiedade e depressão ao mesmo tempo. Além disso, 44,3% dos entrevistados têm abusado de bebidas alcoólicas; e 42,9% sofreram mudanças nos hábitos de sono. 

São esses os principais resultados apresentados no artigo “Depressão e Ansiedade entre trabalhadores essenciais do Brasil e da Espanha durante a Pandemia de Covid-19”.  A pesquisa contou com a participação de pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz, no Brasil, do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e da Universidade de Valência, na Espanha. 

Ao todo, o levantamento feito pela internet entrevistou 22.876 pessoas. Dessas, 16% eram trabalhadores de serviços essenciais, o principal foco da pesquisa. De acordo com o resultados preliminares, os sintomas de depressão e ansiedade são maiores entre os brasileiros, atingindo cerca de 55%, ante 23% dos profissionais espanhóis. 

A maior parte dos trabalhadores essenciais que respondeu à pesquisa no Brasil é de mulheres (72,2%), tem idade média de 39 anos e curso universitário (56,5%) ou mestrado/doutorado (28,5%). 

Fonte: Brasil 61

Jornal Grande ABC

COMUNICAÇÃO: Existem formas de falar

O Jornal Grande ABC é feito para você, e por vocês. Nossos colaboradores e jornalistas estão todos dias buscando novidades e matérias. Assim, produzindo material especial para nossos leitores. Nosso foco são as cidades de Mauá, Diadema, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, São Caetano do Sul, São Bernardo do Campo e Santo André. Além disso, cobrimos o que acontece no Brasil e no Mundo, incluindo esporte, entretenimento e tecnologias.

Não possuímos nenhuma vinculação política ou partidária. Da mesma forma, sem ligações com outras mídias já existentes na região. Nossa fundação se deu em 07 de Setembro de 2020. Desde então, cada dia estamos crescendo e chegando em mais dispositivos e usuários. Por isso, nossa maior satisfação é entregar material de qualidade para nossos leitores. Portanto, cada nova visita e comentário, nos dão mais fôlego para seguirmos firmes e fortes neste projeto.

Quer receber mais notícias, em qualquer momento? Assine nossa Newsletter, basta inserir seu e-mail logo abaixo, e receba as publicações todos os dias.

Junte-se a 103 outros assinantes

É um prazer ter você conosco. Aproveite para deixar comentário aqui embaixo. Salve nosso Site. Volte Sempre!

quanto mata covid coronavirus

Estudo aponta letalidade de 0,23% de pacientes com Covid-19

Entre os doentes com menos de 70 anos, índice é ainda menor, alcançando 0,05%

Um trabalho científico realizado na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, revelou uma taxa de letalidade da Covid-19 abaixo da constatada há alguns meses. Segundo o estudo, publicado pelo professor de epidemiologia John Ioannidis, em média 0,23% dos pacientes infectados pela doença morrem. Anteriormente, esse percentual era estimado em 4%. Com relação as pessoas com menos de 70 anos de idade, a letalidade cai para 0,05%.

Com a exceção de alguns atividades, como a promoção de festas e eventos sociais, boa parte dos estados e municípios brasileiros já se esforçam para retomar à normalidade que havia antes da pandemia. O epidemiologista Walter Ramalho, professor do curso de Saúde Coletiva na Universidade de Brasília (UnB), acredita que a volta a uma rotina como havia antes da pandemia só poderá ser presenciada com o advento de uma vacina contra o coronavírus.

“Pode-se dizer que a volta dessa normalidade está condicionada ao surgimento de uma vacina eficaz que possa imunizar as pessoas. Eu não vejo outra forma [senão essa] de uma socialização maior das pessoas que não seja com a produção de um imunizante”, explica.

Segundo o Ministério da Saúde, a taxa de letalidade do novo coronavírus no Brasil é de 2,9%. Até a última terça-feira (27), a mortalidade da doença, era de 75,2 óbitos a cada 100 mil habitantes.

Com o número de mortes se aproximando a 160 mil, Walter Ramalho afirma que o poder público brasileiro falhou ao não somar esforços para aprimorar a rede de atenção primária durante a pandemia. “A atenção primária do SUS deveria ter sido acionada desde o começo da pandemia. Quando alguém é diagnosticado com o coronavírus, esse paciente precisa ser monitorado para que o contágio a outras pessoas seja evitado.”

Diante da segunda onda de contaminação da Covid-19 que atinge alguns países da Europa e da incerteza do surgimento de uma vacina contra a enfermidade, eventos tradicionais, como o desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro estão sem data definida para ocorrer. A previsão mais otimista de finalização e distribuição do imunizante é feita pelo governo de São Paulo, que estima que a vacina estará disponível em dezembro.

Fonte: Brasil 61

ribeirão pires fará testagem

Ribeirão Pires terá testagem de covid-19 no feriado prolongado

Moradores com mais de 50 anos e/ou doenças crônicas e profissionais da saúde podem fazer teste gratuito na E.M. Eng. Carlos Rohm I

A Prefeitura de Ribeirão Pires ampliou a testagem de covid-19 entre moradores da cidade. Pessoas com mais de 50 anos e/ou doenças crônicas, bem como profissionais da saúde da rede pública ou privada, podem fazer o teste gratuito na Escola Municipal Engenheiro Carlos Rohm I – Rua Ana Maria Rodriguez Fernandez de Lima 170 – Centro (antiga Rua 1º de Maio). São distribuídas 250 senhas/dia – quantidade limitada à capacidade de coleta e processamento dos exames.

A ação é promovida todos os dias da semana, inclusive aos sábados, domingos e feriados, das 8h às 18h. Para a retirada da senha, é necessária a apresentação de documento com foto (RG ou CNH), Cartão SUS e comprovante de endereço no município. Para pacientes com doenças crônicas que não passam na rede municipal de saúde (e usam Cartão SUS) será necessária apresentação de receita de medicamento de uso contínuo. Profissionais da saúde da cidade deverão apresentar identificação de trabalho (crachá).

A testagem na Escola Municipal Eng. Carlos Rohm I seguirá até dia 12 de novembro.

Reforço na testagem de covid-19 – A Secretaria de Saúde de Ribeirão Pires recebeu neste mês a doação de testes do Instituto Butantan. Além dos kits para testagem, o município foi contemplado com um novo sistema para enviar, via internet, as amostras coletadas, por meio de um leitor chamado Hilab, – dispositivo laboratorial desenvolvido pela Hi Tecnologies em sinergia da Intel e Microsoft.

O novo sistema funciona da seguinte forma: as equipes que estão aplicando o teste registram os dados do paciente no sistema, preenchem questionário com informações sobre a doença, coletam sangue e inserem a amostra no leitor, que envia os dados ao laboratório para análise.

Em cerca de 30 minutos, o resultado do teste é disponibilizado ao paciente por sms e/ou e-mail. Na última semana, a ação foi iniciada entre profissionais da rede municipal de saúde. Os testes realizados nesta nova fase são do tipo IGG/IGM.

coronavirus grande abc

Consórcio ABC recebe mais 333 mil EPIs do Ministério da Saúde

Itens serão usados para proteção das equipes municipais de saúde para enfrentamento do novo coronavírus

O Consórcio Intermunicipal Grande ABC recebeu 333.840 equipamentos de proteção individual (EPIs) doados pelo Ministério da Saúde e distribuídos pelo Governo do Estado. Os itens serão destinados à proteção das equipes municipais de saúde no enfrentamento do novo coronavírus na região.

O novo lote de EPIs recebido pela entidade regional é composto de 170 mil máscaras cirúrgicas, 138 mil máscaras N95, 15,6 mil protetores faciais, 10 mil gorros e 240 óculos de proteção. O material foi encaminhado por meio do Departamento Regional de Saúde (DRS 1) do Estado de São Paulo e acondicionado no auditório do Consórcio ABC para retirada das sete prefeituras nesta quarta-feira (28/10), conforme critérios de distribuição definidos pela Comissão Intergestores Bipartite (CIB), composta de representantes do governo estadual e dos municípios. 

O coordenador do GT Saúde do Consórcio ABC e secretário da pasta em São Bernardo do Campo, Geraldo Reple Sobrinho, explicou que os equipamentos vão contribuir para o combate à disseminação do coronavírus.

“Os materiais que recebemos vão reforçar o suprimento dos sete municípios. Eles serão usados para proteger profissionais de saúde e funcionários que estão na linha de frente de atendimento à Covid-19 na nossa região”, afirmou Reple.

Foto: Divulgação/Consórcio ABC

Jornal Grande ABC

COMUNICAÇÃO: Existem formas de falar

O Jornal Grande ABC é feito para você, e por vocês. Nossos colaboradores e jornalistas estão todos dias buscando novidades e matérias. Assim, produzindo material especial para nossos leitores. Nosso foco são as cidades de Mauá, Diadema, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, São Caetano do Sul, São Bernardo do Campo e Santo André. Além disso, cobrimos o que acontece no Brasil e no Mundo, incluindo esporte, entretenimento e tecnologias.

Não possuímos nenhuma vinculação política ou partidária. Da mesma forma, sem ligações com outras mídias já existentes na região. Nossa fundação se deu em 07 de Setembro de 2020. Desde então, cada dia estamos crescendo e chegando em mais dispositivos e usuários. Por isso, nossa maior satisfação é entregar material de qualidade para nossos leitores. Portanto, cada nova visita e comentário, nos dão mais fôlego para seguirmos firmes e fortes neste projeto.

Quer receber mais notícias, em qualquer momento? Assine nossa Newsletter, basta inserir seu e-mail logo abaixo, e receba as publicações todos os dias.

Junte-se a 103 outros assinantes

É um prazer ter você conosco. Aproveite para deixar comentário aqui embaixo. Salve nosso Site. Volte Sempre!

ribeirão pires coronavirus teste

Ribeirão Pires terá testagem ampliada para o feriado prolongado

Moradores com mais de 50 anos e/ou doenças crônicas e profissionais da saúde poderão fazer teste gratuito de covid-19 na E.M. Eng. Carlos Rohm I

A Prefeitura de Ribeirão Pires ampliará a testagem de covid-19 entre moradores da cidade. A partir desta quarta-feira, dia 28, pessoas com mais de 50 anos e/ou doenças crônicas, bem como profissionais da saúde da rede pública ou privada, poderão fazer o teste gratuito na Escola Municipal Engenheiro Carlos Rohm I – Rua Ana Maria Rodriguez Fernandez de Lima 170 – Centro (antiga Rua 1º de Maio). São distribuídas 250 senhas/dia – quantidade limitada à capacidade de coleta e processamento dos exames.

A ação é promovida todos os dias da semana, inclusive aos sábados, domingos e feriados, das 8h às 18h. Para a retirada da senha, é necessária a apresentação de documento com foto (RG ou CNH), Cartão SUS e comprovante de endereço no município. Para pacientes com doenças crônicas que não passam na rede municipal de saúde (e usam Cartão SUS) será necessária apresentação de receita de medicamento de uso contínuo. Profissionais da saúde da cidade deverão apresentar identificação de trabalho (crachá).

A testagem na Escola Municipal Eng. Carlos Rohm I seguirá até dia 12 de novembro.

Reforço na testagem de covid-19 – A Secretaria de Saúde de Ribeirão Pires recebeu neste mês a doação de testes do Instituto Butantan. Além dos kits para testagem, o município foi contemplado com um novo sistema para enviar, via internet, as amostras coletadas, por meio de um leitor chamado Hilab, – dispositivo laboratorial desenvolvido pela Hi Tecnologies em sinergia da Intel e Microsoft.

O novo sistema funciona da seguinte forma: as equipes que estão aplicando o teste registram os dados do paciente no sistema, preenchem questionário com informações sobre a doença, coletam sangue e inserem a amostra no leitor, que envia os dados ao laboratório para análise.

Em cerca de 30 minutos, o resultado do teste é disponibilizado ao paciente por sms e/ou e-mail. Na última semana, a ação foi iniciada entre profissionais da rede municipal de saúde. Os testes realizados nesta nova fase são do tipo IGG/IGM.

brasil gasto saúde pessoa

Brasil gasta R$ 1.398,53 com saúde pública por habitante

Gasto per capita diário no país com o SUS foi de R$ 3,83 no ano passado, ante R$ 3,79 em 2018

Pesquisa do Conselho Federal de Medicina (CFM) aponta que, em 2019, as esferas federal, estadual e municipal gastaram R$ 1.398,53 em despesas relacionadas à saúde pública por habitante. Em 2018, esse valor foi de R$ 1.382,29. Diariamente, o gasto per capita no país com o SUS foi de R$ 3,83 no ano passado, ante R$ 3,79 em 2018. O levantamento do CFM foi feito em parceria com a ONG Contas Abertas e considerou informações prestadas no Sistema de Informações sobre os Orçamentos Públicos em Saúde (Siops), mantido pelo Ministério da Saúde. 

A legislação brasileira estabelece que estados e o Distrito Federal devem gastar pelo menos 12% de seus orçamentos com Saúde. No caso da União, segundo a Constituição Federal, os gastos mínimos na área devem corresponder a 15% da receita corrente líquida. 

Donizetti Giamberardino, vice-presidente do CFM, afirma que o investimento público em saúde no Brasil está muito abaixo do observado em países ricos. Segundo ele, outro gargalo no setor está relacionado à má qualidade no atendimento na atenção primária em municípios pequenos, o que faz com que hospitais de cidades maiores fiquem sobrecarregados. 

“Se nós tivéssemos uma atenção primária eficiente, essas pessoas não precisariam se dirigir aos centros de saúde especializados, em busca de leitos hospitalares com a frequência que ocorre no Brasil.”

Mundo

Comparado a outras nações que possuem sistema público de saúde, os gastos na área por pessoa no Brasil são bastante inferiores. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2017, foram gastos US$ 389 por pessoa no país. No Canadá, esse valor foi de US$ 3.505; na França os gastos chegaram a US$ 3.376. No ranking, o Brasil perde até mesmo para a Argentina, onde o Poder Público gastou US$ 959 três anos atrás.

Carla Pintas, professora de Saúde Coletiva na Universidade de Brasília (UnB), afirma que o Governo Federal, estados e União precisam criar mecanismos para inverter o subfinanciamento no SUS. A docente acredita que, com a pandemia da Covid-19, foi demonstrada a importância de estados e municípios em reivindicar mais recursos na área. 

“A pandemia comprovou que novos recursos foram injetados na saúde, para a aquisição de materiais, insumos que, obviamente, aumentaram de forma exponencial, além de repasses para a construção de unidades de saúde e abertura de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI).” 

O CFM também afirma que os investimentos na saúde pública brasileira estão bem abaixo do necessário, especialmente diante do crescimento do desemprego e da crise econômica. Além disso, segundo a entidade, milhões de brasileiros estão abandonando os planos de saúde, por falta de dinheiro, o que gera um aumento na procura do atendimento público. 
 

Fonte: Brasil 61

prefeitura pandemia sao paulo

COVID-19: Prefeituras paulistas investiram mais de R$ 3,5 bi

Levantamento feito pelo TCESP mostra, ainda, que 641 dos 644 municípios tiveram casos confirmados da doença

Dados do Tribunal de Contas do estado de São Paulo (TCESP) mostram que as prefeituras já empregaram mais de R$ 3,5 bilhões em ações de combate à covid-19. No total, 641 municípios paulistas tiveram casos confirmados da doença, o que representa 99,5% do total das 644 administrações jurisdicionadas pelo Tribunal. 

Até setembro, os recursos empenhados pelos municípios aumentaram em relação ao mês anterior. Até o momento, mais de 95% das cidades do estado decretaram situação de calamidade pública. Apenas 28 administrações não encaminharam à Assembleia Legislativa do Estado (Alesp) decretos que reconhecem a situação.

Ainda de acordo com o levantamento do Tribunal de Contas do estado, com base nas informações prestadas pelos municípios, 118 prefeituras suspenderam pagamentos de dívidas devido à situação de calamidade. Além disso, 37 não efetuaram pagamentos devidos no exercício de 2020 decorrentes de operações de crédito interno ou externo. 

A pesquisa completa e a situação dos municípios estão disponíveis no Painel Covid-19, que pode ser acessado dentro do site do tce.sp.gov.br

Fonte: Brasil 61

vacinação ribeirão pires

RP dá sequência à imunização contra pólio e multivacinação

Segue até 30 de outubro a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite (paralisia infantil) e a Campanha Nacional de Multivacinação para a atualização da caderneta de crianças e adolescentes. A ação acontece, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e Unidades de Saúde da Família (USF) da cidade.

Crianças menores de cinco anos são o alvo da campanha contra a poliomielite. A multivacinação atenderá todas as crianças e adolescentes menores de 15 anos. O município teve data especial para o reforço das campanhas, em 17 de outubro, Dia “D” da vacinação. Nesta data, foram imunizadas 1384 crianças de 0 a 4 anos e 405 crianças de 5 a 14 anos.

O objetivo das campanhas é reduzir o risco da reintrodução do polivírus selvagem no país, oportunizar o acesso às vacinas, atualizar a situação vacinal e aumentar a cobertura de imunização, diminuir a incidência de doenças imunopreveníveis e contribuir para o controle, eliminação ou erradicação de doença.

A Secretaria de Saúde de Ribeirão Pires adota todos os cuidados sanitários e de segurança contra o coronavírus nas unidades municipais.  

Vacinação contra o sarampo – A vacinação acontece até 30 de outubro dentro da seguinte estratégia:

– Vacinação intensificada para população de 6 meses a 29 anos, de acordo com a avaliação da situação vacinal e vacinação conforme o calendário vacinal vigente;

– Vacinação indiscriminada (independente da situação vacinal) na faixa etária de 30 a 49 anos, em consonância com o Ministério da Saúde.

Pontos de Vacinação – segunda a sexta-feira (exceto feriados), das 8h às 17h:

UBS CENTRAL

Rua Dr. Virgílio Gola, 24 – Centro

UBS CENTRO ALTO

Rua Aurora, 61 – Centro Alto

USF GUANABARA

Rua Fermino G. Pereira, 398 – Vila Gomes

USF JD. LUSO

Rua Julio Prestes, 22 – Jardim Luso

USF JD. VALENTINA

Rua Francisco Tometich, 905 – Jardim Valentina

USF JD. CAÇULA

Rua Fagundes Varela, 08 – Jardim Caçula

USF OURO FINO

Rodovia Índio Tibiriçá s/n, ao lado 2753 – Centro – Ouro Fino Paulista

USF QUARTA DIVISÃO

Estrada da Sondália, 520 – Quarta Divisão

UBS SANTA LUZIA

Rua Prof. Antonio Nunes, 551- Santa Luzia

USF VILA SUELI

Rua Antonio Zampol, 221 – Vila Sueli

RP flexibiliza atividades e mantém controle contra covid-19

A Prefeitura de Ribeirão Pires publicou nesta quinta-feira, dia 15, o decreto municipal Nº 7.070/2020, que atualiza protocolos sanitários e de segurança para estabelecimentos da cidade na Fase Verde do Plano São Paulo, seguindo as diretrizes do governo estadual. Na terça-feira, dia 13, os protocolos para academias esportivas também foram atualizados por meio do Decreto Municipal Nº 7.068/2020.

Com o avanço para a Fase Verde do Plano São Paulo, que permite maior flexibilização de atividades no município, fica permitida a ampliação dos horários de funcionamento de estabelecimentos para 12 horas diárias, podendo ser este período fracionado ou continuo, desde que a soma não ultrapasse o horário permitido, sendo:

– Bares, restaurantes e simulares – Início a partir das 6h e encerramento antes das 23h. Limite de 60% de ocupação da capacidade dos estabelecimentos. 12 horas por dia, no máximo.

– Academias esportivas – Limite de 60% de ocupação da capacidade. Encerramento das atividades antes das 23h. 12 horas por dia, no máximo.

– Templos e cultos religiosos – Início a partir das 7h e encerramento antes das 21h. Duração de no máximo 1h30 em cada culto, celebração ou ritual, com intervalo mínimo de 2 horas entre cada. Limite de 60% de ocupação da capacidade.

– Comércios de rua; escritórios de prestação de serviços; imobiliárias; concessionárias e revendedoras de veículos; shoppings, mini shoppings e galerias comerciais; salões de beleza e barbearia – Limite de 60% de ocupação da capacidade total. 12 horas por dia, no máximo.

– Feiras-livres – Na Fase Verde, liberação de consumo de alimentos no local, com disponibilização de mesas e cadeiras para alimentação.

– Eventos Sociais – Fica permitida a realização de eventos sociais em estabelecimentos privados. Encerramento das atividades antes das 23h. Limite de 60% da capacidade do local, não podendo ultrapassar 100 pessoas. 12 horas por dia, no máximo.

A Fase Verde do Plano São Paulo permitiu flexibilização com ampliação da capacidade de atendimento e horário de funcionamento. Entretanto, seguem vigentes as demais normas e protocolos sanitários e de segurança para a prevenção da covid-19, a exemplo do uso obrigatório de máscara de proteção; disponibilização de álcool gel nas entradas dos estabelecimentos; distanciamento social entre as pessoas nos ambientes internos; rigoroso controle da limpeza e da ventilação dos locais; aferição da temperatura corporal das pessoas antes de ingressar nos estabelecimentos; entre outras medidas específicas para cada tipo de atividade.

Cidades do ABC são liberadas para abrir cinemas e teatros

Com redução no número de ocupação de leitos por conta da Covid-19, mas ainda com cerca de 500 mortes por semana, a Grande São Paulo avançou para a fase verde do Plano São Paulo. 

Com a medida, todas as 39 cidades podem dar início a reabertura de teatros e cinemas e a ocupação dos estabelecimentos é de 60%. O anúncio foi feito pelo Governo do Estado nesta sexta-feira (9) e vale até 16 de novembro. A gestão, contudo, enfatizou que ainda é preciso ter atenção e cuidados como o uso de máscaras é fundamental. 

Com a medida, municípios como Guarulhos, Mogi das Cruzes, Osasco, São Bernardo do Campo e a capital podem iniciar a reabertura de atividades culturais, como teatros e cinemas. Jogos de futebol seguem sem público. 

Apesar de apenas agora haver essa flexibilização maior, em diversas regiões já é possível ver aglomerações e a ideia de que não há mais quarentena.

Na terça-feira (6), a região metropolitana completou 21,7 mil mortes por conta da Covid-19, segundo página da Agência Mural. 

Uma outra medida foi a reunificação da região metropolitana na forma de analisar o avanço de novas contaminações pelo novo coronavírus. Desde o começo do plano, houve discussão sobre medidas que valiam para algumas cidades e que não valiam para outras. 

O problema começou quando só São Paulo foi retirado da conta geral, com o início da reabertura antes das demais. Com isso, houve cidades em que comércios podiam ser abertos de um lado da rua, enquanto do outro deveriam seguir fechados. 

Após reclamação dos prefeitos, o governo do estado passou a levar em conta a divisão da Grande São Paulo, nas regiões oeste (cidades ao redor de Osasco), sudeste (o ABC paulista), norte (Franco da Rocha), sudoeste (Taboão da Serra) e leste (Guarulhos e Mogi das Cruzes). 

Agora a gestão voltou a unificar a região metropolitana. A Grande São Paulo tem 42% dos leitos ocupados. A capital tem o maior índice, 45%, seguido da região leste com 42% de ocupação. 

“Existe uma distorção na cidade de São Paulo que precisa ser corrigida. A cidade de São Paulo é uma referência médica da América Latina e que concentra o maior número de pacientes graves”, afirma José Medina, Coordenador do Centro de Contingência.

Fonte: Agência Mural

plano sao paulo abc

Grande ABC avança para fase 4 do Plano São Paulo

O Governo do Estado de São Paulo reclassificou, nesta sexta-feira (9/10), o Grande ABC no Plano São Paulo, que trata da reabertura gradual da economia.
Com a reclassificação, o Grande ABC passa da fase 3 – amarela (de flexibilização) para a fase 4 – verde (de abertura parcial), com menores restrições.

O resultado é fruto da união e do trabalho conjunto realizado pelas prefeituras de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra, que desenvolveram ações integradas e exitosas para o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus, tendo como um dos resultados a redução da taxa de ocupação dos leitos reservados para a doença na região.

O Consórcio Intermunicipal Grande ABC, representado pelas sete prefeituras do Grande ABC, vai discutir regionalmente a reclassificação no Plano São Paulo em assembleia ordinária do colegiado, marcada para a próxima sexta-feira (16/10).

As prefeituras do Grande ABC reiteram que a população deve continuar colaborando com o isolamento social e seguindo os protocolos de higiene, com o objetivo de manter a atual classificação da região e, assim, evitar uma nova onda de contaminação pelo novo coronavírus.

SP atinge 1 milhão de casos acumulados de covid-19

Desse total, 865.135 pessoas estão recuperadas

O estado de São Paulo atingiu um milhão de infectados pelo novo coronavírus desde o início da pandemia, neste sábado (3). Ao todo, o estado acumula 1.003.429 de casos confirmados de covid-19. Desses, 865.135 pessoas estão recuperadas, das quais 109.606 foram internadas e tiveram alta hospitalar. O total de mortes chegou a 36.136 pessoas. Os óbitos continuam concentrados em pacientes com 60 anos ou mais, totalizando 76,4% das mortes.

As taxas de ocupação dos leitos de unidades de Terapia Intensiva (UTIs) são de 42,4% na Grande São Paulo e 43,7% no estado. O número de pacientes internados no momento é de 8.721, sendo 4.974 em enfermarias e 3.747 em unidades de terapia intensiva, conforme dados das 11h deste sábado.

Com uma taxa de ocupação de leitos de UTI voltados para o tratamento de casos do novo coronavírus abaixo de 50% em todo o estado, o governo decidiu redirecionar parte desses leitos para o tratamento de outras doenças graves ou para cirurgias eletivas. O anúncio foi feito na última quarta-feira (30) pelo governador de São Paulo, João Doria.

Hoje, os 645 municípios têm pelo menos uma pessoa infectada, sendo 575 com um ou mais mortes. A relação de casos e óbitos confirmados por cidade pode ser consultada no site do governo estadual.

Histórico

Há pouco mais de sete meses, em 26 de fevereiro, o estado de São Paulo registrava o primeiro caso confirmado de covid-19 no país, um brasileiro que havia chegado da Itália. Este foi também o primeiro caso confirmado no país. No mesmo dia, o governo do estado criava o Centro de Contingência do Coronavírus – que, desde então, é o órgão responsável pela divulgação de dados e políticas públicas relacionadas à doença. 

Em 17 de março, o estado confirmou a primeira morte no país em decorrência do novo coronavírus, que também foi a primeira do país.

Poucos dias antes, em 13 de março, o governo paulista já havia decidido que as aulas da rede pública de ensino do estado e da prefeitura de São Paulo também fossem suspensas, gradativamente, a partir da segunda-feira seguinte, em 16 de março, fechando totalmente até o dia 23 de maço. A decisão foi tomada após a comprovação de que já havia em São Paulo a transmissão comunitária do novo coronavírus.

Aulas na capital

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, autorizou a retomada das aulas presenciais do ensino superior na cidade a partir do dia 7 de outubro. Na data também poderão ser retomadas as atividades extracurriculares das escolas públicas e particulares. Covas disse que a decisão foi tomada após avaliação da disseminação da doença na capital paulista, que está sendo acompanhado por pesquisas com testagem da população.

A volta às aulas nas faculdades e universidades deverá seguir as normas que foram estabelecidas no plano de flexibilização gradual da quarentena do governo estadual. A volta às aulas das escolas públicas e particulares ainda não tem data definida.

Os resultados do inquérito sorológico – que testou 6 mil alunos – mostraram que, na média, 16,5% dos 1,5 milhão de estudantes matriculados em escolas das redes pública e privada na cidade já tiveram covid-19, aproximadamente 244,2 mil jovens. O número de jovens que não tiveram sintomas da doença, apesar de terem desenvolvido anticorpos contra o vírus, ficou em 70,3% entre os estudantes da rede privada de ensino. Para os estudantes da rede estadual, o percentual cai para 64,1%, e 66,4% na rede municipal.

Vacina

Coletiva da Área do Governo e Área da Saúde.Coletiva da Área do Governo e Área da Saúde.Local: São Paulo/SPData: 23/09/2020Foto: Governo do Estado de São Paulo
Governador Dória e representantes do laboratório Sinovac – Governo do Estado de São Paulo

Uma das vacinas com testes em andamento no Brasil atualmente, é fruto de parceria firmada entre o Instituto Butantan – do governo estadual – e o laboratório chinês Sinovac Biotech. A vacina, chamada de CoronaVac, está em fase adiantada de testes. O anúncio da potencial produção da vacina pelo governo de São Paulo ocorreu em 11 de junho.

A vacina já está na terceira etapa, chamada clínica, de testagem em humanos e está ocorrendo no Brasil desde julho, com 13 mil voluntários da área da saúde. Caso os testes comprovem a eficácia da vacina, ela precisará de uma aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) antes de ser disponibilizada para vacinação no Brasil.

A expectativa do governo paulista é de que a vacinação seja iniciada no dia 15 de dezembro deste ano. Os primeiros a serem vacinados serão os profissionais da área de saúde. Na última quarta-feira (30), Doria e o vice-presidente da laboratório chinês Sinovac, Weining Meng, assinaram um contrato que prevê o fornecimento de 46 milhões de doses da CoronaVac para o governo paulista até dezembro deste ano.

O contrato também prevê a transferência tecnológica da vacina da Sinovac para o Instituto Butantan, o que significa que, o instituto brasileiro poderá começar a fabricar doses dessa vacina contra o novo coronavírus.

Fonte: Agência Brasil

InfoGripe mostra tendência

InfoGripe mostra tendência de aumento da covid-19 em capitais

Rio de Janeiro, Recife e Manaus têm tendência de alta a longa prazo

O boletim InfoGripe, divulgado hoje (2) pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), aponta que há uma tendência de aumento a longo prazo no número de internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no Rio de Janeiro, no Recife e em Manaus. Segundo a Fiocruz, este ano 97,6% dos casos e 99,3% dos óbitos reportados que tiveram comprovação laboratorial para a causa da internação deram positivo para o vírus Sars-CoV-2, causador da covid-19.

Na Semana Epidemiológica (SE) 39, entre 20 e 26 de setembro, a análise mostra que em Manaus ocorreu um leve sinal de queda em curto prazo. Segundo o pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe, a tendência de longo prazo avalia o períodos de seis semanas seguidas e a de curto prazo analisa três semanas.

De acordo com ele, o Brasil permanece na zona de risco muito alto para a SRAG, com ocorrências semanais bastante elevadas em todas as regiões do país. Por outro lado, o registro de óbitos e de casos notificados por covid-19 nacionalmente estão em queda. Porém, o pesquisador alerta que a situação é muito diversa de acordo com o estado do país.

“Aracaju, Fortaleza e Manaus já haviam apresentado sinal de crescimento no último boletim. No entanto, Manaus, que mostrou tal registro nas últimas seis semanas em relação à tendência de longo prazo, na última semana apresenta tendência de queda no curto prazo. Mesmo com sinal de estabilização na última semana, Recife e Rio de Janeiro apresentaram tendência de crescimento no longo prazo”.

Os dados indicam sinal forte de crescimento no longo prazo em Florianópolis, sendo moderado no curto prazo. Para Aracaju, Fortaleza, Macapá e Manaus o sinal é de crescimento no longo prazo. A tendência é de queda no longo prazo em Porto Velho, Palmas, Goiás, Campo Grande, Natal, Vitória, São Paulo, Curitiba e Porto Alegre. No Distrito Federal, a tendência é de estabilização no curto prazo e queda em seis semanas.

Gomes chama a atenção para as novas medidas de flexibilização anunciadas no Rio de Janeiro que podem intensifica o crescimento observado nas últimas semanas.

Este ano, o Sistema Infogripe registrou 473.222 casos de internação por SRAG, com 54,6% do total apresentando resultado laboratorial positivo para algum vírus respiratório até o término da Semana Epidemiológica 39. Os casos positivos indicaram 0,5% de Influenza A, 0,2% de Influenza B, 0,4% acusaram vírus sincicial respiratório (VSR) e 97,6% foram causados por Sars-CoV-2 (Covid-19).

Fonte: Agência Brasil

SP registra 35,9 mil óbitos e 997,3 mil casos de coronavírus

857,3 mil pessoas já estão recuperadas da COVID-19; taxas de ocupação de UTIs são de 42,6% na Grande São Paulo e 44% no Estado

O Estado de São Paulo registra nesta sexta-feira (2) 35.956 óbitos e 997.333 casos confirmados do novo coronavírus. Entre o total de casos diagnosticados de COVID-19, 857.393 pessoas estão recuperadas, sendo que 109.051 foram internadas e tiveram alta hospitalar.

As taxas de ocupação dos leitos de UTI são de 42,6% na Grande São Paulo e 44% no Estado. O número de pacientes internados é de 8.314, sendo 4.704 em enfermaria e 3.610 em unidades de terapia intensiva, conforme dados das 10h desta sexta.

Hoje, os 645 municípios têm pelo menos uma pessoa infectada, sendo 574 com um ou mais óbitos. A relação de casos e óbitos confirmados por cidade pode ser consultada em: www.saopaulo.sp.gov.br/coronavirus.

Perfil da mortalidade

Entre as vítimas fatais estão 20.754 homens e 15.202 mulheres. Os óbitos continuam concentrados em pacientes com 60 anos ou mais, totalizando 76,3% das mortes.

Observando faixas etárias, nota-se que a mortalidade é maior entre 70 e 79 anos (9.210), seguida pelas faixas de 60 a 69 anos (8.442) e 80 e 89 anos (7.359). Entre as demais faixas estão os: menores de 10 anos (41), 10 a 19 anos (66), 20 a 29 anos (302), 30 a 39 anos (1.018), 40 a 49 anos (2.368), 50 a 59 anos (4.747) e maiores de 90 anos (2.403).

Os principais fatores de risco associados à mortalidade são cardiopatia (59,6% dos óbitos), diabetes mellitus (43,2%), doenças neurológicas (10,9%) e renal (9,6%), pneumopatia (8,3%). Outros fatores identificados são obesidade (7,9%), imunodepressão (5,6%), asma (3%), doenças hepáticas (2,1%) e hematológica (1,8%), Síndrome de Down (0,5%), puerpério (0,1%) e gestação (0,1%). Esses fatores de risco foram identificados em 28.850 pessoas que faleceram por COVID-19 (80,2%).

Perfil dos casos

Entre as pessoas que já tiveram confirmação para o novo coronavírus estão 464.967 homens e 526.248 mulheres. Não consta informação de sexo para 6.118 casos.

A faixa etária que mais concentra casos é a de 30 a 39 anos (235.443), seguida pela faixa de 40 a 49 (206.401). As demais faixas são: menores de 10 anos (24.603), 10 a 19 (47.077), 20 a 29 (167.824), 50 a 59 (149.996), 60 a 69 (90.843), 70 a 79 (46.223), 80 a 89 (22.032) e maiores de 90 (6.365). Não consta faixa etária para outros 526 casos.

Boletim Coronavírus – Ribeirão Pires – 02/10

Ribeirão Pires recebeu nesta sexta-feira (02/10) 15 resultados positivos de COVID-19, totalizando 1.149 casos confirmados da doença entre moradores. Outros 15 resultados negativos foram recebidos, totalizando 2.547 casos descartados. Há 137 suspeitas em análise de laboratório, incluindo 3 óbitos. O município permanece com 81 mortes confirmadas por COVID-19.

Do total de casos positivos, 665 pessoas já se recuperaram – tiveram alta hospitalar e/ou cumpriram a quarentena e não apresentam mais sintomas.

Nesta data (02/10), há 23 pacientes internados na rede municipal da cidade, no Hospital de Campanha, 4 em leito de emergência e 19 em leitos de enfermaria. A ocupação de leitos exclusivos para casos COVID-19 na rede municipal (Hospital de Campanha) é de 56% nesta data.

Há 11 pacientes internados no Hospital Ribeirão Pires, rede particular (unidade se tornou referência para sua rede no atendimento de casos de COVID-19), 9 deles em UTI.

A Prefeitura de Ribeirão Pires ressalta que a atualização de dados sobre casos de COVID-19 no município é feita com base nas notificações realizadas dentro do município e também com informações fornecidas pela Secretaria de Saúde do Governo do Estado de São Paulo.

Fonte: Prefeitura de Ribeirão Pires

Ribeirão Pires: Boletim Coronavírus (01/10)

Ribeirão Pires recebeu nesta quinta-feira (01/10) 9 resultados positivos de COVID-19, totalizando 1.134 casos confirmados da doença entre moradores. Outros 20 resultados negativos foram recebidos, totalizando 2.532 casos descartados. Há 151 suspeitas em análise de laboratório, incluindo 3 óbitos. O município permanece com 81 mortes confirmadas por COVID-19.

Do total de casos positivos, 665 pessoas já se recuperaram – tiveram alta hospitalar e/ou cumpriram a quarentena e não apresentam mais sintomas.

Nesta data (01/10), há 21 pacientes internados na rede municipal da cidade, no Hospital de Campanha, 4 em leito de emergência e 17 em leitos de enfermaria. A ocupação de leitos exclusivos para casos COVID-19 na rede municipal (Hospital de Campanha) é de 51% nesta data.

Há 9 pacientes internados no Hospital Ribeirão Pires, rede particular (unidade se tornou referência para sua rede no atendimento de casos de COVID-19), 6 deles em UTI.

A Prefeitura de Ribeirão Pires ressalta que a atualização de dados sobre casos de COVID-19 no município é feita com base nas notificações realizadas dentro do município e também com informações fornecidas pela Secretaria de Saúde do Governo do Estado de São Paulo.

Santo André: Boletim Coronavírus 29/09/2020

A Prefeitura de Santo André, por meio da Secretaria de Saúde, atualiza os números do novo coronavírus na cidade:   

17.859 casosconfirmados, entre eles 576 óbitos 
5.218 
casos suspeitos       
38.641 
casos descartados  
232
 pessoas internadas atualmente em hospitais (públicos e privados) com suspeita ou confirmação de Covid-19
5.949 altas médicas desde o início da pandemia

Fonte: Prefeitura de Santo André

Boletim Coronavírus – Ribeirão Pires – 28/09

Ribeirão Pires recebeu nesta segunda-feira (28/09) 1 resultado positivo de COVID-19, totalizando 1.120 casos confirmados da doença entre moradores. Outros 8 resultados negativos foram recebidos, totalizando 2.475 casos descartados. Há 146 suspeitas em análise de laboratório, incluindo 3 óbitos. O município permanece com 81 mortes confirmadas por COVID-19.

Do total de casos positivos, 665 pessoas já se recuperaram – tiveram alta hospitalar e/ou cumpriram a quarentena e não apresentam mais sintomas.

Nesta data (28/09), há 12 pacientes internados na rede municipal da cidade, no Hospital de Campanha, todos em leitos de enfermaria. A ocupação de leitos exclusivos para casos COVID-19 na rede municipal (Hospital de Campanha) é de 29% nesta data.

Há 11 pacientes internados no Hospital Ribeirão Pires, rede particular (unidade se tornou referência para sua rede no atendimento de casos de COVID-19), 7 deles em UTI.

A Prefeitura de Ribeirão Pires ressalta que a atualização de dados sobre casos de COVID-19 no município é feita com base nas notificações realizadas dentro do município e também com informações fornecidas pela Secretaria de Saúde do Governo do Estado de São Paulo.

Fonte: Prefeitura de Ribeirão Pires